PF prende dois por receberem R$ 9 milhões com fraudes no seguro-desemprego

Sem Comentários

21/09/2018

Nesta quinta-feira (20), a Polícia Federal prendeu dois homens em uma operação que mira em supostas fraudes do seguro-desemprego. Conforme a PF, os suspeitos foram detidos em um escritório de contabilidade no bairro da Penha, na zona leste de São Paulo, por possuírem consigo mais de 1.600 documentos falsos ou em branco, como espelhos de RG e Carteiras de Trabalho. Os esquemas teriam gerado saques de 9 milhões de reais em benefícios fraudulentos. De acordo com nota da Polícia Federal, as investigações começaram em Presidente Prudente (SP) quando, em outubro de 2017, “um trabalhador desempregado procurou a PF para relatar que não havia conseguido retirar seu seguro-desemprego porque alguém já o havia recebido”. Ainda segundo a corporação, foram criadas cerca de 300 empresas fictícias para receber mais de 9.000 seguros-desemprego fraudulentos. Junto com os documentos falsos ou em branco, a PF apreendeu 472.000 reais em espécie e “apetrechos” para falsificação de documentos. A Polícia Federal afirma que vai voltar aos trabalhos “para identificar os beneficiários dos benefícios, seu envolvimento com o grupo investigado e também a origem dos documentos apreendidos, se são verdadeiros – desviados de instituições legítimas, ou falsos”. “Os presos foram encaminhados ao sistema prisional estadual, onde permanecerão à disposição da Justiça Federal. Eles responderão pelos crimes de estelionato, organização criminosa e corrupção ativa”, conclui a PF.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Veja

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Mulher de Mogi denuncia saque indevido do seguro-desemprego em Ferraz de Vasconcelos

Sem Comentários

11/09/2018

Em Mogi das Cruzes (SP), uma mulher, de 26 anos, ficou sem a terceira parcela do seguro-desemprego depois de um saque indevido do benefício. Ela denunciou o caso à polícia nesta segunda-feira (10). De acordo com o boletim de ocorrência registrado no 1º Distrito Policial, a vítima contou à polícia que no dia 6 de setembro desconhecidos sacaram R$ 1.677 referentes a 3ª parcela do benefício. Ela afirmou que o saque foi feito em uma agência de Ferraz de Vasconcelos. O banco a informou que o dinheiro deve ter sido sacado em um caixa da instituição, pois para esse tipo de operação é preciso apresentar o cartão cidadão e um documento de identificação de quem vai retirar o dinheiro. A mulher destacou que não perdeu seu cartão cidadão e nem documentos pessoais. O caso foi registrado como estelionato.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Aposentado de Mogi descobre mais de R$ 23 mil em empréstimo consignado

Sem Comentários

14/08/2018

Um aposentado de 73 anos de Mogi das Cruzes descobriu empréstimos consignados em seu benefício de mais de R$ 23 mil. Ele denunciou o caso à polícia nesta segunda-feira (13). O aposentado contou no 1º Distrito Policial que é beneficiário do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Ele afirmou que constatou que foram feitos quatro empréstimos consignados em seu benefício, totalizando mais de R$ 23 mil. Segundo a vítima, os empréstimos foram feitos em várias parcelas. O aposentado negou ter contratado os empréstimos e afirmou desconhecer quem possa ter feito a operação em seu nome. O boletim de ocorrência foi registrado como estelionato.

Sem seguro-desemprego

Uma mulher de 49 anos perdeu a segunda parcela do seguro-desemprego. Ela também esteve no 1º DP, nesta segunda-feira. A mulher contou que no dia 8 de agosto desconhecidos sacaram a segunda parcela do seguro, no valor de R$ 954, em um estabelecimento bancário em Santo André. A vítima disse que um funcionário do banco a informou que o saque foi feito por meio do cartão cidadão. No entanto, a mulher afirma que quando foi receber a primeira parcela, um funcionário do banco solicitou um cartão cidadão em seu nome. Ele disse que a vítima o receberia quando sacasse a segunda parcela do benefício. Porém, ela disse que não recebeu até o momento o cartão. O caso também foi registrado como estelionato.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Criminosos dão golpe no seguro-desemprego no Rio de Janeiro

Sem Comentários

16/07/2018

Alguns cidadãos que tentam sacar o seguro-desemprego são vítimas de um golpe: ao chegar à boca do caixa para pegar o dinheiro, são comunicados de que outra pessoa já resgatou o benefício.

“Ele falou: ‘Você não tem direito porque já sacaram’”, afirmou um técnico em segurança do trabalho.

“Eu fui na boca do caixa, e o rapaz disse que a minha conta estava zerada”, explicou um autônomo.

Quem sofre esse tipo de golpe é orientado a registrar ocorrência na delegacia e abrir processo no Ministério do Trabalho. O banco não soube dizer como outra pessoa conseguiu retirar o benefício. Os casos dessas duas vítimas têm algo em comum: nenhuma delas recebeu em casa o cartão-cidadão, que dá direito a sacar o benefício no caixa eletrônico. O dinheiro foi retirado por pessoas que estavam com os cartões nos nomes deles. O Ministério do Trabalho informou que recebe diariamente várias denúncias referentes ao seguro-desemprego. E que em casos como esses, o trabalhador não é prejudicado. O órgão abre investigação e, depois de analisar o caso, libera a parcela do seguro. Mas, na prática, nenhuma das duas vítimas têm ideia de quando vão ver a cor desse dinheiro.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Fraudes no Seguro-Desemprego têm mais de R$ 590 mil bloqueados no Triângulo, Alto Paranaíba e Noroeste de MG

Sem Comentários

10/05/2018

O Ministério do Trabalho (MTE) bloqueou 126 requerimentos por causa de fraudes no Seguro-Desemprego em cidades do Triângulo Mineiro, Alto Paranaíba e Noroeste de Minas. O montante ultrapassa R$ 590 mil. A cidade da região com mais destaque é Paracatu, no noroeste mineiro, com 82 fraudes bloqueadas e um valor que chega a R$ 420 mil. Em seguida, aparece Sacramento (14), depois Uberaba (13) e Araxá (7). Conforme as informações divulgadas pelo MTE, os bloqueios foram feitos a partir do início da operação do sistema de Detecção e Prevenção à Fraude no Seguro-Desemprego (Antifraude), em dezembro de 2016. O sistema Antifraude, segundo o órgão, evita que esses recursos sejam desviados por quadrilhas que atuam na no estado coibindo a ação dos criminosos. As fraudes em Minas Gerais foram detectadas na modalidade “Emprego Formal”. Confira a lista de cidade abaixo.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

PF faz operação para desarticular quadrilha que fraudava o seguro-desemprego no PA

Sem Comentários

Polícia Federal aprendeu dinheiro e objetos nas residências dos investigados.

08/05/2018

Uma Operação chamada Entice, relaizada pela Polícia Federal, desarticulou nesta terça-feira (08) uma quadrilha especializada em fraudar benefícios de seguro-desemprego em Marabá e Redenção, no sudeste do Pará. Foram cumpridos sete mandados judiciais, sendo um mandado de prisão preventiva, um de prisão temporária e cinco de busca e apreensão. Conforme a PF, os mandados de busca e apreensão foram cumpridos nas residências dos investigados e no Sistema Nacional de Emprego (Sine) da cidade de Marabá, onde trabalhavam os servidores investigados na operação. A Justiça determinou ainda o afastamento de dois servidores das suas funções públicas. De acordo com levantamentos realizados pelo Ministério do Trabalho, o prejuízo causado pelas fraudes investigadas, de agosto de 2016 até março de 2018, foi de R$ 4.630 milhões. O rombo poderia ter sido maior, de aproximadamente R$ 26.886 milhões, mas o sistema antifraude do ministério bloqueou os pagamentos.

Fraude

A fraude consistia em aliciar servidores do Sine para que eles, através de seus usuários, acessassem ou permitissem o acesso de terceiros aos sistemas de concessão do benefício do Ministério do Trabalho. Uma vez com acesso ao sistema, os servidores ou os aliciadores fraudavam a demissão de trabalhadores que se encontravam com vínculos de trabalho ativo. Essas pessoas, muitas vezes só tomavam conhecimento das fraudes quando eram demitidos de fato e ao requererem seus benefícios eram informados que esses já haviam sido sacados. A PF explica ainda que toda a fraude era realizada de forma eletrônica, muitas vezes com a criação de números de Programa de Integração Social (PIS) falsos. Além disso, os criminosos fraudavam a segunda via do cartão cidadão e efetuavam saques em diversas cidades do país. Os investigados responderão pelos crimes de associação criminosa, corrupção ativa e passiva, inserção de dados falsos em sistemas de informações e estelionato.

Mais de 120 benefícios de seguro-desemprego são bloqueados no Amazonas em razão de fraudes

Sem Comentários

03/05/2018

O Ministério do Trabalho bloqueou 129 seguros-desemprego entre dezembro de 2016 e março de 2018 no Amazonas. Os benefícios foram bloqueados por suspeita de fraudes e evitaram R$ 654.296 fossem pagados irregularmente. Quase R$ 1 bilhão foi bloqueado do seguro-desemprego em todo país. Os dados antifraude foram divulgados esta semana. Segundo o Ministério do Trabalho, o Sistema de Detecção e Prevenção à Fraude no Seguro-desemprego (Antifraude) implantado em dezembro de 2016 gerou economia de quase R$ 1 bilhão aos cofres públicos até o final de março de 2018. Foram mais de 61 mil requerimentos bloqueados. São R$ 302 milhões em fraudes bloqueadas em todo o Brasil. A economia total é de R$ 953.795.549,00 até agora, inclui a soma de R$ 301.901.564,00 em fraudes já bloqueadas e R$ 651.893.985,00 em ilícitos previstos. No primeiro caso, a fraude já ocorreu, mas houve a suspensão do pagamento de parcelas previstas. Já no segundo caso são consideradas fraudes evitadas desde o início do projeto, além de uma projeção da Coordenação do Seguro-desemprego de ilícitos que seriam cometidos nos próximos 12 meses, mas que foram impedidos com o uso da tecnologia. O Ministério informou que o sistema Antifraude é uma solução avançada de análise, que utiliza tecnologia de ponta para colher dados, informações e conhecimentos, subsidiando o processo de detecção de indícios de fraudes. Os dados coletados pelo Ministério do Trabalho mostram que no segundo semestre de 2016 o número de fraudes em requerimentos do benefício para Emprego Formal era crescente, chegando a quase 3,5 mil ocorrências por mês em novembro daquele ano – entre casos suspeitos e consolidados. Um mês depois de o sistema ser implantado, esses números começaram a declinar, chegando a menos de mil em abril de 2017.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior