Operação da Polícia Federal desarticula esquema de fraude em benefícios previdenciários na Bahia

Sem Comentários

31/05/2017

Cinco mandados de busca e apreensão foram cumpridos, na manhã desta quarta-feira (31), através de uma operação montada pela Polícia Federal (PF) para desarticular uma quadrilha especializada em fraudar benefícios previdenciários em Salvador e Maragogipe. Conforme a PF, o esquema fraudulento causou R$ 635 mil de prejuízo aos cofres da Previdência Social. Segundo a Polícia Federal, a quadrilha atuava desde 2014 e era formada por pelo menos um intermediário e possível participação de dois servidores do INSS lotados na Agência da Previdência Social, em Maragogipe. Os integrantes da quadrilha recrutavam pessoas residentes em Salvador e fraudavam documentos para comprovação de tempo de contribuição, na condição de contribuinte individual ou empregado. Os benefícios eram requeridos na Agência da Previdência Social em Maragogipe, onde servidores do INSS envolvidos no esquema criminoso facilitavam as concessões e empréstimos consignados para o pagamento das fraudes. Os mandados da Operação Maraús foram cumpridos por 18 policiais federais e 5 servidores da Secretaria da Previdência do Ministério da Fazenda. O valor do prejuízo evitado pela ação, ao considerar a expectativa de vida constante na tabela do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é de R$ 4,77 milhões. Os envolvidos no esquema serão indiciados pela prática dos crimes de estelionato contra a Assistência Social (Art. 171, § 3º CPB), associação criminosa (art. 288 CPB) e declaração falsa em documentos públicos (art. 299 CPB).

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Mulheres perdem R$ 2,9 mil em golpes pela internet

Sem Comentários

01/06/2017

A polícia vai investigar o caso de duas pessoas que foram enganadas por uma falsa empresa de empréstimos que iludia as vítimas com propagandas de empréstimo fácil na internet. Uma vendedora, de 36 anos, e uma dona de casa, de 24, procuraram a polícia na quarta-feira (31) para denunciar o golpe. Uma das vítimas diz que ficou sabendo que uma empresa fazia empréstimo por meio de uma propaganda no Facebook. A vantagem era oferta de dinheiro sem taxas e com baixos juros. Por telefone, a mulher entrou em contato com a financiadora para solicitar R$ 10 mil. Em depoimento, a vítima afirma que para liberação do empréstimo, a empresa exigia o depósito de R$ 970 em uma conta bancária em determinado banco. Passado o prazo,  ao perceber que não tinha sido depositado o empréstimo, a mulher entrou em contato com a financiadora que exigiu o depósito de mais R$ 970, mas em outra conta bancária. Como novamente, o dinheiro do empréstimo não foi depositado, a mulher tentou entrar em contato com a empresa, mas desta vez, os números dos telefones estavam bloqueados. Foi somente neste momento, que ela percebeu ter sido alvo de golpe. No caso da outra vítima, a dona de casa, ela perdeu R$ 982 ao tentar empréstimo de R$ 5,4 mil com a mesma empresa. Cópias de depósito, extratos bancários com os dados da falsa empresa foram entregues para polícia que vai tentar descobrir quem está por trás das falsas financiadoras.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Diário da Região

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Funcionária é acusada de fazer empréstimos de R$ 42 mil sem autorização de empresa

Sem Comentários

18/04/2017

Em Sinop (MT), o proprietário de uma empresa de crédito procurou a delegacia da Polícia Civil, na segunda-feira (17), para denunciar uma ex-funcionária. De acordo com informações do boletim de ocorrência, ela teria realizado quatro empréstimos irregulares em nome de clientes que somados chegam a R$ 42,2 mil. Não foi informado se estes valores chegaram a ser descontados dos clientes da empresa. O caso é tratado como estelionato e passa a ser investigado pela Delegacia de Roubos e Furtos (Derf).

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Só Notícias

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Quatro são presos suspeitos de fraudar R$ 25 mil em empréstimos para idosos na PB

Sem Comentários

05/04/2017

Na manhã desta quarta-feira (05), uma mulher, de 44 anos, foi presa em flagrante por contratar nove empréstimos bancários que somam mais de R$ 25 mil e diversos cartões de crédito em nomes de pelo menos nove vítimas, todas idosas. Ela foi presa em um correspondente bancário no bairro de Mangabeira, em João Pessoa, onde trabalhava e tinha as vítimas como clientes. Após a prisão a suspeita delatou outras três pessoas envolvidas que já foram presas, todos em Mangabeira. Uma mulher que foi detida tem 25 anos e é estudante do último período do curso de direito. Os outros suspeitos têm 24 e 49 anos, sendo o segundo um porteiro e responsável por receber os cartões das vítimas no seu local de trabalho. Segundo o delegado de Defraudações e Falsificações de João Pessoa, por volta das 12h ele estava ouvindo uma nova pessoa que podia ser a décima vítima. A suspeita atendia os clientes que procuravam o local para contratar serviços e, de posse dos seus dados pessoais, fazia as contratações fraudulentas, cancelando as solicitadas pelos clientes. A polícia apurou que a mulher alterava o endereço de entrega dos cartões de crédito e também fez empréstimos que passaram de R$ 25 mil. Ainda segundo o delegado, uma das vítimas descobriu uma contratação fraudulenta de R$ 4,7 mil. A vítima percebeu que tinha recebido o valor e entrou em contato com a suspeita, que informou ter havido um erro e solicitou que a vítima transferisse o valor para uma conta pessoal dela para que ela repassasse ao banco. Todos os presos devem responder pelos crimes de associação criminosa, estelionato qualificado e falsidade ideológica, podendo ser condenados a pena de 13 anos de prisão.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Suspeito de estelionato oferece R$ 10 mil para não ser preso, diz PM

Sem Comentários

08/12/2016

Nesta quarta-feira (07), um homem suspeito de estelionato tentou subornar com R$ 10 mil agentes da Polícia Militar em Quissamã, no Norte Fluminense. O flagrante aconteceu quando ele tentava pegar um empréstimo com documentos falsos em um banco. Segundo o boletim de ocorrência, ele ofereceu o dinheiro aos policiais no caminho da 130ª DP. Conforme a Polícia Militar, a equipe recebeu uma denúncia anônima de que um homem tentou pegar um empréstimo com um nome falso em uma agência bancária na Avenida Barão de Vila Franca, no Centro da cidade. A equipe recusou o suborno. No carro em que o homem chegou na agência, foram encontrados três cartões bancários em nome de uma mulher, três celulares, uma agenda e comprovantes de residência.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Gerente de banco é suspeito de realizar empréstimos fraudulentos

Sem Comentários

18/10/2016

Imagine descobrir que deve R$ 400 mil ao banco do qual é cliente e está com nome sujo. Diversas pessoas estão registrando a ocorrência na Delegacia de Paulista, na Região Metropolitana do Recife. Na semana passada, em um só dia foram cinco pessoas. O perfil é o mesmo: empresários, clientes de um banco no município, que tiveram outras contas abertas de forma irregular, sem que eles soubessem, além de empréstimos fraudulentos feitos em seu nome. O suspeito é um dos gerente da agência. Uma empresária tomou um susto quando foi tentar solicitar um empréstimo e descobriu que estava devendo uma fortuna. “Fui tirar o extrato, e chegando lá, estava zerada a conta. E muitos empréstimos. Não tinha feito. Não tinha. Um colega ligou, falando o que estava acontecendo no banco. Que o gerente estava, na verdade, roubando. Então entrei em contato com o gerente-geral e ele falou que eu estava devendo R$ 400 mil ao banco, eu não reconheço esse valor”, relatou a empresária. Outra vítima foi um microempresário do ramo de reciclagem. Ele confirma que tinha empréstimo, mas percebeu que os valores subiram muito. Apareceram novos contratos, que ele alega nunca ter feito. A situação das vítimas é difícil. Estão todos negativados, seus nomes foram parar no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC/Serasa). “Está atrapalhando minha vida profissional e pessoal também, porque a gente não tem crédito em canto nenhum, não tenho crédito para nada”, lamentou o empresário, que contou que o gerente está afastado do banco e ninguém consegue localizá-lo. Segundo o delegado titular da Delegacia de Paulista, a Polícia Civil já está investigando o caso. As vítimas que estão registrando os boletins de ocorrência estão sendo orientadas a comparecer à Delegacia especializada de Estelionato. “Inicialmente, ele está sendo investigado por crime de estelionato. Porém, a investigação vai ficar mais profunda e aí a gente vai poder saber se houve ainda outros crimes, como falsidade ideológica e falsidade documental”, esclareceu. Em nota, o banco informou que identificou o caso por meio de auditoria interna e que apura a situação para tomar as providências cabíveis. A instituição acrescentou que afastou o funcionário até o fim das apurações e que eventuais prejuízos sofridos por seus clientes serão ressarcidos.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

PF apura fraude de R$ 17 milhões em empréstimos no mercado de cigarros

Sem Comentários

22/07/2016

Na manhã desta sexta-feira (22), no Rio Grande do Sul, a Polícia Federal deflagrou uma operação para combater o mercado clandestino de cigarros. A investigação apura fraude financeira no valor de R$ 17 milhões na liberação de empréstimos para empresas fumageiras no estado. Agentes federais cumprem mandados de busca e apreensão em Santa Cruz do Sul, no Vale do Rio Pardo, Porto Alegre e Passo Fundo, na Região Norte do estado. Esta é a terceira fase da Operação Huno. Na ação desta sexta, os policiais apuram delitos de gestão temerária e obtenção fraudulenta de financiamento, envolvendo dirigentes de uma instituição financeira e um empresário do Vale do Rio Pardo. A suspeita é de que o grupo tenha obtido liberação de recursos de forma fraudulenta para as empresas administradas pelo empresário do ramo fumageiro. Uma das empresas investigadas teria obtido empréstimos superiores a R$ 17 milhões mediante fraude. Os documentos apreendidos serão periciados e analisados. O inquérito corre sob segredo de Justiça.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior Próximo