Hacker russo é condenado nos EUA por fraude milionária de cartões

Sem Comentários

26/08/2016

Nesta quinta-feira (25), um júri em Seattle decidiu que R.V.S. é culpado das acusações relacionadas aos hackings de sistemas de pontos de venda. O homem foi preso em 2014 depois que autoridades dos EUA o acusaram de instalar um software malicioso em sistemas de pontos de venda em restaurantes do país. Entre 2009 e 2013, o acusado usou esse esquema para roubar dados de cartão de crédito de empresas e enviá-los de volta aos seus servidores na Ucrânia e em McLean, na Virginia. Os dados roubados então eram vendidos no mercado negro, onde ele prometia aos compradores que eles poderiam fazer transações fraudulentas com tais cartões de crédito. Testemunhas no julgamento revelaram que o esquema do sujeito fraudou 169 milhões de dólares de 3.700 instituições financeiras, segundo comunicado do Serviço Secreto dos EUA. No total, ele foi condenado por 38 acusações. Ele receberá sua sentença em dezembro e poderá pegar décadas de prisão e milhões de dólares em multas.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: IDGNow!

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

SMS malicioso atribuído a bancos se espalha em celulares mineiros

Sem Comentários

15/08/2016

Hackers espalham e-mails se passando por bancos para que assim, consigam instalar programas maliciosos ou redirecionar as vítimas para sites falsos onde são digitados dados bancários e pessoais. Contudo, nos últimos dias, moradores de Belo Horizonte (MG) relataram ter recebido textos semelhantes atribuídos a bancos, só que desta vez em mensagens de texto pelo celular. “Sua senha foi bloqueada, para desbloqueá-la, digite no navegador de seu celular o código (…)”, diz o texto recebido por um grande número de pessoas da capital mineira desde o último fim de semana. Na internet, com uma rápida pesquisa é possível localizar reclamações sobre a mesma mensagem maliciosa desde a última sexta-feira (12). “A mensagem manda digitar um código que redireciona para uma página ‘fake’ de um banco. Mensagem falsa, para roubar dados, nem tenho conta no banco”, dizia um dos relatos. “Mensagem hoje cedo dizendo que minha conta havia sido bloqueada. Quase caio pois tenho conta no banco. Graças à uma pesquisa pude constatar que se trata de estelionato”, afirma outro.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: O Tempo

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Cibercriminosos criam golpe da ‘conta de celular atrasada’ no Brasil

Sem Comentários

01/08/2016

Uma empresa de soluções de segurança da informação, identificou uma nova ameaça dos criminosos cibernéticos contra os usuários de computador por meio de mensagem falsa de e-mail de cobrança de uma operadora móvel. Na comunicação, os criminosos apostam em uma possível desatenção do assinante, caso ele esteja realmente em atraso no pagamento das faturas. A mensagem “lembra” os débitos pendentes e ainda oferece desconto no total da dívida, com opção de parcelamento. Tudo isso não existe porque, na verdade, os criminosos querem que o usuário acesse qualquer um dos links apresentados na mensagem para baixar tais faturas falsas, em um PDF contaminado. O diretor da empresa comenta que os criminosos investem nas pessoas que possam estar com as contas em atraso para roubar informações confidenciais. “Se o usuário não prestar atenção ele pode se tornar vítima de um ataque cibernético”, enfatiza o especialista. Ele orienta a não abrir qualquer e-mail de cobrança porque as empresas somente enviam mensagens com boletos de pagamento depois de conversar com o cliente para propor um acordo. Depois da negociação o atendente da empresa que está fazendo a cobrança informa o procedimento correto para receber o boleto de pagamento, geralmente enviado para o e-mail informado pelo cliente, às vezes seguido de um código de acesso. O especialista também afirma ser vital para a segurança no mundo virtual manter o sistema operacional dos computadores e todos os softwares instalados sempre atualizados, inclusive a solução de antivírus. “Os criminosos sabem que os usuários demoram para fazer as atualizações e criam todo tipo de malware capaz de explorar as brechas de segurança de qualquer software instalado no computador, no smartphone ou tablet”, explica.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Convergência Digital

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Ex-estagiários do TJ-PR são presos suspeitos de clonar cartões de crédito

Sem Comentários

28/07/2016

Dois ex-estagiários do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) foram presos, na manhã desta quinta-feira (28), por Policiais civis da Delegacia de Estelionato (DE) de Curitiba. Os jovens, de 20 e 21 de anos, são suspeitos de integrar uma quadrilha envolvida em clonagens de cartões de crédito. De acordo com a polícia, 14 vítimas do esquema já foram identificadas, totalizando um prejuízo superior a R$ 100 mil. Entre elas, estão funcionários do TJ-PR e moradores da região onde fica a sede do órgão, no Centro Cívico. Os crimes ocorreram no período em que os dois estagiavam no local. “Eles acessavam, de forma fraudulenta, os dados pessoais das vítimas e faziam compras em lojas virtuais. Uma delas custou R$ 17 mil”, explica um delegado. Ainda de acordo com ele, muitas encomendas foram entregues na própria sede do TJ. A polícia ainda investiga como os suspeitos tiveram acesso aos dados pessoais das vítimas. As investigações começaram depois que o setor de segurança do órgão desconfiou do ocorrido e acionou a polícia. Os suspeitos são ex-estagiários e atuaram por cerca de um ano.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

WhatsApp Gold volta a ser isca para golpe, alerta empresa de segurança

Sem Comentários

27/07/2016

De acordo com um alerta emitido nesta quarta-feira (27), por uma empresa de segurança, o WhatsApp voltou a servir de alvo de golpistas. O chamado WhatsApp Gold, uma suposta versão com recursos avançados, é usada como chamariz para que internautas assinem planos premium em seus celulares – tanto com linha pré quando com linha pós-paga. Segundo uma empresa de segurança, o ataque de engenharia social foi detectado no Brasil e outros oito países, entre eles os Estados Unidos, Rússia e França. O comportamento é similar ao visto em maio, quando houve o primeiro alerta sobre a “versão dourada” do mensageiro. O golpe se aproveita de novidades recentes no software, como as novas fontes para formatação dos textos. Diferentemente do verificado na primeira vez que o WhatsApp Gold veio a público, agora o internauta que recebe um link com a suposta versão premium é redirecionado para a Google Play Store, com o objetivo de fazer downloads de outros aplicativos. A promessa é de que, após baixar os arquivos, o internauta receberia a liberação de recursos avançados. O principal prejuízo ao usuário se deve ao redirecionamento também para páginas de assinaturas de serviços pagos. Existe a possibilidade de o internauta assinar sem querer algum serviço de SMS, para receber novidades sobre esportes ou horóscopo, por exemplo. A primeira leva de ofertas para a “golden version” do WhatsApp incluía a possibilidade de visualizar o perfil dos contatos. Na ocasião, o escritório do WhatsApp no Brasil esclareceu que não existem versões diferenciadas do software e ainda destacou que o WhatsApp não é uma rede social, e por isso não comporta atualmente o conceito de perfil de usuários.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: TechTudo

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Brasil é o segundo país com mais fraudes em cartões, diz pesquisa

Sem Comentários

20/07/2016

O Brasil alcançou a segunda colocação no ranking dos países que mais sofreram fraudes com cartões de crédito, débito e pré-pago este ano, atrás apenas do México. Comportamentos de risco, como deixar o celular desbloqueado ou anotar e carregar a senha do cartão de débito na carteira, contribuíram para isso. Segundo uma pesquisa, 49% dos brasileiros disseram ter sofrido algum tipo de fraude com cartões nos últimos cinco anos. Em 2014, quando a última pesquisa foi feita, o país estava na 8ª posição. Nas Américas, foram levantados dados dos comportamentos de risco dos usuários de cartões no Brasil, Estados Unidos, Canadá e México. Em todas as situações, os brasileiros apresentaram o maior percentual de “comportamento de risco”. Por exemplo, 11% disseram que respondem a e-mails ou telefonemas pedindo dados bancários. No Canadá, apenas 5% dos entrevistados apresentam esse comportamento e 8% nos Estados Unidos. No Brasil, 15% dos entrevistados afirmaram anotar e levar na carteira a senha do cartão, contra 7% no Canadá e 12% no México. Outros 22% de brasileiros entrevistados pela pesquisa disseram que usaram o banco on-line ou fizeram compras on-line sem softwares de segurança ou em computadores públicos. Nos EUA, apenas 14% dos entrevistados têm esse comportamento de risco. Outros 27% dos entrevistados no Brasil revelaram deixar o celular desbloqueado quando não o estão usando (20% nos EUA) e 23% afirmaram jogar papéis ou documentos com número de conta bancária no lixo (23% também no México). A pesquisa foi feita em 20 países com 6 mil entrevistas e 54% dos consumidores apresentaram ao menos um comportamento arriscado, contra 50% em 2014. Entre essas pessoas, 58% já sofreram fraude. Além do comportamento de risco dos usuários, o levantamento mostra que falhas de segurança também foram responsáveis pelo aumento das fraudes.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: O Globo

Fique ligado. Dicas do BrSafe para evitar essa modalidade de fraude.

Cresce número de fraudes no e-commerce

Sem Comentários

12/07/2016

No primeiro trimestre de 2016, em comparação com o mesmo período em 2015, os riscos de fraudes para os consumidores que compram produtos pela Internet aumentaram. Segundo um levantamento realizado por uma empresa especialista em soluções antifraude no comércio eletrônico, as tentativas de fraudes no e-commerce brasileiro cresceram cerca de 1,32%. A média de perdas efetivas ficou em torno de 0,33%, mesmo patamar do ano anterior, mas vale destacar que as transações diminuíram em cerca de 11%. As informações foram retiradas da sua base de clientes. As categorias que mais sofrem com os crimes de falsificação no uso de cartões de crédito e débito nas vendas online são: “Telefonia (Smartphones)”, “Eletrônicos” e “Games”. O levantamento também apontou o crescimento de fraudes no segmento de “Cosméticos, Perfumaria e Suplementos”. O valor da fraude não é exato, mas a média gira em torno de 70% a mais que o tíquete médio das lojas (que neste período em 2015 foi de R$ 363 e no de 2016 subiu para R$ 409). “Mesmo com a redução no número de transações no primeiro trimestre de 2016, os fraudadores continuaram aplicando golpes na mesma proporção do último ano. Por isso, investir em segurança da informação é a melhor solução para os lojistas evitarem ações fraudulentas”, explica o Diretor Executivo da empresa.

Fraudes no Brasil

A pesquisa também revelou que as regiões com maior concentração de fraudes são o Norte e Nordeste do Brasil, principalmente nos estados do Ceará (13,52%), Tocantins (13,42%) e Pará (7,78%). Ou seja, entre os pedidos realizados no primeiro trimestre de 2016 no Ceará, 13,52% foram tentativas de fraudes. Nas regiões Sudeste e Sul, os índices de fraude giram em torno de 3,2%. Os estados de Minas Gerais (4,65%), Rio de Janeiro (3,37%) e São Paulo (2,82%) são os que mais sofrem com fraudes no Sudeste. No Sul, os índices atingem Santa Catarina (3,74%), Paraná (3,58%) e Rio Grande do Sul (1,11%), nesta ordem.

Anterior Próximo