Jovens são suspeitas desviar mais de R$ 70 mil de imobiliária em Araguaína

Sem Comentários

08/10/2018

A.R.A. e A.C.A.L., ambas de 23 anos, são suspeitas de desviar R$ 75.766,16 de uma imobiliária onde trabalhavam em Araguaína, no norte do Tocantins. Além delas, um homem, de 36 anos, também é suspeito de participar do esquema, que ocorreu de fevereiro de 2017 a abril de 2018. Eles foram indiciadas nesta segunda-feira (08). Segundo a Polícia Civil, as investigações mostram que as jovens induziram os clientes a fazerem pagamentos em espécie na própria imobiliária. Elas recebiam os valores e não repassavam para a empresa, porém o procedimento padrão era de pagamento através de boletos bancários. Não era permitido o recebimento de qualquer valor, em espécie ou através de cheque, diretamente na imobiliária.

Os clientes compraram diversos lotes e realizavam os pagamentos através de boletos, mas depois foram orientados pelas jovens a efetuarem pagamentos em dinheiro. Elas recebiam os valores, e para não deixar qualquer suspeita, emitiam recibos falsos. Outra forma de receber o dinheiro dos clientes foi através de depósitos bancários na conta do homem suspeito, que na época era namorado de uma das garotas. As jovens diziam aos clientes que ele era um dos sócios da imobiliária. Conforme a investigação, as garotas levavam uma vida acima do padrão financeiro que o salário permitia. Elas viajavam e compravam roupas de marcas de preços elevados e ostentavam nas redes sociais. Os três suspeitos devem responder por furto duplamente qualificado, estelionato, falsidade ideológica e associação criminosa, cuja pena dos crimes se somadas poderá chegar a 21 anos de prisão. Eles não foram presos e vão responder em liberdade.

Operação conjunta desarticula esquema de fraude em restituição de imposto de renda na Bahia

Sem Comentários

16/07/2014

A Receita Federal, a Polícia Federal e o Ministério Público Federal deflagraram nesta quarta-feira (16), a operação “Recibos Falsos” em Salvador.  A ação tem o objetivo combater um esquema de fraude em DIRPF (Declarações do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física). Serão cumpridos dois mandados judiciais de busca e apreensão na residência e no escritório de um contador. A Receita Federal pretende colher provas contra o mentor do golpe. Ainda conforme a Receita, a fraude consiste na inclusão de falsas despesas médicas, odontológicas e de instrução em mais de duas mil declarações, dos anos de 2008 em diante, de um grupo de contribuintes que contratou os serviços de um mesmo contador. Na tentativa de burlar a fiscalização, os contribuintes apresentavam recibos e notas fiscais eletrônicas falsas, produzidas pelo contador. A Receita Federal estima que R$ 5 milhões possam ter sido indevidamente deduzidos nas declarações. O contribuinte que não regularizar a situação fiscal estará sujeito a autuação pelos valores devidos, acrescidos de multas de até 150% sobre o valor do imposto apurado e de juros moratórios, podendo ser representado pelos crimes contra a ordem tributária. Já o contador que oferecia o serviço e falsificava os recibos e/ou as notas deverá responder a processo criminal e sofrer representação junto ao conselho de classe a que pertence.

Suspeita de fraude já mandou 21 mil declarações para malha fina em 2013

Sem Comentários

26/04/2013

De acordo com o subsecretário de Fiscalização da Receita, os indícios são de que as fraudes ocorreram em Declarações de Imposto de Renda Retido na Fonte (Dirf) transmitidas por órgãos públicos. Ele informou que o sistema da Receita desenvolveu neste ano um novo parâmetro de fiscalização depois que foram descobertas essas tentativas de fraude, o que levou ao bloqueio, em uma semana, de 21,3 mil declarações. Segundo ele, os contribuintes pegos nesse tipo de fraude terão as declarações dos últimos 5 anos (desde 2008) analisadas novamente. O subsecretário de Fiscalização da Receita também informou que foram realizadas nas últimas semanas 3 operações para combater fraudes no Imposto de Renda. De acordo com ele, as fraudes tinham potencial para causar prejuízo de R$ 55 milhões ao Fisco. Uma ação, batizada de “Extremo Norte”, aconteceu nos estados de Goiás, Pará e Roraima e encontrou indícios de atuação de uma quadrilha especializada em fraudar o Imposto de Renda por meio da inclusão de falsos beneficiários de restituições em declarações de funcionários públicos. Outra operação, chamada de “Boticão”, foi conduzida no Espírito Santo e combateu a venda e uso de recibos falsos de despesas odontológicas, usados para elevar valor de restituição do Imposto de Renda. A fraude estimada neste caso é de cerca de R$ 1,5 milhão.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.