Empresário suspeito de estelionato no Piauí é preso em Manaus

Sem Comentários

11/02/2019

A Secretaria de Segurança Pública do Piauí através da  Polícia Civil de Esperantina comunicou que no início da tarde desta segunda-feira (11) foi dado cumprimento ao mandado de prisão preventiva em desfavor de L.A.S., pelo crime de estelionato. No ano de 2015 centenas de vítimas registraram boletins de ocorrência noticiando serem vítimas do crime de estelionato em modalidade conhecida como compra premiada. L.A.S. era o proprietário de uma empresa de prêmios utilizada para aplicar as fraudes. Desde o início das investigações ele encontrava-se foragido da comarca de Esperantina. O prejuízo causado as vítimas é milionário. O  inquérito já foi relatado e enviado  à justiça local em janeiro de 2019. O suspeito foi preso em Manaus pela 17° DIP  da Polícia Civil do Amazonas em uma operação que contou com o apoio do Laboratório de inteligência cibernética do Ministério da Justiça .

PF investiga organização criminosa responsável por fraudes bancárias em TO

Sem Comentários

23/01/2019

A Polícia Federal deflagrou nesta segunda-feira (22) as Operações Spurius II e III, para desarticular organização criminosa especializada em fraudes bancárias pela internet. Aproximadamente 40 policiais federais cumprem sete mandados judiciais de busca e apreensão e um mandado de prisão preventiva, expedidos pela 4ª Vara Federal de Palmas nos estados de Tocantins e Goiás. Foi determinado o bloqueio de bens e valores dos envolvidos, pessoas físicas e jurídicas. A investigação teve início com a comunicação de fraude ocorrida em bancos de Paraíso/TO e Relatório de Fraudes Bancárias, fatos investigados em inquéritos policiais instaurados para apurar a ocorrência dos delitos. O grupo criminoso atuava fraudando a emissão e pagamento de boletos bancários, bem como realizando fraudes bancárias pela internet e lavagem de dinheiro por meio de contas e empresas de fachada. Tais empresas eram criadas com documentação falsa para movimentar os recursos obtidos ilicitamente. Ainda não se apurou o montante dos prejuízos gerados pelas fraudes, que será mensurado após a análise do material apreendido. A investigação apurou o cometimento dos crimes de organização criminosa, estelionato, falsificação de documento público, uso de documento falso e lavagem de dinheiro.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Ponta Porã Informa

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Crime de estelionato ‘ganha força’ durante o fim do ano, diz polícia

Sem Comentários

30/12/2018

Segundo dados da Polícia Civil, o número de casos de estelionato tende a aumentar durante o fim do ano. Os golpistas aproveitam o pagamento do 13º salário e os preparativos de festas para agir. “Tem crime de falsificação de cartão de crédito, documentos, e basicamente é o estelionato porque é o crime que atrai a atenção do consumidor”, afirma um delegado. Em São José do Rio Preto (SP), uma das vítimas de estelionato – que pediu para ter a identidade divulgada – perdeu cerca de R$ 10 mil. “Uma mulher que dizia ser minha gerente me telefonou para entregar um cartão para verificar um problema. Nem desconfiei”, conta a idosa. Em seguida, o golpista foi até a casa da vítima, pegou o cartão e passou a efetuar pagamentos em nome dela. Um crime comum durante o fim do ano é a clonagem de cartões e cheques. Mas além dos clientes, comerciantes também acumulam queixas e prejuízos provocados por golpistas. A proprietária de uma loja de calçados há 35 anos já recebeu diversos cheques falsificados. Mas hoje ela orienta às funcionárias a checar os dados e documentos dos clientes, o que a Associação Comercial e Empresarial de Rio Preto (Acirp) recomenda. “Cada vez que receber pagamento com cheque e cartão é preciso pedir documento com foto e também fazer consulta no SPC porque estes tipos de ações preventivas dão segurança ao comerciante”, explica o presidente da Acirp.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia Federal prende 9 suspeitos de fraudar o PIS em MG

Sem Comentários

01/10/2018

Nove pessoas foram presas em uma operação da Polícia Federal (PF) contra suspeitos de fraudar o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), por meio de saques indevidos do Programa de Integração Social (PIS). Segundo a PF, uma organização criminosa teria desviado R$ 27 milhões. Foram expedidos 11 mandados de prisão e 33 de busca e apreensão. Segundo o delegado responsável, os 11 alvos foram indiciados e vão responder por estelionato qualificado contra órgão público, uso de documento falso e formação de quadrilha. A pena pode chegar a 14 anos de prisão.

O coordenador da investigação explica que a quadrilha fraudou cerca de 28 mil vínculos empregatícios. A PF informou que 2,3 mil cartões ‘Cidadão’ usados pela quadrilha foram apreendidos nesta segunda-feira (1º) na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Os mandados de prisão foram expedidos pela 1ª Vara Federal da Subseção Judiciária Federal de Montes Claros, sendo quatro de prisão preventiva e sete de temporária. Também foi determinado pela Justiça o imediato bloqueio de 10.330 números do Programa de Integração Social (PIS) utilizados para as fraudes. De acordo com as investigações, que começaram há sete meses, mais de 100 empresas tiveram dados utilizados indevidamente, e os fraudadores declaravam ao Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), anualmente, milhares de pessoas que não trabalharam efetivamente nas empresas.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Dupla é flagrada tentando financiar veículo com documentos falsos

Sem Comentários

25/09/2018

Após denúncia encaminhada pela Coordenadoria Geral do Sistema de Inteligência (Cogersisp), uma mulher de 24 anos e um homem de 29 foram presos por policiais civis da Delegacia de Defraudações e Crimes Cibernéticos. Eles estavam com documentos falsos e tentavam financiar um veículo em Aracaju. Conforme a Secretaria de Segurança Pública (SSP), o caso ocorreu na segunda-feira (24) quando a dupla foi detida com documentos falsos. A mulher tinha duas Carteiras de Identidade falsas e confessou a prática criminosa. Ela teria revelando ter feito outras fraudes recentemente, com um financiamento de uma motocicleta. “Eles seriam apresentados hoje em audiência de custódia, mas a justiça estadual já se manifestou, lavrando uma sentença, afirmando que esse crime é de atribuição da Polícia Federal. Nós faremos o encaminhamento ainda hoje, para que a Polícia Federal adote as providências a partir de então”, disse a delegada responsável. A mulher tem duas passagens pela polícia, uma delas por furto em um supermercado. O homem já respondeu por receptação de veículo automotor.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Dourados Agora

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Operação estima fraudes de R$ 5 milhões na abertura de empresas por estrangeiros, na PB

Sem Comentários

18/09/2018

Na manhã desta terça-feira (18) uma operação foi deflagrada para apreender documentos relacionados a uma esquema de abertura de empresas e negociação de imóveis por estrangeiros, em João Pessoa. Conforme a Delegacia de Defraudações e Falsificações da capital (DDF), a Operação Fratelli cumpriu mandados de busca e apreensão em João Pessoa e Maceió, e estima que a fraude pode superar a quantia R$ 5 milhões. As investigações tiveram início há aproximadamente seis meses, após denúncia feita por uma das vítimas, que descobriu o desvio de mais de R$ 600 mil, relacionados a apenas uma das empresas investigadas. Os mandados de busca e apreensão domiciliar foram realizados nas cidades de João Pessoa e Maceió, em Alagoas. A ação foi realizada com o apoio da Polícia Civil de Alagoas. As investigações da DDF identificaram que um dos investigados, um técnico em contabilidade , possui 60 empresas registradas em seu nome, sendo grande parte de empresas de construção civil, em sociedade com estrangeiros. Durante a investigação, a DDF identificou 20 contas bancárias relacionadas aos fatos. Apenas com a análise dos dados bancários, com quebra de sigilo já autorizada pela Justiça, e do material apreendido, será possível ter uma exata dimensão da fraude. Durante a primeira fase da Operação Fratelli, a Polícia Civil de Alagoas apreendeu documentos e equipamentos eletrônicos dos investigados, que serão analisados para concluir as investigações. De acordo com o delegado de defraudações em João Pessoa, outras quatro pessoas também estão sendo investigadas.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Filho de juiz é preso em Alagoas por fraude e associação criminosa

Sem Comentários

04/09/2018

Na madrugada desta terça-feira (04), três pessoas foram presas em Penedo, região do Baixo São Francisco, em uma operação que investiga fraudes em Alagoas. Entre os presos, estão o filho de um juiz e um advogado. Este é o desdobramento da operação policial realizada em Alagoas e no Rio Grande do Sul que acabou com a prisão de outras três pessoas no mês passado. Os presos desta terça foram identificados como o advogado J.P.D.P., o taxista F.F.S. e o filho de um juiz alagoano J.X.C.J. Eles são investigados por associação criminosa, falsidade ideológica e furto mediante fraude. Um outro suspeito, que trabalhava para o advogado, está foragido. Os mandados de prisão foram expedidos por um juiz da 4ª Vara Criminal da Comarca de Penedo. Além das prisões, os agentes da 7ª Delegacia Regional de Polícia (DRP) de Penedo apreenderam notebooks, celulares e documentos que passarão por perícia. Após as análises, novos mandados de prisão podem ser expedidos. De acordo com as investigações, a quadrilha fraudava documentos de pessoas que tinham crédito em instituições financeiras e faziam a retirada dos valores. O golpe só foi descoberto depois que familiares de pessoas que já teriam morrido perceberam os saques nas contas.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior