Criminosos clonam contas de WhatsApp para aplicar golpes; veja como se proteger

Sem Comentários

14/01/2019

O WhatsApp mais uma vez está servindo como meio para aplicar golpes. Criminosos estão clonando contas do aplicativo para se passar por parentes ou amigos das vítimas e pedir a transferência de dinheiro para conta de laranjas. Uma professora, de 51 anos, que preferiu não se identificar, levou um susto ao receber a mensagem do número de uma amiga: — Temos um grupo de amigas, de mais de duas décadas. Nos falamos muito em grupo. No começo do mês passado (06 de dezembro) uma delas que é “super certinha” me chamou no privado para pedir dinheiro emprestado. Conforme a vítima, o perfil da amiga afirmou que precisava de R$ 2.270 para pagar uma conta com urgência. — Ela me garantiu que depositaria o valor no dia seguinte. Como a conheço e sei que é uma pessoa correta, fiz a transferência — relata. A professora não desconfiou que a conta passada pela “amiga” estivesse no nome de um homem. A polícia conseguiu identificar o responsável pela conta: um adolescente de 17 anos. Quando pensava que havia ajudado a amiga, o perfil falso pediu mais R$ 2 mil. — Ai fiquei desconfiada. Entrei no Facebook da minha amiga e nele havia uma mensagem afirmando que o WhatsApp dela havia sido clonado e estavam pedindo dinheiro em nome dela — conta. A amiga que teve a conta clonada, também professora, descobriu que estava sem seu WhatsApp quando criminosos tentaram extorquir dinheiro da filha dela. — Minha filha me ligou umas 20h perguntando se eu estava bem. Aí, falou que eu havia pedido dinheiro, mas ela desconfiou e, aí, percebemos que minha linha havia sido clonada. A professora tentou cancelar sua linha de celular imediatamente. O procedimento, no entanto, só pôde ser feito no dia seguinte. Enquanto a linha da professora não era bloqueada, a quadrilha entrou em contato com mais três amigas dela, que não caíram no golpe.

Proteja-se do golpe

Como agem os criminosos?

  • Após o bandido obter dados pessoais de um usuário, ele liga na companhia telefônica se passando pelo cliente e habilita um novo chip de celular com o mesmo número, apesar de não ter roubado o aparelho.
  • O criminoso se passa por parente ou amigo da vítima, para facilitar a transferência de dinheiro para contas de laranjas.
  • Depois de ter conseguido o número da conta corrente ou do cartão de crédito, utilizando outro método fraudulento, o golpista consegue evitar que o correntista receba alertas de compras ou códigos de segurança (ex. Token SMS), enviados pelo banco.
  • Um indício deste golpe é quando o celular para de funcionar repentinamente.

Como evitar o golpe?

  • Proteja seus dados pessoais, sem revelar senhas e número de documentos para desconhecidos.
  • Quando perceber qualquer movimentação estranha em sua conta corrente, poupança, ou celular para de funcionar repentinamente, avise seu gerente ou contate a operadora do seu celular.
  • Desconfie de ligações ou mensagens inesperadas.
  • Comunique às empresas responsáveis assim que desconfiar de qualquer ação em seu nome.
  • Registre boletim de ocorrência na delegacia mais próxima.

Empresários do DF desviaram R$ 55 milhões com fraude em licitações

Sem Comentários

27/07/2018

Uma operação chamada Monopólio, deflagrada na quinta-feira (26) pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), revelou que através de fraudes em licitações, alguns empresários da capital conseguiram movimentar R$ 55 milhões. O grupo atuava desde 2011 em contratos firmados com algumas Administrações Regionais do DF. As investigações haviam começado em 2014, quando uma denúncia anônima apontou que os empresários usavam um grupo de empresas registradas em nome de laranjas (em geral, funcionários ou parentes) para fraudar as licitações. As ações ilícitas teriam acontecido, principalmente, em contratos com as administrações regionais de Águas Claras e do Gama, segundo as apurações. Conforme a polícia, o esquema ocorria em licitações do tipo “convite”, em que pelo menos três empresas são convidadas para disputar a realização de uma obra com valor menor que R$ 150 mil. Com isso, não é necessário “divulgar” a licitação.

Entre as principais obras fraudadas estavam a construção de quadras poliesportivas, parquinhos e a instalação de meio-fios. Durante o pente-fino, foram analisadas 259 licitações vencidas pelas empresas investigadas. Foram cumpridos 24 mandados de busca e apreensão e 18 de prisão temporária (por cinco dias). Entre os alvos, havia três servidores públicos, além dos empresários e seus laranjas. Os investigados foram indiciados por fraude em licitação, organização criminosa (com aumento de pena por envolverem servidores públicos), lavagem de dinheiro, corrupção ativa e corrupção passiva. O GDF informou que irá exonerar os servidores.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Destak

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Suspeitos de fraude em financiamentos de carros são presos no Alto Tietê

Sem Comentários

26/07/2018

Nesta quinta-feira (26), uma operação prendeu sete suspeitos no Alto Tietê. De acordo com a Polícia Civil, eles são integrantes de um esquema de fraude para o financiamento de veículos. Os suspeitos foram presos em Itaquaquecetuba, Mogi das Cruzes e Suzano. “Eles faziam a venda simulada de automóveis. Com isso acessavam de forma fraudulenta o sistema de instituições financeiras e faziam financiamentos fraudulentos. Depois faziam a alienação do automóvel. Um laranja recebia a quantia e distribuía o dinheiro em transferências e depósitos, explicou o delegado do 4º Distrito de Guarulhos que comandou a operação. Além da prisão dos suspeitos, a polícia apreendeu carros, joias, dinheiro, dólares, duas pistolas sendo que uma estava com a numeração raspada e drogas.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Homem é preso por estelionato e apropriação indébita de veículos

Sem Comentários

24/07/2018

Na madrugada desta terça-feira (24), a Delegacia de Roubos e Furtos de Veículos e Cargas autuou um homem suspeito de participar de um esquema de apropriação indébita e estelionato. J.A.S. transferia a propriedade de veículos de locadora e botava em nome de um laranja até que ele fosse vendido a um comprador de boa fé. No momento da prisão, ele estava com quatro cédulas diferentes de identidade e também foi autuado por uso de documento falso. Segundo a delegada responsável, além dos documentos, também foram apreendidos três veículos pertencentes a locadoras diversas. A operação que resultou na prisão do suspeito contou com a participação do serviço de inteligência do Departamento Estadual de Trânsito (Detran/AL) e pelo menos mais duas pessoas estariam envolvidas no esquema. Elas não tiveram os nomes revelados pela polícia porque ainda não foram presas. “Ele fazia a transferência do veículo, tirava do nome da locadora, botava em nome de um laranja e depois fazia mais duas ou três transferências antes de vender a um comprador de boa fé. A operação contou com a participação muito ativa da inteligência do Detran e eles que identificaram, durante vistorias, a ação desse pessoal”, afirma a delegada, ressaltando que as transferências eram feitas em Detrans de outros estados. O preso foi encaminhado à delegacia e agora aguarda a realização da audiência de custódia.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Gazeta Web

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Mulher que se passava por servidora federal é presa por estelionato

Sem Comentários

04/12/2017

Na última semana, uma mulher, de 33 anos, suspeita de aplicar golpes em terceiros se passando por funcionária da Receita Federal, foi presa em flagrante, pelo Setor de Crimes Contra a Economia, Fraudes e Estelionato (Sicrefe), da 15ª Subdivisão Policial (SDP) de Cascavel. A prisão aconteceu em uma residência, situada no bairro Interlagos. Segundo informações policiais, a suspeita dizia ter veículos e demais produtos eletrônicos apreendidos que poderiam ser liberados mediante pagamento, e negociava a venda das mercadorias via grupos de aplicativo de mensagens instantâneas no celular. Na situação em que foi flagrada, a mulher estava oferecendo uma caminhonete Hilux, ano 2017, para uma pessoa que já havia depositado R$550 para a suposta liberação do veículo. A vítima em questão passou a desconfiar da mulher, que pediu para que ele depositasse mais R$150 e não havia lhe passado garantia alguma sobre a aquisição da caminhonete. Diante do fato a vítima procurou pela polícia para relatar o caso. Os policiais iniciaram as diligências logo de imediato e conseguiram chegar até o titular da conta em que a suspeita pedia para as vítimas realizassem os depósitos. Ela dizia que tratava-se de seu chefe, entretanto, era de um familiar (idoso) que ela utilizava de “laranja”. Ao ser questionado pela equipe, o homem relatou não ter conhecimento dos depósitos e alegou que a suspeita havia lhe pedido a conta emprestada para que pudesse receber um dinheiro – sem justificar a procedência. Conforme o delegado responsável pela ação, a mulher possui pelo menos três Boletins de Ocorrência (BOs) contra ela na unidade policial, que relatam a mesma prática criminosa. Na delegacia, a mulher confessou o crime e foi autuada em flagrante pelo crime de estelionato. Razão pela qual permanece presa no Setor de Carceragem Temporária (Secat) da 15ª SDP de Cascavel à disposição da Justiça.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: TNOnline

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Suspeito de golpe é preso por alugar carro em GO e tentar vender no ES, diz polícia

Sem Comentários

11/07/2017

Na noite desta segunda-feira (10), um homem, de 50 anos, foi preso após ser flagrado pela Polícia Civil, no Espírito Santo, vendendo carros alugados em Goiás, com documentos falsos. De acordo com a polícia, ele transferia o veículo para um ‘laranja’ em outro estado para cometer a fraude sem ser descoberto. No Espírito Santo, há dois registros de veículos com o nome do suspeito. O homem tentou vender em uma Duster 2017 alugada com documento falso no nome de outra pessoa, no mês de junho, em Goiás. A empresa tinha um sistema particular para verificação de veículos, descobriu a fraude e entrou em contato com a polícia. O sujeito chegou a anunciar a venda da Duster em um site de compras e vendas de produtos por R$58 mil. Policiais da Delegacia de Defraudações (Defa) se passaram por compradores, marcaram um encontro com o suspeito, em um shopping de Vitória, e deram voz de prisão. Ele foi indiciado pelos crimes de receptação qualificada e associação criminosa, devido à ajuda que recebeu de um amigo e da esposa para realizar a fraude na locadora. Ele ainda vai ser indiciado pelos crimes de uso de documentos falsos, falsificação de documento público, falsidade ideológica, inserção de dados falsos no sistema e estelionato.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Suspeito de estelionato é preso em Aracaju

Sem Comentários

27/03/2017

Suspeito de cometer crime de estelionato em Aracaju, um homem foi preso no último sábado (25). De acordo com a polícia, ele abriu uma empresa de eventos e alugou imóveis, entre eles um casarão na Zona Sul da capital e contratou 24 pessoas. Os funcionários informaram que inicialmente não era possível perceber que se tratava de um golpe. E o que eles sabiam é que a empresa era uma produtora de eventos e que iria criar um programa de TV na área do entretenimento. Ainda de acordo com eles, todos os recrutados eram obrigados a pagar uma taxa de R$ 148. O falso empresário dizia que era para um treinamento e depois assinaria a carteira de trabalho de todos. O crime só foi descoberto depois que um dos funcionários desconfiou do golpe quando verificou o CNPJ da empresa de eventos, que segundo ele estava no nome de um laranja. Um grupo de funcionários prendeu o suspeito e o entregou à polícia. O suspeito já praticou o crime de estelionato em São Paulo e na Bahia. Neste domingo (26) ele foi encaminhado para audiência de custódia e de acordo com o Tribunal de Justiça, o juiz revogou a prisão em flagrante por constatar que a prisão não obedeceu os requisitos do código de processos penais.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior