Tentativas de fraudes em vendas de imóveis em Petrolina estão sendo investigadas

Sem Comentários

08/07/2019

Indícios de fraudes em vendas de imóveis em Petrolina (PE) estão sendo investigados pela Polícia Civil, prefeitura e o Cartório de Imóveis da cidade. Em nota enviada à imprensa, a prefeitura explicou que as fraudes consistem na apresentação de documentos falsos para lançamento do Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis (ITBI). Segundo a prefeitura, para tentar coibir esse tipo de crime, a Secretaria Municipal da Fazenda firmou parceria com cartórios da cidade para adotar critérios mais rigorosos a fim de verificar a autenticidade dos documentos e proceder com o lançamento dos impostos com maior segurança.

Em virtude das tentativas de fraudes, os cartórios estão sem emitir certidões de propriedade para bairros como Dom Avelar, Antônio Cassimiro, Parque Cassimiro, Lagoa Seca e Thereza Cristina. A apresentação de documentos falsos implica em infração penal com pena de reclusão de 2 a 6 anos e multa.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Mais de 2,3 mil casos de estelionato foram registrados em MT entre janeiro e abril deste ano

Sem Comentários

25/06/2019

O estado de Mato Grosso registrou 2.312 casos de estelionato no primeiro quadrimestre deste ano. O dado se manteve parecido com o mesmo período do ano passado, quando foram contabilizados 2.311 registros. Os dados são da Coordenadoria de Estatística e Análise Criminal (Ceac) da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT) e abrange todas as modalidades praticadas do crime, dentre elas, internet e telefone. O Código Penal Brasileiro define estelionato como crime contra o patrimônio com o objetivo de obter vantagem ilícita em prejuízo alheio. Em 2018 foram registrados em Mato Grosso 6.578 casos de estelionato. Já no mesmo período de 2017 foram 6.390 ocorrências. Uma prática que tem lesado algumas pessoas é a fraude mediante clonagem do aplicativo de mensagens WhatsApp. Neste modelo, o suspeito se utiliza da rede de contatos da vítima e pede que quantias em dinheiro sejam transferidas na conta de uma terceira pessoa. Por se tratar de um contato conhecido da vítima, a mesma repassa valor e só depois descobre que caiu em um golpe. Um analista de tecnologia explica que a clonagem não é uma prática nova, mas tem vitimado muitas pessoas por falta de adoção de medidas primárias.

Orientações

 O delegado chefe da Gerência de Crimes de Alta Tecnologia (Gecat), orienta que em caso de clonagem do celular, a vítima deve imediatamente registrar um boletim de ocorrência e na sequência avisar seus contatos e familiares sobre a fraude, e bloquear o chip junto à operadora de telefonia. Se o criminoso tiver conseguido habilitar a verificação em duas etapas, reinstale novamente o aplicativo e digite erroneamente códigos sucessivos até bloquear a conta. Outro passo importante, após ter a conta do aplicativo WhatsApp invadida por um criminoso, é encaminhar um e-mail para support@whatsapp.com, em português mesmo, solicitando o bloqueio da conta. No corpo da mensagem, o usuário deve colocar o código do país. A empresa vai desativar a conta do aplicativo, que somente poderá ser utilizada em sete dias.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Servidora pública é afastada por suspeita de ficar com valores de taxas de emissão de RG em Lauro Müller

Sem Comentários

20/06/2019

Uma servidora pública de Lauro Müller, no Sul catarinense, foi afastada da prefeitura por suspeita de ficar com o dinheiro da emissão de taxas de serviço de carteiras de identidade. A medida foi tomada após a Operação Minos, deflagrada pela Polícia Civil na quarta-feira (19). Segundo a Polícia Civil, a mulher tem 42 anos e estava cedida para a função de emissão de documentos, já que na cidade não há Instituto Geral de Perícias (IGP). Ela trabalhava no cargo desde março de 2019. Entre as fraudes suspeitas, moradores assinavam uma declaração de hipossuficiência para não pagar a emissão do documento de Registro Geral (RG), sem saber o teor do documento assinado. Com isso, ela cobrava as taxas de serviço e se apropriava do valor. Ela também é suspeita de usar boletins de ocorrência de perda de documento de maiores de 60 anos, para gerar a isenção de taxa no Sistema Integrado de Segurança Pública. Mesmo assim, cobrava das pessoas o valor do serviço. Conforme o delegado responsável, a servidora segue afastada nesta quinta-feira (20), proibida de frequentar a administração municipal e de entrar em contato com as pessoas que fizeram identidade com servidora. O nome dela não foi divulgado. A Polícia Civil enquadrou a mulher em peculato e inserção de dados falsos em sistema público. Foi cumprido mandado de busca e apreensão na casa dela.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Notícias relacionadas:

Mulher é presa por cometer irregularidades na emissão de identidades em Lauro Müller

Funcionária pública é suspeita de produzir certificados escolares falsos em Lauro Müller, na Serra Catarinense

Acre é o quinto estado com maior número de golpes em compras online, aponta estudo

Sem Comentários

10/06/2019

As fraudes contra consumidores do Acre que utilizam a internet para fazer compras, cresceram. Segundo o Mapa da Fraude, realizado por uma empresa especializada em segurança de e-commerce, no ano de 2018, a cada R$ 100 gastos em compras online, R$ 5,68 foi por algum tipo de tentativa de fraude, o que coloca o estado como o quinto mais atacado por fraudadores. O levantamento aponta ainda que os segmentos que mais sofreram tentativas de fraudes no ano passado foram compras de celulares, games, bebidas, eletrônico e informática. Em comparação a 2017, os produtos são os mesmos, a diferença é que no ano anterior as tentativas de fraudes cresceram. No setor de celulares, 4,66 % e no setor de eletrônicos, 4,29 %.

Dados nacionais

A média do Brasil é de R$ 3,53 a cada R$ 100 em compras, o que representa um aumento de quase 9% em relação ao ano anterior. De acordo com o estudo, não só o Acre teve esse aumento, mas a região Norte foi a mais atacada, e a cada R$ 100 em compras no e-commerce, R$ 5,43 foram tentativas de fraude. O percentual é 54% maior que a média nacional. Confira a matéria completa no link abaixo.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Mulher é presa após adquirir R$ 220 mil em fraudes com o seguro DPVAT

Sem Comentários

16/05/2019

Uma mulher de 41 anos está presa preventivamente por receber R$ 220 mil em fraudes no seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (DPVAT). A suspeita entrou com pelo menos 16 pedidos de indenizações por invalidez permanente. Nesta quinta-feira (16), agentes da Delegacia de Luziânia também cumpriram quatro mandados de busca e apreensão. Segundo o delegado responsável, a acusada é investigada há 10 meses, quando uma seguradora, a responsável pelo repasse financeiro do DPVAT, realizou um boletim de ocorrência na unidade policial. “Notou-se que, nos últimos anos, houve um crescimento significativo nos pedidos por estas indenizações. A partir disso, apurou-se internamente os casos, o que levou até os pedidos dessa mulher”, explica. A suspeita, formada em direito, fraudava todos os documentos necessários para a entrada dos pedidos de indenização, como ficou comprovado na apuração do caso. Ela realizava assessoria jurídica para advogados em Luziânia e, assim, tinha acesso aos materiais necessários. A mulher falsificou diversos documentos públicos, como boletins de ocorrência das Polícia Civil de Goiás e Distrito Federal; laudos do Instituto Médico Legal (GO e DF);  ocorrência do Corpo de Bombeiros de Goiás; relatórios médicos do Hospital de Base e do Hospital Municipal de Luziânia. Ela também fraudou documentos particulares dos falsos acidentados, como comprovantes de residência. Desse modo, ela dava entrada no pedido de seguro no valor máximo de R$13,5 mil pela debilidade permanente.

Os únicos dados verdadeiros utilizados pela golpista eram das supostas vítimas dos acidentes, que não sabiam dos golpes. “A acusada tem uma empresa de eventos, localizada na cidade de Luziânia, por onde passa vários prestadores de serviços como garçons, cozinheiros e seguranças. Aproveitando o vínculo de trabalho, a investigada obtinha cópia dos documentos pessoais dessas pessoas, alegando que seria para registro de carteira de trabalho”, esclarece o delegado. Após a mulher ganhar a confiança destes trabalhadores, ela inventava uma história para ganhar acesso às contas das vítimas. “Como o seguro só é recebido na conta da própria vítima, ela tinha que conseguir estes dados. Ela afirmava que ia receber dinheiro de devedores, mas que estava com a conta bancária bloqueada. Assim, ela obtinha o cartão e senha dos funcionários”, acrescenta. Doze empregados tiveram os dados usados nos golpes e, quatro, foram informações de familiares da acusada, sendo dois filhos, um cunhado e um genro. Os alvos das buscas desta quinta-feira (16) foram a casa e empresa da mulher, além da residência de parentes. Policiais apreenderam diversos documentos, três notebooks, um computador e um celular. Os objetos serão encaminhados para a perícia da Polícia Civil.

Homem é detido suspeito de aplicar golpes em clientes de agência bancária em Piracicaba

Sem Comentários

14/05/2019

Na manhã desta terça-feira (14), em Piracicaba (SP), um homem foi detido suspeito de aplicar golpes em uma agência bancária na Avenida Independência. Ao precisar de informações, os clientes ligavam em um número gratuito falso e forneciam dados bancários, que eram usados pelos criminosos para transferências de valores. O segundo suspeito do crime está foragido. Conforme informações da Guarda Civil Municipal (GCM), eles foram acionados após o monitoramento do banco filmar dois homens demorando na utilização dos caixas eletrônicos. Quando os guardas chegaram, um deles fugiu e o outro foi capturado. Em um dos caixas, foi encontrado um dispositivo que travava as teclas do equipamento e, ao lado, um adesivo com um número de telefone 0800 falso. Ainda conforme a GCM, ao ter problemas para usar o caixa, a pessoa ligava no número, que caía no celular dos suspeitos. Durante a ligação, eles pediam as informações bancárias dos clientes e com os dados, faziam as transferências bancárias. Não foi informado valores desviados pelos criminosos. A Polícia Científica foi acionada para realizar a perícia na agência e confirmar a irregularidade do dispositivo. O caso foi encaminhado para a Unidade de Polícia Judiciária (UPJ) de Piracicaba.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Operação prende empresário suspeito de esquema de agiotas em Lavras, MG

Sem Comentários

12/04/2019

Na manhã da sexta-feira (12), uma operação do Ministério Público prendeu um empresário apontado como líder de uma rede de agiotagem em Lavras (MG). Investigações apontaram que o suspeito atua em uma organização criminosa envolvida com falsidade ideológica, documentos falsos, corrupção e lavagem de dinheiro. A operação é um desdobramento de outras operações contra fraudes em shows, que aconteceram em 2013 e 2015. O empresário S.E.P., apontado como líder da rede de agiotas, foi preso durante a manhã. Ele já havia sido denunciado em outras operações do MP na cidade. “A operação de hoje é um desdobramento da Operação VIP pois o líder da organização criminosa hoje investigada também participou e foi denunciado na operação VIP. De lá para cá, as investigações foram ganhando corpo e agora foi deflagrada a operação”, explicou o promotor responsável.

Também foram cumpridos mandados de busca e apreensão. Em 13 imóveis, alguns de servidores públicos, foram encontrados CD’s, documentos, agendas, computadores, anotações e notas promissórias com esquemas dos agiotas. Estava previsto o cumprimento de um mandado de busca no Fórum de Lavras, mas as buscas não foram autorizadas pela Justiça.

“O objetivo da operação foi dar cumprimento a esses mandados de busca e apreensão para angariar provas dos crimes que estão sendo investigados, como organização criminosa, lavagem de dinheiro, agiotagem, corrupção, uso de documento falso e falsidade ideológica”, explicou o promotor. Segundo as informações do Ministério Público, foi identificado o envolvimento de servidores públicos de várias áreas. Os servidores teriam criado uma rede de proteção e vazamento de informações sigilosas. A Operação Octopus foi realizado pelos núcleos do MP de Varginha e Passos, além da Promotoria de Justiça de Lavras e Receita Federal. Pelo menos seis auditores da Receita Federal, 46 policiais, nove promotores e 14 servidores do MP participaram da operação.

Anterior