PF prende quatro suspeitos de envolvimento em fraude no Seguro Desemprego

Sem Comentários

09/01/2018

Na manhã desta terça-feira (09), a Polícia Federal prendeu quatro pessoas suspeitas de fraude no Seguro Desemprego, em Redenção, no sudeste do Pará. Elas foram flagradas sacando dinheiro nos caixas eletrônicos de uma agência bancária. A quantia era fruto de benefícios fraudulentos. Foram apreendidos, celulares, cerca de R$ 9 mil, além de um carro e uma moto usada pelos suspeitos. Segundo a PF, um dos presos é conhecido por praticar fraudes há anos na cidade e por aliciar pessoas que emprestam o nome para os benefícios ilegais em troca de uma parte do dinheiro.

Operação Acerto de Contas

A PF de Redenção informou que vai intensificar as investigações e infiltrar agentes federais nos pontos de saques de cidades vizinhas, além de Redenção, identificando e prendendo quem tentar sacar o fruto das fraudes. A Polícia Federal orienta que ninguém empreste cartão e senha para terceiros pois pode ser envolvida nas fraudes investigadas. A Operação Acerto de Contas surgiu a partir de informações prestadas pela instituição financeira de um padrão de saques fraudulentos em datas e horas determinadas. Conforme dados do Ministério do Trabalho e Emprego e da Força Tarefa da PF, somente no ano passado foram evitadas irregularidades na ordem de R$ 500 milhões.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Estelionato contra idosos aumenta no Rio mesmo com penas mais duras

Sem Comentários

09/01/2018

O endurecimento da pena pelo crime de estelionato contra idosos, ocorrido em 2015, não se refletiu na diminuição dos casos. Pelo contrário, os números aumentaram no Estado do Rio de Janeiro: foram mais de 11 mil em 2016. Os números de 2014 e 2015 já indicavam , respectivamente, 9,2 mil e 9,6 mil. A pena por estelionato é de 1 a 5 anos. Contra idosos, a pena aumentou para 2 a 10 anos. Em Copacabana, bairro com a maior população idosa do Rio de Janeiro, os moradores lamentaram a alta dos números. “Isso no telefone é todo dia, oferecendo diversas vantagens, cartão, recuperação de dinheiro. Antigamente, eu denunciava, agora nem faço isso mais na delegacia, porque não adianta”, afirmou um aposentado, morador do bairro. Eles contam que, na maioria das vezes, sabem que trata-se de um crime. “Vem sempre uma pessoa jovem, querendo conversar, ‘tem muita facilidade’, e você sabe que dinheiro não cai do céu”, alertou uma idosa, também aposentada. A Polícia Civil, que possui uma delegacia especializada no assunto, a Delegacia Especial de Atendimento à Pessoa da Terceira Idade, falou sobre os casos mais frequentemente registrados na unidade. “É muito importante que o cuidado venha da família: orientar os idosos, não dar dados pessoais, cartão bancário, CPF. Aqui nós temos muitos crimes de violência contra os idosos e crimes econômicos, estelionatos, seja oferecendo prêmios mirabolantes ou dinheiro”, relata o delegado titular. Ele citou como exemplo uma denúncia de um idoso que assinou documentos para receber um prêmio no valor de R$ 4 mil. Um mês depois, foram feitos empréstimos de R$ 20 mil com os dados dele. “Iniciamos uma investigação, já conseguimos identificar o local onde foi feita a documentação, e a investigação vai prosseguir”, disse.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Vítima de estelionato procura a polícia após receber notificação de compra não realizada por ela em loja de roupas

Sem Comentários

09/01/2018

Uma moradora de Presidente Prudente relatou à Polícia Civil ter sido vítima de estelionato, após receber uma notificação de compra feita com cartão de crédito não realizada por ela em uma loja em São Paulo (SP). Segundo o Boletim de Ocorrência registrado na Delegacia Participativa de Presidente Prudente, a vítima recebeu, há cerca de 15 dias, uma notificação de uma loja de roupas localizada no Itaim Bibi, em São Paulo, sobre uma compra efetuada com cartão de crédito em seu nome. A vítima afirmou aos policiais que nunca fez cartão da loja e que, além disso, as compras foram feitas em São Paulo, cidade onde nunca esteve. Um funcionário da loja informou o endereço em que o cartão está registrado, em São Paulo. O valor da compra não foi divulgado pela Polícia Civil, que investiga o caso.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Dupla é presa após instalar ‘chupa-cabras’ em caixas eletrônicos; cliente flagra

Sem Comentários

08/01/2018

Cliente conseguiu descobrir golpe e recuperar o envelope com dinheiro.

Dois homens foram presos na tarde deste domingo (07) após instalarem um ‘chupa-cabras’ – equipamento usado para fraudar o caixa eletrônico – em uma agência bancária no centro de Caçapava (SP). Os homens, de 34 e 27 anos, foram detidos ao saírem do banco com uma quantia em dinheiro nos bolsos. Os dois confessaram a ação e informaram também que estavam realizando essa mesma prática em duas agências de Taubaté, na Avenida Independência e na Praça Dom Epaminondas. Na agência da avenida Independência, uma cliente do banco descobriu o golpe e conseguiu recuperar o dinheiro que tinha acabado de depositar. “Fiz o depósito e achei estranho porque entrou o dinheiro, mas não saiu o recibo. Quando fui mexer, vi que o local onde coloca envelope estava oleoso e com relevo. Fiquei desesperada, chamei meu marido que estava me esperando no carro e ele conseguiu tirar a peça”, contou uma mulher. Ela contou que junto com a peça saiu um fio comprido e um plástico, que continha o envelope dela. “Só segurava um envelope por vez, então acredito que tinha alguém perto para ficar retirando”, completou. Após a prisão, os dois foram encaminhados para a delegacia e foram presos pela prática de estelionato. Ambos já tinham passagem pela polícia, por crime de furto. A Polícia Civil irá investigar a ação e descobrir quantas pessoas foram vítimas do golpe.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Idoso é vítima de furto ao ter cartão preso a caixa eletrônico na Capital

Sem Comentários

07/01/2018

Em Campo Grande (MS), neste domingo (07), um idoso, de 86 anos, foi vítima de fraude em um caixa eletrônico de um banco. O cartão bancário do idoso, que teria ficado preso em uma das máquinas, foi levado por falsos funcionários. Segundo os relatos do idoso, logo que o cartão ficou preso ao equipamento, uma mensagem apareceu na tela do terminal, solicitando que a vítima entrasse em contato através de um número de telefone. Ainda no interior da agência, falsos funcionários disseram que a vítima deveria sair para realizar a ligação. Na ligação realizada ao falso número, foram solicitados dados bancários. Conforme informações do boletim de ocorrência registrado na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento à Comunidade) Centro, os falsos atendentes fugiram do local deixando a vítima sem entender o que havia acontecido. Imagens das câmeras de vigilância poderão ser utilizadas para identificar os suspeitos. O idoso relatou ter questionado o autor sobre sua profissão, que disse ser auxiliar do banco. Não há informação sobre saques realizados na conta da vítima.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Midiamax

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Mulher perde mais de R$ 10 mil em golpe do “cartão travado”

Sem Comentários

08/01/2018

Na tarde deste domingo (07), uma mulher, de 57 anos, procurou a polícia para denunciar um golpe a qual foi vítima. Ela teve um prejuízo de mais de R$ 10 mil. O caso ocorreu após o cartão bancário travar no terminal de autoatendimento. A vítima teria se deslocado até uma agência bancária na avenida Weimar Torres por volta de 10h30 e ao inserir o cartão na máquina, percebeu que ele havia sido engolido. Logo em seguida, ao ligar para o telefone de autoatendimento, repassou os seus dados e foi embora. Pouco antes das 12h, recebeu ligação de uma pessoa para autorizar uma compra de aproximadamente R$ 2 mil que estava sendo realizada. A partir desse momento ela percebeu que poderia estar sendo vítima de estelionato e foi conferir o extrato bancário pelo aplicativo de celular. De sua conta, os criminosos já haviam levado R$ 10.440 entre compras e saques realizados. Conforme a polícia, o golpe vem sendo realizado em várias partes do país. Bandidos instalam uma espécie de aparelho que bloqueia o cartão nesses terminais e direcionam o atendimento pelo ‘0800’ para outro local. Após a vítima repassar as informações confidenciais, os criminosos realizam as ações. O caso foi denunciado no 1º Distrito Policial e será apurado.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Diário Digital

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Presos suspeitos de vender cheques roubados e falsificados em Goiânia

Sem Comentários

04/01/2018

Polícia Civil apreendeu 13 talões de cheque roubados e falsificados com dupla de estelionatários.

A Polícia Civil prendeu dois suspeitos de comercializar folhas e talões de cheques roubados e falsificados em Goiânia. Além da dupla, de 48 e 50 anos de idade, a corporação também deteve dois idosos, de 73 e 71 anos, que compravam o material. A investigação aponta que os estelionatários pagavam comerciantes em várias cidades de Goiás, mas que os valores não foram descontados, causando prejuízo de cerca de R$ 450 mil aos empresários. “Eles chegavam ali no comércio com cheque já preenchido com determinado valor, porque o cheque é de terceiro. Um falava que recebeu do patrão, outro fala que recebeu de uma venda. O fato de serem idosos com uma conversa mansa despertava até solidariedade por parte do comerciante. Faziam compras até em valor menor e convenciam o comerciante ainda a voltar a diferença em dinheiro”, explicou a delegada responsável pelo caso. Ainda segundo ela, foram apreendidos 13 talões originais e falsificados com os presos, que respondem pelos crimes de estelionato e receptação. A delegada afirmou que a dupla comprava os talões roubados por R$ 300 e vendia cada folha por R$ 15. “Identificamos dois dos estelionatários que compravam essas folhas, mas com certeza são diversos. Eles usavam essa oficina gráfica para comercializar os cheques, mas acredito que não era ali que era feita a falsificação, era só o local de venda mesmo”, completou.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior Próximo