Golpes aplicados pela web continuam fazendo vítimas no AP

Sem Comentários

24/08/2018

No Amapá, golpes aplicados pela internet continuam fazendo vítimas. Pessoas que enfrentam transtornos e prejuízos relataram o que essa situação mudou na vida profissional e social delas. Na Delegacia de Crimes Contra o Patrimônio (DCCP), 30 casos foram registrados em 2018. Um Sargento do Corpo de Bombeiros, de 43 anos, conta que enfrenta transtornos há cinco meses, após uma quadrilha usar o nome e a conta dele em um site de vendas para aplicar golpes. Para o homem, o cargo de militar deu mais credibilidade ao acordo que estava sendo feito, sem ele saber. Ele descobriu o esquema criminoso ao ser procurado por vítimas desse golpe no local de trabalho. Conforme o sargento, uma quadrilha supostamente de Rondônia, vendeu um carro no nome dele, que não foi entregue após pagamento de parte da negociação.

Esse golpe chegou a fazer cerca de dez vítimas só no Amapá. O sargento destaca que já registrou três boletins de ocorrências depois de ter sido cobrado. “Essa situação está causando diversos transtornos para minha vida. Estou sofrendo ameaças. Pessoas estão vindo atrás de mim pedindo o carro ou dinheiro de volta. Eu orientei as vítimas a procurarem a delegacia”, falou. Já com um servidor público, de 28 anos, o caso foi diferente. Cadastrado em um site popular de vendas, ele ofereceu um celular no valor de quase R$ 4 mil, que foi arrematado por um suposta comprador de São Paulo. Mas, para a surpresa do vendedor, o dinheiro que teria sido depositado era uma fraude. O servidor público registrou o primeiro boletim de ocorrência dele no Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Ciosp) do bairro Pacoval na quinta-feira (23).

“Eu fiz um anúncio de venda em um site, procedi com toda a operação e recebi um e-mail, avisando que o valor foi depositado, mas ficou retido e seria liberado quando o produto chegasse ao endereço. Mas, depois, fiquei sabendo que esse e-mail havia sido clonado”, disse.

O servidor conta que manteve contato com a suposta compradora até a chegada do produto em São Paulo, mas, após isso, foi bloqueado. Ele espera descobrir quem foi o receptor que assinou o documento da compra. Segundo o delegado titular da DCCP, aparelhos eletrônicos e imóveis são as propagandas que mais chamam a atenção de compradores da internet que acabam caindo em golpes. Ele destaca que a web pode ser muito perigosa até para os mais experientes.

“Os internautas não podem nunca depositar valores em dinheiro ou efetuar transferências sem antes checar a credibilidade do vendedor ou mercado eletrônico. O interessado deve pesquisar o histórico de vendas, comentários, referências e se já houve algum tipo de problema”, enfatizou.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Vítima perde quase R$ 10 mil ao cair em golpe de empréstimo pelo Whatsapp

Sem Comentários

15/08/2018

Uma mulher de 46 anos procurou a Polícia Civil de Campo Grande 15 dias após ter depositado R$ 9.500 a um golpista acreditando que receberia um empréstimo no valor de R$ 55 mil, solicitado através do aplicativo WhatsApp. A vítima contou à polícia que conversou, por mensagens, com um funcionário de uma suposta empresa de crédito, que se identificou como Victor Hugo. O falso funcionário teria dito para a vítima que ela precisava depositar R$ 5 mil, referente ao pagamento do seguro do empréstimo, e depois mais R$ 4,5 mil para liberação do crédito.

A mulher, acreditando que se tratava de uma empresa verdadeira, fez os dois depósitos em uma conta de uma pessoa física, localizada na cidade de São Paulo (SP). Após os pagamentos a suposta empresa não fez o depósito referente ao empréstimo. A vítima entrou em contato por diversas vezes com o funcionário que sempre dizia para ela aguardar, que a empresa iria cancelar o empréstimo e devolver o dinheiro. Na tarde de terça-feira (15) outra vítima procurou a polícia após ter caído em um golpe semelhante.  A mulher perdeu  R$ 1.140,00, também ao tentar fazer um empréstimo, oferecido através da rede social Facebook.

Cuidados

O delegado da DECAT (Delegacia de repressão aos Crimes Contra as Relações de Consumo), explica que os consumidores devem tomar alguns cuidados para não cair nesses tipos de golpes, aplicados pela internet. “Primeiro o consumidor deve sempre desconfiar de preços muito abaixo dos praticados no mercado. Também deve-se evitar depositar o dinheiro diretamente na conta de um desconhecido. Se o pagamento for via boleto é preciso prestar atenção no nome do favorecido. Ao comprar algo por um site, verifique se ele é seguro. Desconfie de sites que são redirecionados através de anúncios que aparecem em meio às páginas de sites”, pontuou.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Midia Max

Fique Ligado.

Número de ataques cibernéticos no Brasil quase que dobrou em 2018

Sem Comentários

07/08/2018

Em 2018, o número de ataques cibernéticos praticamente dobrou no Brasil. Segundo informações de um laboratório especializado em cibersegurança, foram detectados 120,7 milhões de ataques cibernéticos no primeiro semestre de 2018. Este número representa um crescimento de 95,9%. Nos últimos três meses do ano, foram registrados 63,8 milhões de links maliciosos, um aumento de 12% em relação ao começo do ano. O documento mostra que o campeão de golpes são os links em apps de mensagens como WhatsApp. Ao todo 57,4% dos ataques foram com phishing, quando o usuário é convidado a clicar em um link que ele julga ser real. Em segundo lugar, golpes com publicidade suspeita somam 19,2% dos casos.

“Os números são alarmantes, pois, se comparados ao total da população brasileira, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), projeta-se que um em cada três brasileiros pode ter sido vítima de cibercriminosos somente entre os meses de abril, maio e junho de 2018. Somado a isso, nossa análise nos mostra que, a cada segundo, no último trimestre, foram detectados oito links maliciosos. Foram mais de 28 mil detecções por hora”, explica o diretor do laboratório.

Fake News

Segundo o levantamento, nos dois primeiros trimestres deste ano foram 7,3 milhões de casos de golpes utilizando notícias falsas na internet, seja em redes sociais ou apps mensageiros. Os dados chamam atenção por conta de um aumento de 51,7% se comparados os dois primeiros trimestres deste ano. As principais informações divulgadas dizem respeito à aquisição de dinheiro fácil, TV e celebridades e política. De acordo com o diretor, a preocupação com notícias falsas tem crescido por conta de sofisticação de conteúdo, cada vez mais próximo de situações que poderiam ser reais.

“Estes dois últimos [publicidade e notícias falsas], no entanto, demandam especial atenção a partir do momento em que apresentaram um aumento de mais de 50% entre o primeiro e o segundo trimestre e mantêm como principal objetivo do ataque o lucro indevido a partir de visualizações, acessos e cliques”, informa.

Copa

Por fim, o relatório informa que hackers se aproveitaram da Copa do Mundo para difundir golpes. Segundo levantamento, foram 69 taques registrados e 6 milhões de acessos e compartilhamentos. O grande atrativo, contudo, foi a promessa de que usuários poderiam ganhar uma camisa da seleção. Conforme os dados, 98,1% dos casos prometiam algum item.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: CanalTech

Fique ligado.

Golpe no WhatsApp oferece internet grátis mas instala vírus no celular

Sem Comentários

30/07/2018

O WhatsApp novamente é cenário de mais um tipo de golpe. Os cibercriminosos agora oferecem internet grátis para usuários na tentativa de infectar celulares com vírus. Assim como em outros golpes espalhados pelo aplicativo de mensagens, o ataque tenta enganar usuários do WhatsApp com uma oferta tentadora: no caso, os bandidos oferecem até 20GB de internet grátis para ser usada em um período de 60 dias, independentemente da operadora da pessoa. A vítima precisa clicar em um link que aparece no fim de uma mensagem para ser redirecionada para um site onde ele vai obter o suposto prêmio. O site falso faz três perguntas ao usuário: “quantos dias de internet gratuita você deseja ativar?”; “quantos GB você gostaria de receber da sua operadora?”; e “qual rede você gostaria de ativar?”. Ao responder os questionamentos, os criminosos pedem para a vítima compartilhar a “promoção” com três amigos e grupos do WhatsApp, e só depois disso a suposta internet grátis seria disponibilizada.

O problema é que o pacote de dados gratuito não existe, e a página falsa começa a exibir alertas de supostos problemas no celular da vítima, orientando a pessoa para que ela baixe aplicativos maliciosos. Em outras palavras, os hackers oferecem internet grátis mas no fim das contas instalam vírus nos dispositivos. Golpes de phishing são bastante comuns no WhatsApp e costumam enganar bastante gente. A oferta falsa de internet grátis conseguiu a marca de 45 acessos por minuto. Para evitar cair nesse tipo de golpe, a orientação de especialistas de segurança é sempre a mesma: desconfie de ofertas vantajosas demais, e evite clicar em links suspeitos que acompanham mensagens compartilhadas pelo aplicativo.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Olhar Digital

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Moradora de Araxá cai em golpe ao fazer empréstimo de dinheiro em site falso na internet

Sem Comentários

26/07/2018

Após fazer a negociação usando e-mail e um aplicativo de celular, uma moradora de Araxá, Alto Paranaíba, caiu no golpe de empréstimo. A Polícia Militar (PM) registrou o crime nesta quarta-feira (25) e o prejuízo foi de R$ 1.699. Nenhum suspeito foi identificado, nem preso. Segundo a ocorrência, a vítima, que não teve idade divulgada, informou que estava com necessidades financeiras e resolveu fazer um empréstimo em uma empresa do ramo. Contudo, ela procurou o serviço em um site falso que tinha o nome de outra empresa já conhecida. Depois de uma conversa através de e-mail e aplicativo do celular, a vítima contratou o serviço com os funcionários da empresa, onde um deles se identificou como diretor e advogado. Depois de receber o contrato pela internet, a mulher foi informada que para liberação do empréstimo seria necessário realizar um depósito bancário no valor R$ 250. Ela seguiu as regras dos golpistas, mas foi informada por uma suposta funcionária que, como o depósito por envelope demora a cair na conta, ela teria que transferir mais dinheiro. Ainda conforme a ocorrência, os golpistas solicitaram que ela fizesse outros depósitos. A mulher só descobriu que era um golpe ao procurar uma casa lotérica e ser alertada por uma das atendentes. Diante disso, a vítima desistiu de fazer o último depósito e contabilizou um prejuízo de R$1.699. A polícia informou ainda que a mulher procurou a loja física da empresa e foi informada de que os contratos realizados são feitos apenas fisicamente. Um boletim de ocorrência foi registrado e ninguém foi preso.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Saque do PIS/PASEP do INSS em 2018 que virou golpe no WhatsApp

Sem Comentários

23/07/2018

Cibercriminosos criaram um novo golpe, disseminado pelo WhatsApp, que atrai as pessoas que têm interesse em sacar os valores do PIS/PASEP. O governo mal liberou os saques das cotas para pessoas de todas as idades que trabalharam de 1971 a 1988 — a começar pelos que têm entre 57 e 59 anos —, e o golpe já começou. Conforme uma empresa de segurança digital, nas últimas 24 horas, 116 mil pessoas foram vítimas da fraude. No novo golpe, os usuários do aplicativo recebem uma falsa mensagem com dois links alertando sobre a possibilidade de retirada do benefício. Ao clicar em um dos links, o internauta é conduzido a uma página com uma mensagem que pede para conferir se o nome da pessoa consta na lista de beneficiados. Logo em seguida, sugere-se que o usuário responda a algumas perguntas: “Você trabalhou com carteira assinada entre 2005 e 2018?”; “Você está registrado atualmente?”, entre outras. O golpe, no entanto, traz informações erradas sobre o período de trabalho que gera o direito ao benefício e sobre o valor a ser pago (que, na verdade, varia de cotista para cotista). Sejam quais forem as respostas dadas, o internauta é direcionado a outra página falsa, sendo induzido a compartilhar a mensagem com 30 amigos ou grupos do WhatsApp. Conforme os golpistas, é preciso finalizar o processo para ter o benefício. Há, também, uma falsa seção de comentários de pessoas que supostamente teriam conseguido sacar suas cotas. Assim, o usuário abre brechas de segurança em seu smartphone, que pode ser infectado. Para não ser vítima desse tipo de fraude, os usuários não devem abrir links ou arquivos suspeitos, deletando a mensagem imediatamente. Também devem manter antivírus instalados em seus aparelhos e sempre verificar no site da empresa citada e existe a promoção ou a oferta anunciada. Verifique ainda se as mensagens estão escritas corretamente. Em geral, contêm erros de português, acentuação e pontuação.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Mix Vale

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Homem é preso por estelionato em MG; polícia diz que ele exibia dinheiro na internet com frases como ‘Cada dia realizo um sonho novo’

Sem Comentários

05/07/2018

Nesta quinta-feira (05), a Polícia Civil de Carmo do Cajuru prendeu um homem de 32 anos suspeito de cometer crimes de estelionato na região. De acordo com o órgão, as investigações apontam que os golpes aplicados causaram um prejuízo de R$ 100 mil só na cidade. O detido, que é de Belo Horizonte, costumava postar fotos nas redes sociais exibindo maços com cédulas de dinheiro e frases como “Cada dia realizo um sonho, fé!” e “‘Tá fácil para ninguém. Deus sabe o que faz”. Além disso, ele mantinha duas casas de luxo na cidade- uma inclusive ainda está em construção.

Golpe

Conforme o delegado responsável, o homem conquistou a confiança de empresas de materiais de construção de Carmo do Cajuru pagando compras em dia. Depois, ele passou a emitir cheques de terceiros com a assinatura dele para adquirir produtos e os valores nunca foram compensados. Ainda conforme a polícia, as compras eram feitas em grande quantidade para que parte fosse usada na construção de casas e parte pudesse ser vendida pelas redes sociais. O delegado também informou que há indícios de que golpe idêntico foi aplicado em uma empresa de São Paulo (SP) com prejuízo de R$ 20 mil. O delegado ainda explicou que a polícia rastreou o contato do homem para fazer a prisão. As contas bancárias do suspeito foram bloqueadas. A polícia investiga se há outras pessoas envolvidas ou novas vítimas.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior