Gaeco encontra documentos no lixo, após suspeita de fraude em licitações

Sem Comentários

30/06/2015

Documentos da Prefeitura de Ibema, no oeste do Paraná, que estavam jogados no lixo, foram recolhidos pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). Os papéis, que estavam destruídos, foram descartados por ordem do prefeito. Conforme o Gaeco, após a investigação de um esquema de fraude na compra de medicamentos. Há duas semanas, secretários municipais foram presos. Entre os documentos que estavam no lixo, foram encontradas notas fiscais e recibos de pagamentos das empresas que são suspeitas de participar do esquema de desvio de dinheiro na Secretaria Municipal de Saúde de Ibema. O Gaeco chegou até os papéis após uma denúncia anônima. “Nós acabamos encontrando toda essa documentação destruída junto a residência de um primo do prefeito, que é o responsável pela coleta de lixo na cidade. Esse lixo estava sendo destinado ao aterro no intuito de destruir essas provas”, afirma o delegado do Gaeco. Os documentos vão servir de prova no inquérito e, segundo o delegado, o material indica a participação do prefeito no esquema. “Já concluí o inquérito, agora foi encaminhado uma via ao Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR), porque ele tem foro privilegiado por ser prefeito, e cabe ao TJ-PR determinar as próximas demandas solicitadas”, explica o delegado.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Operação faz busca e apreensão de documentos sobre fraude em licitação

Sem Comentários

30/06/2015

Na manhã desta terça-feira (30), uma operação da Polícia Civil e Ministério Público Estadual (MPE) em endereços de Belterra, Alenquer e Santarém, no oeste paraense, faz busca e apreensão de documentos, mídias e computadores relacionados à apuração de crimes de atentado contra a segurança de serviço de utilidade pública e fraude em licitação que, supostamente, teriam sido praticados por servidores da administração municipal. Segundo o MPE, a busca foi requerida pela Polícia Civil de Belterra e os mandados deferidos por um juiz. Ao todo, nove endereços foram alvo da operação, sendo seis em Belterra, dois em Alenquer e um em Santarém. A operação contou com o apoio do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Estado. O Ministério Público vai se pronunciar durante entrevista coletiva na tarde desta terça.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Operação desarticula esquema de fraudes em construtoras na PB

Sem Comentários

26/06/2015

Uma operação deflagrada na manhã da sexta-feira (26) no Sertão da Paraíba busca desarticular uma quadrilha especializada em fraudar licitações em 16 prefeituras do Sertão paraibano. É estimado que cerca de R$ 18 milhões de verbas federais foram desviadas pelos criminosos desde o ano de 2009. A operação ‘Andaime’ é uma ação em parceria entre o Ministério Público Federal (MPF), a Controladoria Geral da União (CGU) e a Polícia Federal. Segundo o MPF, a quadrilha fraudava licitações e contratos públicos em obras e serviços de engenharia e realizava a venda de notas fiscais. Os crimes também incluem lavagem de dinheiro através de empresa fantasma. A 8ª Vara da Justiça Federal de Sousa (PB) expediu três mandados de prisão preventiva, sete de prisão temporária, quatro de condução coercitiva, 18 de busca e apreensão e 15 medidas de sequestro de bens. Cerca de 80 agentes da Polícia Federal e 10 auditores da CGU cumprem os mandados nas sedes das prefeituras de Cajazeiras, Joca Claudino, Bernardino Batista e Cachoeira dos Índios. Buscas e apreensões também ocorrem em quatro estabelecimentos comerciais de Cajazeiras e residências de 11 empresários e engenheiros responsáveis por obras custeadas por verbas federais.

Cajazeiras

O procurador do município de Cajazeiras destacou que as fraudes identificadas teriam sido praticadas por empresas que não recolhiam tributos ao Governo Federal. “A informação que consta no mandado de busca e apreensão menciona que essas empresas possivelmente estivessem participando de processos licitatórios, mas deixando de recolher tributos federais, deixando de assinar Carteira de Trabalho de funcionários. Nos autos não há indícios de desvio de dinheiro, salvo recolhimento de contribuições previdenciárias e impostos à união”, explicou o procurador.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

MP investiga fraudes em licitação na prefeitura de Nova Timboteua, PA

Sem Comentários

19/01/2015

No município de Nova Timboteua, nessa segunda-feira (19), foram cumpridos mandados de busca e apreensão. O Ministério Público (MP) investiga fraudes em licitação no município. O MP iniciou a operação depois de ter recebido várias denúncias de irregularidades na prefeitura. Uma das denúncias está relacionada à coleta de lixo. A sede da empresa responsável por esse serviço ficava na casa do próprio pregoeiro, pessoa responsável pelo andamento do processo licitatório. O contrato era de R$ 1,5 milhão, valor considerável abusivo pelo MP, já que a cidade possui apenas 13 mil habitantes. Além disso, a coleta era realizada duas vezes por semana pelos funcionários da própria prefeitura, quando deveria ser feita por empregados da empresa terceirizada. Outra denúncia foi feita pela falta de pagamento dos professores, que estão há três meses sem receber, mesmo o município recebendo R$ 8 milhões do Fundo de Manutenção da Educação Básica (Fundeb) para realizar o pagamento dos docentes. Além disso, houve a denúncia de oito casos de nepotismo. O MP já solicitou a exoneração das pessoas envolvidas no caso.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Operação combate fraude em licitações de prefeituras no Norte e Noroeste

Sem Comentários

04/12/2014

Nesta quinta-feira (04), um cartel de empresas familiares que participava de licitações de prefeituras de municípios gaúchos é combatido em ação do Ministério Público do Estado (MPE), batizada de Operação Boa-Fé. Estão sendo cumpridos dois mandados de prisão temporária — de um empresário e de um funcionário — e 12 de busca e apreensão nas prefeituras de Palmitinho, Palmeira das Missões, Iraí, Saldanha Marinho e Vista Alegre, no Norte e Noroeste, e em sete empresas com sede em Palmitinho. Segundo as investigações do MPE, o grupo de empresas concorria a licitações municipais na área da construção civil e, mesmo que apenas uma delas fosse vencedora da concorrência, as demais também participavam das obras. A fraude ocorria na região desde 2011. Os empresários, vários vinculados à mesma família, participavam em conjunto das licitações e combinavam previamente os preços das propostas com o objetivo de direcionar os resultados dos certames a seu favor, eliminando a concorrência. Conforme as informações obtidas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), somente entre 2012 e 2014, o cartel recebeu aproximadamente R$ 76 milhões. Em um dos municípios investigados, mais de 12% da receita arrecadada foi comprometida ao grupo em 2014. Até o momento, não foi constatada a participação de funcionários das prefeituras na fraude. Os serviços investigados vão desde construções de prédios públicos até projetos de asfaltamento. A operação é realizada pela Promotoria de Justiça de Palmeira das Missões e de Santo Ângelo em conjunto com o Grupo de Atuação Especializada de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), a Polícia Civil e a Brigada Militar.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Zero Hora

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

PF faz operação contra fraude em licitações em nove estados e no DF

Sem Comentários

20/11/2014

Na manhã desta quinta-feira (20) a Polícia Federal deu início à Operação Plateias, que investiga a atuação de uma organização criminosa formada por lobistas e agentes públicos, responsável por desvio de verbas públicas e direcionamento de licitações no estado de Rondônia. Os contratos sob suspeita chegam a quase R$ 300 milhões e o grupo teria desviado mais de R$ 57 milhões. De acordo com as investigações, empresas interessadas em participar de licitações do governo de Rondônia eram obrigadas a fazerem doações a campanhas eleitorais. Estão sendo cumpridos 193 mandados, em nove estados e no Distrito Federal, além da Espanha. Conforme a Polícia Federal, 163 pessoas serão conduzidas coercitivamente para prestar depoimento, serão realizadas 26 buscas e 4 prisões temporárias. A operação é feita em Rondônia, Acre, Amazonas, Bahia, Goiás, Pará, Rio de Janeiro, São Paulo, Sergipe, DF e Espanha, país onde um envolvido será detido. Aproximadamente 300 policiais trabalham na operação. As investigações tiveram início em 2012 e apuraram que empresas interessadas em participar de licitações do governo de Rondônia eram obrigadas a fazerem doações a campanhas eleitorais. As licitações eram direcionadas para serem vencidas pelas companhias que faziam parte do esquema criminoso. Em alguns casos, havia até mesmo dispensa de concorrência pública. Também foram verificados pagamentos indevidos a agentes públicos. Teria sido criado um fundo de propina que chegava movimentar cerca de R$ 2 milhões por mês. Foram encontradas irregularidades na Companhia de Água e Esgoto de Rondônia e em oito secretarias do atual governo: Saúde, Justiça, Educação, Desenvolvimento Ambiental, Assistência Social, e Obras e Serviços Públicos. Entre os contratos investigados estão o da construção de uma Unidade de Pronto Atendimento, o de fornecimento de alimentos a hospitais e presídios e o de compra de medicamentos.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

MP apreende documentos pós denúncia de fraude em prefeitura do PA

Sem Comentários

12/11/2014

Foram apreendidos através de uma Operação do Ministério Público do Estado do Pará (MPPA) documentos  da prefeitura, secretarias e empresas denunciadas por possíveis fraudes em processos licitatórios, nesta quarta (12), em Santana do Araguaia, sul do Pará. Os processos referem-se a recursos financeiros de projetos vinculados às secretarias de transporte, educação, saúde, finanças e pelo departamento de licitação. Agentes do Grupo de Atuação especial de combate ao crime organizado (Gaeco) do MP com apoio das polícias civil e militar efetivaram a operação. O gestor municipal em Santana do Araguaia é Eduardo Conte. A operação tem a frente o promotor de Justiça e titular da Promotoria de Santana do Araguaia; o coordenador do Gaeco promotor com o apoio de mais dois promotores. De acordo com os promotores, as denúncias feitas ao Ministério Público foram apuradas por meio de investigações e culminou com a operação em curso na região do Araguaia. As investigações apontam para possíveis fraudes em processos licitatórios envolvendo verbas públicas nas áreas da saúde, educação, transporte e finanças.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior