PF apreende documentos de grupo suspeito de fraudar benefícios do INSS, em Curitiba

Sem Comentários

15/06/2018

A Polícia Federal (PF), nesta sexta-feira (15), apreendeu carteiras de trabalho e outros documentos de um grupo suspeito de fraudar benefícios de assistência social para idosos, fornecidos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Conforme a polícia, o Instituto identificou que intermediários apresentavam comprovantes falsos de residência em nome de terceiros, declarações de renda e de estado civil, para cometer as fraudes. A PF informou ainda que a ação foi autorizada pela 12ª Vara Federal em Curitiba (PR), que determinou a suspensão de benefícios identificados com suspeita de fraudes pelo INSS.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia prende dupla suspeita de usar ‘Corel Draw’ para fraudes na PB, PE e AL

Sem Comentários

13/11/2017

A Polícia Civil prendeu dois homens, de 38 e 42 anos, suspeitos de estelionato. A ação ocorreu no interior de uma loja de material de construção, localizada na Av. Assis Chateaubriand, enquanto a dupla tentava comprar, de forma fraudulenta, mais de R$ 50 mil em produtos. De acordo com a polícia, os dois homens são integrantes de uma associação criminosa que utiliza o Corel Draw, software de designer gráfico, para falsificar documentos pessoais e ainda comprovantes de residência. Os dois homens presos são de Pernambuco, mas eles já teriam agido em outros estados. Com os suspeitos foram apreendidos comprovantes e notas fiscais, que demonstram golpes aplicados em Alagoas, Pernambuco, e ainda, possíveis atuações no Sudeste do país. Também foram encontrados dezenas de cartões de crédito, carteiras de habilitação, computadores, um HD e um veículo com suspeitas de adulteração.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Mulher é presa após tentar fazer título eleitoral com documento falso em MG

Sem Comentários

17/03/2016

Uma mulher foi detida em Santos Dumont, nessa quarta-feira (16), ao tentar fazer o título eleitoral apresentando documentos falsos. De acordo com o Boletim de Ocorrência (BO) da Polícia Militar (PM), ela foi até o cartório eleitoral da cidade e deu início ao processo de emissão do título, mas na hora de identificar o endereço apresentou um comprovante de residência que não existia. A PM foi chamada pelo atendente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e a autora foi encaminhada à Delegacia de Polícia Civil. A reportagem entrou em contato com a delegacia, mas os funcionários disseram que não podem passar informações sobre este caso. No entanto, confirmaram a prisão em flagrante. A assessoria do TRE também confirmou a ocorrência e vai se manifestar posteriormente. Ainda conforme o BO, a mulher disse aos policiais militares que foi abordada por uma pessoa, no Centro de Juiz de Fora, alegando que trabalhava para um ex-vereador, e oferecendo R$ 100 para que o registro do título de eleitor dela fosse feito em Santos Dumont. Durante a prisão, foi constatada que a Carteira de Trabalho da mulher também era falsa.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Quadrilha é presa sacando R$ 7mil em golpe aplicado a idoso do Pará

Sem Comentários

09/09/2014

Dois homens acusados de aplicar golpes em aposentados de Belém (PA) foram presos em flagrante por Policiais do Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco) prenderam na rua Álvaro Mendes, no Centro. Um dos presos é M.A. de 27 anos, e o outro apresentou identidade falsa e a polícia está investigando para chegar ao seu nome verdadeiro. De acordo com o delegado do Greco, eles conseguiram sacar R$ 7 mil em empréstimos fraudulentos. Além dos suspeitos, foram detidas duas mulheres. Os homens alegaram que as duas forneciam documentos falsos. O delegado responsável diz se tratar de uma quadrilha especializada em dar golpes em aposentados do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS). O aposentado de 64 anos, da cidade de Belém (PA) foi uma das vítimas. Os homens foram presos porque o funcionário de um banco desconfiou deles e acionou a Greco. Com bases nos dados repassados pelo funcionário à polícia, foi constatado que os nomes dos documentos apresentados não batiam com os dados pessoais da vítima paraense. “Eles conseguiram sacar o dinheiro, pois o banco já tinha autorizado o empréstimo, mas foram presos em flagrante”, explica o delegado. Junto com as duas mulheres foram apreendidos vários documentos de identidade e comprovantes de endereços falsos.

Justiça decreta prisão de advogado pelo crime de estelionato

Sem Comentários

26/05/2014

Foi decretado pelo Juiz da 35ª Vara Criminal a prisão preventiva de um advogado de 30 anos. O pedido foi feito por uma promotora do Ministério Público (MP). O advogado é acusado de usar documentos de pessoas com o nome sujo na praça para entrar com ações na justiça contra as empresas, sem que os interessados soubessem. Na decisão, o juiz alega que “trata-se de estelionato judicial no qual o acusado, na condição de advogado, teria perpetrado fraude em face de inúmeros magistrados, na medida em que, utilizando-se de documentação falsa, teria ajuizado dezenas de ações judiciais a fim de obter vantagem ilícita em prejuízo de terceiros. O acusado teria arregimentado mulheres na comunidade Final Feliz, em Costa Barros, e montado uma banquinha com a inscrição ‘Limpe o seu nome’ para recolher os documentos dos supostos clientes. Esta é a segunda vez que o advogado é denunciado à justiça e tem a prisão preventiva decretada. De acordo com a denúncia do MP, a análise de 11 processos, feita por perito do Tribunal de Justiça, foi fundamental para provar o envolvimento dele no megaesquema de fraude no 2º Juizado Especial Cível. O advogado usava o mesmo comprovante de residência. O que mudava na conta de telefone eram os nomes dos autores dos processos e os endereços, mas o número do código de barra era o mesmo. Além disso, exames grafotécnicos atestam que as assinaturas das procurações eram falsas. “Isso é uma chicana. Meu cliente é inocente. Vou recorrer desta decisão no tribunal”, afirmou o advogado do acusado. Em pouco mais de dois anos, uma rede de 11 advogados que lesou empresas e pessoas foi investigada por envolvimento em megaesquema de fraude. Para o sucesso do trambique, os advogados contam com o fato de as empresas fazerem acordos extrajudiciais.

Documentos falsos foram peça-chave para apurar fraude

Sem Comentários

16/05/2014

Foi fundamental a análise em processos feita por perito do Tribunal de Justiça para reforçar a acusação contra um advogado de 37 anos, de envolvimento no mega esquema de fraude no 2º Juizado Especial Cível, no qual usava nomes de pessoas que tinham ficha suja na praça para entrar com ações contra empresas, sem elas saberem. Em 14 ações, ele utilizou o mesmo comprovante de residência. O que mudava na conta de telefone eram os nomes dos autores dos processos e os endereços, mas o número do código de barra era o mesmo. Além disso, exames grafotécnicos atestam que as assinaturas das procurações eram falsas. Nove profissionais que lesaram empresas respondem por estelionato, falsificação de documentos, uso de documentos falsos e falsidade ideológica. “Os resultados dos laudos são claros no caso dos processos do advogado. As pessoas também foram chamadas para prestar depoimentos”, informou o juiz do 2º Juizado Especial Cível da Capital. Conforme depoimento à Justiça, o advogado montou uma banquinha com a inscrição ‘Limpe o seu nome’, na comunidade Final Feliz, em Costa Barros. Com os documentos de pessoas com os nomes sujos, ações eram distribuídas na Justiça. Ele nega as acusações. Até domingo, ele estava com a prisão preventiva decretada pela 25ª Vara Criminal, mas foi revogada por um desembargador da 6ª Câmara Criminal: “Não mudei a minha rotina neste período. Nunca montei banquinha em lugar algum. Os líderes comunitários que gostam do meu trabalho fazem as indicações”. A fraude seria caracterizada com os acordos extrajudiciais com empresas no valor de R$ 700 a R$ 1 mil, sem que elas verificassem a veracidade das informações. “Meu cliente nunca fez acordos nesses valores. Quem sãos os responsáveis pelos comprovantes de residências são os autores das ações. Não há responsabilidade do meu cliente. Rasgo a minha carteira da OAB se algo for comprovado”, disse o advogado que defende o acusado.

Polícia prende dois suspeitos de realizar falsos empréstimos em Belém

Sem Comentários

12/04/2014

Foram presos em flagrante dois homens suspeitos de um falso empréstimo em Belém. Conforme a polícia, ambos agenciavam pessoas e faziam empréstimos com documentos falsos de aposentados. Com um dos suspeitos, a polícia apreendeu documento de identidade e comprovante de residência falsos. A vítima, que não teve a identidade revelada, foi quem acionou a polícia. Os dois foram presos em flagrante ao tentarem sacar r$ 15 mil.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: R7

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior