INSS recebe 461 denúncias de golpes contra aposentados

Sem Comentários

17/08/2018

Segundo dados da Ouvidoria Previdenciária, as denúncias de golpes financeiros contra aposentados e pensionistas do INSS tiveram queda de 29% no primeiro semestre de 2018. Entre janeiro e junho, o órgão recebeu 461 queixas. No mesmo período de 2017, a Ouvidoria havia registrado 649 relatos de beneficiários que se disseram vítimas de estelionatários. O recuo nas denúncias em 2018 pode ser reflexo do aumento fora do comum ocorrido no ano anterior. Na comparação entre os primeiros semestres de 2016 e de 2017, as reclamações à Ouvidoria cresceram 84%, passando de 353 para 649.

Os números devem ser observados com cautela, avalia a presidente do IBDP (Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário). Ela explica que a quantidade de golpes informados é pequena perto do total de beneficiários e, por isso, pode não representar efetiva redução nas fraudes. “Os golpes continuam sendo aplicados”, afirma. “A redução das denúncias pode significar desconhecimento da população sobre o canal [Ouvidoria] ou descrença em relação à solução do problema”, diz. O Ministério do Desenvolvimento Social, responsável pelo INSS, recomenda aos segurados não repassarem nenhum tipo de informação pessoal ou dados previdenciários a pessoas ou empresas desconhecidas. Caso tenha dúvidas sobre o benefício, o segurado deve procurar as agências da Previdência ou ligar para o 135. Caso já tenha sido vítima de algum intermediário, a recomendação do órgão ao beneficiário é que ele cadastre uma manifestação na Coordenação Geral da Ouvidoria Previdenciária e relate o ocorrido, informando detalhes. A reclamação pode ser registrada pelo telefone 135, escolhendo a opção “ouvidoria”, ou por meio do site do INSS (inss.gov.br).

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Correio do Estado

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Aposentado de Mogi descobre mais de R$ 23 mil em empréstimo consignado

Sem Comentários

14/08/2018

Um aposentado de 73 anos de Mogi das Cruzes descobriu empréstimos consignados em seu benefício de mais de R$ 23 mil. Ele denunciou o caso à polícia nesta segunda-feira (13). O aposentado contou no 1º Distrito Policial que é beneficiário do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Ele afirmou que constatou que foram feitos quatro empréstimos consignados em seu benefício, totalizando mais de R$ 23 mil. Segundo a vítima, os empréstimos foram feitos em várias parcelas. O aposentado negou ter contratado os empréstimos e afirmou desconhecer quem possa ter feito a operação em seu nome. O boletim de ocorrência foi registrado como estelionato.

Sem seguro-desemprego

Uma mulher de 49 anos perdeu a segunda parcela do seguro-desemprego. Ela também esteve no 1º DP, nesta segunda-feira. A mulher contou que no dia 8 de agosto desconhecidos sacaram a segunda parcela do seguro, no valor de R$ 954, em um estabelecimento bancário em Santo André. A vítima disse que um funcionário do banco a informou que o saque foi feito por meio do cartão cidadão. No entanto, a mulher afirma que quando foi receber a primeira parcela, um funcionário do banco solicitou um cartão cidadão em seu nome. Ele disse que a vítima o receberia quando sacasse a segunda parcela do benefício. Porém, ela disse que não recebeu até o momento o cartão. O caso também foi registrado como estelionato.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Justiça condena mulher que fraudou 16 benefícios do INSS a 8 anos de prisão

Sem Comentários

23/07/2018

A Justiça Federal do Amapá condenou uma mulher, de 58 anos, a 8 anos, 5 meses e 20 dias de prisão em regime inicialmente fechado por fraudar 16 benefícios solicitados ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Ela foi presa em novembro de 2017 e segue presa após a condenação. O processo judicial foi motivado após denúncia formalizada pelo Ministério Público Federal (MPF), em janeiro. C.S.C. foi acusada por estelionato e associação criminosa, por ter fraudado 16 benefícios de Prestação Continuada (BPC) da Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS), que paga um salário mínimo mensal à pessoa com deficiência ou maiores de 65 anos que não têm renda. Conforme a denúncia do MPF, a mulher convencia pessoas humildes a fornecerem cópias de documentos pessoais e utilizava nomes, endereços e documentos falsos para pedir os benefícios. As investigações, segundo o MPF, também constataram que a condenada conseguiu fraudar a previdência com, pelo menos, cinco identidades diferentes.

C.S.C. foi presa preventivamente em novembro de 2017, durante a operação Anagrama. Segundo as investigações da Polícia Federal (PF), ela é mentora e executora de um esquema arquitetado para obter benefícios de forma fraudulenta junto ao INSS, que recebeu, pelo menos, 16 benefícios em sete agências no Amapá e Pará. Durante a operação, a PF apreendeu materiais utilizados para falsificação, documentos e cartões de bancos na casa da acusada, no Pará. O prejuízo aos cofres públicos foi de quase R$ 90 mil, considerando o recebimento indevido no período de novembro de 2014 a outubro de 2015.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Saiba como fugir dos golpes aplicados nos aposentados

Sem Comentários

02/07/2018

Aposentados e pensionistas do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) devem desconfiar de promessas sobre revisões de benefícios e permanecer atentos a descontos desconhecidos em seus salários para que não sejam vítimas dos mais diversificados tipos de golpes. As fraudes contra aposentados geralmente ocorrem de duas formas. A primeira e mais comum, é o golpe do crédito consignado. O segurado é surpreendido por um desconto que não autorizou ou mesmo, se pediu o empréstimo e quitou, com a continuidade dos descontos. O mesmo tipo de problema acontece com descontos de organizações às quais o segurado nunca se associou. O aposentado ou pensionista precisa olhar sempre o informe de pagamentos para identificar possíveis descontos não autorizados. Caso identifique algo errado, a dica é registrar um boletim de ocorrência, reclamar com o INSS e com a instituição, além de pedir o ressarcimento dos valores. Caso o dinheiro não seja devolvido, ele pode ir à Justiça.

ASSOCIAÇÕES

Outro golpe comum que vem sendo aplicado é quando associações abordam aposentados e pensionistas por telefone ou enviam cartas dizendo que eles têm direito a uma revisão no INSS que pode pagar uma bolada. Para cumprir a promessa de vitória, os golpistas pedem pagamento antecipado. O segurado que for abordado deve sempre procurar uma segunda opinião e não fornecer dados bancários.

FRAUDES CONTRA SEGURADOS

> Aposentados e pensionistas do INSS devem ficar atentos para não cair em golpes
> Há diversas modalidades aplicadas por golpistas, que podem trazer grandes prejuízos

Descontos de crédito consignado ou associações

Os descontos podem ser ilegais quando:

> O beneficiário não pediu o empréstimo, mas teve a grana depositada na conta dele
> O segurado não recebeu a grana do empréstimo, mas teve as parcelas descontadas
> Fez e quitou o consignado, mas os descontos no benefício continuam
> O aposentado paga mensalidade para uma organização à qual nunca se associou

O QUE FAZER

> Registre um boletim de ocorrência em uma delegacia
> Vá ao banco, peça extratos e faça uma reclamação formal
> Ligue na Ouvidoria do INSS, no número 135, e, se possível, leve a reclamação por escrito em uma agência
> Se o banco ou a associação não devolver a grana, o segurado pode buscar a Justiça

Dica! É possível solicitar ao INSS o bloqueio dos descontos indevidos na aposentadoria 

COMO OS GOLPISTAS AGEM

> O aposentado ou pensionista recebe um telefonema dizendo que o segurado tem direito a uma revisão no benefício
> Há golpistas que mandam cartas com número de telefone para que o segurado entre em contato
> Essas pessoas pedem o depósito de um valor para habilitar a revisão ou liberar a grana do precatório

COMO EVITAR

>  Não é comum que advogados peçam valores para entrar antecipadamente com ações, então, nunca deposite grana com a promessa de ganhar uma revisão
> O INSS não pode abordar segurados dessa maneira, por isso, desconfie do contato se alguém falar em nome do instituto
> Procure a ouvidoria do INSS e registre um boletim de ocorrência na delegacia, caso desconfie se tratar de uma fraude

TOME CUIDADO

> Nunca forneça dados bancários ou de seu benefício por telefone a desconhecidos
> Caso seja abordado, procure opiniões de outros advogados para ver se o direito realmente existe
> Desconfie de quem promete boladas de dinheiro em ações totalmente desconhecidas

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Correio do Estado

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

PF deflagra 2ª fase de operação que investiga desvios no INSS em Rondônia

Sem Comentários

29/06/2018

Nesta sexta-feira (29), a Polícia Federal (PF) deflagrou mais uma etapa da operação que apura a atuação de uma associação criminosa na agência do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) em Ariquemes (RO). Ao todo, estão sendo cumpridos 13 mandados de busca e apreensão e 40 policiais federais participam da ação no estado. Segundo a PF, esta é a 2ª fase da Operação Consilium Fraudi. Na cidade de Ariquemes, um grupo vinha obtendo ilegalmente benefícios através do INSS, como pensões, aposentadorias e segurado especial. Tudo mediante ao pagamento de propina. Durante a 1ª fase da operação, feita em março de 2017, a PF constatou a concessão de benefícios previdenciários fraudulentos com a participação de advogados. Segundo investigação, este grupo requeria benefícios e pedidos com documentos falsos. Após ajustar tais benefícios com os servidores do INSS, os pagamentos eram concedidos pela autarquia previdenciária ao grupo. O prejuízo apurado com os desvios previdenciários nesta 2ª fase da operação é de aproximadamente R$ 650 mil. Ainda conforme a PF, todo o prejuízo evitado aos cofres públicos com a operações chega a R$ 3,7 milhões, considerando a expectativa de vida dos beneficiários. Os mandados de busca e apreensão são cumpridos em Ariquemes, Porto Velho e Alto Paraíso.

Afastamento de servidores

Conforme a PF, a Justiça Federal determinou o afastamento de dois servidores do INSS, a suspensão de 14 benefícios previdenciários, a suspensão do exercício da advocacia na área previdenciária de seis profissionais registrados na Ordem dos Advogados do Brasil em Rondônia (OAB-RO), o afastamento do sigilo bancário dos investigados. Também foi decidido pela proibição dos investigados em frequentarem qualquer agência da Previdência Social no país. Os investigados devem responder na Justiça por associação criminosa, falsificação de documentos, uso de documento falso, inserção de dados falsos em sistemas de informação, corrupção passiva, corrupção ativa, entre outras.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

PF apreende documentos de grupo suspeito de fraudar benefícios do INSS, em Curitiba

Sem Comentários

15/06/2018

A Polícia Federal (PF), nesta sexta-feira (15), apreendeu carteiras de trabalho e outros documentos de um grupo suspeito de fraudar benefícios de assistência social para idosos, fornecidos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Conforme a polícia, o Instituto identificou que intermediários apresentavam comprovantes falsos de residência em nome de terceiros, declarações de renda e de estado civil, para cometer as fraudes. A PF informou ainda que a ação foi autorizada pela 12ª Vara Federal em Curitiba (PR), que determinou a suspensão de benefícios identificados com suspeita de fraudes pelo INSS.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Idosos são presos ao tentar sacar aposentadoria com identidades falsas

Sem Comentários

12/06/2018

Nesta segunda-feira (11), dois idosos foram presos em flagrante tentando sacar dinheiro de aposentadorias com documentos falsos em Bezerros (PE). De acordo com a Polícia Federal (PF), ambos tentavam retirar o dinheiro da previdência social em uma agência bancária utilizando outros nomes. No momento do flagrante, os suspeitos estavam acompanhados por duas adolescentes que se passavam por neta deles. Uma das menores foi apreendida e a outra conseguiu fugir. Ainda, o delegado da PF informou que os nomes que os idosos usavam para tentar sacar o benefício serão levados para uma auditoria juntamente ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) com o objetivo de certificar a existência dessas pessoas de fato. Os dois idosos foram levados para a sede da Polícia Federal de Caruaru (PE), de onde aguardam a apresentação em audiência de custódia. A PF não divulgou em quais crimes os suspeitos foram autuados.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: TV Jornal

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior Próximo