Quadrilha é presa suspeita de aplicar o ‘golpe do motoboy’ em BH

Sem Comentários

23/05/2019

Nesta quinta-feira (23) no bairro Santa Efigênia, na região Leste da capital, quatro homens foram presos, com idades entre 20 e 30 anos. Uma moto, máquinas de cartão, cartões, dinheiro, além de duas CNH’s falsas, foram apreendidas. Conforme os policiais do 1º Batalhão da PM, os estelionatários praticavam um golpe que envolvia o trabalho de um motoboy: os homens se passavam por funcionários da financeira de cartões de crédito, confirmavam dados sigilosos e afirmavam que o cliente havia sido vítima de clonagem de cartão. Em seguida, informavam que um motoboy da empresa iria à casa do cliente naquele momento para retirar o cartão e inutilizá-lo. No entanto, com o dinheiro de plástico em mãos, os criminosos faziam compras com o item.

Segundo a PM, a maior parte das vítimas é composta por idosos e pessoas com alto poder aquisitivo e, curiosamente, com boa instrução. A polícia chegou até os homens após um cliente da financeira desconfiar da ação de busca in loco do cartão e ligar para o 190. A PM abordou o motoboy, que informou que apenas recebia R$ 50 para fazer o serviço logístico, porém, acabou levando aos demais envolvidos. Os homens estavam hospedados em um hotel, no Centro da capital. No local, havia máquinas de cartão de diversas empesas, além de cartões, dinheiro e duas CNH’s falsas.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Hoje em Dia

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Empresário suspeito de aplicar golpe é preso em bairro nobre de SP

Sem Comentários

22/05/2019

Um vídeo gravado por câmeras de segurança mostra o momento que um empresário é preso pela Polícia Civil por suspeita de aplicar golpe no estabelecimento comercial de um bairro nobre de São Paulo. A prisão ocorreu na semana passada no Itaim Bibi, Zona Sul (leia a notícia na íntegra para ver o vídeo). Conforme o 15º Distrito Policial (DP), o empresário de 51 anos foi detido em flagrante após denúncia anônima. Segundo policiais, o homem estava usando documentos falsos para conseguir alugar um imóvel. O empresário foi indiciado por uso de documento falso. De acordo com a investigação, ele usou nome de outra pessoa para tentar locar um espaço para implantar uma empresa especializada em design de sobrancelhas. Após ser detido, o homem foi levado à audiência de custódia na Justiça, que o soltou para responder ao crime em liberdade. Policiais informaram que ele é investigado como suspeito de ter cometido outros crimes na mesma região se passando por outras pessoas.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia prende suspeitos de aplicar ‘golpe do empréstimo’ pela internet

Sem Comentários

21/05/2019

Nesta terça-feira (21), quatro pessoas foram presas suspeitas de participação em golpes aplicados pela internet em Belo Horizonte e na Região Metropolitana. Segundo a Polícia Civil, a quadrilha oferecia falsos empréstimos. A Operação Arlequina prendeu M.V.G., de 31 anos, A.V.M., de 36, F.C.S., de 33, e M.V.S. de 34. A polícia ainda apreendeu notebooks, aparelhos celulares, cartões de crédito, cheques e outros documentos. De acordo com o delegado da 2ª Delegacia de Crimes Cibernéticos, o grupo também fez vítimas em outros estados. “Essas pessoas ofereciam empréstimo a pessoas carentes e à população em geral. Pactuado os valores, eles começavam a cobrar algumas taxas, algumas tarifas, para efetivar o empréstimo. Após fechar o negócio, no dia seguinte, falavam: ‘você deve depositar x em tarifa’. A pessoa fazia o depósito bancário. Esses depósitos geralmente eram com contas fraudadas ou com contas emprestadas por laranjas”, explicou. Segundo ele, novos depósitos continuavam a ser pedidos até que as vítimas não tivessem mais condições de pagar. Até o momento, a polícia estima que o valor movimentado pela quadrilha chegue a R$ 200 mil. Entretanto, esta quantia tende a ser ainda maior. Os sites usados para aplicar o golpe já foram retirados do ar.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Homem é preso tentando empréstimo de R$ 50 mil com documento falso em São Luís

Sem Comentários

21/05/2019

Na tarde desta terça-feira (21), a Polícia Civil prendeu em São Luís, J.S.G., de 55 anos. Ele foi flagrado tentando realizar um empréstimo de R$ 50 mil usando documento falso com outro nome de em uma agência bancária na Praça João Lisboa. Após a prisão, ele foi conduzido à sede da Polícia federal na capital. Conforme a polícia, na última semana, o sujeito realizou o mesmo crime contra uma financeira, quando realizou empréstimo no valor de R$ 25 mil. No ano de 2015 ele já havia sido preso por estelionato no Ceará.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Professor registra BO após ter seguro desemprego sacado por outra pessoa

Sem Comentários

20/05/2019

Um professor de São Carlos registrou um Boletim de Ocorrência (BO) após ter o seguro desemprego sacado por outra pessoa. O caso foi registrado no 1° Distrito Policial como estelionato e será apurado. Conforme o BO, ele foi até a agência bancária sacar a primeira parcela do benefício, mas foi informado pela atendente que uma pessoa havia sacado o valor de R$ 1,7 mil que ele teria direito. Além de comunicar o fato na Polícia Civil, o professor também irá procurar a Justiça do Trabalho.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: A Cidade On

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Pastor, filho, policial civil e fiel são denunciados por golpe de pirâmide financeira em Goiás

Sem Comentários

21/05/2019

Em Caiapônia (GO), um pastor evangélico e mais três pessoas foram denunciadas pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) pela acusação de aplicar golpes em várias pessoas por meio de um esquema conhecido como “pirâmide financeira”. Segundo as investigações, o grupo oferecia lucro na negociação de barris de petróleo mediante investimento em uma falsa empresa. O valor estimado obtido por eles é de aproximadamente R$ 500 mil. Além do pastor, G.C.R., presidente da Igreja Assembleia de Deus na cidade, também participavam do esquema, o filho dele, F.G.C., o escrivão da Polícia Civil A.F.F. e a fiel da igreja P.C.B. O advogado dos quatro denunciados, disse na manhã desta terça-feira (21), por telefone, que não vai se pronunciar, por enquanto, sobre o assunto. A igreja informou que também não ia comentar o assunto. Já a Polícia Civil disse que o escrivão foi afastado da função.

 Denúncia

A denúncia relata que o esquema foi colocado em prática em 2016 e teria enganado pessoas ao menos quatro cidades de Goiás e uma do Mato Grosso. Para participar, os interessados faziam os investimentos e pagavam ainda um valor de R$ 120 por uma “taxa de participação”. Narra o MP que o grupo dizia aos “clientes” que “as aplicações que estavam realizando eram seguras e não precisavam ter receio algum, pois os lucros seriam garantidos”. Porém, eles começaram a ser procurados por pessoas reclamando que não conseguiam resgatar o dinheiro. Inicialmente, os envolvidos alegavam que o site da empresa estaria com defeito e que os lucros seriam recebidos “brevemente”. Seguindo sem respostas, as vítimas voltavam a procurar os denunciados, que alegavam que “a empresa tinha quebrado” e não seria mais possível ressarcir o valor.

Funções

O MP salienta que o pastor e o filho pesquisaram sobre uma forma de obterem um “lucro fácil” e descobriram o negócio com os barris de petróleo. Por ser “conhecido na cidade”, conseguiu atrair várias pessoas e boa parte dos fiéis para investir na empreitada. F.G.C. teria ainda procurado os outros dois envolvidos para também participarem da situação. A eles, caberia o papel de encontrar e convencer novas pessoas a investirem no negócio. Os quatro denunciados devem responder por estelionato, associação criminosa e crime contra a economia popular.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Golpistas se passavam por clientes de banco para desviar dinheiro de contas milionárias no ES

Sem Comentários

20/05/2019

Na última semana, no Espírito Santo, uma quadrilha que desviava dinheiro de contas milionárias foi desarticulada. Os alvos eram correntistas idosos e contas com dinheiro de heranças, por exemplo. As investigações apontam que os golpistas se passavam por clientes de banco para o esquema funcionar. Na última segunda-feira (13), uma funcionária do banco e outras quatro pessoas suspeitas de envolvimento com o golpe foram presas. Os golpes aconteceram em Montanha (ES), com a ajuda de uma assistente de negócios da instituição. A quadrilha prometia para ela de 5% a 25% de cada transação criminosa.

Golpe

Em um dos golpes, em março deste ano, uma idosa se passou por uma mulher de 92 anos com Alzheimer. Ela entrou no banco acompanhada de um suposto sobrinho para transferir dinheiro de uma conta bancária. Com documentos falsos, os golpistas conseguiram fazer duas ordens de pagamento para a quadrilha, no valor de R$ 430 mil. Uma parente da vítima contou que a conta era para aplicação. “Era uma conta de aplicação que ela não mexia há anos. Que só ficava parada, rendendo”, disse. Quando os golpistas chegaram ao banco, a assistente envolvida no esquema mudou a senha da idosa e acessou a conta. A assistente de negócio mantinha contato com os criminosos. Em uma ocasião, ela reclamou do farsante por uma mensagem. “Chegou lá fedendo cachaça. Todo desleixado”.

Investigação

A polícia e o banco, responsável pela agência onde foi aplicado o golpe, passaram a investigar o caso e descobriram um grande esquema para desviar dinheiro de contas milionárias. Algumas com mais de R$ 30 milhões. As vítimas eram, principalmente, idosos e responsáveis por espólios – pessoas que guardam dinheiro de herança, antes da partilha. De acordo com a delegada da Delegacia de Defraudações (Defa), o perfil das vítimas foi escolhido porque geralmente são pessoas que não acompanham as contas tão frequentemente. “Elas eram escolhidas em função de uma pessoa idosa não acompanhar tanto essa conta, do espólio não ter um advogado tão presente. Sem essa funcionária, o protocolo do banco seria seguido e de forma muito simples teriam verificado que a senhora não era a correntista”, explica a delegada. Além de facilitar o golpe, a funcionária também procurava novas vítimas para o esquema. Usando o sistema do banco, ela procurou possíveis vítimas em todas as regiões do Brasil. Nos últimos cinco meses, a funcionária acessou 87 contas milionárias, principalmente dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Depois disso, ela repassava para a quadrilha as informações do correntista e quanto tinha na conta. “A principal função dela era verificar os extratos da conta. Isso não é uma atribuição comum ao cargo que ocupa”, diz a delegada.

Golpe do golpe

A investigação ainda aponta que a funcionária responsável por facilitar os desvios e os golpistas que se passaram por correntistas não receberam o dinheiro combinado com a quadrilha. O dinheiro foi desviado para uma conta de Contagem, em Minas Gerais. A empresa, porém, que seria dos chefes da quadrilha, não existe. Sem receber o dinheiro combinado, um dos golpistas que tinha sido contratado para se passar por correntista volta ao banco, no dia 23 de abril, com outra idosa, para transferir mais dinheiro da conta da idosa milionária de Montanha. Porém, a conta já tinha sido bloqueada.

Prisões

No mesmo dia da tentativa fracassada de tentar transferir o dinheiro da conta, 13 de maio, parte da quadrilha foi presa. A idosa, de 75 anos, usada no primeiro golpe na agência confessou tudo. Ela disse que receberia R$ 10 mil para se passar pela correntista. A idosa usada no segundo golpe não foi identificada. A funcionária também confessou a participação no esquema para a polícia. “Se qualquer coisa desse errado, ela ia perguntar para a senhora se ela era hipertensa. Essa era a senha para os golpistas saberem que deu errado e era para saírem imediatamente”, revela a delegada. As cinco pessoas detidas na segunda-feira (13) continuam no sistema prisional.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior