Saiba como fugir dos golpes aplicados nos aposentados

Sem Comentários

02/07/2018

Aposentados e pensionistas do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) devem desconfiar de promessas sobre revisões de benefícios e permanecer atentos a descontos desconhecidos em seus salários para que não sejam vítimas dos mais diversificados tipos de golpes. As fraudes contra aposentados geralmente ocorrem de duas formas. A primeira e mais comum, é o golpe do crédito consignado. O segurado é surpreendido por um desconto que não autorizou ou mesmo, se pediu o empréstimo e quitou, com a continuidade dos descontos. O mesmo tipo de problema acontece com descontos de organizações às quais o segurado nunca se associou. O aposentado ou pensionista precisa olhar sempre o informe de pagamentos para identificar possíveis descontos não autorizados. Caso identifique algo errado, a dica é registrar um boletim de ocorrência, reclamar com o INSS e com a instituição, além de pedir o ressarcimento dos valores. Caso o dinheiro não seja devolvido, ele pode ir à Justiça.

ASSOCIAÇÕES

Outro golpe comum que vem sendo aplicado é quando associações abordam aposentados e pensionistas por telefone ou enviam cartas dizendo que eles têm direito a uma revisão no INSS que pode pagar uma bolada. Para cumprir a promessa de vitória, os golpistas pedem pagamento antecipado. O segurado que for abordado deve sempre procurar uma segunda opinião e não fornecer dados bancários.

FRAUDES CONTRA SEGURADOS

> Aposentados e pensionistas do INSS devem ficar atentos para não cair em golpes
> Há diversas modalidades aplicadas por golpistas, que podem trazer grandes prejuízos

Descontos de crédito consignado ou associações

Os descontos podem ser ilegais quando:

> O beneficiário não pediu o empréstimo, mas teve a grana depositada na conta dele
> O segurado não recebeu a grana do empréstimo, mas teve as parcelas descontadas
> Fez e quitou o consignado, mas os descontos no benefício continuam
> O aposentado paga mensalidade para uma organização à qual nunca se associou

O QUE FAZER

> Registre um boletim de ocorrência em uma delegacia
> Vá ao banco, peça extratos e faça uma reclamação formal
> Ligue na Ouvidoria do INSS, no número 135, e, se possível, leve a reclamação por escrito em uma agência
> Se o banco ou a associação não devolver a grana, o segurado pode buscar a Justiça

Dica! É possível solicitar ao INSS o bloqueio dos descontos indevidos na aposentadoria 

COMO OS GOLPISTAS AGEM

> O aposentado ou pensionista recebe um telefonema dizendo que o segurado tem direito a uma revisão no benefício
> Há golpistas que mandam cartas com número de telefone para que o segurado entre em contato
> Essas pessoas pedem o depósito de um valor para habilitar a revisão ou liberar a grana do precatório

COMO EVITAR

>  Não é comum que advogados peçam valores para entrar antecipadamente com ações, então, nunca deposite grana com a promessa de ganhar uma revisão
> O INSS não pode abordar segurados dessa maneira, por isso, desconfie do contato se alguém falar em nome do instituto
> Procure a ouvidoria do INSS e registre um boletim de ocorrência na delegacia, caso desconfie se tratar de uma fraude

TOME CUIDADO

> Nunca forneça dados bancários ou de seu benefício por telefone a desconhecidos
> Caso seja abordado, procure opiniões de outros advogados para ver se o direito realmente existe
> Desconfie de quem promete boladas de dinheiro em ações totalmente desconhecidas

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Correio do Estado

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Fraudes no e-commerce aumentam com os cartões, mas é possível evitá-las

Sem Comentários

29/06/2018

O Brasil ocupa o segundo lugar no mundo em fraudes em cartão de crédito (49%), superado apenas pelo México, com 56%. O alto número atribui-se, entre diversos fatores, à questão cultural, à redução de fraudes no mundo físico e ao crescimento do setor, atraindo cibercriminosos pelo seu potencial lucrativo. De acordo com dados da Visa, o comércio eletrônico brasileiro deve crescer 15% neste ano, frente aos 12% de 2017. A tendência é natural. A inclusão do sistema de chips na base brasileira de cartões fez com que as fraudes migrassem do mundo físico para o online. Os Estados Unidos, por exemplo, que passam agora por este processo, devem sofrer, em breve, o mesmo impacto. Fatores como: o aumento da base de cartões circulando no ambiente online devido à enorme oferta de serviços como streaming, VoD, transportes, etc; as constantes mudanças no comportamento do usuário, que cada vez mais busca maior comodidade e personalização na hora de comprar; e a própria evolução tecnológica – que proporciona tudo isso – faz com que o ambiente online seja um alvo desejado e altamente promissor para os fraudadores. A avaliação mais recente aponta que 22% dos vazamentos de dados analisados em 2016 afetaram o setor de varejo. 63% da motivação dos ataques são para acesso a cartões de crédito, sendo 33% que trafegam no online.

Dentre as fraudes mais comuns no ambiente online, estão:

- Controle de conta (roubo de dados por meio de malware ou phishing);
- Afiliada (gerada por afiliadas para gerar receita ilegítima);
- Botnets (computadores infectados com software malicioso para roubar dados e permitir acesso aos criminosos);
- Teste de cartão (para saber se cartões roubados estão ativos e possuem limite disponível);
- Limpa (utiliza informações roubadas para se passar pelos verdadeiros portadores do cartão);
- Amigável (o consumidor faz a compra com o seu próprio cartão de crédito e informa não reconhecê-la após o recebimento do produto ou serviço);
- Roubo de identidade (uso da identidade de outra pessoa para obter crédito e outros benefícios);
- Lavagem de dinheiro (oculta a verdadeira origem dos fundos obtidos para que eles pareçam legais);
- Phishing/pharming/whaling (técnicas para atrair consumidores para sites falsos por meio de links em e-mails ou redes sociais para obter dados bancários e outras informações sensíveis);
- Triangulação (uso de cartões de crédito roubados para efetuar compras online. Os produtos são revendidos a clientes legítimos).

Os números são alarmantes. De acordo com a Visa, a cada 16 segundos ocorre uma tentativa de fraude no Brasil. 7,6% dos pedidos são rejeitados por suspeita de fraude e 20% deles vão para revisão manual. Os dados são um verdadeiro desafio para os lojistas que precisam manter a alta taxa de conversão sem abrir mão da segurança.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Música & Mercado

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Carro roubado no Ceará é recuperado pela PRF na BR-230 no Pará

Sem Comentários

18/06/2018

Neste domingo (17), a Polícia Rodoviária Federal (PRF) recuperou um veículo roubado sendo conduzido por uma mulher na Rodovia Transamazônica (BR-230), na altura do km 630, em Altamira, no sudoeste do Pará. Durante a operação, os policiais detectaram que o carro possuía registro de furto/extravio, além de outras fraudes como placa adulterada. A PRF identificou a placa verdadeira e confirmou que o veículo havia sido furtado em abril de 2018, em Fortaleza (CE). A condutora alegou ter alugado o carro por R$2 mil em São Luiz (MA), e que estaria visitando a região para fazer pesquisa sobre direito ambiental na Usina Hidrelétrica de Belo Monte. Ela deve responder por uso de documento falsificado e receptação e o caso foi encaminhado para a Polícia Civil.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Fraude em benefício do INSS no ES gera prejuízo de R$ 1 milhão, diz PF

Sem Comentários

29/05/2018

Nesta terça-feira (29), a Polícia Federal realiza uma operação de combate a fraudes praticadas contra o Instituto Nacional do Seguro Social, no Espírito Santo. Durante a investigação, foram identificados documentos falsos usados para criar falsas identidades de pessoas idosas e, assim, receber o benefício assistencial. As investigações da ‘Operação 3×4′ tiveram início em 2017 e, até o momento, foi apurado um prejuízo que gira em torno de R$ 1 milhão. A Polícia Federal cumpre um mandado de busca e apreensão no estado, nesta terça. Conforme a polícia, como há indícios de que a atividade criminosa é desenvolvida há, pelo menos, 10 anos, e ainda não foram analisados todos os benefícios fraudados, a estimativa é que os prejuízos superem esse valor. Os investigados vão responder pelo crime de estelionato qualificado, além de associação criminosa, e a soma das penas pode ultrapassar oito de reclusão.

Entenda o caso

A Polícia Federal identificou, há cerca de oito anos, a ocorrência de fraudes em benefícios assistenciais a pessoas idosas denominados BPC (Benefício de Prestação Continuada) com um mesmo modo de operação, que consistia no uso de documentos falsos para forjar falsas identidades de pessoas idosas que eram aliciadas, especialmente, para esse fim. Essa situação originou vários inquéritos e o indiciamento de algumas pessoas, sem que, no entanto, fosse possível identificar o mentor das fraudes. Depois do trabalho de inteligência da Força-tarefa Previdenciária foi identificado um importante autor de várias destas fraudes anteriormente investigadas, além de se identificar várias outras que eram realizadas e, até então, não haviam sido detectadas.

Jovens são presos com cartões bancários em branco e chips de vários estados, em Goiânia

Sem Comentários

23/05/2018

No início desta semana, em Goiânia, dois jovens foram presos suspeitos de cometerem fraudes e desviar dinheiro. Eles estavam com uma arma, cinco celulares, cinco notebooks e dezenas de chips de vários estados, como Goiás, Maranhão, Rio Grande do Sul e Distrito Federal. A Polícia Civil ainda apura como eram cometidos os golpes. “Há material suficiente para aplicar várias fraudes. São objetos preparatórios para um grande golpe”, disse a delegada responsável pelo caso. Um dos jovens é do Maranhão e tem 28 anos. O outro é do Distrito Federal e tem 29 anos. Eles não se pronunciaram durante o interrogatório, mas, no momento da prisão, disseram que vieram para Goiânia para comprar roupas na Região da Rua 44. A delegada não acredita na versão dos suspeitos devido ao material apreendido. Além disso, não havia roupas e sapatos no apartamento em que foram detidos, no Setor Goiânia 2, na capital.

Investigação

Agentes da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic) prenderam a dupla quando iam para a casa de um policial buscar material de um cartório. Eles notaram que eles se assustaram com a presença da equipe; em seguida, eles indicaram o apartamento que alugaram para a estadia em Goiânia. Todo o material apreendido será periciado. “Vamos investigar a origem do material, se as pessoas em que os números dos chips estão cadastrados têm conhecimento, se há mais envolvidos e as vítimas”, detalhou a delegada. Como a polícia ainda não localizou as vítimas, os jovens não foram autuados por fraudes. Assim, o rapaz do Distrito Federal foi preso em flagrante por uso de droga, já que estava com 4 gramas de maconha. Já o jovem do Maranhão foi autuado por posse ilegal de arma de fogo.

Facebook é rede social mais usada para golpes de phishing

Sem Comentários

23/05/2018

A maioria dos golpes de phishing em redes sociais realizados no primeiro trimestre de 2018 vieram de sites falsos que fingiam ser o Facebook. É isso o que indica um estudo divulgado por uma empresa de segurança, que avaliou ataques que foram barrados pela tecnologia antiphishing desenvolvida pela companhia. Os brasileiros também foram as maiores vítimas desse tipo de golpe no período. As tentativas de cibercriminosos de roubar dados de usuários da internet a partir de redes sociais usaram principalmente versões fraudulentas do Facebook para enganar potenciais vítimas – 60% dos casos envolviam a plataforma de Mark Zuckerberg. A rede social russa Vkontakte aparece na segunda posição com 21%, enquanto o LinkedIn ocupa a terceira com 13% dos casos. Ataques de phishing com páginas fraudulentas criam uma “cópia” do Facebook e pede para o usuário inserir uma série de informações. Como a página parece legítima visualmente, muitos usuários desavisados acabam sendo vítimas desses golpes, que podem roubar, além das credenciais de acesso da rede social, dados como número de cartão de crédito, códigos PIN e mais. Apesar do Facebook ter se destacado quando o assunto é rede social, os principais alvos de golpes de phishing continuam sendo instituições do setor financeiro, incluindo bancos, serviços de pagamento e lojas virtuais. Quase metade dos ataques feitos no primeiro trimestre do ano foram para roubar informações de usuários nesses serviços. Os usuários brasileiros foram as principais vítimas dos golpes de phishing no período – 19% dos ataques atingiram pessoas no Brasil. Argentina, Venezuela, Albânia e Bolívia aparecem nas posições seguintes.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Olhar Digital

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Contador preso pela PF beneficiou parentes por mais de 10 anos, aponta investigação

Sem Comentários

22/05/2018

Em Sorocaba (SP), na manhã desta terça-feira (22), durante operação da Polícia Federal contra fraudes previdenciárias, um contador e seu ajudante foram presos. A Operação Aquiles cumpriu 11 mandados judiciais em Sorocaba, três em Campinas e um em Camboriú (SP). A investigação identificou que a dupla burlava o sistema do INSS e teria beneficiado 30 pessoas por mais de 10 anos, a maioria parentes. As fraudes consistiam na criação de vínculos empregatícios fictícios com empresas inativas, via transmissão de dados pelo sistema “GFIP-WEB”, para fins de obtenção de benefícios previdenciários, como auxílio-doença, aposentadoria, pensões por morte e por contribuição. As investigações começaram com a análise e cruzamento de várias informações, que apontaram uma série de indícios de fraudes e identificação dos autores. A dupla foi encaminhada ao Centro de Detenção Provisória (CDP) de Sorocaba, onde aguarda pela audiência de custódia. Já as pessoas que foram beneficiadas com a fraude vão ser chamadas para prestar esclarecimentos na Polícia Federal e podem responder por estelionato. A PF não divulgou a identidade dos presos. Durante as investigações, foi apurado um rombo de aproximadamente R$ 3,6 milhões aos cofres da Previdência. Os prejuízos futuros poderiam chegar a mais R$ 5,3 milhões, considerando a atual expectativa média de vida do cidadão brasileiro. O nome da Operação Aquiles decorre do fato de que os fraudadores se utilizavam do ponto frágil dos sistemas informatizados do órgão previdenciário para as fraudes.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior