PF faz operação contra falsários que se passavam por delegados para aplicar golpes

Sem Comentários

03/10/2017

Foi realizada, na manhã desta terça-feira (03), pela Polícia Federal em conjunto com o Ministério Público Federal (MPF), a segunda fase da Operação “Impostura”, que investiga a aplicação de golpes por falsários que se apresentavam como delegados da Polícia Federal. Foram cumpridos um mandado de condução coercitiva e um de busca e apreensão. H.Bitencourt, H.Lacerda, A.Cury e G.A.Hoffmann são alguns dos pseudônimos usados pelos criminosos que também se passavam por auditores fiscais e procuradores da República. Segundo a PF, a fraude rendeu ao grupo mais de R$ 1 milhão em contribuições para falsas revistas. A investigação iniciada em 2015, já havia comprovado o “recebimento de vantagens indevidas por pessoas que se passavam por auditores da Receita Federal, a fim de obterem patrocínios de empresários para suposta publicação de revista ligada ao órgão”. O principal articulador do esquema, à época, foi preso, processado e condenado a 8 anos de prisão. Apesar da prisão, o grupo criminoso se reestruturou e permaneceu aplicando o mesmo tipo de golpe: solicitação de valores para publicação de revistas vinculadas à Receita Federal, MPF e Polícia Federal. Ainda segundo a PF, alguns empresários, vítimas do golpe, confirmaram ter recebido diversas e insistentes ligações telefônicas de um suposto delegado federal para que contribuíssem com a revista denominada “O Federal em Atividade”. Além das ligações telefônicas, os criminosos encaminhavam e-mail com pedidos de contribuições diretamente aos empresários para participação em projetos e patrocínio em anúncios. Os investigados tiveram todos os bens bloqueados e responderão pelos crimes de estelionato, falsa identidade e uso indevido de sinal público.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Homens tentam retirar motocicleta do Detran com documentos falsos

Sem Comentários

04/08/2017

A polícia prendeu dois homens após os mesmos tentarem retirar uma motocicleta de 600 cilindradas do depósito do Departamento de Trânsito (Detran), localizado na Asa Norte, utilizando documentação falsa. Durante os procedimentos de liberação do veículo apreendido, um servidor do órgão desconfiou das procurações apresentadas e, ao fazer uma consulta telefônica nos cartórios, descobriu que se tratava de documentos falsos. A 2ª Delegacia de Polícia (Asa Norte) foi acionada e realizou a prisão dos dois homens. Ambos responderão pelos crimes de estelionato, uso de documento falso e falsificação de sinal público. De acordo com o Detran, esse é o oitavo caso de prisão de indivíduos que tentaram retirar veículos dos depósitos do órgão somente neste ano. O principal alvo é veículos e motocicletas de alto valor de mercado. O Detran informou que todas as procurações apresentadas são rigorosamente analisadas durante o atendimento aos usuários e obrigatoriamente é feito contato com os cartórios envolvidos para a conferência dos dados lançados na documentação. Além disso, há contato constante com a Polícia Civil para evitar que tal prática se transforme em prejuízo a terceiros.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Metrópoles

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Falso agente penitenciário é preso com registro forjado de arma no DF

Sem Comentários

20/02/2016

Um homem que tentava se passar por agente penitenciário foi preso em flagrante na noite desta sexta-feira (20) em Samambaia, no Distrito Federal. Conforme a Polícia Militar, ele chegou a apresentar credenciais falsas e um registro de arma de fogo, que também tinha sido forjado. Um amigo que estava tomando conta do material também foi detido. O crime foi identificado por volta de 20h30 quando um dos homens, de 34 anos, foi abordado pela PM na QR 502 em Samambaia. Ele estava com uma pistola falsa e afirmou à polícia que trabalhava como segurança em uma panificadora da região. Segundo ele, a arma tinha sido “emprestada por um amigo”. O amigo foi chamado por telefone e compareceu ao local com o registro falso. Aos policiais, o homem de 30 anos disse que era agente penitenciário em Goiás e apresentou a carteira funcional, que também era falsa. Com ele, a PM também encontrou algemas, colete à prova de balas, uma arma de choque, facas e canivetes, além de uma pistola real .308 com munição. O material estava no carro que também era “vigiado” pelo amigo. A dupla foi encaminhada à 21ª Delegacia de Polícia (Samambaia), que apura o caso. O dono dos itens falsos foi autuado por porte ilegal de arma, uso de documento falso e uso indevido de sinal, e recolhido à carceragem da Polícia Civil. O amigo vai responder por porte ilegal de arma, mas pagou fiança e aguarda julgamento em liberdade.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.