Golpe usa falso depósito em conta para enganar vítimas

Sem Comentários

18/04/2018

Clientes de diversos bancos voltaram a virar alvo de um golpe bancário que funciona da seguinte forma: o consumidor percebe um depósito inesperado em sua conta-corrente e recebe uma ligação de uma pessoa que pede que o valor transferido por engano seja devolvido. No extrato bancário, a quantia aparece na conta, porém, na prática, os criminosos realizam depósitos em caixas eletrônicos com envelopes vazios e pedem o estorno às vítimas enquanto os valores ainda não foram conferidos pelas instituições financeiras. É comum que esse contato aconteça após o fim do expediente bancário, dificultando que o cliente fale com o banco. A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) esclarece que os depósitos realizados em caixas eletrônicos são compensados no dia útil seguinte, após conferência dos envelopes. Por isso, para ter certeza da autenticidade da operação, é imprescindível conferir o extrato bancário depois desse prazo. O mesmo tipo de golpe também pode utilizar transferências entre contas. Neste caso, quem efetua o golpe programa a transação, porém, depois de entrar em contato com a vítima, suspende a operação, já que é possível cancelar agendamentos de DOC, TED e transferências entre contas de um mesmo banco até as 23h59 do dia útil anterior à data programada para a transferência. Segundo a Febraban, se no extrato bancário, a transferência estiver marcada como “saldo a liberar”, o crédito ainda não está na conta do favorecido. A orientação para o consumidor é sempre desconfiar e, em casos de problemas, registrar queixas no Serviço de Atendimento do Cliente de seu banco no Banco Central. No ano passado, as queixas sobre golpes bancários pela internet ou aplicativo cresceram 297% em relação a 2016. Entre outros truques usados por criminosos com frequência, estão promessas de vantagens financeiras ou dramas familiares apresentados por desconhecidos. Segundo a federação que representa os bancos, o cliente deve desconfiar especialmente de propostas de utilização de sua conta para transferência de valores.

Outra recomendação da Febraban é que o cliente não aceite receber créditos de pessoas desconhecidas em sua conta, pois propostas desse tipo são feitas por golpistas. Já o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) acrescenta que quadrilhas usam mensagens de texto e e-mails como isca para enganarem clientes. Nessas mensagens, os grupos se passam por funcionários da instituição financeira e compartilham links maliciosos, que tentam roubar os dados das vítimas. Os bancos e operadoras de crédito não ligam, nem enviam mensagens, pedindo a atualização de informações e, muito menos, que o consumidor forneça senhas. Outra prática comum entre os golpistas é ligar com a falsa informação de que o cartão do usuário foi clonado. Se passando por representantes do banco, os consumidores são induzidos a fornecer dados para supostamente bloquear o cartão. O Idec recomenda que, caso receba uma chamada desse tipo, o cliente encerre a ligação e ligue para o número que está no verso do seu cartão, utilizando outro aparelho de telefone. Isso é essencial porque há casos em que os fraudadores conseguem “prender” a linha do consumidor, que pensa que está em contato com o banco, porém, continua na ligação com os bandidos.

Cuidado com as Armadilhas

- Foco na segurança: cadastre seu celular para receber mensagens de texto (SMS) sobre movimentação em sua conta.

- Confira sempre as transações em seu extrato e, em caso de suspeita de irregularidades, procure sua agência e troque suas senhas.

- Alterações dos dados de boleto bancário podem acontecer de diversas formas, como alteração no número do banco ou nos valores. Por isso, sempre verifique as informações que estão no seu boleto, tanto na tela do computador quanto no documento impresso, como: valor, nome do beneficiário, marca e código do banco e numeração do boleto. As informações devem ser iguais em todo o documento.

- Nos caixas eletrônicos, em hipótese alguma, aceite auxílio de estranhos. Caso precise de ajuda, procure um empregado identificado com o crachá. Lembre-se que o funcionário de um banco jamais pedirá suas senhas ou códigos de segurança.

- Ainda nas agências, não permita que ninguém manuseie seu cartão e lembre-se de retirá-lo do equipamento depois de finalizada a operação. Se o seu cartão cair por algum motivo e alguém se apressar em recolhê-lo, verifique se o cartão devolvido é o seu.

- Memorize a sua senha, evite escrevê-la em papéis ou no próprio cartão.

- Na escolha de senha, evite escolher combinações que podem ser facilmente deduzidas, como datas de nascimento, placas de carros, números de documentos, nomes de familiares e números sequenciais como 1234, 1122, 1571, 1233.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: O Globo

Fique ligado. Dicas do BrSafe para evitar essa modalidade de fraude.

Quadrilha que aplicava golpe do falso depósito para roubar caminhões é presa

Sem Comentários

06/11/2017

Uma quadrilha que aplicava o golpe do falso depósito para o roubo de caminhões, em Campo Grande, acabou presa neste fim de semana. Dois caminhões foram roubados através do golpe. Uma das vítimas procurou a delegacia de polícia após fazer a venda de um caminhão para a quadrilha, no valor de R$ 80 mil. Ele teria feito a negociação no dia 27 de outubro, mas só percebeu que tinha sido vítima de um golpe no dia 31, quando foi informado de que o depósito era falso. Ele contou que dois homens chegaram no dia 27 para buscar o caminhão. Os autores estavam em um veículo Volkswagen Gol. Após a descoberta do golpe passou a avisar em grupos sobre o ocorrido e foi informado que os mesmos homens teriam feito a negociação de outro caminhão. A polícia foi acionada e no momento da retirada do veículo pelos autores, a polícia os surpreendeu. As conversas em seus celulares foram verificadas pelos militares que perceberam o mesmo modo operandi para a aplicação do golpe. Os autores foram identificados como O.A.G. de 23 anos, C.C.F. de 28 anos, A.R.L. de 37 anos, e uma outra pessoa conhecida como M. Não há informações se os caminhões foram recuperados.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Midiamax

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia Civil prende quatro pessoas pelo crime de estelionato em Ribeirão Preto

Sem Comentários

02/10/2017

Quatro pessoas foram presas pelo crime de estelionato em Ribeirão Preto (SP). Conforme as informações do delegado responsável, o grupo detido fazia parte de uma quadrilha que aplica golpes contra empresas da cidade. Várias empresas de Ribeirão já caíram na ação criminosa. “Os estelionatários ligam para a empresa e dizem que depositaram uma determinada quantia em dinheiro ou cheque, por engano, na conta bancária do local e solicitam a devolução do dinheiro”, explica. Segundo os policiais da Delegacia de Investigações Gerais, no caso do dinheiro o depósito era feito por meio de envelopes vazios, no caixa eletrônico. Com relação aos cheques, eles eram depositados e ficavam provisionados, mas, depois, não eram compensados, pois não tinham fundos ou eram cheques fraudados. As quatro pessoas, sendo três mulheres e um homem, foram presas pelos crimes de estelionato e associação criminosa. O caso aconteceu no final da tarde da sexta-feira (29). As investigações dos oficiais continuam sob sigilo.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Revide

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Flagrados fazendo depósitos falsos, dupla tenta corromper policiais

Sem Comentários

18/09/2017

Foram presos na sexta-feira (15), em flagrante delito, dois homens por estelionato, falsificação e corrupção ativa. A dupla estava na Avenida Tenente Coronel Duarte (Prainha), próximo de uma área onde há agências bancárias, levando com eles diversos comprovantes de depósitos falsos. Eles portavam sete recibos de “depósitos”, alguns com valores superiores a R$ 10 mil, e confessaram que usavam envelopes vazios. Ou seja, não depositavam nada nas contas das vítimas. Abordados por Policiais do Batalhão Rotam, da Polícia Militar quando trafegavam em uma motocicleta, ao perceber que seriam presos, um dos suspeitos ofereceu um celular como tentativa de corromper os policiais. Antes da oferta feita aos agentes, os dois disseram que receberiam R$ 100 por cada “depósito” efetuado, mas não revelaram quem era o mandante dos golpes. Conduzidos à Central de Flagrantes, os dois suspeitos, os documentos, dois celulares e quase R$ 200 apreendidos com eles ficaram à disposição da Polícia Civil.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: MT Notícias.net

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Empresário de Viçosa quase perde mais de R$ 43 mil em golpe

Sem Comentários

08/08/2017

Por pouco um empresário de Viçosa (MG) não se tornou uma vítima do golpe conhecido como ‘golpe de estorno de depósito’. Se tivesse caído na conversa do estelionatário, o empresário teria perdido mais de R$ 43 mil. Na última quinta-feira (03) um homem telefonou para a empresa onde a quase vítima é proprietário e pediu que uma das funcionárias informasse a conta bancária. A conta seria usada para realizar um pagamento de um dos serviços da companhia prestado a uma cliente. Com as informações da conta em mãos, o estelionatário realizou um depósito no valor de R$ 43.762,00 no dia seguinte, sexta-feira (04). O empresário informou que quando o golpista fez o contato não informou o valor que seria depositado. Horas depois de ter feito o depósito, o estelionatário entrou novamente em contato com a empresa e disse que havia feito o depósito incorretamente. Ele também enviou um comprovante de depósito fraudulento para tentar mostrar que se tratava de um caso verdadeiro. O golpista pediu, então, o estorno do valor depositado. Desconfiado da conversa do golpista, o empresário pesquisou na internet casos semelhantes e percebeu que estaria diante do golpe do estorno de depósito. Dessa forma, a “quase vítima” ligou para a Polícia Federal (PF), que informou se tratar possivelmente de um golpe. Como o caso envolvia um banco que não era federal, a PF orientou o empresário a procurar a Polícia Militar (PM) ou a Polícia Civil regional. O empresário tentou ligar diversas vezes para o 190 da PM ao longo da sexta-feira, mas não obteve êxito. Diante da situação, decidiu entrar em contato com o gerente do banco. Por sua vez, o gerente disse ao cliente que a situação se assemelhava a uma fraude e orientou não realizar o estorno. O gerente explicou ainda que o golpe de estorno acontece da seguinte forma: o estelionatário informa para a vítima a realização do depósito. Entretanto, esse depósito é feito com um envelope vazio ou com um cheque inválido, ou seja, a quantia depositada, na verdade, é inexistente. Quando o estelionatário consegue convencer a vítima a fazer o estorno do valor depositado, o sucesso para o golpista é certeiro. A vítima perde o valor, uma vez que ela não será reembolsada após as 24 horas do depósito, e o criminoso leva a quantia. Ciente das orientações, o empresário aguardou as 24 horas da realização do depósito para ter certeza que o valor até então bloqueado na conta da empresa seria de fato excluído. O proprietário da empresa não chegou a fazer registro de ocorrência na polícia. A Assessoria de Comunicação da Polícia Civil de Minas Gerais informou que em 2016 e 2017 não houve registro em Viçosa de ocorrências semelhantes ao caso apresentado neste texto.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Opção News

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Empresário de Palmas alerta comércio sobre a prática do golpe do estorno bancário

Sem Comentários

28/07/2017

Um alerta foi emitido nesta sexta-feira (28), por um empresário do setor industrial de Palmas, sul do Paraná, para prevenção ao golpe do reembolso ou falso depósito que começa a ser aplicado no comércio local. Na prática, o estelionatário faz uma solicitação de reembolso de um falso depósito bancário. O empresário contou que nesta quinta-feira (27), um falso cliente ligou para sua empresa e fez aquisição de produtos no valor de R$ 2.400,00, utilizando um CNPJ de uma empresa da região e solicitou o número da conta  de um banco específico para realizar o depósito para o pagamento.  Hoje pela manhã,  entrou em contato novamente com a empresa solicitando o estorno do montante extra,  justificando que havia ocorrido um erro ao ser depositado o valor de R$ 31.660,00. Desconfiado, o empresário pediu o telefone para o contato posterior e o golpista passou um telefone com código de acesso de uma região paulista e o cadastro da suposta empresa compradora do Mato Grosso. Ao consultar sua conta, verificou que de fato havia um valor depositado, mas que o mesmo ainda não estava liberado. Como ocorre em todos os depósitos, é apresentada ao correntista apenas as informações que estavam na parte externa do envelope depositado, com uma restrição. Neste caso,  após o processamento, não entra nenhuma quantia na conta. “Se não desconfio iria depositar R$ 29 mil reais na conta dele e o envelope que ele fez o depósito era vazio, disse o empresário. Também informou que o golpista insiste que o pagamento dos produtos só pode ser feito através de um único banco e que o eventual depósito de estorno em outro. “O estelionatário age no sentido de induzir o empresário ao erro. É preciso muita atenção”, disse.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: RBJ

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Comerciante cai em golpe e faz transferência de R$ 1,2 mil para estelionatário em RO

Sem Comentários

17/05/2017

Em Cerejeiras (RO), na região do Cone Sul, uma comerciante de 45 anos procurou a Delegacia de Polícia Civil para registrar um caso de estelionato. Ela contou aos policiais, na terça-feira (16), que um suposto cliente fez a encomenda de um móvel no estabelecimento pelo telefone. Depois disso, ele alegou que teria feito um depósito com valor acima da compra, e pediu o ressarcimento do restante do dinheiro. Ela chegou a fazer a transferência de R$ 1,2 mil, quando percebeu o golpe, e pediu para que o banco fizesse o bloqueio imediato da operação. A vítima disse que o estelionatário ligou em seu comércio na segunda-feira (15), e se identificou como “Dr. Gregório”, através de um número de celular do Mato Grosso (MT). Ele fez a encomenda de uma cômoda, e pediu os dados bancários da comerciante para fazer o pagamento, no valor de R$ 940. Na terça-feira (16), o suposto cliente retornou dizendo que havia feito um depósito errado, no valor de R$ 19.520, na conta da mulher. Com isso, pediu para que a comerciante descontasse os R$ 940 do móvel e que fizesse a transferência de R$ 1,2 mil para a conta de uma agropecuária de Barra do Garças (MT). Depois, solicitou que ela depositasse o restante do dinheiro em uma conta. A mulher disse que fez a transferência, mas, em seguida, percebeu que teria caído em um golpe. A Polícia Civil informou que o caso será apurado, mas alerta a população para que fiquem atentos a golpes passados por telefone, pois os casos têm se tornados recorrentes na região.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior