Black Fraude nunca mais! 7 dicas de mestre para evitar golpes e economizar com segurança.

Sem Comentários

12/11/2018

Não é novidade para ninguém. A Black Friday brasileira vem sofrendo cada vez mais com fraudes, promoções mentirosas e empresas falsas. Sites-fantasmas surgem da noite para o dia, espalhando pela internet seus super descontos, fretes gratuitos e preços impossíveis de não chamar atenção. Por mais que tudo ocorra no ambiente on-line, os perigos de uma fraude eletrônica podem gerar transtornos imensos, envolvendo sequestro de dados bancários, pessoais e até processos jurídicos contra a própria vítima do golpe.

Quem também sofre com isso são os lojistas que levam a liquidação a sério e se espremem para oferecer ofertas verdadeiramente atrativas para o consumidor. Eles reduzem suas margens de lucro, apostam em um volume maior de venda, investem pesado em divulgação e ainda têm que lutar contra a cultura da fraude. Mas fique tranquilo! É possível se prevenir de todas as artimanhas da chamada “Black Fraude” com essas 7 dicas de ouro:

1 – Fuja de sites duvidosos

Eles surgem da noite para o dia, aparecem muito em anúncios de sites de pesquisa e se apresentam com layouts realmente convincentes. Para evitar tais sites, a dica é pesquisar suas reputações, seus protocolos internos de segurança e nunca digitar dados bancários até ter certeza de sua procedência.

2 – A famosa metade do dobro

Prática bem comum na época da Black Friday, muitas lojas aumentam os preços de seus produtos antes da liquidação para, na sexta-feira, abaixá-los novamente, entregando descontos falsos. Monitorar os preços do que você está procurando é primordial.

3 – Atenção às imagens meramente ilustrativas

Outro erro frequente de quem se aventura pelos e-commerces é não conferir se a descrição do produto é correspondente à foto que aparece na página de compras do site. Cores diferentes, modelos inferiores e ausência de funcionalidades podem se tornar uma dor de cabeça “daquelas”.

4 – Taxa de entrega X Valor do desconto

Outra artimanha empregada nas lojas virtuais é dar desconto em seus produtos e compensá-lo na taxa de entrega. Na empolgação do momento, o consumidor não analisa o valor do frete e acaba pedindo um produto por um valor igual ou até superior ao de meses atrás. Ponto para a compra em lojas físicas.

 5 – Política de troca e seu direito

Em muitos casos, os sites alteram sua política de troca para se eximir de eventuais pedidos de troca, agindo de má fé para empurrar lotes de produtos defeituosos. Mas aqui entra o PROCON, resguardando o consumidor com 7 dias de prazo para desistência da compra, sem apontar qualquer motivo.

6 – Guarde os comprovantes de compra

Nota fiscal, e-mail de confirmação, prints de telas de compra. Vale tudo para registrar todos os passos da sua compra, principalmente se for on-line. A legislação brasileira para internet ainda é muito falha, o que faz com que as compras nas lojas físicas sejam mais seguras também nesse ponto.

7 – Prefira lojas de rua e shopping

Diante de tantas possibilidades de ser fraudado e enganado, a escolha por lojas físicas de confiança. Você pode experimentar o produto, tirar dúvidas com o vendedor, negociar melhor o preço e o melhor de tudo: sair com a sua compra na hora.

Polícia Civil de Uberlândia prende suspeitos de estelionato que atuavam em MG

Sem Comentários

25/10/2018

A Polícia Civil de Minas Gerais, através da 2ª Delegacia de Polícia de Uberlândia, prendeu duas pessoas acusadas de estelionato que agiam em todo o Estado, uma é da cidade de Natal (RN) e outra de Fortaleza (CE). Até o momento, oito vítimas foram identificadas. O prejuízo estimado é de R$ 500 mil. Segundo informações, os autores ligavam para as vítimas dizendo que o cartão de crédito havia sido clonado e que compras tinham sido feitas. Com isso, eles conseguiam os dados das pessoas, pediam para que as vítimas quebrassem o cartão e entregassem a um motoboy que supostamente trabalhava para o banco. Após esta etapa, eles faziam compras em lojas físicas e virtuais. A Polícia Civil pede que caso alguém tenha sido vítima do golpe, procurar o órgão para fazer a denúncia. “Identificamos que se trata de um esquema grande e que esses presos chegaram em Uberlândia no domingo e que até hoje já desviaram cerca de R$ 500 mil. Acreditamos que essa quadrilha age em todo o território nacional e é bem organizada e seguimos com a investigação do caso”, finalizou o delegado responsável.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Golpistas usam sites falsos para roubar dados de cartões de crédito

Sem Comentários

21/10/2018

Em São Carlos (SP) e região, golpistas estão usando sites falsos para roubar dados de cartão de crédito. É preciso ficar atento às faturas e registrar boletim de ocorrência para investigação e para que as medidas de segurança sejam reforçadas. Somente neste ano, de janeiro a agosto foram identificados mais de 920 mil golpes com cartão de crédito no país. São quase 3 casos por minuto.

Golpe

Um professor foi vítima dos criminosos. Eles usaram os dados dele para fazer compras de R$ 3 mil no exterior. O dinheiro foi estornado, mas o susto fez ele ser mais cauteloso. “Hoje em dia eu prefiro conhecer a empresa. Se for comprar alguma coisa eu fuço, fico vendo se ela tem algum problema, se é idônea”, afirmou.

Dados do cartão

Com a presença dos chips e do desbloqueio por meio senha, a clonagem de cartões ficou mais difícil, mas os fraudadores encontram um novo caminho. Agora não é preciso ter acesso ao cartão de crédito da vítima pra fazer os gastos em nome do verdadeiro dono, bastam ter os dados deles.

Nova forma de agir

Os bandidos também mudaram o jeito de agir. Às vezes o valor é tão pequeno que o dono nem percebe na fatura. Os fraudadores fazem isso pra testar se o cartão e válido e também pra saber qual o limite. Por isso os torpedos de compra ganham cada fez mais importância. Um servidor público começou a receber SMS do aplicativo do banco inicialmente com valores pequenos. A segunda clonagem ocorreu há quinze dias, mas dessa vez os fraudadores foram bem mais ousados. Ele oficializou a reclamação junto ao setor de segurança da empresa e diminuiu o limite.

Estelionato

O presidente da comissão de direito digital da OAB diz que, apesar de ser um crime cibernético, a nova clonagem de cartões de crédito pode ser enquadrada como estelionato. “Você coloca a pessoa numa situação de fraude porque convence a pessoa a fazer algo que para ela é real, mas tudo não passa de um teatro. O estelionato pode ter uma pena de até 5 anos de prisão”, afirmou.

‘Golpe do motoboy’ é o crime da moda para fraudar cartão de crédito

Sem Comentários

25/09/2018

Uma empresária recebeu há dois meses, uma ligação de seu banco sobre uma suposta compra realizada com cartão de crédito na cidade de Campinas (SP). Não reconheceu o pagamento e foi orientada pelo atendente a entrar em contato com a instituição financeira. Ela ligou para o número localizado na parte de trás do cartão, ouviu a música de espera do banco, falou com um funcionário e aceitou a oferta de entregar o cartão ao motoboy para uma averiguação. No dia seguinte, a mulher descobriu que a compra nunca aconteceu. Que não havia telefonado para o banco. Que o motoboy não levou o cartão para a investigação. E que o prejuízo disso tudo superava R$ 80 mil. Ela caiu no ‘golpe do motoboy’, crime de engenharia social, como são chamados os casos de manipulação psicológica das vítimas por estelionatários. É o golpe da moda, segundo a Polícia Civil, o Ministério Público e os bancos – mas apenas um entre as diversas modalidades de fraudes que envolvem cartões de crédito.

“Hoje, o cartão de crédito é a principal porta de entrada para os casos de fraudes envolvendo nossos clientes”, afirma o superintende de prevenção a fraude de um banco. A instituição, recentemente, iniciou uma campanha justamente para alertar os clientes sobre o ‘golpe do motoboy’. Um vídeo disseminado pelo WhatsApp explica o crime e diz que o banco não solicita senhas e não pede cartões de seus clientes. “Quem cai nesse golpe geralmente fica espantado com o nível de detalhamento dos bandidos. Eles têm informações sobre a vítima, após monitoramento de redes sociais, e geralmente desviam a linha de telefone no instante do golpe para que a ligação caia exatamente no número dos golpistas”, afirma o delegado titular da delegacia de crimes cibernéticos da Polícia Civil de São Paulo. “A pessoa com quem conversei possuía todo conhecimento do sistema de cartões. Era impossível perceber que se tratava de um golpe”, conta a empresária. “Fui parar no hospital. Eram R$ 84 mil. Não conseguia dormir”, conta. Ela só recuperou o dinheiro 20 dias depois. A seguradora pagou uma parte do prejuízo e a agência, onde é cliente há 27 anos, assumiu a outra parcela.

 Bancos de dados

O superintendente lembra que golpes como o aplicado na empresária representam a minoria dos casos de fraudes do setor. O promotor de Justiça do MP-DF e presidente do Instituto Brasileiro de Direito Digital destaca que a maioria das fraudes tem origem nos roubos de banco de dados de empresas. “Um vazamento de bancos de dados expõe dados de milhares de consumidores. Isso depois é vendido no mercado paralelo da internet e vai alimentar milhares de fraudes no e-commerce”, conta o promotor. Atualmente, uma força-tarefa envolvendo policiais e promotores de justiça tenta levantar a origem desses ataques. Uma das linhas de investigação trabalha com o envolvimento de colaboradores dentro de bancos, companhias telefônicas e centros de processamento de dados de varejistas que facilitariam o acesso a informações por parte de estelionatários. “Existem ainda bancos de dados que são frágeis e os hackers invadem sem muita dificuldade”, diz uma fonte do setor, em condição de anonimato. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Correio Braziliense

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Estelionatários dão prejuízo de R$18 mil em dois golpes contra idosos

Sem Comentários

19/08/2018

Um caso de estelionato é registrado pela Polícia Civil quase todo fim de semana. As vítimas, quase sempre idosas, são surpreendidas pelos criminosos dentro das agências bancárias. Eles têm seus dados bancários roubados e perdem muito dinheiro. Neste fim de semana o Plantão Policial de Araraquara registrou duas ocorrências semelhantes, provavelmente crimes praticados pelos mesmo bandidos. No primeiro, em uma agência na Rua Padre Duarte (Rua 4), no Centro, um homem de 69 anos perdeu R$ 8 mil. Ele contou aos policiais que, no sábado (18) pela manhã, ao terminar de utilizar um caixa eletrônico um homem se aproximou com um extrato bancário e indagou se o documento era do aposentado. A vítima negou e o suspeito saiu, deixando o comprovante em cima de uma bancada.

Segundos depois outro golpista entrou na agência, se aproximou e, se dizendo desconfiado, orientou o idoso a verificar seu saldo bancário, indicando, inclusive, qual equipamento utilizar. A Polícia acredita que nesse momento a vítima teve seus dados roubados. Ao inserir seu cartão e senha em um dispositivo conhecido como “chupa cabra”, a vítima forneceu as informações de que a quadrilha precisava para concretizar o golpe. O homem só percebeu a transação bancária neste domingo, quando procurou a Polícia. Caso semelhante ocorreu com outro idoso, de 72 anos, uma hora depois, na Avenida Napoleão Selmi Dei, na Vila Harmonia. Os casos serão investigados pela Polícia Civil.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: A Cidade On

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Homens são presos após clonar dados de advogado e aplicar golpe com prejuízo de R$ 14,5 mil em Natal

Sem Comentários

06/08/2018

Dois homens foram presos na Zona Sul de Natal suspeitos de clonar os dados de um advogado e usar as informações para sacar dinheiro, fazer compras e conseguir empréstimos junto ao banco da vítima. O prejuízo total foi de R$ 14,5 mil. A prisão foi feita pela Polícia Civil e aconteceu por volta do meio-dia da segunda-feira (06). O crime foi percebido pela vítima na sexta (03), e o advogado logo procurou a polícia para dizer que havia sido lesado. Por volta das 17h daquele dia, recebeu várias mensagens no celular, informando de compras realizadas em seu cartão de crédito, que ele não havia feito. Depois que acionou a polícia, os agentes da Delegacia Especializada de Defraudações (DEFD) começaram a rastrear a origem das compras. Os policiais conseguiram a informação nesta segunda-feira de que um homem havia alugado um carro em Ponta Negra, usando os dados da vítima. Uma equipe da DEFE foi enviada ao local e encontrou suspeito ainda na locadora, acompanhado de um outro homem. O suposto comparsa tentou fugir, correu por uma região de mato e chegou a invadir um quarto de hotel para tentar escapar da polícia. Contudo os dois foram presos.

Estelionato

Os dois homens estão sendo acusados de estelionato, sendo que o que tentou fugir correndo nega qualquer envolvimento nos crimes. O outro, que efetuou as compras, empréstimos e saques, assumiu que está envolvido nas fraudes. Eles chegaram em Natal na sexta-feira (06), vindos de Goiás, e já no Aeroporto Internacional Aluízio Alves começaram a aplicar os primeiros golpes. A dupla ficou hospedada em um hotel quatro estrelas em Petrópolis, na Zona Leste. O chefe de investigação da DEFD, explica que os criminosos podem ter conseguido os dados da vítima na internet. Essas informações pessoais são capturadas por programas de computador e vendidas ilegalmente. Com os dados do advogado em mãos, os estelionatários solicitaram ao banco um cartão, que foram buscar nos Correios antes que fosse enviado para a casa do verdadeiro cliente. A partir daí, começaram a cometer os crimes.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Gaeco faz operação e mira quadrilha que vendia carros roubados pela internet

Sem Comentários

19/07/2018

Na manhã desta quinta-feira (19), 14 mandados de prisão preventiva e 16 de busca e apreensão estão sendo cumpridos em uma operação para combater a venda de carros roubados pela internet. As ordens judiciais estão sendo cumpridas em Curitiba, Londrina e Guarapuava. Os mandados de busca miram dez residências e seis locais comerciais. Já os mandados de prisão, são contra oito homens e seis mulheres. Segundo as investigações do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e da Polícia Civil, a organização criminosa comprava veículos roubados, principalmente em Curitiba e Região Metropolitana, e ocultava-os em Guarapuava. Depois disso, eles adulteravam os documentos dos automóveis com as mesmas especificações. Em seguida, os carros eram anunciados em sites de venda na internet. Um policial militar suspeito de acessar o banco de dados do estado para passar informações aos criminosos foi afastado da função. Entre os crimes investigados na operação estão organização criminosa, receptação, adulteração de sinais de veículos, falsificação de documentos e estelionato.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior