Foragido por estelionato, jovem é preso ao ir à delegacia depor como testemunha, em Caldas Novas

Sem Comentários

21/05/2018

No momento em que ia prestar um depoimento como testemunha na delegacia de Caldas Novas, no sul de Goiás, um jovem acabou sendo preso. Ele tinha mandado de prisão em aberto por estelionato e disse que não sabia que estava sendo procurado pela Justiça. O sujeito, de 28 anos, seria ouvido devido a uma movimentação bancária suspeita em sua conta. “Houve um estelionato aqui em Caldas Novas e, rastreando o dinheiro, vimos que ele foi depositado pelo suspeito do crime na conta do jovem. Quando ele chegou para prestar depoimento, conferimos o documento dele e descobriu-se que ele tinha esse mandado de prisão”, explicou o delegado. Ao ser detido, o jovem demonstrou surpresa. Ele informou ao delegado que não sabia da existência desse mandado de prisão contra ele, mas não apresentou nenhuma versão em sua defesa. Ele foi encaminhado para o presídio de Caldas Novas. Segundo o delegado, nenhum advogado se apresentou até esta tarde para defender o rapaz. O delegado informou que ele era procurado por um estelionato em Nerópolis, quando deu um cheque roubado para uma mulher como pagamento pela comprar de um carro. Porém, o delegado informou que não tinha mais detalhes sobre o caso e que o rapaz não comentou sobre o crime pelo qual é suspeito.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Receita alerta sobre golpe que tem como alvo pessoas que negociam empréstimo

Sem Comentários

21/05/2018

Nesta segunda-feira (21), a Secretaria da Receita Federal informou ter identificado uma nova modalidade de golpe aplicado com uso de seu nome. Segundo o órgão, pessoas que contraíram ou estão negociando empréstimo ou financiamento junto a instituições financeiras estão recebendo em suas casas, via correio, uma notificação falsa, supostamente emitida pelo órgão, condicionando a liberação do dinheiro ao pagamento de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). “O documento, falso, alega que o crédito/financiamento será desbloqueado mediante o recolhimento do imposto. Na correspondência, atribuída a auditor-fiscal da Receita Federal, há dados bancários para depósito, além de assinatura falsa”, explicou. A Receita Federal esclarece que a cobrança e o recolhimento do IOF são efetuados pelo “responsável tributário”, ou seja, pela instituição financeira que conceder o crédito, e não pelo cliente. O Fisco observa ainda que, via de regra, os golpistas cometem erros que possibilitam identificar que se trata de um golpe. “Fique atento a erros de português, informações confusas ou incorretas e orientações desencontradas. Esses são alguns dos indícios de que a correspondência pode ser falsa”, explicou. Em caso de dúvidas, o órgão informou que os contribuintes que forem vítimas deste golpe podem comparecer a uma unidade de atendimento da Receita Federal, pessoalmente, ou enviar denúncia à Ouvidoria-Geral do Ministério da Fazenda neste site. O órgão informou ainda que os indivíduos que aplicam o golpe – fazendo-se passar por servidores da Receita Federal – poderão responder pelos crimes de estelionato, falsidade ideológica e falsa identidade, podendo responder, ainda, pelos “danos causados à imagem da Instituição e do próprio servidor indevidamente envolvido”.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Mulher é presa em Pirapora com 30 RGs falsos, que eram usados para comprar e revender produtos

Sem Comentários

18/05/2018

Polpicia Civil suspeita que documentos falsos apreendidos em Pirapora foram comprados em Belo Horizonte (Foto: Polícia Civil/ Divulgação)

Uma mulher, de 38 anos, suspeita de cometer estelionatos em Pirapora (MG), foi presa nesta sexta-feira (18). Segundo a Polícia Civil, na casa dela, localizada no Bairro Industrial, pelo menos 30 RGs, além de cheques de terceiros e papéis que seriam usados para fabricar identidades falsas, foram apreendidos. A PC acredita que pelo menos trinta pessoas tenham sido vítimas de um golpe. A ação da suspeita, que pode ter envolvimento de mais pessoas, era feita através de revendas de produtos que ela comprava usando nomes e documentos falsos. Através de identidades e dados de pessoas desconhecidas, ela adquiria produtos eletrônicos e assinaturas de televisão a cabo, e revendia. As carteiras teriam sido adquiridas pela suspeita em Belo Horizonte. A polícia acredita que a mulher se passava por uma espécie de consultora de TV a cabo. Várias vítimas da cidade, sem saberem do que se tratava, procuravam pela suspeita com o intuito de que fosse instalado um sinal de TV fechada na casa delas. A mulher seria uma intermediadora e contratava a instalação, mas utilizando nomes falsos. “Dessa forma, ela se sentia a vontade para não pagar a empresa que fornece o sinal de TV. As vítimas pagavam a ela a quantia de R$ 150, esperando assistir aos canais fechados. No início dava certo, mas como ela não efetuava o pagamento, só no terceiro mês, quando o sinal era cortado, a pessoa percebia que havia caído em um golpe”, explica o delegado da Polícia Civil. Não é possível precisar quantas pessoas podem ter caído nestes golpes. “Diante do que encontramos na residência da mulher, temos certeza de que pelo menos trinta pessoas caíram em algum golpe, no mínimo; uma vítima para cada RG. Caso alguma pessoa tenha sido vítima e ainda não tenha procurado a polícia, pedimos para que o acionamento seja feito, o que vai ajudar muito nas investigações”, afirma o delegado. Como as carteiras de identidade falsas têm fotos de homens e mulheres, a Polícia Civil afirma que outras pessoas estão envolvidas no golpe de estelionato. Segundo a PC, as investigações continuam para que outros suspeitos sejam presos.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Idosa cai em golpe e perde mais de R$ 200 mil em joias e dinheiro em MG

Sem Comentários

18/05/2018

Nesta quinta-feira (17), uma idosa de 66 anos (MG) foi vítima de um golpe que rendeu um prejuízo de mais de R$ 200 mil em joias e dinheiro. Um casal é procurado suspeito de enganar a mulher com uma história de bilhete premiado. De acordo com a Polícia Militar, uma mulher convenceu a vítima de que precisava de ajuda para pegar o prêmio de um bilhete. Um homem, que também seria golpista, fingiu que pagaria pela ajuda. A vítima, então, aceitou entregar dinheiro antecipado como parte do negócio. Em seguida, a mulher foi até a própria casa com os dois criminosos e pegou os R$ 200 mil em joias e R$ 6 mil em dinheiro. Os três entraram no carro para, supostamente, voltarem ao banco. Mas, no caminho, a dupla pediu que a idosa descesse do carro e comprasse uma água na padaria. Ao descer, ela foi deixada pelos criminosos, que levaram todo o valor. A polícia foi acionada e, até esta publicação, não havia encontrado o casal.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Brasil é segundo país com mais fraudes em cartões

Sem Comentários

17/05/2018

Segundo uma pesquisa da ACI WorldWide, empresa que desenvolve software de pagamento para instituições financeiras, o Brasil é o segundo país, num grupo de 20, com maior número de fraudes com cartão de crédito, atrás apenas do México. Para o gerente de risco para a América Latina da ACI, a maioria dessas fraudes poderia ser evitada pelo próprio usuário. “Falta informação ao mercado brasileiro. Fraudes que utilizam descontos como isca são muito clicadas no Brasil”, opina. De acordo com ele, as instituições financeiras são seguras, mas o público no país não observa se está fazendo a compra em ambiente seguro na internet, que traz o símbolo do cadeado na página. “O cartão de crédito é mais seguro que o boleto bancário porque permite que o cliente faça uma contestação de fraude”, conta. Nesses casos, a análise se é fraude ou não é feita pelas bandeiras dos cartões, e quem tem que provar que a entrega foi feita de maneira correta é o vendedor. “O problema é que o brasileiro não conhece os seus direitos”, afirma o gerente, ao comentar o baixo índice de contestação de compras fraudulentas. Uma empresa sul-africana está lançando um sistema antifraude separado de sua solução de pagamento. “Percebemos que as pequenas empresas no Brasil tinham essa demanda, para acompanhar mais de perto sua segurança e não perder conversão (venda)”, conta a diretora de vendas da empresa para América Latina. “Quando o lojista não tem controle da sua segurança, acaba abrindo mão da venda quando há uma dúvida”, explica. A taxa de aprovação das compras online no Brasil é de cerca de 92%. Em torno de 6% vão para a revisão manual e 2% são negadas. Destas últimos, apenas 10% não eram realmente fraude com cartão de crédito.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: O Tempo

Fique ligado. Dicas do BrSafe para evitar essa modalidade de fraude.

Estelionatário se passava por assessor de políticos para aplicar golpe do emprego no PA

Sem Comentários

16/05/2018

Nesta quarta-feira (16), a Policia Civil do Pará apresentou informações sobre a prisão de M.A.E.S.G., de 35 anos, preso, no dia anterior, por mandado de prisão preventiva decretado pela Justiça. Ele é acusado do crime de estelionato contra pessoas em Belém. O homem identificava-se como assessor de políticos do Estado e oferecia vagas de emprego. Para tanto, ele exigia pagamentos de valores em dinheiro para fazer o cadastro das pessoas junto a órgãos públicos. Apenas, nesta quarta-feira, 13 vítimas compareceram ao prédio da Divisão de Investigações e Operações Especiais (DIOE), no bairro da Cidade Velha, em Belém. Uma das vítimas alegou ter perdido mais de R$ 15 mil no golpe. O sujeito fazia contatos com pessoas, por meio de ligações ou via redes sociais, em que se apresentava como representante de secretarias de Governo em comunidades e em representações de bairros. Dessa forma, ela levou as vítimas a acreditar que ele estava avaliando programas sociais e a presença do Estado no bairro onde moram as vítimas. Após ganhar a confiança, ele passava a ofertar vagas de emprego nas secretarias que dependiam de certificação profissional que ele mesmo poderia providenciar mediante o pagamento de valores variados. Para tanto, explica o diretor da DIOE, ele conseguia contas bancárias de pessoas para receber os valores e depois sacava as quantias. Após o receber os valores, ele trocava os números de contato e desaparecia. Além do inquérito policial, que originou a prisão, o homem é investigado em mais quatro procedimentos policiais em andamento. Ele chegou a ser preso em flagrante por estelionato em 2015 e responde a mais dois processos criminais pelo mesmo motivo.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Folha do Bico

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Aposentada de 77 anos perde R$ 3.580,00 em golpe do cartão

Sem Comentários

17/05/2018

Na tarde dessa quarta-feira (16), uma mulher de 77 anos, moradora de Bauru, foi vítima do golpe da troca de cartões bancários e perdeu R$ 3.580,00. Conforme relatou em boletim de ocorrência, na Central de Polícia Judiciária (CPJ), a aposentada recebeu uma ligação em seu telefone fixo onde uma pessoa, que se identificou como funcionária da empresa do cartão de crédito que utiliza, informou que o cartão dela tinha sido usado em São Carlos para uma compra de R$ 2 mil. Disse ainda que a operadora suspeitou da compra e gostaria de saber se a mulher estava de posse do seu cartão. Como a resposta foi positiva, a pessoa, que se passava por funcionária, informou que o cartão tinha sido clonado e que mandaria mensageiro do banco recolhê-lo. Também pediu dados cadastrais e senhas para anular a suposta compra feita em São Carlos. Antes de fornecer todos esses itens, a vítima ainda tentou falar pelo celular com a gerente de sua conta, mas ela estava em uma reunião. A aposentada decidiu, então, informar seus dados por telefone e entregou o cartão em um envelope lacrado, como foi orientada por telefone, a um desconhecido que foi até seu apartamento buscá-lo. Logo depois, a aposentada foi alertada por uma amiga que tinha sido vítima de um golpe. Ela foi pessoalmente à agência do seu banco e contatou que foram feitos saques, além de compras no débito e no crédito em seu cartão, em um total de R$ 3.580,00. As agência bancárias alertam que não enviam funcionários para pegar senhas e cartões na residência de clientes. Em casos assim, é preciso ir pessoalmente ao banco para obter as informações corretas.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: JCNET

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior