SSP investiga quadrilha que aplica golpes bancários em Sergipe

Sem Comentários

12/01/2017

Nesta quinta-feira (12), a Secretaria de Segurança Pública de Sergipe divulgou que a Polícia Civil, por meio do Complexo de Operações Policiais Especiais (Cope), está  investigando uma quadrilha que aplica golpes bancários no estado. Conforme a Secretária de Segurança Pública de Sergipe (SSP/SE), a investigação que tramita há seis meses começou com um golpe aplicado em meados de 2016, quando diversos clientes do banco estadual tiveram seus cartões clonados após utilizarem terminais de autoatendimento em máquinas em que estavam instalados os famosos “chupa cabra”. O equipamento captava os dados dos cartões bancários para posterior clonagem. Após a clonagem dos cartões, os golpistas voltam para realizar saques com os cartões falsificados. Dois homens suspeitos de ter ligação com associação criminosa envolvida com clonagem de cartões bancários foram presos em dezembro no momento em que tentavam retirar o “chupa cabra”. Os suspeitos disseram à polícia que Sergipe foi selecionado como alvo das ações por possuir uma deficiência tecnológica nos cartões bancários que ainda não têm chip. Os equipamentos foram apreendidos. A dupla está custodiada no Cope e foram autuados por estelionato e associação criminosa.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

PF realiza operação de repressão a fraudes bancárias na internet

Sem Comentários

16/09/2016

Foi deflagrada nesta sexta-feira (16), pela Polícia Federal (PF), a Operação Patrocínio, que visa identificar uma organização criminosa que movimentou mais R$ 500 mil de um banco entre outubro de 2012 e abril de 2013. Sessenta policiais cumprem 13 mandados de busca apreensão: dez no Distrito Federal, dois em Goiás e um em São Paulo. Conforme comunicado da PF, os suspeitos terão que esclarecer transferências ilícitas que receberam nas contas, assim como sobre a invasão de uma conta bancária realizada por acessos ilícitos ao Internet Banking de um banco. Os responsáveis pelos crimes devem responder por furto qualificado, por participação em organização criminosa, e, eventualmente, por quebra de sigilo bancário, devido à invasão da conta do banco. As penas somadas podem chegar a 20 anos de prisão e multa, assim como a devolução do dinheiro recebido indevidamente. A PF afirma, durante a operação, que foram apreendidos notebooks, smartphones, pen drives, tablets, HDs externos, cartões de memória e outros equipamentos e documentos que indicam relação entre os envolvidos na fraude. O material recolhido será periciado.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Diário de Pernambuco

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Homem é preso suspeito desviar R$ 500 mil de bancos em Goiás, diz PM

Sem Comentários

12/07/2016

Na segunda-feira (11), em Aparecida de Goiânia, um homem de 31 anos foi preso suspeito de invadir sistemas de bancos e transferir cerca de R$ 500 mil para contas de laranjas. O detido já tem dez passagens pela polícia por crimes como estelionato e falsificação de documentos. A Polícia Militar disse que ele confessou o crime. No momento da prisão, para tentar despistar os agentes, o homem apresentou uma Carteira Nacional de Habilitação (CNH) falsa em que se identificava com outro nome. No local, uma casa no Jardim Ipiranga, a PM apreendeu várias carteiras de identidade falsas com a foto do suspeito, além de papéis usados para falsificar documentos.“Ele fazia um esquema de fraude bancária, que eles chamam de quebrar o fundo de reserva do banco. Ele não agia sozinho, disse que tem esquema até dentro dos bancos”, disse um soldado da PM. Os policiais contaram que o suspeito explicou como funcionava o golpe. Segundo a PM, através de um computador, ele conseguia invadir o sistema eletrônico de vários bancos e depois sacava o dinheiro de contas que já tinha aberto em nome de outras pessoas.

Mulher é detida por aplicar golpe de R$ 20 mil em banco e aponta comparsa

Sem Comentários

07/07/2016

Foi preso na quarta-feira (06), por policiais civis da Delegacia de Estelionato (DE) de Curitiba, um casal suspeito de tentar aplicar um golpe em torno de R$ 20 mil em uma agência bancária. A mulher, de 21 anos e o homem, de 27, foram autuados em flagrante no momento em que tentavam realizar o saque. A polícia chegou até a dupla após ser comunicada pelos funcionários do banco sobre a atitude suspeita da suspeita, que tentava atualizar um cadastro de uma conta bancária que dizia ser sua, para sacar uma alta quantia em dinheiro. Ao ser abordada pela equipe de investigação da especializada, foram apreendidas três Carteiras Nacionais de Habilitação (CNH) falsas. Ao ser questionada, a suspeita apontou o seu comparsa que dava cobertura a ela fora da agência. O homem também foi preso em flagrante. “A forma de agir da quadrilha é sempre a mesma. Normalmente os integrantes do bando portam documentos falsos com suas fotos em nome de terceiros e tentam sacar o dinheiro no caixa, enquanto um dos seus comparsas ficam aguardando do lado de fora da agência dando cobertura”, explica o delegado-titular da DE. A dupla faz parte de uma quadrilha especializada em fraude bancária e falsificação de documentos. Os suspeitos são moradores do Estado de São Paulo (SP) e se deslocam até o Estado do Paraná para aplicar golpes em instituições financeiras. O casal responderá pelos crimes de estelionato, falsidade ideológica, associação criminosa, uso de documento falso e tentativa de furto qualificado mediante fraude. Ambos permanecem à disposição da Justiça.

Estudante é preso por estelionato pela segunda vez em dois meses em MG

Sem Comentários

05/05/2016

Nessa quinta-feira (05), em Governador Valadares, duas pessoas foram presas por estelionato e levadas à Polícia Federal. As prisões são fruto de um trabalho conjunto da PF e Polícia Civil, que investigavam fraudes em instituições bancárias. Durante a ação, os policiais presenciaram uma senhora de 56 anos sacando cerca de R$ 20 mil em espécie, na boca do caixa, mas foi verificado que o documento de identidade apresentado por ela era falso. Diante disso, ela foi abordada e presa em flagrante. Um jovem de 30 anos havia chegado com ela, mas ambos tentaram disfarçar que se conheciam. O jovem teria alegado que estava no banco para sacar dinheiro, pois iria viajar para o Espírito Santo. “Perguntado sobre a conta bancária, ele forneceu cartão e o gerente informou que o cartão estava cancelado há três anos; foi quando a suspeita aumentou. Dentre os documentos dele, encontramos fotografias, inclusive da autora que foi presa. Aí mostrou o liame subjetivo e ele foi preso em flagrante”, informou o delegado da PC.

Investigações

As investigações da PC apontavam que pessoas de outras comarcas estariam se deslocando até a comarca de Conselheiro Pena e solicitando benefício do INSS no teto máximo, em torno de R$ 20 mil. Analisando a documentação apresentada, verificou-se que eram falsos os documentos com os quais havia sido sacado o benefício anteriormente. O mentor do golpe é o jovem de 30 anos, que teria aliciado a senhora de 56, além de outros idosos que, utilizando documentos falsos, sacavam benefício do INSS. O mesmo jovem, que é estudante de direito, foi preso há cerca de dois meses também por estelionato.

Homem que tentava sacar R$ 500 mil usando documentos falsos é preso

Sem Comentários

18/12/2015

Nesta sexta-feira (18), um homem de 44 anos  foi preso por agentes da Delegacia de Defraudações (DDEF). De acordo com a Polícia Civil, ele é integrante de uma quadrilha especializada em fraudes bancárias que atua no eixo Rio-São Paulo e foi preso em flagrante por associação criminosa, tentativa de estelionato e uso de documento falso. O preso foi capturado quando tentava sacar R$ 500 mil. O local da prisão não foi revelado. De acordo com o delegado, o criminoso estava com identidade, carteira de habilitação, CPF e cartão de banco falsos. Ao ser abordado, ele se identificou usando um nome falso. Ainda segundo o delegado, além dos documentos o homem  estava com uma autorização judicial expedida por uma vara civil do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro que o autorizava a movimentar a conta normalmente. “A audácia deste estelionatário é tamanha, a ponto de obter em juízo uma autorização judicial, utilizando de documentos falsos para movimentar a conta, que já estava bloqueada administrativamente pelo banco por suspeita de lavagem de dinheiro”, afirmou.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Manchete Online

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia Federal combate crimes cibernéticos no DF e em Goiás

Sem Comentários

10/12/2015

A Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (10) a Operação Ufrap, com o objetivo de combater crimes cibernéticos na região do Distrito Federal (DF) e de Goiás. Estão sendo cumpridos oito mandados de busca e apreensão a suspeitos de fraudes bancárias, disseminação e armazenamento de pornografia infantil e invasão de sistema de votação. A operação busca desarticular quadrilhas especializadas em fraudes bancárias, em que os integrantes falsificavam documentos, conseguiam a liberação de senha de internet e invadiam contas, transferindo valores para outras contas em diferentes localidades. As buscas estão sendo feitas em Taguatinga, Águas Claras e no Lago Norte, regiões administrativas do DF, e nas regiões de Valparaíso, Luziânia, Rialma e Goiânia, cidades do estado de Goiás. A invasão ao sistema de votação está sendo investigada desde 2013, quando foi identificada fraude nas eleições do Conselho Federal de Psicologia. O caso ocorreu em agosto de 2013. Um dos candidatos que concorriam ao cargo de presidente está sendo investigado. Segundo a PF, o suspeito votou nele mesmo de manhã e, em seguida, utilizou documentação falsa para alteração de votos de outros membros do conselho. Além dos mandados cumpridos por crimes cibernéticos, a PF faz, na região de Valparaíso de Goiás, a busca de um suspeito investigado por se fazer passar por policial. Foram apreendidos vários bens que tinham o símbolo da Polícia Federal e que eram utilizados nas ações. A pena prevista para o crime de uso indevido de símbolos da Administração Pública é 2 a 6 anos de reclusão. O nome da operação, Ufrap, é a junção dos vários tipos de crime – uso indevido do símbolo da PF, fraude bancária e pornografia infantil.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: JornaldeBrasília

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior Próximo