Polícia Civil prende suspeito de estelionato após vítima fazer denúncia em Uberlândia

Sem Comentários

14/05/2019

Na segunda-feira (13), um homem de 43 anos foi preso, suspeito de aplicar golpes de estelionato em Uberlândia. Conforme informações da Polícia Civil, ele fez duas vítimas na cidade, um comprador e um empresário. As investigações continuam para identificar outros possíveis envolvidos no crime. Segundo o delegado responsável, uma das vítimas suspeitou da negociação e acionou a polícia. Os agentes acompanharam o denunciante em um encontro na noite de segunda em um posto de combustíveis que fica na Avenida Silvio Rugani, no Bairro Tubalina. Durante a abordagem, o homem apresentou documento de identidade falso. Após a identificação, foi constatado que ele é acusado de pertencer a uma organização criminosa que atua em Uberlândia e no estado de Goiás. O autor foi preso por estelionato e falsidade ideológica. 

 O crime 

O autor foi até uma locadora em Curitiba (PR) no dia 27 de janeiro e levou um carro mediante o pagamento, mas transferiu os documentos do veículo para Itumbiara (GO) como proprietário. Depois, ele anunciou o automóvel em um site de compra e vendas com preço de mercado. Após o ocorrido, a vítima de Uberlândia iniciou a negociação. Ele chegou a dar entrada de R$ 20 mil e o próprio carro. O autor repassou o veículo furtado em Curitiba para ele. Em seguida o estelionatário vendeu o carro da vítima para o dono de uma garagem na cidade. O veículo furtado em Curitiba, o carro da vítima apreendido e o automóvel usado pelo criminoso foram apreendidos.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Mulher é vítima de golpe na internet e tem prejuízo de R$ 9,5 mil em Mogi

Sem Comentários

10/05/2019

Na quinta-feira (09), uma mogiana de 58 anos teve prejuízo de R$ 9,5 mil depois de cair em um golpe pela internet. A vítima contou à polícia que viu o anúncio de uma moto em um site de compra e venda. Ela entrou em contato com o anunciante por telefone e ele disse que fecharia negócio com depósito em conta corrente. Antes de fazer a transação bancária, a vítima recebeu por e-mail um contrato de venda da moto. No documento constava o logo de uma empresa fabricante de tratores. A vítima questionou a relação da empresa com a moto e segundo o suposto anunciante, a fabricante de máquinas agrícolas tinha feito um sorteio e a ganhadora não queria a moto e sim o dinheiro. Por este motivo a empresa estava vendendo o veículo. Acreditando na versão do suposto anunciante, a vítima fez o depósito no valor de R$ 9,5 mil. Em seguida, foi até a empresa para pegar a moto, mas foi informada que não foi feito nenhum sorteio. Nesse momento a mulher percebeu que foi vítima de um golpe e procurou a polícia. O caso foi registrado como estelionato.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Estelionatário aplica golpe e vítima deposita R$ 2 mil em conta de ‘suposto servidor do Detran’

Sem Comentários

03/05/2019

Em Santarém, no oeste do Pará, um homem de 34 anos foi vítima de estelionato praticado por uma pessoa que se passou por servidor do Departamento de Trânsito do Pará (Detran). Segundo a vítima, que é trabalhador da construção civil e preferiu não ter o nome divulgado, após ter vendido uma motocicleta através de um anúncio na internet, o estelionatário entrou em contato na quarta-feira (1º) através de mensagens por aplicativos. O suposto servidor informava como a vítima poderia comprar veículos destinados a leilões sem que passasse pelos procedimentos que tal negociação no Detran requer. Para “comprovar” a função, o suspeito enviou vídeos e fotos de dentro do Detran, tudo para ganhar a confiança. A entrada de R$ 2 mil foi depositada na conta de uma pessoa identificada como J.C.N.R. nesta sexta-feira (03). Após efetuar o depósito, o estelionatário disse que a vítima poderia ir até o Detran para receber as documentações e a motocicleta nova. Minutos depois o contato foi bloqueado e a vítima não teve mais informações. “Eu me passei por outra pessoa com outro número, e ele respondeu com a mesma conversa que tinha me falado”, disse. O homem foi até a delegacia e registrou o Boletim de Ocorrência (B.O). Também foi até o banco, porém o dinheiro já havia sido sacado. “Outras pessoas podem cair nesse golpe, é preciso ter muito cuidado”, alertou a vítima. Em nota, o Departamento de Trânsito do Estado do Pará (Detran) esclareceu que serviços como leilão de veículos e emissão de Carteira Nacional de Habilitação (CNH) não são oferecidos por meio de redes sociais ou WhatsApp. Segundo o Detran, a emissão da CNH e outros serviços são feitos somente pelos canais oficiais, no site do órgão, pelo número 154 ou presencialmente.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Jovem tem prejuízo de R$ 11,5 mil ao cair no golpe da venda do carro

Sem Comentários

26/04/2019

Uma jovem de 22 anos registrou um boletim de ocorrência nesta quinta-feira (25), no 2º Distrito Policial. Lá, ela contou que o irmão viu em um site o anúncio de venda um carro. Ele entrou em contato por telefone com a vendedora que informou que trabalhava em uma loja de carros e o veículo estava à venda em regime de consignação. A vítima disse que, depois desse contato, o irmão passou a receber e enviar documentações pessoais a respeito do veículo, solicitados pela suposta vendedora. Segundo a jovem, quando se convenceu da segurança do negócio, foi solicitado que ela fizesse uma transferência de R$ 11,5 mil. Logo depois da transferência, o irmão recebeu uma ligação informando que o carro estava sendo transportado em um caminhão cegonha para um shopping especializado em carros em Santo André, onde seria retirado. A vendedora informou depois que o caminhão tinha quebrado e, por isso, a entrega atrasaria. Depois, o irmão da jovem foi bloqueado no aplicativo pela suposta vendedora e neste momento percebeu que caiu em um golpe. O caso foi registrado como estelionato.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia Civil alerta para golpes de estelionato em Divinópolis

Sem Comentários

17/04/2019

A Polícia Civil tem recebido um alto número de denúncias envolvendo estelionatários em Divinópolis. Após a prisão de um jovem de 25 anos, no dia 05 de abril, que vendia pacotes de viagens que não existiam, 15 vítimas compareceram à Delegacia para prestar queixa contra o suspeito. No entanto, segundo uma delegada, golpes envolvendo a venda de veículos e de imóveis também são comuns na cidade. Em 2019, até o momento, 40 pessoas denunciaram golpes envolvendo a compra e venda de veículos na internet. Os golpistas se passam pelos donos do veículo e o ofertam a um valor mais baixo do que o da tabela. Após fechar o negócio, os suspeitos pedem que o dinheiro seja depositado em uma conta bancária e a pessoa só percebe que foi vítima de um golpe ao tentar realizar a transferência do veículo. De acordo com a delegada, os golpistas sacam o dinheiro rapidamente, dentro de até 20 minutos – o que dificulta a ação da polícia. “É possível rastrear [o dinheiro], só que é um procedimento demorado que depende de quebra de sigilo bancário”, revelou.

Falso corretor

Ela revelou que outro golpe que vem sendo aplicado na cidade é o do falso corretor de imóveis. Um suspeito, que não teve a idade revelada, mas que já foi condenado por estelionato, está preso desde a semana passada. Ele é investigado há seis anos por golpes de estelionato em Divinópolis e dez vítimas procuraram a Delegacia para denunciar o suspeito. “Desde 2013 até atualmente ele continua aplicando o mesmo golpe. Ele se faz passar por corretor de imóveis, quando na verdade, nem registro no Conselho Regional de Corretores de Imóveis de Minas Gerais [Creci] ele tem”, afirmou a delegada. Uma das vítimas do homem afirmou à equipe do MG1 ter encontrado a oferta de financiamento de um lote, com prestações que caberiam no orçamento da família, feita pelo suspeito. “Ele falou que ia fazer uma construção para a gente, mandou foto de planta, mostrou alguns lotes. A gente escolheu um lote, deu um valor de R$ 1,4 mil, ele levou a gente em uma empresa de engenharia que ele conhecia e essa pessoa da empresa, o próprio engenheiro, pediu para eu dar mais uma averiguada”, revelou.

Mais de 200 pessoas caem em golpe de venda de veículos na internet

Sem Comentários

12/03/2019

Nos últimos dois anos, um golpe de venda de veículos on-line fez mais de 200 vítimas no Distrito Federal. Só em 2019, pelo menos 49 pessoas caíram na ação criminosa, que consiste em enganar tanto o verdadeiro dono do produto anunciado quanto os potenciais compradores. O estelionatário assume o papel de intermediário na negociação e articula um encontro entre as vítimas. Antes, por telefone, o criminoso conta histórias diferentes tanto para o proprietário quanto para o comprador. Não há estimativa do tamanho do prejuízo, segundo a Polícia Civil. Os primeiros registros do golpe começaram em 2017. Em todos os casos, os bandidos agiram por meio do site de vendas OLX, segundo informações da Divisão de Falsificação e Defraudação (Difraudes), ligada à Coordenação de Repressão aos Crimes Contra o Consumidor, a Ordem Tributária e a Fraudes (Corf). Na última quinta-feira (07), um empresário de 56 anos foi enganado pelo estelionatário durante a compra de um Jeep Renegade no valor de R$ 65 mil. “Falei com o anunciante, que se identificou como Carlos Eduardo. Ele disse que o carro estava com um suposto sobrinho, em uma concessionária do Sia, e que articularia uma visita minha”, conta. Às 10h30, o empresário e o suposto sobrinho, que, na verdade, era o dono do carro, se encontraram. “No WhatsApp, Carlos disse para não falarmos de preço, alegando que o familiar também estava interessado no carro, mas que ele queria pagar em parcelas longas.” Então, o estelionatário falou ao empresário que precisava quitar dívidas e, por isso, daria preferência à proposta dele, já que tinha oferecido um sinal de R$ 20 mil. “O homem confirmou ser sobrinho do criminoso e, por isso, não desconfiei de nada. Fechei negócio e fiz o depósito.” Mal sabia o empresário que o suposto parente também tinha caído na ação do estelionatário. Para o dono do veículo, um advogado, o bandido alegou que ia comprar o carro para abater uma antiga dívida com o empresário. “No mesmo dia, o dono do Jeep me ligou desconfiado de que se tratava de um golpe. Ele disse que o estelionatário pediu para que ele dissesse que eram parentes. Na mesma hora, liguei para o gerente do meu banco.”

Ao rastrear o depósito, o empresário identificou que o dinheiro tinha ido para a conta de uma jovem de 19 anos, moradora de Ribeirão Preto (SP). Como a transferência ocorreu à noite, o criminoso sacou pequenas quantias em caixas eletrônicos e não pôde movimentar todo o montante. A vítima conseguiu recuperar quase R$ 18 mil. Ele e o dono do Jeep registraram o boletim policial. “Com o boletim de ocorrência, o meu gerente entrou em contato com o banco da cidade paulista, pedindo o bloqueio da senha da jovem. Assim, congelamos o dinheiro e recuperei quase tudo. No entanto, ainda não estou satisfeito, pois saí no prejuízo”, lamenta.

Quadrilhas especializadas

A delegada da Difraudes, garante que qualquer pessoa pode cair nesse tipo de golpe, que tem crescido em todo o país. “Acreditamos que se tratam de quadrilhas especializadas, pois é uma ação bem articulada, que não levanta suspeita inicial nas vítimas”, sinaliza. A ação criminosa é minuciosa. “Primeiro, o estelionatário fala com o dono do veículo, se mostra interessado e pede mais fotos. Em seguida, cria o segundo anúncio e engana os compradores. Quando uma pessoa o procura para saber do carro ou da moto, ele passa o material adquirido com os proprietários. Depois, articula que a pessoa interessada no bem veja o produto”, detalha. Para evitar que as vítimas falem sobre a venda durante o encontro, o estelionatário inventa novas mentiras. Aos proprietários, o criminoso diz que irá adquirir o veículo para quitar dívida com a pessoa que irá ver o carro ou a moto. Para o comprador, que o bem está com um familiar. Com as desculpas, a delegada destaca que o bandido afirma que “não é preciso tratar do preço, pois é ele o responsável por essa parte.” As investigações acerca do golpe estão no começo e, portanto, ninguém foi identificado ou preso pelos crimes. Mas a apuração dos agentes indica que há a participação de criminosos de outros estados, que possivelmente contam com a ajuda de estelionatários do Distrito Federal. Em nota, a OLX garante condenar as ações criminosas que ocorrem no site, pois “vai contra as regras da empresa.” Ainda, frisa que a plataforma tem um botão de denúncia em todos os anúncios. Assim, qualquer pessoa pode expor práticas irregulares e conteúdos indevidos. “Identificada a irregularidade, a OLX conta com uma equipe especializada que atua sobre as denúncias, deletando os anúncios e banindo o mau usuário da plataforma”, destaca o texto.

Polícia Civil evita golpe pela internet em Águas Mornas

Sem Comentários

26/02/2019

Nesta segunda-feira (25) em Águas Mornas (SC), a Polícia Civil interceptou um golpe que estava em curso pela internet. Policiais foram acionados com a denúncia de uma ocorrência envolvendo a venda de um caminhão, via site OLX. No local dos fatos, os investigadores perceberam que se tratava de um golpe e evitaram que a parte compradora saísse com o veículo do local, um Ford Cargo ano 2005. A vítima, uma mulher moradora de Água Mornas, anunciou o veículo por R$ 100 mil e um estelionatário replicou seu anúncio por valor menor, o que fez com que outra vítima caísse no golpe. O criminoso, nesse caso, pedia um valor de R$ 80 mil e chegou a conseguir extorquir a segunda vítima. O homem então se deslocou do Paraná até Santa Catarina para buscar o caminhão. No local, porém, os policiais da Delegacia de Santo Amaro da Imperatriz lhe explicaram que ele havia caído num golpe também. A vítima, segundo a Polícia Civil, tinha inclusive feito alguns depósitos para o estelionatário, ainda no estado do Paraná, em um total de R$ 60 mil. Com a ação, os agentes conseguiram evitar que o morador de Águas Mornas caísse no golpe, e ainda conseguiram que a vítima paranaense recuperasse R$ 40 mil. Por enquanto, ninguém foi preso pelo crime. A Polícia Civil alerta para esses tipos de negociações virtuais, recomendando sempre que seja verificado o real crédito em conta, para que só depois sejam entregues bens ou produtos. Alerta também que comprovantes enviados via WhatsApp podem ser falsos, e as pessoas devem sempre procurar uma agência bancária oficial para verificar a situação.

Anterior