Investigação de golpe em vendas de casas aponta 70 vítimas e prejuízo de R$ 1 milhão no RS

Sem Comentários

27/11/2018

A Polícia Civil investiga um golpe antigo, que segue fazendo vítimas no Rio Grande do Sul, principalmente famílias de baixa renda. São empresas que prometem entregar casas de madeira a preços vantajosos e prazos curtos, mas não cumprem o acordo. Uma investigação que já dura cinco meses aponta mais de 70 pessoas lesadas no estado, e prejuízo total às vítimas de cerca de R$ 1 milhão. Segundo a polícia, o pai de um conhecido traficante de Gravataí, na Região Metropolitana de Porto Alegre, teria uma empresa de fachada, do ramo de casas de madeira, para lavar dinheiro. Na segunda-feira (26), foram cumpridos quatro mandados de busca e apreensão na cidade para reunir elementos que confirmassem o crime. Na ocasião, a polícia apreendeu dinheiro e um automóvel de luxo. A partir da operação, o Poder Judiciário decretou o bloqueio de bens (imóvel e veículos).

Até o momento, oito pessoas são suspeitas de participar ativamente do esquema criminoso, que, segundo a investigação, era juridicamente calculado para que não parecesse um estelionato, mas um descumprimento contratual. Em algumas situações, os clientes antecipavam os pagamentos e acabavam recebendo apenas o material que seria utilizado na construção. Depois, as empresas eram fechadas, reabrindo com outro nome, sendo que algumas pareciam ser concorrentes, funcionando a poucos metros de distância, mas sendo, na verdade, gerenciadas pelas mesmas pessoas. Uma das vítimas que caiu num golpe com as mesmas características diz que a empresa contratada entregou o imóvel pela metade. Na época, a família pagou à vista R$ 18,9 mil. Seis anos depois do início das obras, foi obrigada a desembolsar mais R$ 20 mil para terminar tudo por conta própria. Agora espera uma indenização na Justiça. “Ele nos enganou, porque quando você vai ali comprar é tudo uma maravilha, ‘tua casa vai ficar linda, nós vamos terminar em 30 dias’, era o prazo dele”, conta a vítima, que prefere não se identificar.

Dicas do Procon

  • Pesquisar o CNPJ no site da Receita Federal para saber se está ativo;
  • Pesquisar na internet em sites de defesa do consumidor;
  • Pedir para incluir no contrato multa em caso de atraso na entrega da obra;
  • Não pagar todo o valor antes de receber a casa.

Suspeito de aplicar golpes de venda de terreno pela internet é procurado pela polícia em PE

Sem Comentários

18/10/2018

Está sendo procurado pela Polícia Civil de Pernambuco, um homem suspeito de aplicar golpes com vendas de terrenos pela internet. Segundo a corporação, há pelo menos três inquéritos contra ele sobre a venda de um mesmo terreno, no bairro de Maria Farinha, em Paulista, no Grande Recife. O terreno não pertence ao suspeito e ele utiliza documentos falsos para enganar os interessados na compra. Uma das vítimas que prestou queixa foi uma nutricionista de 35 anos. Ela conta que perdeu R$ 10 mil durante a negociação do local. O golpe aconteceu no início do mês de outubro. Após ser demitida da empresa onde trabalhou por cinco anos, ela separou o dinheiro da indenização para comprar um terreno e morar perto da praia. A mulher conta que procurou anúncios em redes sociais e encontrou um terreno no valor de R$ 28 mil. O vendedor mostrou a ela documentos de escritura, no Cartório de Paulista, certificado de propriedade de imóvel e papéis do IPTU de Paulista, todos no nome do suspeito. Depois de conversar com o ele pelo WhatsApp e ver mais fotos do lugar, a nutricionista marcou um encontro, em frente ao terreno em negociação. O vendedor pediu que ela depositasse “logo” R$ 10 mil. Os outros R$ 18 mil seriam pagos depois de darem início ao processo de transferência do terreno para o nome dela. Mas depois desse primeiro depósito ser feito, ela não conseguiu mais contato com o vendedor. “Foi quando à noite [na quarta-feira] eu falei com ele no zap (sic.), ele não respondeu. Na quinta de manhã eu falei com ele, ele não respondeu. Eu liguei, ele não atendeu. Foi quando eu pensei: ‘caí num golpe’. Quando ele sumiu. [Pegou] R$ 10 mil e depois ele desapareceu”, afirma a nutricionista. Foi só quando procurou um advogado e prestou queixa na Delegacia de Maria Farinha que ela descobriu que o homem que aplicou o golpe nela já havia sido denunciado outras vezes pelo mesmo tipo de crime, estelionato. O suspeito responde por outros dois processos criminais aguardando o julgamento na justiça.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Homem procurado por estelionato é preso em Olinda, no Grande Recife

Sem Comentários

18/10/2018

Um homem de 38 anos procurado por estelionato no estado da Paraíba, foi preso pela Polícia Civil de Pernambuco em Olinda. De acordo com a corporação, ele aplicava golpes envolvendo a venda de imóveis. O mandado de prisão foi expedido na Paraíba. A polícia informou que, em Pernambuco, há pelo menos mais duas denúncias contra ele por novos golpes, aplicados em Petrolina, no Sertão, e no Recife. O homem era procurado por aplicar um golpe na venda de uma casa, negociada pela internet. Segundo a corporação, ele chegou a levar os interessados para conhecer o imóvel, que não pertencia a ele, e fugiu após receber parte do pagamento. Em Petrolina, no Sertão de Pernambuco, há uma nova denúncia contra ele sobre um caso similar. A vítima perdeu R$ 15 mil durante a negociação de uma casa no município. Outro boletim de ocorrência também foi registrado contra o suspeito em um estabelecimento comercial do Recife, onde ele teria comprado R$ 7 mil em pneus, mas teve o pagamento não autorizado pelo banco.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Criminosos lucraram R$ 71 milhões com venda irregular de lotes no Paranoá

Sem Comentários

22/08/2018

Agentes da Polícia Civil identificaram fraude na venda de lotes na DF-180, na Fazenda Rajadinha, no Paranoá. Segundo a corporação, o lucro dos criminosos com a comercialização irregular chega a aproximadamente R$ 71 milhões. Três pessoas, de 29, 28 e 25 anos, acabaram presas e autuadas por parcelamento irregular do solo para fins urbanos. Se condenados, podem pegar até cinco anos de reclusão, além do pagamento de multa de 10 a 100 vezes o salário-mínimo. Policiais da Delegacia Especial de Proteção ao Meio Ambiente e à Ordem Urbanística (Dema) começaram a investigar os acusados após denúncia anônima. No local, seria implementado o Condomínio Brasil 21 — que deu nome à operação. A delegada chefe da Dema, explica que a área negociada pelo grupo é particular. No entanto, a empresa não teria autorização ambiental ou a licença para a implementação do loteamento na área. Cerca de oito pessoas foram vítimas do golpe. Para a divulgação dos lotes irregulares, o grupo usava panfletos, banners, mapas, anúncios nas redes sociais e em sites especializados. O local apresentado pelo grupo mede 360.000 m², sendo que o empreendimento visava a divisão da área em 1.185 lotes. Cada espaço mediria 300m² e era comercializado a R$ 60 mil. Os flagrantes ocorreram na Quadra 3 do Setor Residencial Leste, na Vila Buritis, em Planaltina. O local funcionaria como sede da Cooperativa Habitacional de Brasília (COOHB21). Foram presos o gerente e principal responsável, a tesoureira e a consultora de vendas. Um quarto homem, que seria o responsável pelo escritório, não foi encontrado.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Correio Braziliense

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Justiça do ES condena imobiliária a pagar R$ 9 mil a cliente por fraude em venda de imóvel

Sem Comentários

06/05/2018

Uma imobiliária foi condenada pela Justiça do Espírito Santo a pagar R$ 9 mil em indenização por danos morais a uma consumidora vítima de fraude na aquisição de um imóvel de R$ 100 mil. De acordo com a vítima, ela comprou o imóvel por intermédio de uma corretora da empresa, depositando R$ 20 mil na conta da corretora e R$ 80 mil na conta da imobiliária. Pouco tempo após a posse do imóvel, a consumidora descobriu que a corretora foi presa, pois não havia repassado os valores e, ainda, havia informado valores errados. A autora da ação chegou a perder a posse do imóvel em ação judicial, recuperando posteriormente em acordo firmado numa audiência de conciliação. O processo trata de relação de consumo originada em contrato de prestação de serviços de corretagem, em que se vinculam a cliente e a imobiliária, sendo cabível, portanto, o Código de Defesa do Consumidor. “O Código de Defesa do Consumidor em seu artigo 14, assim dispõe: O fornecedor de serviços responde, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua fruição e risco. O sistema do CDC, portanto, imputa ao fornecedor, independentemente de sua culpa, a responsabilidade tanto pelo fato do produto defeituoso quanto por vício na prestação de serviços”, destacou o juiz responsável por julgar o caso. Ele disse ainda que existem muitas provas a respeito da fraude cometida pela corretora de imóveis. Para o magistrado, a imobiliária não apresentou nenhuma alternativa para minimizar o prejuízo da consumidora e, ainda, tentou impor a obrigação de saber que o contrato ofertado por um de seus prepostos era fraudulento, o que, para o juiz, é inadmissível.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Homem é preso suspeito de estelionato e extorsão em Teotônio Vilela, AL

Sem Comentários

18/04/2018

Nesta quarta-feira (18), em Alagoas, um homem suspeito de estelionato e extorsão foi preso pela Polícia Civil. Ele aplicava golpes em pessoas que possuíam dívidas de financiamento habitacional no município de Teotônio Vilela. A prisão do suspeito, de 43 anos, aconteceu na terça-feira (17), após um mandado de prisão. Segundo o delegado do 79ª Distrito Policial (DP) do município, o sujeito se apresentava como “Servo de Deus”, conquistava a confiança dos devedores e emprestava dinheiro para que eles quitassem a dívida. “Todavia, depois disso, ele exigia que o devedor passasse o imóvel para o nome dele, como forma de pagar o dinheiro emprestado”, explicou o delegado. O suspeito fazia com que as vítimas conseguissem comprar a casa pelo menor valor possível, no Sistema de Venda Direta ao Possuidor, e depois ele a vendia para terceiros e o morador anterior tinha que sair da casa. A polícia afirma que quando algumas das vítimas se negavam a sair das casas, o estelionatário passava a agir de forma violenta, dando tiros nas portas das casas para intimidá-las. O número de vítimas que caíram no golpe não foi informado.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Suspeito de aplicar golpe milionário na venda de apartamentos nos Ingleses é preso

Sem Comentários

15/04/2018

Nesta semana, em Florianópolis (SC), um homem foi preso preventivamente acusado de participar de um golpe de venda de apartamentos. A mesma unidade, segundo apurou a polícia, era vendida para diferentes compradores. Outros envolvidos no caso já tiveram mandado de prisão preventiva expedido. O golpe, ocorrido entre 2015 e 2016, no Norte da Ilha, teria prejudicado quase 100 compradores e garantido aos acusados cerca de R$ 12 milhões ilicitamente. A polícia acredita que o homem preso esta semana é um dos possíveis proprietários de uma construtora, responsável pela incorporação de três edifícios residenciais na praia dos Ingleses. A investigação apurou que os imóveis sequer foram concluídos e hoje estão abandonados. Os envolvidos aguardaram presos pela sentença. O homem detido nesta semana foi acusado de estelionato e formação de quadrilha. De acordo com o juiz titular da 3ª Vara Criminal da Capital, há elementos concretos que evidenciam que a culpabilidade dos réus.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Notícias do Dia

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior