Publicitário cai em golpe de empréstimo pela internet

Sem Comentários

20/06/2019

Um publicitário de 24 anos perdeu cerca de R$ 1 mil em um golpe de empréstimo pela internet. O homem precisava de R$ 5 mil para mobiliar seu apartamento e recorreu ao serviço prestado por empresas virtuais. Ele chegou a fazer dois depósitos para liberação do valor solicitado antes de descobrir que se tratava de um golpe. Ele registrou boletim de ocorrência na Polícia Civil. “Eu não tive malícia e confiei. Agora aprendi que devemos desconfiar de tudo”, disse o jovem. Ele é do estado do Piauí e veio para São Paulo em busca de emprego. Chegou a Paulínia há dois meses, após passar um ano na Capital. Como decidiu morar sozinho, resolveu recorrer a um empréstimo para mobiliar o apartamento que alugou. “Entrei na internet e busquei por empréstimos. Apareceu uma empresa e forneci o número do meu celular e o e-mail. Uma atendente entrou em contato e me enviaram uma planilha, com juros e formas de pagamento. Eles me passaram confiança. Sem contar que os juros estavam baixos”, contou. Após assinar contrato, foi informado que precisaria depositar uma taxa de R$ 398 para ter o montante solicitado, liberado. “Me falaram que meu nível de confiabilidade era baixo e me pediram outro depósito de R$ 524,30. Fiz novamente o depósito sem desconfiar de nada”, relatou. Como o empréstimo não foi depositado como o programado, a vítima fez novo contato com a empresa, e foi informada que precisaria fazer um terceiro depósito, desta vez de R$ 750. “Foi aí que minha ficha caiu. Liguei para o número que me forneceram e um homem passou a me ameaçar. Bloqueei o número”, disse.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Correio

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Vítima de estelionato tem prejuízo de mais de R$ 3 mil ao tentar adquirir empréstimo de R$ 5 mil

Sem Comentários

24/05/2019

Na quinta-feira (23), uma pessoa de 23 anos procurou a Polícia Civil após ter um prejuízo de R$ 3.072 ao ser vítima de estelionato, em Presidente Prudente. A vítima relatou no Boletim de Ocorrência que no dia 1º de maio estava em sua casa, quando viu um anúncio na internet de uma empresa de empréstimo e realizou uma simulação no site para obter um empréstimo no valor de R$ 5 mil. Seriam 24 parcelas na quantia de R$ 245,29. No dia seguinte, a vítima recebeu uma mensagem por um aplicativo de troca de mensagens, onde um homem alegou ser da empresa de empréstimo e a comunicou que o financiamento foi aprovado. Já no dia 3 de maio, a vítima enviou pelo aplicativo cópias de seu RG, CPF e comprovante de endereço. Segundo o boletim, no dia 7 de maio, o representante da empresa enviou uma mensagem para a vítima solicitando um depósito de R$ 360 para liberação do empréstimo, sendo que o valor foi pago pela vítima. O possível representante da empresa entrou em contato novamente com a vítima para que ela depositasse R$ 620 para pagamento do IOF. A vítima realizou o depósito. No mesmo dia, a vítima recebeu outra mensagem do homem solicitando mais um depósito no valor de R$ 980, por variação cambial. Tal quantia também foi depositada pela vítima, segundo a ocorrência. Já no dia 9 de maio, a vítima fez mais um depósito de R$ 1.112 para a liberação do empréstimo. De acordo com o boletim, o valor do empréstimo seria liberado até o dia 20 em uma conta fornecida pela vítima, mas a quantia não foi depositada pela empresa. O representante da instituição financeira enviou mais uma mensagem para a vítima na qual afirmava que o empréstimo seria liberado, mas ela deveria depositar mais R$ 340. Diante disso, a vítima percebeu que caiu em um golpe. A empresa fica localizada na cidade de Barueri (SP). O caso foi registrado como estelionato na Delegacia Participativa da Polícia Civil.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Preso suspeito de chefiar quadrilha que usava documentos falsos e que obteve R$ 100 mil reais em empréstimos

Sem Comentários

08/05/2019

Nesta quarta-feira (08) a Polícia Civil prendeu em flagrante um homem suspeito de chefiar uma quadrilha especializada em fraudes de empréstimos bancários em Belém. Ele é especialista em falsificação de documentos e o golpe já teria causado um prejuízo de R$ 100 mil reais em vítimas de Belém e de Castanhal, cidade do nordeste do Estado. O suspeito foi flagrado enquanto tentava conseguir um empréstimo de R$ 20 mil reais. Com ele, também foi presa uma mulher que estava com os documentos falsos. Ambos foram indiciados por estelionato, uso de documento falso e associação criminosa. Os investigadores da Divisão de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR) constataram que o suspeito cooptava idosos e, depois, falsificava documentos das vítimas para pedir empréstimos.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Homem de Mogi tem prejuízo de R$ 690 ao cair no golpe do empréstimo

Sem Comentários

29/04/2019

Um homem de 62 anos foi à polícia de Mogi das Cruzes, na sexta-feira (26), denunciar um golpe que lhe deu um prejuízo de R$ 690. O idoso contou que viu um anúncio de uma empresa que oferecia empréstimos à pessoa física mesmo que estivesse negativada. Ele ligou para a empresa e foi atendido por uma mulher, que pediu cópias dos documentos pessoais e comprovante de endereço. A vítima disse que mandou tudo para o e-mail da suposta empresa. A atendente disse que seria enviado um contrato, mas antes o homem teria que pagar uma taxa de R$ 390. Ele depositou o dinheiro em uma lotérica. Na sexta-feira, a atendente voltou a pedir um novo depósito de R$ 300, que ele também fez em uma lotérica. Após enviar os comprovantes dos depósitos, o homem foi bloqueado pela suposta atendente no WhatsApp. E então percebeu que tinha sido vítima de um golpe.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Mulher é vítima de golpe ao contratar suposta empresa de financiamento

Sem Comentários

25/04/2019

No mês de fevereiro, uma moradora do Bairro São Cristóvão, em Lajeado, caiu em um golpe de estelionato. O caso foi registrado nesta quinta-feira na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA) do município. A vítima fez um empréstimo no valor de R$ 15 mil, porém não recebeu o dinheiro solicitado. Ela salientou que já depositou mais de R$ 1 mil que, segundo a empresa, seria necessário para liberar o empréstimo. Conforme a mulher, o valor seria depositado no dia 15 de abril, o que não ocorreu.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Independente

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Microempresária cai no golpe do falso empréstimo

Sem Comentários

21/01/2019

Ao tentar contratar um empréstimo, uma microempresária, de 44 anos, perdeu mais de R$1.700. Ela foi atraída por um anúncio na internet, que a levou a um aplicativo. O caso foi denunciado à Polícia Militar no final de semana. A vítima disse que no dia 15 deste mês entrou no site de uma empresa de empréstimos, a qual contatou através de um aplicativo de celular um empréstimo de R$10 mil. Para concessão do mesmo a empresa exigiu um pagamento de R$ 800, para a cobertura do seguro. A vítima realizou depósito no valor solicitado e ao informar o pagamento a suposta empresa exigiu um novo depósito de R$460, o que foi feito. Mesmo recebendo os dois depósitos, o valor contratado não foi liberado e o golpista exigiu mais R$477 que a vítima novamente o fez. Depois de ter depositado R$1.737 a mulher começou a desconfiar da negociação e tentou cancelar a transação, o que foi aceito pela empresa, desde que ela pagasse uma multa de R$930 e aguardasse entre cinco e quinze dias.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Poços Já

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Grupo fraudava empréstimos de até R$ 500 mil com dados de servidores federais no DF; três foram presos

Sem Comentários

09/01/2019

Nesta quarta-feira (09), foi desarticulado pela Polícia Civil do Distrito Federal um suposto esquema criminoso que roubava dados de servidores do Ministério do Planejamento. A investigação aponta que o grupo usou as informações para contratar empréstimos consignados de até R$ 500 mil. Conforme a corporação, os suspeitos atuavam em vários estados e eram especializados nas práticas de falsidade ideológica, uso de documento falso, estelionato e lavagem de dinheiro. Os principais alvos eram os auditores fiscais da pasta federal. “Usavam contracheque, CPF e comprovantes de residência em nome de um auditor fiscal, depois dispensavam esses documentos e obtinham outros para abrir contas jurídicas e movimentar o valor”, explicou a delegada que investiga o caso. Por nota, o Ministério da Economia – unificado à pasta do Planejamento – disse que ainda não foi notificado oficialmente sobre a investigação e, por isso, “não é possível se manifestar”. O comunicado, no entanto, reforça a segurança do Sigepe. “O ministério reafirma que o sistema é seguro e mantido pelo Serpro, que aplica as melhores práticas de segurança da informação do mercado.”

Prisões

Nesta terça (8) e quarta-feira (9), dois homens suspeitos de praticar os crimes foram presos temporariamente. A polícia cumpriu mandados de prisão, busca e apreensão no DF e em Goiás. O terceiro membro do grupo está preso desde setembro. O suposto esquema foi classificado como “aperfeiçoado e complexo”. “Os investigados, após adquirirem fraudulentamente dados de contracheques de servidores no sistema Sigepe, fabricavam documentos que eram utilizados para abertura de contas correntes e contratação de empréstimos consignados vultosos”, diz material divulgado pela polícia.

Anterior