Polícia Federal combate fraudes previdenciárias no Sul catarinense

Sem Comentários

19/02/2018

Foi deflagrada nesta segunda-feira (19), pela Polícia Federal, a operação Peixe-mosquito, iniciada a partir de uma auditoria interna da Previdência Social, realizada em 2015, que identificou dezenas de pedidos suspeitos de concessão de benefícios previdenciários. Estão sendo cumpridos dois mandados de busca e apreensão, expedidos pela 1ª Vara Federal da Subseção Judiciária de Criciúma, em duas colônias de pescadores, uma em Araranguá/SC e outra em Balneário Gaivota/SC. A finalidade da operação é reprimir fraudes na concessão de benefícios previdenciários, em especial do seguro desemprego do pescador artesanal, também conhecido como “seguro-defeso”, que é uma assistência financeira temporária concedida aos pescadores que, durante o período de defeso, são obrigados a paralisar suas atividades. O crime investigado é o estelionato majorado, previsto no artigo 171, §3º, do Código Penal, cuja pena pode chegar a mais de 06 anos de reclusão. No inquérito policial instaurado em 2015, foram obtidos diversos indícios de utilização de documentos ideologicamente falsos, produzidos por estas colônias, a fim de comprovar atividade pesqueira, muitos sem indícios de contemporaneidade e cujas datas seriam anteriores a  própria constituição das respectivas colônias de pescadores. O nome da operação, Peixe-mosquito, remete à espécie que foi utilizada para erradicação da malária em alguns países no século XX, cujo apetite é extremamente voraz, inversamente proporcional ao seu reduzido tamanho, sendo capaz de devorar grande quantidade de larvas de mosquito rapidamente.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Engeplus

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia Federal desarticula esquema de fraude no seguro defeso no Pará

Sem Comentários

16/03/2017

Uma operação para desarticular um esquema de fraude no seguro defeso foi deflagrada na manhã desta quinta-feira (16) pela Polícia Federal. O seguro defeso é um benefício concedido a pescadores no período em que a pesca é proibida. Ao todo, quatro equipes compostas por 20 policiais federais, cumprem três mandados de prisão preventiva e cinco mandados de busca e apreensão na região sudeste do Pará. Entre os locais de busca, está a Associação de Pescadores da Colônia Z-58 e algumas residências nas cidades de Nova Ipixuna e Itupiranga. Três pessoas que faziam parte do esquema para fraudar e obter parcela do seguro defeso pago para falsos pescadores já foram presas. De acordo com a PF, um dos alvos da operação já havia sido denunciado por outras fraudes e preso por coagir testemunhas do crime durante uma ação judicial, na Justiça Federal. De pescador, o suspeito virou empresário e vereador. Se condenados pelos crimes, os suspeitos podem pegar pena de reclusão de até 15 anos.

Investigações

A atividade de conseguir falsas pessoas dedicadas à pesca se estendia a várias regiões próximas, que ainda estão sob investigação. Segundo os cálculos estimativos do chefe da investigação, o prejuízo aos cofres públicos ao longo de quase dez anos de atividade dos criminosos chega a R$ 10 milhões.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.