Operação da Polícia Civil cumpre mandados de prisão a servidores do Detran em Santarém

Sem Comentários

20/06/2018

Foi deflagrada, no início da manhã desta quarta-feira (20), uma operação da Polícia Civil em Santarém (PA), para cumprimento de mandados de prisão de servidores do Detran-PA (Departamento Estadual de Trânsito do Pará), ex-servidores e despachantes que estariam vendendo CNHs e fazendo apreensão de veículos. A operação também faz busca e apreensão.

Segundo a polícia, a denúncia sobre o esquema criminoso foi feita pelo próprio Detran, no ano de 2015, quando as investigações foram iniciadas pela Polícia Civil. Durante o inquérito, a polícia constatou indícios de infrações penais como associação criminosa, falsidade ideológica, inserção de dados falsos em sistema de informação, concussão (obtenção de vantagem indevida por servidor público), corrupção passiva e corrupção ativa, advocacia administrativa, dentre outras ilegalidades. As investigações foram feitas pelo Núcleo de Investigação (NAI) da superintendência regional de polícia do Baixo-Amazonas.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia Federal investiga fraude no INSS em Pernambuco

Sem Comentários

02/04/2018

Uma operação, chamada Calabarismo, foi deflagrada nesta segunda-feira (02) pela Polícia Federal em Pernambuco, para investigar uma servidora pública suspeita de falsificar certidões e contratos de união estável entre beneficiários do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que morreram para conceder pensões pós-morte irregularmente. Ao menos 15 aposentadorias fraudadas pela organização criminosa estão sendo alvo de levantamentos e os prejuízos financeiros causados aos cofres públicos até agora detectados chegam a R$ 143 mil. Porém, a polícia ainda não tem o número exato de pessoas que foram beneficiadas pelas fraudes. Os benefícios investigados são relativos aos anos de 2014 e 2015. As 17 pessoas alvos de mandados de intimação tiveram as pensões canceladas após procedimento instaurado pelo próprio instituto, no início das investigações. Segundo o delegado da Delegacia Regional de Investigação ao Crime Organizado, os beneficiários sequer conheciam as pessoas de quem herdavam os benefícios. “No sistema do INSS, quando algum beneficiário morria e não deixava dependentes, a servidora forjava um vínculo, seja de filho ou de companheiro”, disse. A servidora do INSS, lotada na agência do instituto no Pina, Zona Sul do Recife, havia sido suspensa e, na operação Calabarismo, foi afastada das atividades. São investigados crimes como estelionato contra entidade de direito público e inserção de dados falsos em sistema de informações, cujas penas, somadas, ultrapassam 17 anos de reclusão.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Destak

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia Federal deflagra em PE operação para combater fraudes no INSS

Sem Comentários

26/03/2018

Na manhã desta segunda-feira (26), no Grande Recife, Pernambuco, a Polícia Federal deflagrou uma operação para combater fraudes no sistema previdenciário. As investigações da “Operação Tabocas” começaram em 2014 e detectaram um prejuízo de ao menos R$ 140 mil ao poder público, por meio de benefícios concedidos irregularmente. Ao todo, 15 agentes da PF cumprem oito mandados de intimação e dois de busca e apreensão, dos quais um é cumprido na agência do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) de Vitória de Santo Antão, na Mata Norte, e na casa de uma servidora pública da mesma unidade. Para conceder os benefícios irregulares, eram utilizados documentos falsos, providenciado por meio da atuação de intermediários e atravessadores. Os crimes que estão sendo investigados são os de estelionato contra entidade de direito público e inserção de dados falsos em sistema de informações, cujas penas, somadas, ultrapassam 17 anos de reclusão. Desde o início das investigações, foram comprovadas fraudes na concessão e valores de benefícios como pensões e aposentadorias concedidos por meio da simulação da condição de segurado especial, que é dada a trabalhadores rurais em regime de economia familiar. A servidora que é alvo do mandado de busca e apreensão foi afastada das atividades de recepção, análise, habilitação e concessão de benefícios da seguridade social. O nome dela não foi divulgado. Também foi determinada a suspensão das aposentadorias por idade em que foram detectadas as irregularidades. A polícia estima que foi prevenido um prejuízo futuro de R$ 470 mil. Os oito mandados de intimação são cumpridos nas cidades de Vitória de Santo Antão, na Mata Norte, Limoeiro, no Agreste, em Abreu e Lima e Paulista, no Grande Recife.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Operação da PF combate fraudes em benefícios previdenciários em Alagoas

Sem Comentários

12/03/2018

Em Alagoas, foi deflagrada na manhã desta segunda-feira (12), pela Polícia Federal , em ação conjunta com a Secretaria de Previdência do Ministério da Fazenda e o Ministério Público Federal, a Operação Terra Prometida, que visa desarticular uma quadrilha especializada em fraudar benefícios de Aposentadorias por Idade Rurais, Pensões por Morte Rurais e Salários Maternidade Rurais. Estão sendo cumpridos 24 mandados judiciais, sendo três de prisões temporárias e 21 de busca e apreensão, nos municípios de Delmiro Gouveia, Água Branca e Canapi. As investigações iniciaram em 2016, a partir de denúncias recebidas pela Coordenação-Geral de Inteligência Previdenciária (COINP) da Secretaria de Previdência, que fez levantamento das irregularidades desde o ano de 2012. Identificou-se que o grupo criminoso vinha atuando há pelo menos cinco anos e era formado por dois servidores públicos, como também por dirigentes sindicais e intermediários. Segundos levantamentos iniciais, estima-se que, em 21 benefícios obtidos fraudulentamente, o esquema criminoso tenha provocado um prejuízo de mais de R$ 500 mil aos cofres públicos. No entanto, os valores podem atingir a cifra de mais de R$ 2 milhões após análise do material que está sendo apreendido neste momento.

A desarticulação da quadrilha proporcionará uma economia de mais de R$ 3 milhões em valores que seriam pagos futuramente aos supostos beneficiários. As pessoas presas serão levadas para a sede da Polícia Federal em Maceió, onde serão indiciadas pela prática dos crimes previstos nos Artigos 171, § 3º (estelionato cometido contra entidade de direito público. Pena: 1 a 5 anos de reclusão), 313-A (Inserção de dados falsos no sistema de informações – Pena: 2 a 6 anos de reclusão) e 288 do código penal (Formação de quadrilha. Pena: 1 a 3 anos de reclusão) cujas penas somadas chegam a 14 anos de reclusão. A operação conta com a participação de mais de 80 policiais federais e de servidores da Secretaria de Previdência. A operação foi denominada “Terra Prometida” em alusão aos dirigentes sindicais e intermediários que prometiam contratos de comodato rural e declaração de atividade rurícola para pessoas que nunca laboraram nas propriedades informadas nos referidos documentos, em troca de favorecer os mesmos com benefícios rurais.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Correio do Povo

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia Federal prende 17 pessoas em operação contra fraudes no seguro-desemprego no PA e MA

Sem Comentários

22/02/2018

Na manhã desta quinta-feira (22), a Polícia Federal prendeu 17 pessoas durante uma operação para combater fraudes no seguro-desemprego no Pará e no Maranhão. No total, foram expedidos 19 mandados de prisão e 27 de busca e apreensão nas cidades de Redenção e Conceição do Araguaia, no Pará, e em São Luís e São José de Ribamar, no Maranhão. Somente no Pará foram 12 as prisões. Duas pessoas continuam foragidas. O objetivo da operação, batizada de Seguro Fake, é desarticular um grupo criminoso especializado em fraudes no seguro-desemprego. Segundo as investigações, os dois estados apresentam alta incidência desta modalidade de fraude. Há buscas no Ministério do Trabalho em Redenção. Segundo a PF, os bandidos enganavam trabalhadores de baixa renda dizendo que eles tinham direito a benefícios como seguro-desemprego. Os criminosos pegavam os dados pessoais das vítimas e davam entrada no benefício. Quando a quadrilha sacava o dinheiro, eles ficavam com a maior parte dele. Ainda de acordo com a PF, empresas fantasmas foram criadas para criar vínculos empregatícios fictícios para conseguir dar entrada no seguro. “Conseguimos através de diligências de campo e todos os meios disponíveis da Polícia Federal em trabalho conjunto com o Ministério do Trabalho e Emprego. Conseguimos identificar milhares de requerimentos de seguro-desemprego fraudulentos inseridos no sistema, por uma parte dessas pessoas que foram presas durante a operação, que são agentes credenciados do Sine e do Ministério do Trabalho e Emprego que burlaram o sistema. Eles inseriram dados falsos e em muitos dos casos disponibilizaram saques fraudulentos desses requerimentos de seguro-desemprego. Muitos casos foram bloqueados pelo sistema do Ministério do Trabalho e Emprego, evitando que o prejuízo ao erário fosse potencializado”, detalhou o delegado responsável pela operação da PF. No Pará foram presos um servidor no MTE de Redenção e quatro funcionários da agência do Sine em Conceição do Araguaia. Em São Luís foram presos quatro servidores do Sine.

Equipamentos foram apreendidos nas primeiras horas da operação no Pará. (Foto: Divulgação/ Polícia Federal)

Tentativas de fraude

Em um dia, em apenas 10 minutos, os policiais flagraram 42 tentativas de fraude em uma única agência bancária na cidade de Redenção. Os investigados responderão por estelionato qualificado, inserção de dados falsos em sistemas de informações e associação criminosa, com penas que podem ultrapassar 20 anos de reclusão. De acordo com os técnicos do Ministério do Trabalho, desde a implantação do sistema antifraude desenvolvido em 2016, o mecanismo já identificou e bloqueou mais de 57 mil tentativas de fraudes no país, conseguindo evitar desvios de aproximadamente R$ 800 milhões para os cofres públicos.

PF faz operação contra fraude no seguro-desemprego

Sem Comentários

22/02/2018

Nesta quinta-feira (22), a Polícia Federal (PF) deflagrou a Operação Seguro Fake contra um esquema especializado em fraudes no seguro-desemprego. Estão sendo cumpridos 19 mandados de prisão e 27 de busca e apreensão nas cidades de Redenção, Conceição do Araguaia, São Luiz e São José de Ribamar, nos Estados do Pará e Maranhão. Em nota, a PF informou que os dois Estados têm “alta incidência desta modalidade de fraude”. “Essa fase da investigação é resultado do desenvolvimento de uma nova metodologia de investigação elaborada pela Polícia Federal e o Ministério do Trabalho, que inter-relacionam saques, apontando elementos comuns e possibilitando indicar qualquer tipo de fraude. Durante as investigações foram identificados quatro grupos criminosos”, diz nota da PF. A operação é coordenada entre policiais federais e servidores do Ministério do Trabalho especializados em rastrear as inclusões fraudulentas de benefícios do Seguro Desemprego. “Em apenas 10 minutos os policiais flagraram 42 tentativas de fraude ao benefício em uma única agência bancária na cidade de Redenção (PA), afirma a PF. Segundo os técnicos do Ministério, o trabalho em conjunto com a PF, desde a implantação do sistema antifraude desenvolvido pela pasta em 2016, teria identificado e bloqueado mais de 57 mil tentativas de fraudes no País, o que equivaleria a desvios de aproximadamente R$ 800 milhões para os cofres públicos. Os investigados responderão por estelionato qualificado, inserção de dados falsos em sistemas de informações e associação criminosa, com penas que podem ultrapassar vinte anos de reclusão. A delegacia da Polícia Federal na cidade paraense de Redenção é o protótipo dessa nova metodologia de investigação que passará a ser utilizada em todas a delegacias do Brasil.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: InfoMoney

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Homem é detido por usar CNH falsa para se inscrever em concurso em MT

Sem Comentários

22/08/2017

Na última sexta-feira (18) F.W. B., de 28 anos, foi conduzido pela equipe de policiais cedidos à Coordenadoria de Fiscalização de Credenciados (CFisc) do Detran/MT, para a Delegacia de Polícia de Lucas do Rio Verde,  por indícios do uso de  Carteira Nacional de Habilitação (CNH) falsa, falsidade ideológica e inserção de dados falsos em sistema de informação. O homem foi detido quando tentava participar do Curso Especializado para Condutores de Movimentação Operacional de Produtos Perigosos (MOPP), em um Centro de Formação de Condutores (CFC). No ato da fiscalização foi solicitado que os candidatos presentes na lista de chamada apresentassem a CNH. O suspeito alegou não possuir nenhum documento pessoal e em seguida tentou fugir da autoescola autorizada onde assistia aula e foi impedido pela equipe de policiais. Ao ser indagado sobre a sua CNH, o homem apresentou uma cópia digital em seu celular e em seguida confessou ter falsificado a CNH de sua mulher, escaneado e editando a imagem para inserir seus dados pessoais e assim poder realizar sua matricula no curso MOPP. Os indícios de irregularidades foram constatados pela Coordenadoria de Controle de Formação de Condutores, que em análise preliminar apurou incongruências entre os dados dos documentos apresentados pelo candidato com os consultados no sistema Detrannet. Em razão dos indícios de irregularidades a equipe da CFISC encaminhou o suspeito para delegacia de polícia local, onde foi registrado BO para providências da autoridade policial competente. Também será analisada a conduta do CFC.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Folha Max

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior