Para um quarto dos brasileiros, Black Friday ainda é “Black Fraude”

Sem Comentários

20/11/2017

De acordo com pesquisas realizadas por duas empresas especializadas em pesquisas digitais e e-business, foi revelado que os brasileiros ainda não se programaram para as compras da Black Friday. Para esta pesquisa, entrevistaram 500 pessoas, de 10 a 14 de novembro, para falar sobre as expectativas da data em 2017. “A gente queria saber se os brasileiros antecipavam as compras de Natal na Black Friday. Apenas 28% disseram que compram a maioria dos presentes na data, 44% das pessoas decidem se vão comprar ou não algo na Black Friday apenas no dia, após pesquisar os preços, sendo que 68% dos usuários pesquisam em sites comparadores de preço antes de tomar qualquer decisão. Este comportamento é tão forte, que 80% dos entrevistados baixariam um app apenas para comparar preços de produtos”, explica uma integrante de uma das empresas. Na pesquisa, apenas 15% afirmam que não vão comprar nada na Black Friday, alguns dos motivos são: desempregados (28%), porque estão economizando (28%) ou porque não precisam de nada neste momento (27%). A data continua vista como uma possibilidade de consumo, mas a decisão de compra só é tomada após a comparação de preços. Ainda assim, algumas pessoas não acham que as promoções são tão atrativas, pois encontram os mesmos valores durante o ano; 36% das pessoas não acham que as promoções valem tanto a pena e 26% acreditam que as lojas aumentam os preços antes da data, por isso a promoção recebe o apelido de “Black Fraude”. Das pessoas que desejam fazer algum tipo de compra, 94% estão motivadas pelo desconto; 68% afirmam que vão consultar APP que facilite a comparação de preços. “Existem plugins que conseguem ver o histórico de mudanças de valores do produto no site. As fraudes estão cada vez mais difíceis de passar. Só vai se dar bem as marcas e lojas que fazem promoções de verdade! As pessoas não acham os valores tão atrativos a ponto de comprar por impulso na data”, explica o diretor de uma das empresas. Ainda pela pesquisa, os itens mais cotados pelos consumidores são: celular (43,1%), roupas (40,5%), notebook / computadores (30,1%), eletrodomésticos (29,4%) e livros (25,4%). “Os lojistas devem estar preparados para o volume de vendas: as pessoas esperam uma grande variedade de produtos disponíveis em promoção e têm expectativa de recebê-los rapidamente e a forma de pagamento parcelado, pois mesmo com preço baixo, os consumidores ainda procuram dividir o valor dos gastos”, alertam as empresas responsáveis pela pesquisa.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Visão Oeste

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Black Fraude nunca mais! 7 dicas de mestre para evitar golpes e economizar com segurança

Sem Comentários

16/11/2017

A Black Friday brasileira vem apresentando cada vez mais fraudes, envolvendo promoções mentirosas e empresas falsas. Sites-fantasmas surgem da noite para o dia, espalhando pela internet seus mega descontos, fretes gratuitos e preços impossíveis de não chamar atenção. Por mais que tudo ocorra no ambiente on-line, os perigos de uma fraude eletrônica podem gerar transtornos imensos, envolvendo sequestro de dados bancários, pessoais e até processos jurídicos contra a própria vítima do golpe. E quem também sofre com isso são os lojistas que levam a liquidação a sério, que se espremem para oferecer ofertas verdadeiramente atrativas para o consumidor. Eles reduzem suas margens de lucro, apostam em um volume maior de venda, investem pesado em divulgação e ainda têm que lutar contra a cultura da fraude. Mas fique tranquilo! É possível se prevenir de todas as artimanhas da chamada “Black Fraude” com essas 7 dicas:

1 - FUJA DE SITES DUVIDOSOS

Eles surgem da noite para o dia, aparecem muito em anúncios de sites de pesquisa e se apresentam com layouts realmente convincentes. Para evitar tais sites, a dica é pesquisar suas reputações, seus protocolos internos de segurança e nunca digitar dados bancários até ter certeza de sua procedência.

2 - A FAMOSA METADE DO DOBRO

Prática bem comum na época da Black Friday, muitas lojas aumentam os preços de seus produtos antes da liquidação para, no dia 24, abaixá-los novamente, entregando descontos falsos. Monitorar os preços do que você está procurando é primordial.

3 - ATENÇÃO ÀS IMAGENS MERAMENTE ILUSTRATIVAS

Outro erro frequente de quem se aventura pelos e-commerces é não conferir se a descrição do produto é correspondente a foto que aparece na página de compras do site. Cores diferentes, modelos inferiores e ausência de funcionalidades podem se tornar uma dor de cabeça “daquelas”.

4 - TAXA DE ENTREGA X VALOR DO DESCONTO

Outra artimanha empregada nas lojas virtuais é dar desconto em seus produtos e compensá-lo na taxa de entrega. Na empolgação do momento, o consumidor não analisa o valor do frete e acaba pedindo um produto por um valor igual ou até superior ao de meses atrás. Ponto para a compra em lojas físicas.

5 - POLÍTICA DE TROCA E O SEU DIREITO

Em muitos casos, os sites alteram sua política de troca para se eximir de eventuais pedidos de troca, agindo de má fé para empurrar lotes de produtos defeituosos. Mas aqui entra o PROCON, resguardando o consumidor com 7 dias de prazo para desistência da compra, sem apontar qualquer motivo.

6 - GUARDE OS COMPROVANTES DE COMPRA

Nota fiscal, e-mail de confirmação, prints de telas de compra. Vale tudo para registrar todos os passos da sua compra, principalmente se for on-line. A legislação brasileira para internet ainda é muito falha, o que faz com que as compras nas lojas físicas sejam mais seguras também nesse ponto.

7PREFIRA LOJAS DE RUA E SHOPPING

Diante de tantas possibilidades de ser fraudado e enganado, a escolha por lojas físicas de confiança ainda é uma excelente pedida. Você pode experimentar o produto, tirar dúvidas com o vendedor, negociar melhor o preço e o melhor de tudo: sair com a sua compra na hora.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Operação apreende materiais de suspeitos de fraude de R$ 150 milhões em ICMS

Sem Comentários

14/11/2017

Foi deflagrada no início da manhã desta terça-feira (14) a ‘Operação Ceres’, nos municípios sergipanos de Itabaiana, Lagarto e Campo do Brito. Conforme informações da Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP), foram cumpridos 13 mandados de busca e apreensão para análise de material sobre possíveis crimes contra a ordem tributária como fraude no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Há suspeita de que o Estado tenha deixado de arrecadar quase R$ 150 milhões por conta de atos ilícitos de um grupo de empresários. Equipes do Departamento de Crimes Contra a Ordem Tributária e Administração Pública (Deotap) e da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) apreenderam mídias e dispositivos eletrônicos com controle de estoque de mercadorias, vendas e documentos. O nome da operação se refere à Ceres, a deusa do cereal e agricultura. A polícia explica que se deve ao fato de os investigados comercializarem vários produtos do ramo agrícola.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

PF descobre fraudes de R$ 500 mil em benefícios da Previdência

Sem Comentários

13/11/2017

A Polícia Federal deflagrou nesta segunda-feira (13), em Salvador, a Operação Contrafeito para desarticular organização que teria desviado R$ 500 mil dos cofres públicos por meio de fraudes na concessão de benefícios previdenciários. A ação conta com apoio do Núcleo de Inteligência Previdenciária da Secretaria de Previdência do Ministério da Fazenda. A força-tarefa mobilizou 50 policiais federias e 12 técnicos da Previdência para cumprimento de nove mandados de busca e apreensão em Salvador. Segundo as investigações, o grupo atuava desde 2012 e os envolvidos usavam documentos falsos para dar entrada em processos de requerimento de benefícios previdenciários. Na prática eram utilizados relatórios e exames médicos falsos com o auxílio de servidores do INSS, também envolvidos nas fraudes. O prejuízo apurado nessa primeira etapa da investigação atinge R$ 500 mil. A PF informou que os envolvidos vão ser enquadrados por estelionato contra a Previdência e formação de quadrilha.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: EM

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia prende dupla suspeita de usar ‘Corel Draw’ para fraudes na PB, PE e AL

Sem Comentários

13/11/2017

A Polícia Civil prendeu dois homens, de 38 e 42 anos, suspeitos de estelionato. A ação ocorreu no interior de uma loja de material de construção, localizada na Av. Assis Chateaubriand, enquanto a dupla tentava comprar, de forma fraudulenta, mais de R$ 50 mil em produtos. De acordo com a polícia, os dois homens são integrantes de uma associação criminosa que utiliza o Corel Draw, software de designer gráfico, para falsificar documentos pessoais e ainda comprovantes de residência. Os dois homens presos são de Pernambuco, mas eles já teriam agido em outros estados. Com os suspeitos foram apreendidos comprovantes e notas fiscais, que demonstram golpes aplicados em Alagoas, Pernambuco, e ainda, possíveis atuações no Sudeste do país. Também foram encontrados dezenas de cartões de crédito, carteiras de habilitação, computadores, um HD e um veículo com suspeitas de adulteração.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Novo golpe por e-mail mira assinantes da Netflix

Sem Comentários

07/11/2017

Um novo golpe online tem como alvo os assinantes da Netflix que são falantes da língua inglesa – ou seja, boa parte da base de usuários global do serviço. Usando um dos truques mais velhos do mundo digital, os golpistas tentam roubar informações de login e dados de cartão de crédito por um e-mail, se passando pelo serviço e afirmando que a conta do usuário foi suspensa devido a problemas de pagamento. A mensagem é bastante convincente, usando o estilo visual das comunicações da Netflix, além de conter o nome do assinante logo no cabeçalho. Algumas mensagens também contêm um código de erro, algo que é bastante comum em e-mails disparados em massa. Além disso, vem a pressão, uma vez que o assinante teria 48 horas para resolver o problema ou teria sua conta permanentemente bloqueada no serviço. Uma vez que os dados são inseridos, em uma página online que também se assemelha bastante a uma que seria do serviço, os usuários recebem a mensagem informando que sua assinatura está reativada. Ao checarem o serviço, é claro, tudo vai funcionar bem, uma vez que nada aconteceu, no final das contas. O golpe foi descoberto por uma empresa de segurança digital australiana especializada em dispositivos de proteção para e-mails. Os analistas não falaram em números relacionados ao alcance do golpe, mas disseram que a campanha vem sendo bem-sucedida, o que soa esquisito, principalmente quando se leva em conta o caráter bastante usual do método utilizado. No fim das contas isso prova que, na verdade, basta ser convincente para que até mesmo velhos truques funcionem. A possibilidade de ficar sem assistir à segunda temporada de Stranger Things ou ao novo capítulo de Designated Survivor faz com que muita gente acabe clicando no link por desespero, entregando suas informações de login e finanças para criminosos sem verificar se a mensagem é efetivamente real.

A partir daí segue o baile de sempre. De posse dos dados, os responsáveis pela campanha de spam realizam compras online, adquirem moedas virtuais e tentam usar o e-mail e senha inseridos para acessar outros serviços, na tentativa de ampliar ainda mais o alcance do ataque, apostando na ingenuidade dos usuários que usam a mesma senha em mais de uma plataforma. Os métodos para proteção, entretanto, são igualmente tradicionais. Ao receber um e-mail desse tipo, basta se certificar de que a mensagem realmente veio do remetente original – uma observação rápida do remetente, principalmente na URL usada para enviar a comunicação, normalmente resolve possíveis dúvidas. Vale a pena, por exemplo, comparar o endereço usado com o de outros e-mails recebidos anteriormente dos serviços online. Além disso, no caso de e-mails que alegam suspensão de serviços online, sempre vale a pena dar uma olhada se o acesso realmente foi bloqueado. No caso deste golpe, por exemplo, o acesso aos filmes e séries continuaria normalmente pelo simples fato de a conta da Netflix, simplesmente, não apresentar problema algum.

Quando contatado, o serviço de streaming disse saber que golpes desse tipo são comuns. A empresa afirmou levar a sério a segurança de seus clientes e ter sistemas de segurança em funcionamento para evitar golpes desse tipo, mas como os criminosos são “proativos”, isso muitas vezes é complicado. O ideal é entrar em contato com a companhia contratada por telefone, ou, se isso não for possível, enviar pessoalmente um e-mail pelos meios de contato disponíveis, aguardando a resposta. Essa é a fronteira final que os golpistas simplesmente são incapazes de ultrapassar.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Canal Tech

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Quadrilha que aplicava golpe do falso depósito para roubar caminhões é presa

Sem Comentários

06/11/2017

Uma quadrilha que aplicava o golpe do falso depósito para o roubo de caminhões, em Campo Grande, acabou presa neste fim de semana. Dois caminhões foram roubados através do golpe. Uma das vítimas procurou a delegacia de polícia após fazer a venda de um caminhão para a quadrilha, no valor de R$ 80 mil. Ele teria feito a negociação no dia 27 de outubro, mas só percebeu que tinha sido vítima de um golpe no dia 31, quando foi informado de que o depósito era falso. Ele contou que dois homens chegaram no dia 27 para buscar o caminhão. Os autores estavam em um veículo Volkswagen Gol. Após a descoberta do golpe passou a avisar em grupos sobre o ocorrido e foi informado que os mesmos homens teriam feito a negociação de outro caminhão. A polícia foi acionada e no momento da retirada do veículo pelos autores, a polícia os surpreendeu. As conversas em seus celulares foram verificadas pelos militares que perceberam o mesmo modo operandi para a aplicação do golpe. Os autores foram identificados como O.A.G. de 23 anos, C.C.F. de 28 anos, A.R.L. de 37 anos, e uma outra pessoa conhecida como M. Não há informações se os caminhões foram recuperados.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Midiamax

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior