PF faz operação para desarticular organização especializada em fraudes de precatórios judiciais no RS e DF

Sem Comentários

04/07/2018

Na manhã desta quarta-feira (04), a Polícia Federal cumpriu 10 ordens judiciais no Rio Grande do Sul e no Distrito Federal, que resultaram na prisão de dois advogados e uma empresária em Porto Alegre. A quadrilha é especializada em fraudes de precatórios judiciais. Além das prisões também foram cumpridos mandados de busca e apreensão nos dois estados. A investigação teve início em abril deste ano, depois da prisão em flagrante desta empresária, presa hoje novamente. Na ocasião, ela tentou sacar R$ 1,3 milhão em uma agência bancária referente a precatório judicial, com a apresentação de documento de procuração falso. Ela havia sido solta e foi presa novamente, em virtude de mandado de prisão temporária. O grupo também usou documentação falsa para negociar precatórios a terceiros interessados. Segundo a PF, uma análise preliminar da atuação da associação criminosa demonstrou que, no período de aproximadamente um mês, o prejuízo superou os R$ 3 milhões. A Operação Rotten Money investiga os crimes de fraude processual, associação criminosa e estelionato qualificado.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Homem é preso por aplicar golpe de cerca de R$ 150 mil em idoso em BH

Sem Comentários

30/08/2017

Uma denúncia de estelionato contra um idoso terminou com a prisão de um homem na noite dessa terça-feira no Bairro Glória, na Região Noroeste de Belo Horizonte. Uma mulher, comparsa do suspeito, ainda é procurada pela Polícia Militar. Outras duas pessoas foram vítimas do casal no golpe que rendeu para os suspeitos cerca de R$ 150 mil. Segundo informações do Boletim de Ocorrência, o idoso, de 75 anos, desconfiou de um saque realizado na conta bancária dele no valor de R$4 mil. No banco em que é correntista, a vítima foi informada pelo gerente que a operação foi realizada por J.B.L.Oliveira, de 21 anos, e por N.O.Silva, de 28. O casal estava com uma procuração assinada por ele e autenticada em cartório e que dava plenos poderes para que eles movimentassem a conta bancária. Desconhecendo o documento, o idoso foi até a unidade onde a procuração foi expedida.

No cartório onde foi emitido o documento, conforme o BO, o idoso constatou que a dupla havia ido ao local no dia 10 de julho com documentos dele e pedido para que um funcionário da unidade fosse até uma casa no Bairro Glória, para colher as assinaturas que autorizariam a dupla a responder pelo idoso. O funcionário do cartório que atendeu os suspeitos informou ao tabelião da unidade sobre o pedido e ainda apresentou um atestado médico levado pela dupla que informava sobre um acidente sofrido pela vítima, que estaria com graves queimaduras por todo o rosto, motivo que impossibilitaria a presença no cartório. O pedido foi protocolado e o funcionário foi até o endereço indicado. No imóvel, segundo a PM, o funcionário do cartório informou ter visto um idoso que se passou pela vítima e que estava acamado e com o rosto coberto, deixando apenas o nariz e a boca à vista, confirmando as características descritas no atestado médico. As assinaturas foram colhidas e o documento, expedido.

Ciente do golpe sofrido, o idoso foi até uma companhia da Polícia Militar com o funcionário do cartório e denunciou a dupla. Militares se deslocaram até o endereço onde a procuração foi assinada, que seria o endereço da mulher e, inicialmente, não encontraram ninguém no imóvel. Porém, minutos depois, o homem chegou ao local em um Civic e foi abordado pelos policiais. Os policiais constataram que os documentos de licenciamento e o recibo de compra e venda do carro estavam em nome de outra pessoa e que o suspeito não tinha carteira de habilitação. Questionado pelos militares, o sujeito informou que havia comprado o carro em uma agência da Avenida Abílio Machado. Viaturas foram ao local e conversaram com o proprietário do estabelecimento, que informou ter entregado o carro ao homem como parte do pagamento de um terreno que os dois estavam negociando com ele. O veículo estava avaliado em R$ 33.900, segundo o dono da agência. Ainda conforme o relato do comerciante à Polícia Militar, 15 cheques no valor de R$5 mil também foram entregues ao casal, além de dois depósitos bancários nos valores de R$10 mil e R$25 mil. Ao todo, a dupla faturou cerca de R$ 150 mil com o golpe.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: EM

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Casal recupera na Justiça imóvel vendido com procuração falsificada

Sem Comentários

14/02/2017

Um casal de Uraí, Paraná, recuperou na Justiça um imóvel vendido por falso procurador. A decisão é do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4). A fraude ocorreu após as vítimas irem morar na França. Um antigo amigo da família conseguiu registrar no cartório do município uma falsa procuração que lhe autorizava administrar o patrimônio do casal. Com o documento, ele vendeu o imóvel para outro casal, de Maringá, que financiou a compra mediante contrato firmado com um banco. Os donos do imóvel entraram na Justiça pedindo a anulação da venda. O banco em sua defesa, argumentou que a assinatura do contrato obedeceu a todos os procedimentos legais, que em nenhum momento a procuração apresentou qualquer indício de irregularidade e que só ficou sabendo da fraude após verificar o boletim de ocorrência. O tabelião responsável pelo cartório onde a procuração foi registrada alegou que o serviço notarial foi efetuado em perfeita consonância com o que determina o Código de Normas do Paraná e que os documentos apresentados, ainda que falsificados, aparentavam perfeita idoneidade. Em primeira instância, a Justiça Federal de Maringá cancelou a transferência do bem e levou em consideração o princípio da responsabilidade objetiva para condenar o tabelião a ressarcir o banco por eventuais prejuízos, mesmo considerando que ele não agiu de má-fé. O casal de Maringá recorreu contra a decisão solicitando que fosse mantida a aquisição do imóvel. O tabelião também apelou contra a sentença. Por unanimidade, a 4ª Turma negou ambos os recursos, apesar de entender que o casal também não agiu de má fé e, inclusive, foi prejudicado pela fraude. O falso procurador não se manifestou ao longo de toda a ação. Ele respondeu processo criminal na Justiça Estadual do Paraná.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Massa News

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Empresário é preso por desviar R$ 2,4 milhões de conta de pessoa morta

Sem Comentários

02/02/2017

Um mandado de prisão contra um empresário que atua no ramo de empréstimo consignado no Amapá foi cumprido nesta quinta-feira (02) pela Polícia Civil. F.G., de 39 anos, é suspeito de participar de um esquema de estelionato que desviou R$ 2,4 milhões de uma conta bancária inativa. O advogado do suspeito disse que entrou com um pedido de revogação do mandado de prisão. Conforme a Delegacia de Crimes Contra o Patrimônio (DCCP), o empresário recebeu a transferência do dinheiro pertencente a mulher que morreu em 2003. O valor era resultado de precatórios. A investigação, iniciada em 2016, aponta que o empresário teve a parceria de dois gerentes de um banco, um de uma agência do Amapá e outro do Maranhão. Os gerentes identificaram a conta inativa com o dinheiro e fizeram a transferência. o suspeito teria forjado procurações públicas para dar aparência de legalidade na transação e repassou parte dos valores aos comparsas. O empresário teria dito que ficou com R$ 300 mil. A Polícia Civil, no entanto, acredita que o valor tenha sido maior em razão do alto padrão de vida que o suspeito levava com viagens internacionais, aquisições de carros de luxo e a compra à vista de uma casa no valor R$ 400 mil. A DCCP não descarta a participação de mais envolvidos no caso e de outros desvios bancários, que ainda são investigados.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Mulher é presa ao tentar retirar carro do pátio da PRF com procuração falsa

Sem Comentários

07/10/2015

Foi presa nesta quarta-feira (07), uma mulher de 46 anos, ao tentar retirar um carro do pátio da Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Guaíra, no oeste do Paraná, com uma procuração falsa. Segundo a PRF, o carro estava retido no pátio porque está em mau estado de conservação e com débitos de licenciamento. A mulher, que mora em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, apresentou o documento na delegacia da PRF e alegou estar com pressa para retirar o veículo. Ao conferir no cartório, os policiais descobriram que a autenticação do documento era falsa. Após ser presa em flagrante pelo crime de uso de documento falso, a mulher confessou que o veículo pertencia a mãe dela e que depois do falecimento da proprietária, ela não tinha documentos para retirar o automóvel. Conforme a polícia, a mulher possui passagem por tráfico de drogas e foi encaminhada para a Polícia Federal de Guaíra.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia Federal age rápido e detém dois suspeitos de golpe contra Agência Bancária

Sem Comentários

10/04/2014

A Polícia Federal prendeu nesta quinta-feira (10), dois homens durante tentativa de golpe contra uma grande agência bancária da avenida Eduardo Elias Zahran, em Campo Grande (MS). Ambos portavam documentos falsos e tentavam sacar dinheiro do banco. De acordo com informações da PF, a dupla era formada por um corretor de imóveis e um vendedor ambulante. O caso só foi descoberto pelo gerente porque ele desconfiou de uma procuração falsa usada por eles. Um funcionário da agência acionou a  polícia, que imediatamente se dirigiu ao local e prendeu os dois suspeitos. Os homens foram encaminhados à Superintendência Federal, onde aguardam a hora para prestarem depoimento ao delegado. A ação foi classificada como movimentação financeira fraudulenta e a origem do golpe ainda será investigada. A Polícia Federal suspeita que outras duas pessoas estejam envolvidas no golpe, além dos detidos. Agentes estão, neste momento, em diligências para encontrar os outros dois suspeitos. Informações sobre o valor do saque e quais documentos falsos a dupla portava, além da procuração fraudulenta, não foram divulgados.

 

Ler a notícia na íntegra

Fonte: FatimaNews

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Escrevente de cartório do ES é presa suspeita de falsificar documentos

Sem Comentários

27/03/2014

Foi presa nesta quarta-feira (26) por ser suspeita de falsificar documentos, facilitando uma tentativa de golpe que aconteceu em dezembro de 2013, uma escrevente de 44 anos, de um cartório de Santa Leopoldina, município da região Serrana do Espírito Santo. Com papéis irregulares cedidos por ela, um homem tentou sacar mais de R$ 2 milhões em precatórios – dívidas vencidas do governo – que seriam para uma empresa paulista. O homem já está preso. A escrevente foi levada para o Centro de Detenção Provisória Feminino de Viana. O delegado da Superintendência de Polícia de Interior, disse que a suspeita falsificou uma procuração e um alvará em nome de um homem de 28 anos. Com os documentos falsos, ele foi até uma agência bancária do Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) e tentou transferir o dinheiro para a conta dele. Mas a transação chamou a atenção de funcionários do Tribunal e da Polícia Civil. “A empresa é de São Paulo. Se o cidadão viesse ao tribunal para pegar o alvará, ela saltaria no aeroporto, receberia o alvará, pegaria o dinheiro e retornaria. Mas não, a procuração foi feita exatamente em Santa Leopoldina, então isso chamou muito a atenção da polícia”, falou o delegado. O homem foi preso em flagrante. A polícia deu continuidade às investigações e encontrou documentos do cartório em que a escrevente trabalhava, em Santa Leopoldina, em um apartamento em Jardim Camburi, Vitória. “No local funciona uma filial do cartório e o aluguel, inclusive, era pago pelo próprio. O apartamento é ao lado do que pertence à escrevente. Verificamos que havia muitos documentos no local, inclusive selos assinados, que nós vamos verificar se são autênticos ou não, além de muitos papéis oficiais e carimbos. Ou seja, fazia-se todo o trabalho cartorário em Vitória e sonegava-se também documentos ao Tribunal de Justiça”, afirmou. A Polícia Civil agora está a procura de um outro homem, um corretor, que seria o intermediário das negociações. “O nome dessa pessoa foi citado pelo suspeito preso em flagrante e já fizemos buscas na casa dele, mas ele está foragido. Essas pessoas acreditam na impunidade, pois falsificar um documento e ir ao Tribunal de Justiça para sacar dinheiro, apanhar um alvará assinado, então, pelo presidente do Tribunal, isso tudo é seríssimo. As pessoas realmente não acreditam na punição que podem receber, mas estamos tirando essa quadrilha de circulação”, garantiu o delegado.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior