Rapaz apresenta documento falso e é preso com carro roubado em Janaúba

Sem Comentários

11/07/2017

Em Janaúba (MG), nesta terça-feira (11), um rapaz de 24 anos foi preso com um carro roubado. A Polícia Rodoviária Estadual afirma que a prisão foi na rodovia MG-401, que liga Janaúba à cidade de Jaíba. A polícia afirma ainda que a abordagem do veículo foi feita após os militares desconfiarem do veículo, que possui características de um carro usado no arrombamento de caixas eletrônicos em Matias Cardoso. Durante a abordagem, o condutor apresentou um documento referente ao ano de 2017, mas os policiais descobriram que o último Certificado de Registro e Licenciamento (CRLV) do veículo foi emitido no ano de 2015. “Também durante a consulta, descobrimos que o veículo havia sido furtado na cidade de contagem. Por este motivo, o condutor foi preso e encaminhado à delegacia da cidade”, explica um sargento. Os militares fizeram buscas no veículo e encontraram ainda placas de um caminhão e uma touca ninja. O condutor afirmou para os policiais que o veículo pertence a outro jovem, mas a PM não localizou o rapaz apontado como sendo o dono do carro. As buscas continuam na região, segundo a polícia.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Aparelho que bloqueia sinal de alarme de carro ‘está em voga’, diz delegado

Sem Comentários

06/04/2014

A tecnologia está ajudando bandidos a cometer furtos em veículos supostamente trancados. Um aparelho que bloqueia o sinal do alarme de carros vem sendo usado em furtos no Rio Grande do Sul. A Polícia Civil alerta que essa prática vem sendo adotada em larga escala por criminosos, e a reportagem de um programa de TV flagrou a obtenção de um dispositivo sem dificuldades em Porto Alegre. “Não temos estatística ainda deste tipo de crime, embora saibamos que está muito em voga. É uma febre hoje, porque diariamente batem à nossa porta vítimas que tiveram o carro arrombado e até mesmo levado, muito provavelmente por este tipo de crime”, disse o delegado titular da Delegacia de Roubos da Polícia Civil gaúcha. O aparelho é conhecido como “chapolim” entre os criminosos, e ele bloqueia o sinal do alarme ao ser acionado próximo ao veículo. Dessa forma, impede que as portas se tranquem pelo controle remoto da chave. Os bandidos acionam o aparelho a cerca de 15 metros do veículo. “Acionando o dispositivo, a pessoa vai acionar o carro para fechar, no seu controle particular, e o carro não tranca. O carro não aceita o comando do alarme, seja original, seja o colocado. Depois da pessoa sair e acreditar que o veículo ficou trancado, ele vem e simplesmente abre o veículo, se serve de tudo o que tiver dentro, fecha o veículo e vai embora”, explica um delegado. O “chapolim” foi encontrado à venda em São Paulo e Porto Alegre. O aparelho também pode ser encontrado em sites de compra na internet como um controle remoto, custando em média R$1,6 mil. A polícia e o Instituto Geral de Perícias (IGP) investigam como chegou às mãos dos bandidos brasileiros. “O IGP não conseguiu identificar qual é a procedência e não temos ainda identificado qual é o uso real deste equipamento. Por enquanto, estamos acreditando que ele tenha uma utilização produtiva, e não somente este uso criminoso”, diz o delegado. De acordo com os peritos do Instituto de Criminalística do Rio Grande do Sul, o equipamento embaralha os sinais eletromagnéticos enviados quando alguém tenta trancar o carro. Aparelhos parecidos podem até mesmo copiar o código de segurança da chave, como se o ladrão ganhasse acesso sem restrições a qualquer veículo. A Polícia Civil orienta aos motoristas que, após acionarem o alarme, voltem até o veículo e verifiquem se as portas ficaram mesmo trancadas. A polícia lembra que, se o bloqueador está acionado, não é possível ouvir o barulho do travamento das portas e nem o acionamento do alarme. Trancas eletrônicas modernas geram códigos diferentes a cada vez que são acionados. Assim, a clonagem não funciona. Mas a prevenção pode ser feita de forma mais simples.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.