Janeiro registra mais de 150 mil tentativas de fraude, aponta Serasa

Sem Comentários

15/03/2016

Em janeiro de 2016 foram registradas 150.643 tentativas de fraude conhecida como roubo de identidade, em que dados pessoais são usados por criminosos para firmar negócios sob falsidade ideológica ou mesmo obter crédito com a intenção de não honrar os pagamentos. O número é equivalente a uma tentativa de fraude a cada 17,8 segundos no país.  O resultado representou queda de 2,8% em comparação a dezembro de 2015, quando registradas 155.056 tentativas, e queda de 10,8% em relação a janeiro de 2015, que registrou 168.944. Segundo os economistas da Serasa, o aprofundamento da recessão econômica e aumento do desemprego têm provocado diminuição do fluxo dos consumidores nas lojas, bancos etc. Com isso, diminuem-se as chances de os fraudadores obterem documentos pessoais, os quais são utilizados nas tentativas de fraudes. Embora o volume das tentativas tenha diminuído, esse patamar continua elevado.

Indicador

O segmento de Telefonia foi o único a apresentar alta em relação a dezembro de 2015, de 1,6%, totalizando 64.226 tentativas de fraude no mês de janeiro, 42,6% do total. Em relação a janeiro de 2015, no entanto, houve queda de 10,1%. O setor de serviços – que inclui construtoras, imobiliárias, seguradoras e serviços em geral (salões de beleza, pacotes turísticos etc.) – vem em segundo lugar com 47.212 registros em janeiro de 2016, equivalente a 31,3% do total. Em relação a janeiro de 2015, houve ligeira queda de 0,3%. O setor bancário foi o terceiro do ranking, com 26.389 tentativas, 17,5% do total. O setor observou queda de 24,2% em relação aos registros do mesmo mês no ano anterior. Já o segmento varejo registrou 10.559 tentativas de fraude contra o consumidor no período, 7,0% das investidas contra o consumidor no primeiro mês do ano. O número de tentativas de fraude do setor apresenta queda de 13,8% em relação a 2014. O ranking de tentativas de fraude de janeiro de 2016 é composto ainda por demais segmentos, que totalizaram 2.257 tentativas no mês (1,5% do total).

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Jornal Dia Dia

Fique ligado. Dicas do BrSafe para evitar essa modalidade de fraude.

Quatro são presos por aplicar golpe através de rede Wi-Fi na Bahia

Sem Comentários

10/03/2016

Quatro homens foram presos por aplicar golpes através da rede wi-fi e fazer transferências do dinheiro das vítimas para contas de terceiros. A prisão e os golpes estavam sendo realizados na cidade de Vitória da Conquista, no sudoeste da Bahia. Segundo a polícia, os homens fazem parte de uma associação criminosa que atua em todo país, hackeando contas bancárias e realizando fraudes financeiras. Os criminosos invadiam redes wi-fi de hotéis, shoppings, estabelecimentos comerciais e instalavam um programa de computador no roteador da internet. Quando as vítimas iam acessar a conta do banco, através do celular e dessa rede wi-fi, os dados eram capturados e o dinheiro das transações era roubado. A polícia ainda informa que a prisão ocorreu durante uma blitz de rotina no centro da cidade, na quarta-feira (09). Os policiais abordaram T.M.S., de 23 anos. No carro dele foram encontrados vários cartões de créditos de várias pessoas e comprovantes de transações bancárias. O homem confessou para a polícia que o material era utilizado em golpes financeiros e entregou os outros integrantes da quadrilha. “Ele se sentindo pressionado por tantas perguntas, não aguentou e informou que se tratava de crimes, de fraudes com cartões de créditos, contra as pessoas”, relatou o major da Polícia Militar, Fernando Leite. A.S., de 25 anos, e o pai dele, G.S., de 51 anos, foram presos em seguida. O último a ser preso foi P.R., indicado como o chefe da organização. Com a quadrilha foram apreendidos celulares, notebooks, comprovantes de transações bancárias, cartões, cheques e um revólver calibre 38 que, segundo a polícia, eram utilizados na fraude. A tecnologia auxiliava e facilitava a ação dos criminosos. Todos os presos foram levados para a sede da Polícia Federal, em Vitória da Conquista, e vão responder pelos crimes de furto, quebra ilegal de sigilo financeiro, interceptação ilegal de comunicações telemáticas e associação criminosa.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Suspeitos de estelionato e furto são detidos em Ituiutaba

Sem Comentários

26/02/2016

Nesta quinta-feira (25), três pessoas foram detidas pela Polícia Militar (PM) de Ituiutaba (MG), sendo duas por suspeita de estelionato e uma por furto. As idades ainda não foram informadas. Conforme informações da PM, um dos suspeitos havia furtado a bolsa de uma mulher e os outros dois utilizaram o cartão de crédito da vítima e realizaram compras em estabelecimentos e um saque em uma agência bancária. Segundo a PM, uma mulher procurou a polícia para informar que estava sendo notificada com mensagens no celular sobre a utilização do cartão de crédito dela para compras em lojas da cidade. As compras realizadas chegaram a R$ 4 mil. Além disso, o cartão dela também foi utilizado para saque bancário, no qual foram subtraídos R$ 1.500. A vítima informou, ainda, que a bolsa dela havia sido furtada. A PM foi até as lojas onde o cartão havia sido utilizado e verificou as câmeras de segurança dos locais, sendo possível identificar que um homem e uma mulher efetuaram as compras. A polícia também identificou um veículo utilizado pela dupla. Diante disso, os militares foram até as casas dos suspeitos. Os dois foram encontrados, bem como parte dos materiais adquiridos e o dinheiro retirado em saque. Em seguida, a PM verificou as imagens de monitoramento do local de trabalho da vítima, onde a bolsa foi furtada. Nas imagens, foi possível reconhecer o indivíduo que furtou o material. Após diligências, o rapaz foi localizado e detido. Com ele, foram apreendidos R$ 690 e um aparelho celular.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia de MG prende 15 suspeitos de aplicar golpes em bancos

Sem Comentários

25/02/2016

A Polícia Civil prendeu 15 pessoas suspeitas de participar de um grupo que aplicava golpes em bancos por meio de cartões clonados. Os 15 integrantes são do estado do Rio de Janeiro e foram detidos em Belo Horizonte; Juiz de Fora, na Zona da Mata; no Aeroporto de Confins, na Região Metropolitana, e em Três Rios (RJ). Foi apreendida grande quantidade de dinheiro, celulares, um notebook e uma máquina usada para clonagem de cartões, centenas de cartões virgens e clonados, três veículos e celulares. Segundo o delegado responsável, a ação da quadrilha em Belo Horizonte foi desarticulada nesta quarta-feira (25). Três dos integrantes foram presos em flagrante realizando saques, quatro no aeroporto, seis em Juiz de Fora e dois em Três Rios. Antes de serem desmascarados, os suspeitos chegaram a roubar cerca de R$ 240 mil de um só banco, conforme o delegado. Após clonar os cartões, eles faziam empréstimos e saques. “O golpe funcionava da seguinte forma. Eles clonavam um cartão de um cliente desta instituição financeira. Faziam empréstimos em nome destes clientes, iam até o caixa eletrônico e faziam o saque em dinheiro”, explicou. Nesta quarta-feira, ocorreram golpes semelhantes em outros quatro estados, e o rombo chegou a R$ 2 milhões. A polícia não divulgou os estados. No ano, o golpe pode ter arrecadado cerca de R$ 6 milhões. O delegado afirmou que a forma que os suspeitos conseguiam os dados bancários, inclusive senhas, para a clonagem dos cartões ainda é investigada, assim como a participação de mais pessoas. “Esta organização criminosa ela tinha divisão de tarefas. Alguns membros da quadrilha iam até o banco tinham a função de tirar o dinheiro. Outros recebiam o dinheiro, juntavam. Outra parte fazia o transporte daqui para o Rio de Janeiro”, disse. Os presos vão responder por furto qualificado, organizações criminosas e um deles, que apresentou documento falso, por falsificação de documentos.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Número de tentativas de fraude contra consumidores cai em 2015

Sem Comentários

15/02/2016

Em 2015, foram registradas 1.944.200 tentativas de fraude conhecida como roubo de identidade, 4,7% abaixo do observado em 2014, conforme o Indicador Serasa Experian de Tentativas de Fraudes – Consumidor, divulgado nesta segunda-feira (15). O segmento de telefonia foi o que apresentou a maior alta, de 4,5%, no número de tentativas de fraude e respondeu por 41,5% do total no ano. O setor de serviços – que inclui construtoras, imobiliárias, seguradoras e serviços em geral (salões de beleza, pacotes turísticos etc.) – aparece em segundo lugar, com 567.960 registros em 2015, equivalente a 29,2% do total. O setor bancário foi o terceiro do ranking de registros em 2015, com 389.205 tentativas, correspondendo a 20% do total. Entre as principais tentativas de golpe apontadas pelo indicador estão:

1. Emissão de cartões de crédito: o golpista solicita um cartão de crédito usando uma identificação falsa ou roubada, deixando a “conta” para a vítima e o prejuízo para o emissor do cartão.

2. Financiamento de eletrônicos (Varejo) – o golpista compra um bem eletrônico (TV, aparelho de som, celular etc.) usando uma identificação falsa ou roubada, deixando a conta para a vítima.

3. Compra de celulares com documentos falsos ou roubados.

4. Abertura de conta: golpista abre conta em um banco usando uma identificação falsa ou roubada, deixando a “conta” para a vítima. Neste caso, toda a “cadeia” de produtos oferecidos (cartões, cheques, empréstimos pré-aprovados) potencializa possível prejuízo às vítimas, aos bancos e ao comércio.

5. Compra de automóveis: golpista compra o automóvel usando uma identificação falsa ou roubada, deixando a “conta” para a vítima.

6. Abertura de empresas: dados roubados também podem ser usados na abertura de empresas, que serviriam de ‘fachada’ para a aplicação de golpes no mercado.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia Civil do RS deflagra operação contra crimes cibernéticos

Sem Comentários

13/01/2016

Foi deflagrada na manhã desta quarta-feira (13) uma operação da Polícia Civil contra a invasão de dispositivos cibernéticos, lavagem de dinheiro e estelionato. Foram cumpridos 22 mandados de busca e apreensão em Porto Alegre, na Região Metropolitana e também em Santa Catarina. A Operação Spy II, como o nome já diz, está em sua segunda fase. As investigações, conforme o diretor do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), começaram a partir de uma invasão de um banco de dados de uma empresa que presta os serviços de telefonia, fornecimento de TV a cabo e internet. “Essas informações sigilosas, de forma indevida, eram repassadas para outras empresas de forma ilegal tanto aqui no Rio Grande do Sul quanto em Santa Catarina”, disse o delegado. No esquema, empresas vendiam as informações obtidas de forma ilegal, que eram usadas inclusive para a realização de fraudes em nome das pessoas que tiveram os dados roubados. “Eles entram nos bancos de dados e obtêm as informações e repassam para empresas de call center que oferecem um serviço que tu não tem”, disse a delegada responsável pelas investigações. Segundo ela, nas investigações foram identificados casos de ex-funcionários das empresas que utilizavam a senha para ter acesso às informações. “Eles repassavam esses dados por dinheiro”, completou. Com essas informações, empresas organizadas em grupo ligavam para as pessoas oferecendo serviços e tentando obter mais dados para crime de estelionato, diz a polícia.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Black Friday amplia chance de fraude por e-mail

Sem Comentários

23/11/2015

Um estudo de uma empresa que combate o phishing na internet aponta o Brasil como um dos países com maior ocorrência de incidentes relacionados a fraudes online, registrando 49% dos incidentes de fraude por e-mail (“phishing”), seguido por Chile (17%) e Argentina (13%). O dado é um alerta para os consumidores na Black Friday, evento anual de promoções que acontecerá nesta sexta-feira (27). A realidade de nosso país não é muito diferente comparada aos demais na América Latina e no mundo, segundo o diretor-geral para América Latina e Caribe de uma empresa especializada em segurança digital. “O que deixa o Brasil alguns passos atrás é a falta de investimento em segurança por parte de empresas e de usuários domésticos. As empresas devem obter soluções compatíveis com o nível de proteção necessário, assim como os usuários devem instalar proteções como antivírus e firewall”. Veja algumas dicas de uma empresa de inteligência de e-mail para se proteger das (supostas) ofertas que chegam na sua caixa de e-mail às vésperas da Black Friday:

Verifique a origem da mensagem de e-mail

É importante avaliar se o remetente é realmente quem diz ser, analisando o domínio de envio da mensagem. Fraudadores utilizam diversas táticas para enganar remetentes, como falsear o nome de empresas no endereço “De:” (exemplo: o remetente é o nome da empresa, que oculta o endereço de e-mail que está enviando a mensagem), além da inclusão de logomarcas no corpo da mensagem. Caso perceba que o endereço de envio é suspeito, não abra a mensagem, nem clique em quaisquer links que forem solicitados.

Nunca confie em links contidos no corpo do e-mail

Caso receba uma mensagem que tenha qualquer link embutido, desconfie. Cibercriminosos inserem links para websites maliciosos que induzam usuários a fornecer informações pessoais e sigilosas. É preferível que você abra um navegador e acesse o site original sem utilizar o link contido no e-mail.

Preste atenção em erros gramaticais

Conteúdos produzidos por equipes de marketing passam por uma série de revisões até serem publicados. Uma tendência entre cibercriminosos é o uso incorreto da gramática e ortografia ou abreviatura de palavras para atingir os usuários menos experientes e mais curiosos.

Esteja atento à assinatura do remetente

Falta de informações de contato na assinatura do remetente são indícios de mensagens suspeitas. Empresas legítimas normalmente irão fornecer meios para que usuários possam entrar em contato.

Nunca forneça dados confidenciais

Qualquer tipo de informação confidencial deve ser mantida em total sigilo. Dados pessoais não devem ser enviados via e-mail. Empresas legítimas não solicitam informações sigilosas e pessoais via e-mail, então não as forneça.

Suspeite de anexos em mensagens

Seja cauteloso ao abrir e-mails com arquivos anexados, pois eles podem conter programas maliciosos e comprometer sua máquina.

Cuidado com e-mails com linguagens em senso de urgência

Os praticantes de phishing possuem táticas para induzir o usuário a realizar ações por meio de linguagem que remete à ideia de urgência, solicitando que façam download de arquivos ou acessem links para a atualização de dados cadastrais ou tokens.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Circuito Mato Grosso

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior Próximo