Número de ataques cibernéticos no Brasil quase que dobrou em 2018

Sem Comentários

07/08/2018

Em 2018, o número de ataques cibernéticos praticamente dobrou no Brasil. Segundo informações de um laboratório especializado em cibersegurança, foram detectados 120,7 milhões de ataques cibernéticos no primeiro semestre de 2018. Este número representa um crescimento de 95,9%. Nos últimos três meses do ano, foram registrados 63,8 milhões de links maliciosos, um aumento de 12% em relação ao começo do ano. O documento mostra que o campeão de golpes são os links em apps de mensagens como WhatsApp. Ao todo 57,4% dos ataques foram com phishing, quando o usuário é convidado a clicar em um link que ele julga ser real. Em segundo lugar, golpes com publicidade suspeita somam 19,2% dos casos.

“Os números são alarmantes, pois, se comparados ao total da população brasileira, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), projeta-se que um em cada três brasileiros pode ter sido vítima de cibercriminosos somente entre os meses de abril, maio e junho de 2018. Somado a isso, nossa análise nos mostra que, a cada segundo, no último trimestre, foram detectados oito links maliciosos. Foram mais de 28 mil detecções por hora”, explica o diretor do laboratório.

Fake News

Segundo o levantamento, nos dois primeiros trimestres deste ano foram 7,3 milhões de casos de golpes utilizando notícias falsas na internet, seja em redes sociais ou apps mensageiros. Os dados chamam atenção por conta de um aumento de 51,7% se comparados os dois primeiros trimestres deste ano. As principais informações divulgadas dizem respeito à aquisição de dinheiro fácil, TV e celebridades e política. De acordo com o diretor, a preocupação com notícias falsas tem crescido por conta de sofisticação de conteúdo, cada vez mais próximo de situações que poderiam ser reais.

“Estes dois últimos [publicidade e notícias falsas], no entanto, demandam especial atenção a partir do momento em que apresentaram um aumento de mais de 50% entre o primeiro e o segundo trimestre e mantêm como principal objetivo do ataque o lucro indevido a partir de visualizações, acessos e cliques”, informa.

Copa

Por fim, o relatório informa que hackers se aproveitaram da Copa do Mundo para difundir golpes. Segundo levantamento, foram 69 taques registrados e 6 milhões de acessos e compartilhamentos. O grande atrativo, contudo, foi a promessa de que usuários poderiam ganhar uma camisa da seleção. Conforme os dados, 98,1% dos casos prometiam algum item.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: CanalTech

Fique ligado.

Golpe do Dia dos Pais atrai vítimas com páginas falsas no Facebook

Sem Comentários

02/08/2018

Conforme a proximidade de uma nova data comemorativa, um novo golpe começa a circular pelas redes sociais. Isso porque a busca por presentes, descontos ou brindes faz muitos internautas desatentos clicarem em links e propagandas falsas. O Dia dos Pais será no dia 12 de agosto, mas uma ação em massa no Facebook já atua para atrair novas vítimas para um golpe bancário. Ao longo dos últimos sete dias, um laboratório de segurança especializado no combate ao cibercrime, identificou 60 páginas falsas na rede social, que se aproveitam do nome de diversas lojas famosas para passar credibilidade. As cores e os logos são copiados para que seja difícil perceber que a página exibida na tela não é a oficial. Até mesmo o serviço de autoatendimento no Facebook Messenger, com respostas automáticas de robôs, tem uma versão criada pelos cibercriminosos. Um ponto em comum de todas as páginas criadas é que o nome da loja é substituído por “Mês dos pais”, “especial dia dos pais” ou “Black Friday Dia dos Pais”. O preço mais baixo do que a média para TVs 4K e smartphones de última geração chamam a atenção dos consumidores. Uma página falsa é aberta assim que o link falso é clicado. Ao inserir todos os dados do cartão de crédito e, supostamente, concluir a compra, tudo é enviado para os golpistas. Para se proteger desse tipo de crime virtual o ideal é não clicar em links recebidos pelas redes sociais ou por aplicativos de mensagens. Para ter certeza de que é uma tentativa de golpe e não de uma promoção, acesse o site oficial da empresa e confirme as informações recebidas.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: R7

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Saque do PIS/PASEP do INSS em 2018 que virou golpe no WhatsApp

Sem Comentários

23/07/2018

Cibercriminosos criaram um novo golpe, disseminado pelo WhatsApp, que atrai as pessoas que têm interesse em sacar os valores do PIS/PASEP. O governo mal liberou os saques das cotas para pessoas de todas as idades que trabalharam de 1971 a 1988 — a começar pelos que têm entre 57 e 59 anos —, e o golpe já começou. Conforme uma empresa de segurança digital, nas últimas 24 horas, 116 mil pessoas foram vítimas da fraude. No novo golpe, os usuários do aplicativo recebem uma falsa mensagem com dois links alertando sobre a possibilidade de retirada do benefício. Ao clicar em um dos links, o internauta é conduzido a uma página com uma mensagem que pede para conferir se o nome da pessoa consta na lista de beneficiados. Logo em seguida, sugere-se que o usuário responda a algumas perguntas: “Você trabalhou com carteira assinada entre 2005 e 2018?”; “Você está registrado atualmente?”, entre outras. O golpe, no entanto, traz informações erradas sobre o período de trabalho que gera o direito ao benefício e sobre o valor a ser pago (que, na verdade, varia de cotista para cotista). Sejam quais forem as respostas dadas, o internauta é direcionado a outra página falsa, sendo induzido a compartilhar a mensagem com 30 amigos ou grupos do WhatsApp. Conforme os golpistas, é preciso finalizar o processo para ter o benefício. Há, também, uma falsa seção de comentários de pessoas que supostamente teriam conseguido sacar suas cotas. Assim, o usuário abre brechas de segurança em seu smartphone, que pode ser infectado. Para não ser vítima desse tipo de fraude, os usuários não devem abrir links ou arquivos suspeitos, deletando a mensagem imediatamente. Também devem manter antivírus instalados em seus aparelhos e sempre verificar no site da empresa citada e existe a promoção ou a oferta anunciada. Verifique ainda se as mensagens estão escritas corretamente. Em geral, contêm erros de português, acentuação e pontuação.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Mix Vale

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Novo vírus escolhe que tipo de golpe vai aplicar no seu computador

Sem Comentários

05/07/2018

Existem diversos tipos de golpes cibernéticos e para aplicá-los, os hackers precisam desenvolver mais de um tipo de vírus. Porém, pesquisadores de segurança da Kaspersky Labs descobriram um malware que avalia as configurações do computador para escolher qual tipo de golpe será mais lucrativo. Conforme relata o The Hack News, o vírus pode infectar o sistema com um ransomware ou com um minerador de criptomoedas. Ele faz parte de uma variante da família de malware Rakhni e está sendo espalhado através de e-mails phishing com um arquivo PDF em anexo. Ao tentar abrir o arquivo, a vítima recebe uma mensagem falando que houve um erro de execução, levando a pessoa a pensar que é necessário um arquivo do sistema para abrir o documento. Enquanto isso, em segundo plano, o malware executa várias verificações anti-VM e anti-sandbox para decidir se ele pode infectar o sistema sem ser detectado. Se todas as condições forem atendidas, o malware realizará mais verificações para decidir qual golpe será aplicado. Além disso, os pesquisadores afirmam que o malware também tem alguma funcionalidade de spyware, que é capaz de espionar os usuários.Essa variante de malware tem como alvo usuários na Rússia (95,5%), enquanto um pequeno número de infecções foi observado no Cazaquistão (1,36%), Ucrânia (0,57%), Alemanha (0,49%) e Índia (0,41%).

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Olhar Digital

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Brasil sofre uma tentativa de fraude a cada 16 segundos

Sem Comentários

08/04/2018

Segundo os dados da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs), os brasileiros fizeram R$ 1,36 trilhão em compras com cartões no ano passado. Quando são levadas em conta apenas as compras não presenciais feitas com cartões de crédito, com destaque para o comércio virtual, o montante chegou a R$ 167,6 bilhões, uma alta de 16,5% em relação a 2016. Esse tipo de transação respondeu por 20% de todo o volume das transações por meio de cartões de crédito. Entretanto, à medida que o uso de cartão no ambiente virtual cresce, as tentativas de fraude seguem o mesmo ritmo. Um levantamento feito pela empresa UPX Technologies, especialista em segurança digital, mostrou que até março deste ano foram registrado 77.300 casos de vazamento de dados de cartão de crédito das principais instituições financeiras do país. De acordo com dados do Indicador Serasa Experian de Tentativas de Fraude, em janeiro, foram registradas 161.097 tentativas de golpe no Brasil, alta de 7,1% em relação a dezembro. Isso significa uma a cada 16,6 segundos. As principais foram a emissão de cartões de crédito, compra de eletrônicos e abertura de contas. Todos os procedimentos valendo-se de dados vazados de terceiros. A empresa fez um rastreamento na internet por meio de palavras-chave e encontrou dados bancários de clientes tanto em sites fraudulentos como na chamada “deep web”, a camada obscura da internet. Vítima da fraude cibernética, um supervisor de estacionamento, de 27 anos, foi surpreendido quando a fatura do cartão chegou:

— Sempre fiz compras pela internet e nunca tive problemas. Mas, cerca de cinco anos atrás, recebi uma cobrança de R$ 500 referente a um resort onde nunca fui. Liguei para a operadora do cartão, mas tive muita dor de cabeça.

Costa foi orientado a excluir da fatura o valor que ele considerava indevido. Mas, após três meses, a instituição passou a cobrá-lo novamente. A situação só foi terminar em meados de 2017, quando ele acabou pagando a dívida para ter o nome retirado do serviço de proteção ao crédito. Uma assessora técnica do Procon-SP, informa que, para tentar minimizar os riscos de fraude, o consumidor deve estar atento aos sites que visita.

— O consumidor é constantemente atraído por ofertas tentadoras, mas elas podem apresentar um risco. É preciso investigar bastante o site antes de fazer um cadastro e colocar os dados do cartão — finalizou.

FIQUE DE OLHO

Vírus

Ao fazer uma compra online, confira se o antivírus do computador está funcionando e atualizado.

Compras em sites

Certifique-se de que o site é seguro. Procure certificações de associações de direito do consumidor e proteção online, normalmente, no fim da página. Observe se na barra de digitação o site começa com “https”.

Tenha atenção com mensagens ou e-mails de origem desconhecida. Ao clicar em um link recebido por algum meio eletrônico, você pode ser direcionado a um site malicioso.

Atenção

Desconfie de sites que oferecem preços abaixo do mercado. Algumas páginas oferecem ofertas muito atrativas para roubar dados dos consumidores.

Como reclamar?

O Procon RJ recomenda que, caso seja identificada cobrança suspeita na fatura, o consumidor deve, além de reclamar na administradora do cartão, fazer ocorrência na delegacia, uma vez que se trata de fraude. E, caso a empresa não resolva o problema, a alternativa é procurar os órgãos de proteção e defesa do consumidor e abrir reclamação. Sobre o pagamento da fatura, o consumidor pode pagar o valor integral e reclamar em seguida, ou reclamar primeiro e pagar só as cobranças que ele reconhece. Nos dois casos, alerta o Procon RJ, é importante guardar o número de protocolo da reclamação. Se o pagamento total for feito, o consumidor terá direito a receber de volta os valores pagos que não tenham sido gastos por ele. Essa devolução, normalmente, é em forma de crédito nas faturas seguintes.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: iBahia

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

PF prende grupo responsável por R$ 10 milhões em fraudes bancárias

Sem Comentários

21/03/2018

Nesta quarta-feira (21), a Polícia Federal (PF) deflagrou a Operação Código Reverso, com o objetivo de desarticular um esquema especializado em fraudes bancárias pela internet. As investigações abrangem os estados do Tocantins, de São Paulo, Goiás e Pernambuco. A estimativa é de que, ao burlarem mecanismos de seguranças dos bancos, o grupo criminoso tenha causado, nos últimos nove meses, prejuízo de cerca de R$ 10 milhões. Por meio de nota, a PF informou que o grupo é constituído de hackers suspeitos de ter conexões até com criminosos cibernéticos do Leste Europeu. Por meio de programas maliciosos, os hackers (pessoas que têm grande conhecimento de informática) acessavam remotamente os computadores das vítimas, com o propósito de fazer transações bancárias eletrônicas fraudulentas como pagamentos, transferências e compras via internet. Mais de 100 policiais federais estão cumprindo 43 mandados judiciais expedidos pela 4ª Vara da Justiça Federal em Palmas, capital do Tocantins. Há sete mandados de prisão preventiva, um de prisão temporária, 11 de intimação e 24 de busca e apreensão. Além disso, foi determinada a indisponibilidade de bens móveis e imóveis de investigados, bem como o bloqueio de contas bancárias, inclusive de moedas virtuais como a bitcoin. A PF informou que os integrantes da organização têm “alto padrão de vida” e fazem uso de empresas de fachada “para movimentar e ocultar os valores obtidos por meio das atividades criminosas”. Entre os suspeitos de participação na fraude que estão sendo intimados a prestar esclarecimentos, há empresários que procuravam os criminosos “com a finalidade de obter vantagem competitiva no mercado e prejudicar a livre concorrência”. Esses empresários teriam recebido descontos de cerca de 50% para quitar seus impostos, pagar contas e realizar compras por meio de pagamentos feitos pelos criminosos. Além de responder pelos crimes de associação criminosa, falsificação de documento público e uso de documento falso, os integrantes do grupo serão acusados de lavagem de dinheiro. Somadas, as penas podem chegar a mais de 30 anos de prisão.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: TI Inside Online

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Três jovens confessam autoria de ciberataque mundial de 2016

Sem Comentários

18/12/2017

Mapa produzido pela Imperva com infecções do vírus Mirai. (Foto: Divulgação/Imperva)

A Justiça dos Estados Unidos acusou três homens de serem os responsáveis por um ciberataque generalizado que paralisou a internet em vários países no fim de 2016. O Departamento de Justiça anunciou na quarta-feira (13) que um deles, o ex-estudante de Informática de 21 anos P.J., admitiu ter codificado o programa malicioso usado para disseminar o golpe e se declarou culpado. J.W. e D.N., de 20 e 21 anos, respectivamente, também se declararam culpados por ajudar P.J. no ataque. O ciberataque paralisou muitos sites nos EUA e em outras partes do mundo em 21 de outubro, incluindo Twitter e Amazon. Segundo documentos judiciais tornados públicos, P.J. admitiu ter codificado o “botnet” Mirai. Essa rede lhe permitiu controlar 100 mil objetos conectados. Esse exército de máquinas foi usado hackers para lançar os ataques de negação de serviço a vários servidores. Durante essas investidas, milhares de computadores tentam acessar um único serviço conectado com o objetivo de inundá-lo com solicitações e tirá-lo do ar. O Mirai contamina câmeras de segurança IP e gravadores digitais de vídeo (DVRs). A firma de segurança Imperva estimou que 11,8% dos dispositivos infectados por esse vírus estavam no Brasil, segundo país mais afetado pelo malware. A fatia brasileira só era menor que a do Vietnã, que é de 12,8%. Após o golpe, o ex-estudante publicou o código-fonte do malware em um fórum para permitir que outras pessoas usassem. Os três enfrentam condenações de prisão e multas por várias acusações, incluindo fraude.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior