Mãe e filha de 17 anos são detidas suspeitas de venderem carros roubados em MT

Sem Comentários

22/04/2018

Em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá, uma mulher e a filha foram detidas suspeitas de venderem carros roubados como se fossem veículos financiados. A Polícia Civil fez a detenção na sexta-feira (20) e divulgou neste domingo (22). De acordo com a Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos de Veículos (DERRFVA), as duas mulheres são suspeitas de integrar uma quadrilha especializada em receptação e adulteração de veículos roubados/furtados. Com elas os policiais recuperaram um veículo Prisma, roubado no dia 17 de abril. A adolescente, de 17 anos, foi flagrada pelos policiais da DERRFVA quando fazia a entrega do veículo roubado para um suposto comprador. A mãe dela, de 34 anos, possui passagens anteriores e foi presa na casa dela, no bairro Jardim Califórnia, em Cuiabá. O companheiro dela é apontado como líder da quadrilha e continua sendo procurado. A quadrilha acusada de vender veículos roubados como se fossem financiados já era investigada pela DERRFVA. Com a informação de que grupo estava negociando um veículo Prisma, pelo valor de R$ 14 mil, que seria entregue em um shopping em Várzea Grande, os policiais monitoraram o local. A adolescente estava acompanhada da mãe dela. Em seguida, a jovem encontrou com a suposta compradora e a levou até o estacionamento para entregar o veículo e receber o dinheiro, momento em que foi abordada pela equipe policial. Em checagem do veículo, foi constatado que o automóvel foi roubado no dia 17 de abril e estava com placas adulteradas e documento de Certidão de Registro de Licenciamento de Veículo (CRLV) falso. Questionada, a adolescente inicialmente apresentou documento falso e disse que estava fazendo a entrega do veículo a pedido de um ‘paquera’ e que receberia pagamento pelo serviço. Os policiais descobriram o verdadeiro nome da adolescente e o endereço em que mora com a mãe no bairro Jardim Califórnia. Os policiais seguiram até a casa, onde fizeram a prisão. A casa já foi alvo de mandado de busca e apreensão, em uma operação deflagrada em janeiro deste ano pela Delegacia Especializada de Repressão a Entorpecentes (DRE). Na ocasião, a suspeita e o companheiro dela foram presos em flagrante. Naquela época a polícia encontrou uma caminhonete S-10 roubada e vários materiais utilizados para prática de adulteração de veículos. Mãe e filha foram conduzidas até a DERRFVA. A mãe foi autuada em flagrante pelos crimes de associação criminosa, receptação, adulteração de sinal identificador de veículo, uso de documento público falso e corrupção de menores. A adolescente responderá por ato infracional análogo a associação criminosa, receptação, adulteração de sinal identificador de veículo e uso de documento público falso, sendo o procedimento encaminhado para Delegacia Especializada do Adolescente de Várzea Grande (Derf-VG).

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Quadrilha que aplicava golpes pela internet é presa

Sem Comentários

20/04/2018

Na manhã desta quinta-feira (18), em Pontes Lacerda (MT), a Polícia Judiciária Civil deflagrou a “Operação OLX”, desarticulando uma quadrilha especializada em crimes de estelionato. O grupo criminoso era investigado há cerca de um mês pela equipe da Polícia Civil do município e aplicava golpes através de sites na internet. A ação realizada pela Delegacia Regional e Municipal com apoio do Núcleo de Inteligência (NI), resultou na prisão de cinco suspeitos, recuperação de grande quantia em dinheiro e cheques, além da apreensão de maços de cigarro contrabandeados e de pepitas de ouro. Os suspeitos foram autuados em flagrante pelos crimes de estelionato e associação criminosa. Esse último também responderá por contrabando e armazenamento ilegal de ouro. Na quarta-feira (17), o grupo aplicou o golpe em uma vítima de 33 anos, moradora da cidade de Goiânia (GO). Na ocasião, os suspeitos, mediante estelionato, simularam a venda de um veículo Toyota Corolla, obtendo a quantia de R$ 68 mil, depositada na conta do quinto suspeito. Após tomarem conhecimentos do golpe aplicado através da internet, pelo site de compra e venda OLX, investigadores de polícia rapidamente conseguiram levantar as informações e identificar os envolvidos no crime. O titular da conta bancária emitiu quatro cheques no valor de R$ 5 mil, cada, que foram trocados direto no caixa da agência bancária, pelos quatro suspeitos. Outros R$ 9,5 mil foram debitados em uma máquina de cartão pertencente a uma pessoa. Durante diligências na residência do quinto suspeito, foram apreendidos mais de R$ 5,5 mil em dinheiro, provenientes dos saques feitos pelos comparsas, duas folhas de cheque preenchidas em R$ 5 mil cada, as quais possivelmente seriam trocadas nesta quinta-feira (19), mais duas folhas de cheque em branco, além de trinta e seis maços de cigarro contrabandeados e 5,3 gramas de ouro em pepitas. Em continuidade as diligências, os outros quatro integrantes da quadrilha foram localizados, sendo encontrado em posse do primeiro suspeito, mais de R$ 1 mil em dinheiro, referente sua participação no crime, e o cartão bancário no nome do quinto suspeito que seria usado para saque do restante do dinheiro adquirido através do golpe. Diante do flagrante, os cinco presos foram conduzidos à Delegacia de Polícia de Pontes e Lacerda, onde foram interrogados e autuados pelos crimes de estelionato e associação criminosa. O preso também será indiciado por contrabando e armazenamento ilegal de ouro. As investigações sobre o caso continuam com objetivo de identificar e prender outros integrantes da associação criminosa.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Cenário MT

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Falsificadores de cheques agiam em Mato Grosso do Sul e mais oito estados

Sem Comentários

19/04/2018

Materiais utilizados pelos criminosos na falsificação.

Na terça-feira (17), foi presa  durante operação desencadeada pela Delegacia de Estelionato (DE) de Curitiba (PR), uma quadrilha envolvida na clonagem de cheques que agiu em Mato Grosso do Sul, Paraná e mais sete estados. Um homem, de 47 anos, é apontado como líder do bando e foi detido em casa, na cidade de Guarapuava (PR). Estima-se que em pelo menos seis meses a associação criminosa, por meio da fraude, obteve a quantia superior a R$ 1 milhão. Além do líder, outras quatro pessoas suspeitas de integrar o bando também foram detidas ao longo da operação. As investigações iniciaram há cerca de seis meses, depois que a especializada realizou a prisão de uma mulher suspeita de aplicar um golpe bancário, descontando cheques clonados. A partir desta prisão, com base nas informações, foi possível identificar o envolvimento de outras pessoas. Segundo as investigações, o bando conseguia os cheques originais de diversas formas, uma delas era a compra com pessoas (normalmente idosas) que estavam em filas nos caixas eletrônicos.  Os cheques originais eram enviados para o líder da quadrilha, preso em Guarapuava, que por ser publicitário e desenhista, refazia os cheques com perfeição, adulterando os valores, código de barras e número de série. “Em seguida, os cheques eram enviados para outros membros do bando que tem a função de apresentá-los nos caixas para o desconto”, explicou a delegada-adjunta da DE. Os crimes iniciaram em Curitiba, mas o bando também atuou nos Estados de Minas Gerais, Goiás, São Paulo, Mato Grosso,  Rondônia, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, além de Mato Grosso do Sul e em várias cidades do Paraná. “Somente nesses seis meses de investigações, estima-se que a quadrilha obteve a quantia de R$ 1 milhão”, lembra a delegada.  Ao todo foram cumpridos nove mandados de prisão temporária e 12 de busca e apreensão domiciliar. Foram apreendidos diversos documentos falsos, cheques clonados (em processo de confecção), apetrechos para a falsificação, bem como computadores, impressoras de alta resolução, um automóvel BMW e uma caminhonete Hilux. Os suspeitos responderão pelos crimes de estelionato, falsificação de documento público, associação criminosa e falsidade ideológica. Todos permanecem presos à disposição do Poder Judiciário.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Correio do Estado

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia prende suspeitos de aplicar golpe do falso emprego em pelo menos 2 mil pessoas no RJ

Sem Comentários

18/04/2018

Nesta terça-feira (18), a polícia do Rio prendeu suspeitos de pertencerem a uma quadrilha que aplicava o golpe do falso emprego. Conforme as investigações, os criminosos anunciavam as vagas pela internet, contratavam as pessoas, mas não pagavam os salários. A polícia estima que, pelo menos, 2 mil pessoas tenham sido vítimas do golpe. Para uma mulher, o sonho do emprego com carteira assinada foi sendo desfeito a cada dia em que ela encontrava outras pessoas na mesma situação. E a frustração foi a mesma de muitas outras pessoas que precisavam do empregado, mas acabaram caindo em um golpe. A tática da quadrilha era sempre a mesma, que é a “pirâmide do emprego”, onde criminosos anunciavam, através de redes sociais, vagas de trabalho nos ramos de importação e exportação que não existiam e os inscritos pagam uma taxa por isso. A polícia chegou até os suspeitos após denúncia de que eles realizavam outra palestra em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. No local foram presos dois homens e uma mulher. Um dos homens já possui 10 passagens pela polícia: estelionato, ameaça e agressão. Ele ainda debochava das vítimas por mensagens de celular. Todos irão responder também por associação criminosa. Os suspeitos negaram as acusações. A polícia encontrou na sala onde eles diversos certificados, uma pilha de falsos contratos de prestação de serviço e carteiras de trabalho, que segundo os investigadores jamais seriam devolvidas. Os agentes calculam que milhares de pessoas foram vítimas do golpe. Mais de 100 pessoas registraram queixa em uma delegacia.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Suspeito de aplicar golpe milionário na venda de apartamentos nos Ingleses é preso

Sem Comentários

15/04/2018

Nesta semana, em Florianópolis (SC), um homem foi preso preventivamente acusado de participar de um golpe de venda de apartamentos. A mesma unidade, segundo apurou a polícia, era vendida para diferentes compradores. Outros envolvidos no caso já tiveram mandado de prisão preventiva expedido. O golpe, ocorrido entre 2015 e 2016, no Norte da Ilha, teria prejudicado quase 100 compradores e garantido aos acusados cerca de R$ 12 milhões ilicitamente. A polícia acredita que o homem preso esta semana é um dos possíveis proprietários de uma construtora, responsável pela incorporação de três edifícios residenciais na praia dos Ingleses. A investigação apurou que os imóveis sequer foram concluídos e hoje estão abandonados. Os envolvidos aguardaram presos pela sentença. O homem detido nesta semana foi acusado de estelionato e formação de quadrilha. De acordo com o juiz titular da 3ª Vara Criminal da Capital, há elementos concretos que evidenciam que a culpabilidade dos réus.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Notícias do Dia

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Quadrilha do Ceará é presa ao tentar sacar R$ 13 mil de banco

Sem Comentários

04/04/2018

Nesta terça-feira (03), na zona Norte de Teresina, no bairro Marquês  uma quadrilha do Ceará foi presa pelos policiais do 9º Batalhão ao tentarem sacar R$ 13 mil em uma agência bancária. Com os estelionatários, a polícia encontrou mil reais, um carro com placa do Ceará e uma bolsa com vários documentos falsos. Segundo informações da polícia, um homem identificado como J.A.A.do Nascimento, de 48 anos, natural de Fortaleza, estava no banco tentando realizar o saque. O gerente, ao desconfiar da documentação apresentada por ele resolveu acionar a polícia. Ao ser questionado pela guarnição, o estelionatário confessou o crime e entregou o restante da quadrilha. “Recebemos a informação do gerente do banco, chegamos lá fizemos a prisão do elemento e pedimos auxílio quando constatamos que haveria mais pessoas envolvidas. Fomos até o hotel onde mais cinco pessoas estavam, inclusive uma mulher e realizamos a prisão”, afirmou a polícia. A quadrilha estava hospedada em um hotel próximo a Rodoviária de Teresina. Ao todo cinco pessoas foram presas, todas do Ceará. Com elas, a polícia encontrou mil reais em dinheiro, várias bolsas com documentos falsos e um carro com placa de Fortaleza. O acusado não soube dizer o nome do verdadeiro do dono da conta que ele iria retirar o saque.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Meio Norte

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Quadrilha de estelionatários tem novo golpe descoberto

Sem Comentários

03/04/2018

Nas últimas semanas Ribeirão Pires (SP) tem crescido os casos de estelionato aplicado por quadrilhas nas principais agências bancárias localizadas no centro da cidade. No último final de semana, uma quadrilha foi desmascarada após uma nova tentativa de golpe em um homem que, por acabar ficando desconfiado, não caiu na armadilha do grupo e acionou a GCM (Guarda Civil Municipal). A quadrilha acabou fugindo, mas deixou os utensílios usados para os golpes na agência, assim, a polícia acionou a perícia e explicou o novo golpe através de um vídeo feito por um dos guardas municipais. Nele, os policiais estão dentro da agência que havia sido o local da tentativa de golpe. O guarda que está em 1º plano no vídeo, inicialmente, começa a explicar que tudo começa no caixa eletrônico, com um dispositivo que é colocado na área onde também é inserido o cartão. O nome deste dispositivo ainda não havia sido descoberto e o funcionamento também não, devido a ausência da perícia no local naquele momento, mas sabe-se que o dispositivo – que é colado de maneira externa na máquina – prende o cartão intencionalmente, para que a pessoa que estiver realizando o serviço peça ajuda para um dos membros da quadrilha. Geralmente, a quadrilha atua em três ou mais pessoas, segundo os guardas municipais, o que torna mais fácil o ambiente do golpe, já que, enquanto a vítima faz a operação, outros membros atuam como “figurantes” em outros caixas, simulando, também, operações bancárias. Assim, quando o cartão prende e a ação, de fato, se inicia, a vítima não acha estranho por conterem outras pessoas no local. Após o cartão prender na máquina, o mais comum e que ocorre com mais frequência são as vítimas solicitarem ajuda para o guarda que fica dentro da agência, mas que só está disponível, pelo menos em Ribeirão Pires, durante os dias de semana. Após o membro da quadrilha se passar por um guarda, ele mandaria você utilizar um telefone localizado na lateral da agência, para informar sobre o acontecimento com o cartão. A pessoa que atender, bem instruída, pedirá seus dados para “confirmar” se o cartão é realmente seu e aproveitar para pegar novas informações. No entanto, o tipo do telefone não é usado por agências bancárias. Logo, o cidadão precisa estar informado sobre os tipos de telefones utilizados.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Diário de Ribeirão Pires

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior Próximo