Homem é preso com R$ 83 mil em cheques fraudados

Sem Comentários

19/06/2018

No final da tarde desta segunda-feira (18), a Polícia Rodoviária Federal (PRF) prendeu um homem de 22 anos, dirigindo um Siena na BR 304 em Mossoró (RN). Aparentando nervosismo, o motorista informou que estava vindo da capital cearense para a cidade de Angicos (RN). O estado emocional do suspeito chamou a atenção da equipe, que procedeu a uma busca mais detalhada no veículo. No decorrer da fiscalização, os policiais encontraram um total de 25 cheques devidamente preenchidos, cujos valores resultaram em um montante de R$ 83.820,15. Indagado sobre a procedência dos cheques, o jovem a princípio alegou que pertenciam ao seu pai e este teria solicitado que ele realizasse o depósito. Porém, após diligências e informações encontrados no aparelho celular do suspeito, onde foram encontradas mensagens de texto sobre a prática de crime de estelionato, este confessou que realizava os depósitos para uma quadrilha de Fortaleza (CE) e que receberia uma quantia pelo serviço.

De posse dos cheques, os policiais fizeram contato telefônico com alguns emitentes, que afirmaram terem emitido cheques em valores muito abaixo dos informados. Diante dos fortes indícios de cometimento dos crimes de estelionato e adulteração, o homem foi detido e conduzido à Delegacia de Plantão de Mossoró, onde também compareceram duas vítimas localizadas pela PRF, que inclusive apresentaram os cheques originais que haviam sido clonados pela quadrilha.

Golpe

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, o golpe funcionava da seguinte forma: o titular do cheque (geralmente um comerciante ou empresário) emitia um cheque pré-datado em favor de algum fornecedor da cidade de Fortaleza (CE), em pagamento por algum produto ou serviço; o fornecedor utilizava o cheque como pagamento a terceiros ou garantia de empréstimo com agiotas, gerando uma circulação do cheque como moeda.

Em algum momento dessa circulação, a quadrilha tomava posse do cheque e copiava os dados nele contidos. A partir daí, de posse desses dados, a quadrilha adulterava cheques com os mesmos dados, mudando apenas o valor e a data de pagamento. Então, os criminosos depositavam os cheques em contas laranjas, antes que os cheques originais fossem descontados. Para não despertar suspeitas, membros da quadrilha viajavam para realizar os depósitos diretamente nas agências dos titulares.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Tribuna do Norte

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Trio é preso ao tentar sacar cheque clonado em agência bancária

Sem Comentários

31/03/2017

Em Mirassol (SP), dois homens e uma mulher foram presos nesta quinta-feira (30), suspeitos de estelionato. Segundo a polícia, eles tentaram sacar um cheque clonado de R$ 3 mil, no caixa de uma agência em Valentim Gentil (SP). Ao perceberem que os funcionários do banco desconfiaram da atitude, eles fugiram do local em um carro com placas de Londrina (PR). Segundo a polícia, foi feito patrulhamento na região e os policiais conseguiram abordar o veículo. Durante a abordagem, foi constatado que se tratava de uma organização criminosa especializada em aplicar esse tipo de golpe em estabelecimentos bancários, pois os três suspeitos já possuíam várias passagens pelas polícias Civil e Federal. A polícia diz que com os suspeitos também foram encontrados cartões bancários em nomes de outras pessoas. Eles foram presos e conduzidos ao Plantão Policial de Mirassol.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Novo golpe da clonagem do cheque com cancelamento do chip da vítima

Sem Comentários

27/03/2017

Uma nova modalidade do golpe do cheque vem fazendo vítimas no Brasil. A diferença das fraudes convencionais é que o bandido também “clona” o chip da vítima, autorizando a transação como se ele fosse a vítima. O golpe se dá deste modo: o bandido furta o seu talão e/ou clona ou altera o valor do cheque que foi passado pela vítima, procedendo com o saque. Antes da compensação, o banco realiza a confirmação com o cliente, procedimento de praxe. Ocorre que os criminosos agora cancelam o chip do celular da vítima para impedir que o banco confirme se o cheque está valendo ou não. Além de falsificar a assinatura, a chamada telefônica vai para o bandido, que confirma. Certamente, o golpe tem apoio de funcionários das operadoras de telefonia móvel. Deste modo, na maioria das fraudes detectadas, o cliente dá um cheque para pagar algo, que é compensando, e de repente o banco compensa “outros cheques”. O detalhe é que alguns cheques clonados podem ter a mesma numeração ou numeração da sequência do talão. O banco então liga para o cliente, confirma o cheque e deposita ou realiza a operação. Só que simultaneamente o telefone da vítima fica sem serviço. Na verdade, o bandido cancelou o chip do cliente e habilita outro em seu nome, recebendo a ligação do banco. Para quem se tornou vítima, a orientação é procurar o banco para o reembolso das despesas e reembolso dos juros. É cabível também uma ação de danos morais não só em face do banco, que pode conduzir investigações que demoram meses (travando o reembolso ao cliente), mas em face da operadora de telefonia móvel, que permitiu que um dos seus funcionários clonasse o chip do usuário. Cabe também uma reclamação na Anatel, para que a operadora seja multada. Vale também repassar regras básicas para não cair neste golpe: no preenchimento do cheque use a própria caneta, risque os espaços vazios no cheque, cruze o cheque. No canhoto do cheque faça uma numeração própria. Jamais deixe nada além do cheque com o vendedor. Não colocar o número telefônico no verso do cheque ou, se precisar colocar, coloque no verso um número fixo. Com relação a clonagem do chip, procure imediatamente a operadora assim que perceber pelo menos 30 minutos de celular sem serviço. Com estas medidas simples, reduzimos em muito a possibilidade de nos tornarmos vítimas deste novo golpe que vem crescendo no Brasil.

*Artigo de um advogado, perito especializado em Direito Digital e Crimes Informáticos e mestre em Ciência da Informação pela UNESP.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Olhar Digital

Fique ligado. Dicas do BrSafe para evitar essa modalidade de fraude.

Mulher é presa quando tentava descontar cheque clonado

Sem Comentários

17/07/2014

Uma mulher de 23 anos foi presa por policiais do 1º Distrito Policial da capital, na quarta-feira (16), quando estava em uma agência bancária tentando descontar um cheque “clonado” no valor de R$ 4.920,00. De acordo com um levantamento do setor de investigações, a mulher veio de São Paulo em um Fox azul, com três comparsas: dois homens e outra mulher. Cada pessoa se dirigia a uma agência bancária diferente e apresentava cheques para saque. O bando chegava cedo à cidade, se hospedava em um hotel, próximo do centro e saía para aplicar os golpes. Quando as agências bancárias fechavam, os bandidos levantavam acampamento e voltavam para capital paulista. “Mas desta vez para um integrante da quadrilha a volta para casa foi adiada, a mulher foi presa em flagrante por falsificação de documento público e uso de documento falso e está recolhida na carceragem deste distrito”, contou o delegado-adjunto do 1º DP. Pelos levantamentos efetuados pelos policiais, o golpe da quadrilha ultrapassa o valor de R$ 45 mil nos últimos três meses. “Estamos aguardando informações de outros bancos, pois pode ultrapassar R$ 100 mil”, disse.

Homem é suspeito de aplicar golpe com cheques clonados

Sem Comentários

04/02/2014

É suspeito de aplicar um golpe contra uma loja de materiais de construção um homem, que efetuou uma compra de R$ 17 mil utilizando cheques clonados. O fato aconteceu no último dia 30 de janeiro. De acordo com o que está relatado no boletim de ocorrência registrado pela Polícia Militar, o gerente da loja informou que no dia 30 um homem apareceu no estabelecimento e fez uma compra de materiais de construção no valor de quase R$ 17.000,00. O pagamento foi feito com 24 folhas de cheques de um banco em nome do acusado. Após consultados os cheques, a compra foi liberada. No dia 31, o suspeito retornou à loja e retirou quase todos os materiais, restando pouca coisa para ser retirada no dia 3. Mas, quando o ‘cliente’ chegou à loja no intuito de pegar o restante do material, o gerente recebeu uma ligação de um financeiro informando que os cheques da compra eram clonados.

Diante da informação, o gerente chamou a guarnição policial para averiguar melhor os fatos, porém o suspeito, que estava acompanhado de outra pessoa, percebeu que tinha algo errado e tentou abandonar o local num veículo Parati, mas foi impedido pelos funcionários da empresa. Logo, a dupla conseguiu fugir dos funcionários e então começou uma fuga a pé pela parte interna da loja. Quando a PM chegou, não conseguiu encontrar mais os suspeitos. Segundo a polícia, o gerente ainda manteve contato, por telefone, com o suspeito que disse para ele não se preocupar, pois estava mandando um advogado para o local. Um novo boletim de ocorrência relata que por volta das 10 horas daquele mesmo dia, os funcionários da empresa conseguiram localizar os materiais de construção comprados com os cheques clonados. Os mesmos foram recolhidos pela empresa e encaminhados para a 1ª Delegacia de Polícia.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: A Tribuna MT

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.