Detran alerta população sobre sites que estão emitindo boletos falsos

Sem Comentários

25/07/2017

Um alerta foi emitido pelo Detran-GO para um site falso que vem emitindo falsos boletos de pagamento que direcionam o valor pago a uma conta de terceiros. De acordo com a autarquia, a Polícia Civil já foi acionada para identificar os responsáveis e puni-los, mas é preciso que a população fique atenta ao solicitar boletos para pagar seus débitos. Isto porque a página, que usava o domínio www.detranweb.com, que não pertence ao Detran e é de fora do Brasil, foi bloqueada, mas pode ser reativada com outros IPs. Também foi identificado o domínio falso www.detranonline.com. O site verdadeiro do Detran é o www.detran.go.gov.br e boletos emitidos em qualquer outro endereço não são de responsabilidade do departamento. Ainda segundo o Detran, o golpe vem fazendo vítimas principalmente porque, ao pesquisar “Detran-GO, IPVA ou Licenciamento”, esses sites falsos são os primeiros resultados a aparecer. Ao acessar o endereço, o contribuinte segue passos semelhantes aos que faria no Detran e, por isso, nem sempre confere os dados do boleto. Importante ressaltar que apenas dois tipos de documentos são emitidos pelo Detran-GO: o Documento Único de Cobrança (DUA) e o Boleto, que é entregue na residência do proprietário ou pode ser retirado em uma unidade Vapt Vupt e no site.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Jornal Opção

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Empresário denuncia golpe de falso empréstimo e diz que perdeu quase R$ 7 mil, em Goiânia

Sem Comentários

28/06/2017

Um empresário conta que tentou realizar um empréstimo por meio de um site de uma financeira e foi vítima de um golpe, em Goiânia. Ele denunciou à Polícia Civil que perdeu cerca de R$ 7 mil durante a ação, já que os autores pediam pagamentos de diversas taxas durante as negociações, sem liberar o dinheiro. “[Pedi primeiro R$ 100 mil] Eles disseram que viram meu Imposto de Renda e que, como eu tinha vários bens, seria liberado um valor maior. Pensei que era tudo legal e aceitei, eram R$ 5 milhões em 180 pagamentos com prazo maior. Nisso eles foram cobrando várias taxas. Por último, para cancelar [o empréstimo] eu deveria fazer outro pagamento ou, para liberar o empréstimo, pagar mais R$ 7 mil”, explicou em entrevista. Indignado, o empresário destaca que manteve contato com os responsáveis pelo site por meio de mensagens e acreditou que estivesse em contato com uma empresa legítima. “Eu achei que seria a solução do problema, mas depois fui ver que era um golpe. Eles me fizeram realizar vários depósitos, mas demonstram ser pessoas de boa índole”, comentou.

Investigação

A delegada responsável pelo caso, explica que a Polícia Civil identificou que um site falso usava o nome de uma empresa idônea para aplicar os golpes. Segundo ela, há registro de outra vítima no nordeste do país que teria caído no mesmo golpe. “Por ser um site, eles acabam atuando em todo o país. As contas que receberam as taxas das vítimas são de São Paulo, então vamos remeter as informações para a Polícia Civil de lá que deve assumir a investigação”, explicou. A delegada alerta para que consumidores sempre tomem cuidado ao tentar fazer algum empréstimo e desconfiem de grandes facilidades. “É importante observar, por exemplo, se a instituição faz alguma checagem para saber se a pessoa é negativada. Se não fizerem, desconfie. Ao oferecer empréstimo, também não é normal cobrarem do cliente pagamentos antecipados. É preciso ficar atento”, afirmou.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Golpe na internet causa prejuízo de R$ 250 mil a empresa em Jaboticabal

1 Comentário

09/02/2017

Um golpe está sendo investigado pela Polícia Civil de Jaboticabal (SP), que lesou uma empresa do ramo de medicamentos veterinários em R$ 250 mil. Conforme um representante, uma mulher se passou por funcionária da instituição bancária com a qual a firma mantém uma conta e usou um site falso para obter os dados. Segundo o representante da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), a mulher entrou em contato com a empresa por telefone. “Ela foi pedindo dados e eles foram passando de acordo com as solicitações.” A falsa funcionária alegou que os computadores da firma precisavam ser cadastrados no site do banco. Ela passou um endereço na internet e pediu que fossem feitas atualizações de cadastro. O procedimento foi atendido pelo departamento e, após terminar a operação, movimentações financeiras não autorizadas começaram a surgir no extrato. “Depois de alguns minutos foram fazer uma pesquisa na conta e constataram que tinham sido feitas transferências”, diz o delegado. No boletim de ocorrência registrado pela empresa constam seis transferências bancárias nos valores de R$ 15 mil, R$ 30 mil, R$ 35 mil, R$ 39,8 mil, R$ 39,9 mil, e uma última, de R$ 95 mil. As operações somam R$ 254,7 mil. O representante da empresa informou à polícia que entrou em contato com o banco, que confirmou se tratar de um golpe. A instituição afirmou que será uma feita uma investigação interna para localizar os titulares das contas para as quais o dinheiro foi transferido. A falsa funcionária ainda não foi identificada pela polícia.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

‘Golpe das compras’: Sites que furtam dados de cartões de crédito geram alerta do Procon

Sem Comentários

27/09/2016

Nessa segunda-feira (26), um comunicado foi divulgado pelo Programa Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-MG), do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), para alertar consumidores sobre sites falsos de compras. Nos últimos meses, têm sido noticiados na internet casos de consumidores vítimas de clones de famosos domínios de comércio virtual. Segundo o Procon, nos golpes, estelionatários criam um site idêntico a uma loja virtual bem conhecida, ofertando produtos por um preço bem abaixo da média praticada pelo mercado. Depois, divulgam links dessas ofertas por e-mails, em redes sociais ou por aplicativos de mensagens. Muitos consumidores, ao se depararem com tais ofertas, não percebem que se trata de golpe e dão sequência ao suposto processo de compra, fornecendo dados de seu cartão de crédito ou pagando boletos. Diante disso, o Procon-MG orienta que, por se tratar de um crime contra o consumidor, as pessoas que já foram vítimas desse golpe registrem boletim de ocorrência na Delegacia do Consumidor ou na delegacia mais próxima.

Para evitar que outros consumidores sejam enganados por golpes como esse, o Procon-MG reuniu ainda dá algumas dicas para que as compras online sejam feitas com mais segurança.

1. Mantenha seu computador, smartphone ou outro dispositivo de acesso à internet com sistema de antivírus atualizado;

2. Evite a utilização de computadores, smartphones ou outro dispositivo de acesso à internet de outras pessoas;

3.  Evite a utilização de redes de conexão wi-fi públicas ou de estabelecimentos comerciais para acessar a internet pelo seu dispositivo. Se necessária a utilização dessas redes, jamais faça compra ou acesse serviços bancário por meio delas;

4. Tenha extremo cuidado se receber um e-mail de banco, pois, em geral, são iscas para golpes. Jamais responda tais mensagens! Se ficou na dúvida sobre a veracidade da mensagem, faça contato com seu banco. E, se for fazer contato telefônico, certifique-se que o número de telefone para o qual ligará realmente é o da instituição financeira;

5. Não compre por impulso, pois, muitas vezes, uma análise atenta da oferta enganosa ou do site clonado permitirá ao consumidor identificar o golpe;

6. Desconfie de ofertas de produtos ou serviços por preços muito abaixo do mercado. Esse é, talvez, o maior chamariz para golpes virtuais;

7. Pesquise experiências que outros consumidores tiveram com a loja virtual. Vários sites oferecem essas informações.

8. Veja se o fornecedor apresenta, no site, o CNPJ, endereço, telefone fixo, e-mail. Quanto mais formas de fazer contato, mais facilidade você terá em caso de problemas. Nunca compre em um site que divulga somente um telefone celular como contato;

9. Confira a política de privacidade do site, bem como a política de troca e devoluções;

10. Se o site pedir dados como nome de familiares e lugar de nascimento, desconfie. Só insira dados necessários para a compra;

11. Antes de finalizar sua compra, confira se o endereço eletrônico é iniciado por “https” e se o site exibe, na barra do navegador, o desenho de um cadeado colorido e fechado (em alguns sites, o desenho do cadeado aparece somente quando o consumidor insere o nome do usuário e respectiva senha);

12. Duvide se a única forma de pagamento possível for depósito em conta corrente ou poupança de pessoa física;

13. Se o pagamento escolhido for boleto bancário, antes do pagar verifique se o boleto está no nome da loja em que a compra foi efetuada;

14. Acompanhe com frequência os movimentos do seu cartão de crédito;

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Bhaz

Fique ligado. Dicas do BrSafe para evitar essa modalidade de fraude.

Polícia prende estelionatário em Peruíbe

Sem Comentários

26/05/2016

Policiais da Delegacia de Peruíbe (SP) fizeram um trabalho de investigação que colocou atrás das grades um web designer, de 35 anos, apontado como o autor de uma série de estelionatos cometidos recentemente da cidade. O homem foi capturado durante uma ação de repreensão ao tráfico de drogas no bairro Veneza. O sujeito foi localizado dentro de um Hyundai IX 35, onde os policiais encontraram R$ 1 mil, vários celulares e diversos chips para telefones móveis. Questionado, o web designer revelou que usava os inúmeros aparelhos para aplicar golpes por meio de um site. Ele anunciava a venda de carros inexistentes em um site com valor bem abaixo do mercado. Diante de um interessado, o acusado exigia o pagamento de um sinal para garantir o negócio. Porém, após o pagamento, ele encerrava as conversas e destruía os chips.

Para continuar com as apurações, os policiais foram até a casa do web designer, no Jardim Santa Izabel, onde apreenderam um notebook com diversos anúncios usados para a aplicação dos golpes, outros vários chips telefônicos, cartões de crédito e um caderno com nomes e dados pessoais de possíveis vítimas. Na moradia ainda foi encontrada uma pequena porção de maconha. Levado à delegacia do Município, o homem, que já esteve preso por furto, roubo, receptação e estelionato, foi indiciado e recolhido à cadeia pública de Peruíbe. O carro usado pelo acusado foi apreendido e encaminhado à perícia para a realização de exames que irão apontar a sua real procedência e supostas utilizações em outros crimes.

Ler a notícia na íntegra

Homem é preso suspeito de aplicar golpe da ‘pirâmide financeira’ no TO

Sem Comentários

25/05/2016

Em Araguaína, norte do Tocantins, foi preso um homem suspeito de aplicar um golpe conhecido como”pirâmide financeira”. De acordo com o titular da Delegacia de Investigações Criminais (Deic), ele mantinha um site fictício para enganar as pessoas e se apossar do dinheiro das vítimas. As pessoas entravam no site e se cadastravam. Os golpistas ligavam pedindo dinheiro e prometiam uma devolução com mais de 50% acima do valor investido. “Eles criaram uma falsa estrutura de pirâmide. As pessoas pagariam um valor para receber, após algum tempo, este valor aumentado. Mas a pirâmide tem um produto para comercializar e uma empresa, no caso deles a empresa e o site eram apenas fictícios para angariar mais vítimas”, explicou. U.J.G.C., de 21 anos, foi preso em flagrante por suspeita de estelionato no momento em que tentava sacar R$ 19 mil em uma agência bancária da cidade. Ele disse que sabia que a atividade era ilegal, mas que apenas emprestou a conta para um amigo. “A minha participação foi em ter emprestado minha conta bancária porque ele não tinha. Eu emprestei essa conta para ele utilizar nesta empresa que ele tinha criado”, disse o suspeito. A Deic conseguiu identificar vítimas de outros estados, como Minas Gerais, Bahia, Rio de Janeiro e São Paulo. A polícia estima que pelo menos R$ 30 mil foram adquiridos através do golpe.

Ler a notícia na íntegra

Quatro golpes que estão circulando na internet – e como não cair neles

Sem Comentários

21/09/2015

Um dos meios preferidos dos criminosos virtuais são as redes sociais. Basicamente, há duas razões que explicam o interesse deles em sites como Facebook, Twitter ou Instagram: o gigantesco número de usuários e o fato de essas plataformas aceitarem aplicativos de software aberto. Isso quer dizer que qualquer programador mais ou menos experiente pode escrever um código malicioso com o qual consegue enganar usuários. Os golpes normalmente consistem em oferecer produtos ou serviços que os usuários nunca vão receber. Ao concorrer a supostos prêmios, eles acabam por abrir as portas a vírus ou malwares, compartilhando, assim, informações pessoais. Os hackers então vendem os dados ou obrigam os usuários a assinarem serviços de mensagens denominados “premium”. Assim, eles recebem mensagens com música, jogos, concursos, notícias, campanhas e outros tipos de conteúdo a um custo superior ao de um SMS. Há fraudes de todos os tipos. Abaixo, uma lista com as quatro principais.

1 – Cupons de desconto

Desconfie se um dia lhe oferecerem cupons de desconto de US$ 500 (R$ 2,000) em troca de resposta a questionários. É o que aconselha uma empresa de segurança de internet. Quem está por trás desses golpes normalmente usa como isca o nome de empresas conhecidas, incluindo a criação de páginas inteiramente fictícias para conferir maior veracidade às campanhas. A estratégia costuma ser sempre a mesma: os hackers pedem que o usuário responda a um questionário, depois que o compartilhe, e, por último, solicitam seus dados pessoais para lhes enviar um suposto cupom de desconto. O benefício, entretanto, nunca chega, e o usuário acaba tendo de pagar uma fatura mais elevada de cartão de crédito no final do mês.

2 – Solicitações de ‘phishing’

“Alguém acaba de publicar uma foto sua”, diz uma mensagem que aparece nas notificações do perfil do usuário nas redes sociais. Para ver a imagem em questão, o usuário clica no link, que, em seguida, o leva à página inicial do Twitter ou do Facebook. Ali ele coloca seu nome de usuário e senha. E ao fazer isso, um hacker obtém seus dados pessoais, porque a página de acesso às redes sociais era falsa.

3 – Mensagens de voz no WhatsApp

Outro golpe comum envolve mensagens de voz no WhatsApp. Usuários recebem emails dizendo que um de seus contatos deixou uma mensagem de voz no aplicativo e um convite para acessá-la. Na verdade, trata-se de uma fraude. Ao cair no golpe, o usuário abre as portas para um malware que se instalará em seu equipamento. O próprio WhatsApp adverte que se trata de um golpe. Em sua página na internet, a empresa esclarece que não envia mensagens de texto nem emails, a não ser que o usuário tenha entrado em contato com o suporte técnico anteriormente.

4 – Notificações de envio de remessa

Trata-se de um sistema similar ao da fraude dos cupons de desconto. O usuário recebe uma mensagem em nome de uma empresa de envio de remessas notificando-lhe sobre uma encomenda. Nesse caso, o arquivo em anexo provavelmente contém um código malicioso. Para não cair nesse golpe, especialistas recomendam confirmar o remetente, pois normalmente os dados são falsos e não correspondem aos da empresa de envio de remessas. Quanto ao resto, a empresa de segurança de internet aconselha ter cautela e desconfiar sempre de promoções e de concursos virtuais. Dessa forma, se um dia você se deparar com uma promoção de uma marca conhecida nas redes sociais, especialistas em segurança recomendam checar se a empresa possui perfil oficial no Facebook ou no Twitter. Eles também advertem conferir o URL da página a qual está atrelada a promoção. Se o link estiver cortado ou contiver erros ortográficos, trata-se de uma fraude. Especialistas em segurança na internet aconselham ter cuidado com e-mails sobre o suposto fechamento de contas do Facebook ou do Hotmail; sobre morte de alguma celebridade, sobre pedidos de doação, e sobre qualquer outra solicitação que requer nome de usuário e senha.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior