Homem é detido ao tentar tirar visto dos EUA com documentos falsos

Sem Comentários

03/03/2016

Agentes da Delegacia de Repressão aos Crimes Patrimoniais (Depatri) detiveram, na última terça-feira (1º), um homem natural do estado de Santa Catarina, que tentava obter um visto no Consulado dos Estados Unidos no Recife. Conforme a polícia, ele apresentou documentos falsos no momento da entrevista e a fraude foi descoberta por agentes consulares americanos. O consulado contatou representantes do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) e da Polícia Civil, que o conduziram à delegacia onde foi autuado em flagrante por uso de documentos falsos. Segundo o delegado de Repressão aos Crimes Patrimoniais, o catarinense apresentou vínculo empregatício inexistente. “No momento da entrevista, ele estava apresentando documentos falsos, inclusive um vínculo empregatício que ele não possuía, como se fosse funcionário público da prefeitura de Araranguá, em Santa Catarina, além de uma declaração falsa de imposto de renda. O delegado acrescentou que casos semelhantes já haviam sido registrados. “Nós tivemos situações semelhantes em 2013 e 2014. Pessoas que estão tentando conseguir um visto aqui no Recife. São pessoas que residem no Sul e, ao invés de procurar o consulado em São Paulo e no Rio de Janeiro, que são mais próximos, vêm para o Recife, como se aqui fosse mais fácil conseguir esse documento”, salientou. O delegado comentou, ainda, que uma outra pessoa, ainda não identificada, recebeu R$ 3,4 mil para viabilizar a fraude. “Ele recorreu a uma pessoa, que se encarregou de conseguir os documentos para ele. Esses ‘coiotes modernos’,  no entanto, não explicam os riscos. A pessoa pensa que se o visto for negado, ela não sofre nenhuma sanção e não é isso que acontece”, encerrou. A expressão ‘coiote’ é normalmente utilizada para identificar os atravessadores que viabilizam a entrada de imigrantes ilegais em território norte-americano através da fronteira entre México e Estados Unidos. O acusado passou por uma audiência de custódia e uma fiança, de valor não informado, foi arbitrada. O homem pagou o valor determinado pela Justiça e irá responder o processo em liberdade.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Comentários

*