PF desarticula quadrilha que fraudava empréstimos de banco no DF

Sem Comentários

12/11/2018

Nesta segunda-feira (12), a Polícia Federal indiciou seis suspeitos de integrar uma organização criminosa que fraudava empréstimos bancários no Distrito Federal. O grupo – que inclui um funcionário do banco – é acusado de desviar R$ 1,6 milhão em contratos de financiamento de mobília e materiais de construção. Conforme a investigação, o grupo persuadia os clientes de uma agência de empréstimo a assinar os contratos rapidamente, sem ler, para não perder as condições especiais. Com isso, eles escreviam o dobro do valor nos documentos, e desviavam o valor restante. Em nota, o banco afirmou que “informações sobre eventos criminosos em suas unidades são repassadas exclusivamente às autoridades policiais” e que coopera com as investigações. A Polícia Federal estima que 98 operações fraudulentas tenham sido realizadas, com um valor total de R$ 3,28 milhões – cada contrato tinha valores entre R$ 30 mil e R$ 70 mil. Os correntistas receberam R$ 1,6 milhão, e o restante foi parar nas mãos da organização criminosa. Segundo a PF, a organização atuava sob a fachada de uma agência de crédito, com sede no Setor Comercial Sul. Os clientes eram atraídos por anúncios nos classificados, que ofereciam “condições mais vantajosas” que os empréstimos tomados na agência.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Operação contra fraude de R$ 45 milhões na Receita Federal prende seis pessoas em Curitiba

Sem Comentários

06/11/2018

Nesta terça-feira (06), em Curitiba, seis pessoas foram presas preventivamente – sem prazo determinado – em uma operação que apura fraude de, pelo menos, R$ 45 milhões na Receita Federal nos últimos cinco anos. As prisões foram confirmadas pela Polícia Federal (PF). Entre os detidos estão funcionários da Receita, advogados, contadores e empresários. Também foram cumpridos 18 mandados de busca e apreensão, inclusive na sede da Receita na capital. As prisões ocorreram pela suspeita de crimes contra a ordem tributária, estelionato, corrupção, organização criminosa, lavagem de dinheiro e ocultação de bens. Há, também, servidores afastados das funções. Os mandados foram expedidos pela 14ª Vara da Justiça Federal de Curitiba, que também determinou o bloqueio de valores – de R$ 5 mil a R$ 1 bilhão – de contas bancárias de 24 pessoas físicas e jurídicas.

A Operação Mendacius investiga uma suposta organização criminosa especializada em procedimentos irregulares de compensações e reduções de tributos e contribuições federais. Segundo a Receita Federal, as áreas de inteligência fiscal, arrecadação e cobrança, além da corregedoria do órgão auxiliaram na investigação. Dezenas de empresas, inclusive de outros estados, buscavam a contratação dos serviços da suposta organização criminosa para fraudarem, entre outras situações, dados inseridos em Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF), informou a Receita. As empresas beneficiárias das fraudes atuam em vários ramos, principalmente industrial, de segurança patrimonial e vigilância e de construção civil. Parte delas, segundo a Receita, atuam em licitações e contratos com a administração pública.

Funcionário do INSS é preso suspeito de fraude na Previdência Social no ES

Sem Comentários

01/11/2018

Na quinta-feira (1º), duas pessoas foram presas durante uma operação da Polícia Federal, suspeitas de fraudar a Previdência Social, no Espírito Santo. Uma delas é funcionária do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Conforme investigação da Polícia Federal, os dois participavam de uma fraude para conceder benefícios do INSS e pensão por morte usando dados falsos. O nome do servidor e a função não foram divulgados. Até o momento, a polícia calcula um prejuízo de R$ 2 milhões ao INSS com a fraude.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Homem é preso suspeito de pedir empréstimo de R$ 100 mil com documentos falsos, na PB

Sem Comentários

24/10/2018

Nesta terça-feira (23), um homem foi preso em uma agência bancária de João Pessoa, suspeito de solicitar um empréstimo de R$ 100 mil utilizando documentos falsos. Conforme a Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF), o paraibano, de 30 anos, entrou na agência, foi até o setor de abertura de contas, disse que era médico e apresentou um documento de identidade (RG) emitido na cidade de Iporá, em Goiás. O documento estava em nome de outro homem, de 28 anos. Além disso, ele também entregou ao funcionário uma conta com o mesmo nome que constava no documento falso e um recibo de imposto de renda com um rendimento tributário de R$ 50,4 mil. “Ele solicitou um empréstimo de R$ 100 mil ao banco, mas o funcionário desconfiou que pudesse haver alguma coisa errada com os documentos apresentados e entrou em contato com a Delegacia de Defraudações e Falsificações. Enquanto a nossa equipe se deslocava para o local, o homem foi informado que estava sendo realizada análise do crédito. Quando chegamos na agência, encontramos o suspeito sentado e com os documentos falsos”, informou o delegado. O homem foi preso em flagrante. Depois de um levantamento, o delegado descobriu que os documentos que o investigado estava usando pertencem a um médico que mora em São Paulo. Esta não é a primeira vez que o suspeito é flagrado com documentos falsos. Em 2015, ele foi preso no município de Pombal pela prática do mesmo crime.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Dupla suspeita de aplicar meio milhão em golpes bancários contra idosas é presa

Sem Comentários

22/10/2018

Em Fortaleza (CE), duas pessoas foram presas acusadas de aplicar R$ 500 mil em golpes. Os possíveis estelionatários dispunham até de central telefônica, usada para desviar ligações de vítimas, geralmente idosas de alto poder aquisitivo, que ligavam para o atendimento bancário ao desconfiar da fraude. Com a dupla, foram apreendidos cheques, cartões bancários e documentos falsos. Conforme o delegado titular do 2º Distrito Policial, os suspeitos ligavam para a vítima como se fossem funcionários de banco. Na ligação, informavam que a pessoa teria feito uma compra de alto valor. A vítima, então, não reconhecia a compra, levantando a suspeita de que o cartão de crédito teria sido clonado. “Com isso, o golpista orientava a pessoa a escrever uma carta autorizando a investigação do caso para entregá-la num envelope junto ao cartão, que deveria estar cortado”, detalha. Um dos suspeitos recebia o envelope na casa da pessoa. “O suspeito dizia, ainda, que a vítima deveria ligar para o número do SAC impresso no cartão. A ligação era direcionada para central telefônica dos envolvidos, o que deixava a vítima mais segura”, acrescenta. Até o momento, quatro vítimas prestaram boletim de ocorrência. A dupla foi identificada através de gravações do circuito interno de vítimas. Após três dias de investigação, a dupla foi detida na última sexta-feira (20). Uma terceira pessoa é procurada pela polícia. Ela é suspeita de ser a integrante que fazia o papel de “SAC”, recebendo as ligações das vítimas. Os dois foram indiciados por lavagem de dinheiro, estelionato e associação criminosa. Um deles também foi autuado por falsificação de documento. A polícia informa que banco não manda funcionários em casa para receber cartões de créditos em transações como essa.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: O Povo

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Golpistas usam sites falsos para roubar dados de cartões de crédito

Sem Comentários

21/10/2018

Em São Carlos (SP) e região, golpistas estão usando sites falsos para roubar dados de cartão de crédito. É preciso ficar atento às faturas e registrar boletim de ocorrência para investigação e para que as medidas de segurança sejam reforçadas. Somente neste ano, de janeiro a agosto foram identificados mais de 920 mil golpes com cartão de crédito no país. São quase 3 casos por minuto.

Golpe

Um professor foi vítima dos criminosos. Eles usaram os dados dele para fazer compras de R$ 3 mil no exterior. O dinheiro foi estornado, mas o susto fez ele ser mais cauteloso. “Hoje em dia eu prefiro conhecer a empresa. Se for comprar alguma coisa eu fuço, fico vendo se ela tem algum problema, se é idônea”, afirmou.

Dados do cartão

Com a presença dos chips e do desbloqueio por meio senha, a clonagem de cartões ficou mais difícil, mas os fraudadores encontram um novo caminho. Agora não é preciso ter acesso ao cartão de crédito da vítima pra fazer os gastos em nome do verdadeiro dono, bastam ter os dados deles.

Nova forma de agir

Os bandidos também mudaram o jeito de agir. Às vezes o valor é tão pequeno que o dono nem percebe na fatura. Os fraudadores fazem isso pra testar se o cartão e válido e também pra saber qual o limite. Por isso os torpedos de compra ganham cada fez mais importância. Um servidor público começou a receber SMS do aplicativo do banco inicialmente com valores pequenos. A segunda clonagem ocorreu há quinze dias, mas dessa vez os fraudadores foram bem mais ousados. Ele oficializou a reclamação junto ao setor de segurança da empresa e diminuiu o limite.

Estelionato

O presidente da comissão de direito digital da OAB diz que, apesar de ser um crime cibernético, a nova clonagem de cartões de crédito pode ser enquadrada como estelionato. “Você coloca a pessoa numa situação de fraude porque convence a pessoa a fazer algo que para ela é real, mas tudo não passa de um teatro. O estelionato pode ter uma pena de até 5 anos de prisão”, afirmou.

Crescimento do número de estelionatos surpreende petropolitanos

Sem Comentários

22/10/2018

Em Petrópolis (RJ), os crimes de estelionato voltaram a crescer. Em 2016, foram registradas 434 ocorrências. No ano seguinte, os números caíram para 376. Entretanto, de janeiro a setembro deste ano, as delegacias da cidade já contam com quase a mesma quantidade que em todo o ano anterior, sendo 371 registros. Segundo dados apontados pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), as maiores notificações aconteceram no mês de agosto, quando foram contabilizados 65 casos. Na última semana, diferentes famílias foram vítimas do golpe do falso aluguel. Tentando contratar um imóvel para passar dias de lazer em Cabo Frio, algumas pessoas assinaram um suposto contrato e depositaram parte do valor combinado na conta da “dona do imóvel”. A farsa foi descoberta após publicação da proprietária da casa, que esclareceu os casos. A criminosa utilizava o Google Maps para pegar a foto da fachada do imóvel, colocando fotografias falsas do interior da residência. A publicação acontecia nas redes sociais, onde as vítimas encontravam o telefone para contato com a estelionatária. Por meio de mensagens, a criminosa induzia os locadores ao golpe.

“Então, eu trabalho com contrato de locação, onde o mesmo é enviado para seu e-mail para que as cláusulas sejam lidas e avaliadas por você. Caso esteja de acordo com as mesmas, me mande seus dados para que eu possa preencher. Em seguida, vou te reenviar para que assine juntamente com uma testemunha de sua preferência. Preciso que depois me devolva escaneado, e, após a devolução, você me dá uma garantia, através de um depósito calção de 40%”. Dessa maneira, mais uma vítima caiu no golpe. Segundo o ISP (Instituto de Segurança Pública), dos 371 casos de estelionato, 86,5% foram registrados na 105ª Delegacia de Polícia, no Retiro, que equivale a 321 casos. Na delegacia de Itaipava, já foram apontadas 50 ocorrências. De acordo com o ISP, nos últimos 10 anos foram contabilizados 3.940 estelionatos, em Petrópolis. Nesse período, o maior índice foi registrado em 2015, onde as delegacias apontaram 415 ocorrências.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Diário de Petrópolis

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior