Homem que fingia ser servidor público para aplicar golpes em lojas de Manaus é preso, diz polícia do AM

Sem Comentários

06/08/2019

Em Manaus, um homem de 30 anos foi preso suspeito de se passar por servidor público para aplicar golpes em lojas na capital. Segundo informações repassadas pela Polícia Civil nesta terça-feira (6), ele foi preso em cumprimento de mandado de prisão preventiva por estelionato, falsificação de documento público e uso de documento falso. Conforme o titular do 19º Distrito Integrado de Polícia (DIP), as investigações em torno do caso tiveram início no dia 17 de julho deste ano, quando a vítima do crime, de 32 anos, compareceu à unidade e comunicou que uma pessoa estaria usando o nome dela para fazer compras em shoppings de Manaus. Durante as diligências, foi constatado que o suspeito utilizou documentos falsos em nome do servidor público para fazer compras e obter crédito em bancos. “Chegamos até o infrator por meio das redes sociais, onde ele postava fotos, com frequência, exibindo os objetos que comprava de forma ilícita. Ressalto que ele já estava planejando aplicar novos golpes usando o nome de uma outra pessoa. No entanto, conseguimos detê-lo antes. As investigações irão continuar, até identificarmos, também, quem emitiu a documentação irregular para ele”, explicou o titular. A equipe da unidade policial efetuou a prisão no início da tarde de segunda-feira (5). Com o homem, os policiais civis apreenderam uma Carteia Nacional de Habilitação (CNH), além de contracheques e comprovantes de residência – todos em nome da vítima. Ele foi indiciado por estelionato, falsificação de documento público e uso de documento falso.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Homem falsificava documentos para fazer compras e ostentava nas redes sociais

Sem Comentários

06/08/2019

O suspeito foi preso nesta segunda-feira (5) por policiais do 19º Distrito Integrado de Polícia (DIP), em cumprimento a mandado de prisão preventiva por estelionato, falsificação de documento público e uso de documento falso. Uma das vítimas é um servidor do Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM). De acordo com a polícia, o suspeito utilizou documentos falsos em nome do servidor público para fazer compras em diferentes centros comerciais da capital. O é valor estimado em R$ 30 mil.

As investigações inciaram após a vítima comparecer na delegacia no dia 17 de julho deste ano e comunicar que havia uma pessoa usando o nome dele para fazer compras. Ainda segundo a polícia, o indivíduo realizou abertura de crédito em bancos da capital amazonense utilizando o nome da vítima. Em depoimento à polícia, o homem informou que pagava uma quantia de R$ 1 mil para obter documentos falsos de terceiros, e relatou ainda que comprava os produtos para dar de presente, o que caracteriza crime de receptação. Com ele foram apreendidos uma Carteira Nacional de Habilitação (CNH), contra cheques e comprovantes de residência falsos. R.B.M. foi indiciado por estelionato, falsificação de documento público e uso de documento falso. Ele será encaminhado ao Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM).

Ler a notícia na íntegra

Fonte: D24AM

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia faz operação no RS contra grupo suspeito de vender carteiras de habilitação falsas pela internet

Sem Comentários

31/07/2019

Nesta quarta-feira (31), a Polícia Civil realizou uma operação contra um grupo suspeito de vender de carteiras de habilitação falsas pela internet. Foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão em Porto Alegre, Canoas, Gravataí e Passo Fundo, todas cidades no estado do Rio Grande do Sul. A investigação apontou que a emissão de CNH (Carteira Nacional de Habilitação) é impossível sem que o motorista tenha realizado os testes teóricos e práticos necessários para a obtenção do documento, o que prova que os documentos são falsos.

A polícia conseguiu rastrear essas pessoas que estavam vendendo essas CNHs falsificadas pela internet e foi capaz de identificar algumas das residências através do número do IP, realizando assim, sete mandados de busca com objetivo de angariar esses documentos fraudulentos, assim como as máquinas.

Além dos responsáveis pela venda, eventuais compradores também podem responder por falsificação de documento público, estelionato e uso de documento falso. Porém, a polícia desconfia que muitos sequer recebiam o documento pelo qual pagaram.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Operação da PF prende 3 pessoas e cumpre quatro mandados de busca e apreensão no nordeste do Pará

Sem Comentários

06/06/2019

Nesta quinta-feira (06), na região nordeste do Pará, a Polícia Federal realizou a operação Fogo. Foram cumpridos três mandados de prisão preventiva e quatro de busca e apreensão expedidos pela Justiça Federal de Castanhal. Uma pessoa está foragida. Os mandados são cumpridas nos municípios de Colares, Vigia e Castanhal. O objetivo foi prender quatro pessoas suspeitas fazerem parte de grupo criminoso que atua na falsificação de documentos. A investigação começou com a prisão em flagrante de um falsário realizada pela Polícia Civil de Castanhal. Na ocasião, foi encontrado vasto material utilizado para falsificação de documentos e alguns dispositivos de informática. “A (Polícia) Civil continuou a investigação e chegou à conclusão da possível participação de uma servidora da receita federal, que ajudava esse grupo criminoso na fabricação de CPFs”, disse o delegado da Polícia Federal. Segundo a PF, os principais crimes investigados são de falsificação de documento público, inserção de dados falsos, corrupção ativa e passiva e organização criminosa. Em muitos casos, houve a criação de números de RGs e CPFs e desvio de cédulas de identidades. Um dos investigados estaria exercendo a função de papiloscopista da Polícia Civil. A Polícia Federal entrou no caso porque foi identificada, entre os investigados, a participação de uma servidora da Receita Federal. Os presos serão ouvidos na Superintendência da Polícia Federal em Belém e depois encaminhados ao sistema prisional.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Homens são presos por falsificação de documentos e uso de dinheiro falso em Tietê e Sorocaba

Sem Comentários

25/05/2019

Entre a tarde de sexta-feira (24) e a manhã deste sábado (25), três homens foram presos por falsificação de documentos públicos e uso de dinheiro falso em Tietê e Sorocaba (SP). Segundo a Polícia Militar, a equipe foi atender a uma ocorrência de um homem que havia entrado em um comércio muito nervoso dizendo que estava sendo seguido. No local, segundo a PM, o homem apresentou um xerox do RG. Ao fazerem a verificação, os policiais encontraram divergências nas informações apresentadas. Com isso, o sujeito confessou que o documento era falso, bem como uma nota de R$ 100 que estava com ele. A polícia informou ainda que o homem disse que já havia sido preso pelo crime de estelionato. Ele contou à polícia que estava em Tietê com mais dois homens para tentar sacar dinheiro de duas contas, uma jurídica e uma física, abertas com nomes falsos. O suspeito afirmou que estava movimentando a conta há dias e que já havia feito um saque de aproximadamente R$ 20 mil. Na sexta-feira, ele contou à polícia que tentou sacar mais dinheiro, mas, quando saiu da agência, encontrou com dois homens para quem ele devia dinheiro. Com medo, ele saiu correndo e foi até o comércio.

Quando questionado sobre os suspeitos que estavam com ele, informou que eles estavam em um carro com placas de Sorocaba. A equipe realizou um bloqueio e encontrou o carro onde os outros dois suspeitos estavam. Na busca pessoal foi encontrada uma nota falsa de R$ 100 com cada um. O primeiro homem informou que um deles produzia documentos falsos em sua casa e que aplicava golpes pelo Estado. Com as informações, a polícia foi até a casa do suspeito. No local foram encontradas diversas notas falsas de R$ 100, totalizando R$ 6.200. Além disso, foram encontrados centenas de documentos e carimbos falsos, um computador, impressora e plastificadora, equipamentos usados na prática do crime. Os três suspeitos foram presos e encaminhados para a Polícia Federal de Sorocaba. Os homens que teriam perseguido na saída do banco ainda não foram localizados.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Operação da PF combate crimes de estelionato e uso de documento público falso no Pará

Sem Comentários

17/05/2019

Na manhã desta sexta-feira (17), a Polícia Federal realizou a operação “Papers Fake”, que significa papéis falsificados em inglês, para combater crimes de estelionato e uso de documento público falso. Foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão na região metropolitana de Belém. Uma pessoa foi presa em flagrante durante a operação por porte de arma de fogo. Os mandados foram expedidos pela Justiça Federal em Marabá, no sudeste do Pará. Os alvos foram residências e escritórios de supostos intermediários junto ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), que, de acordo com as investigações, ofereciam serviços de regularização fundiária com o uso de documentos como títulos agrários falsos. Todo material apreendido será analisado e periciado com o objetivo de aprofundar as investigações. Os crimes de estelionato e uso de documento público falso estão previstos nos artigos 171 e 304 do Código Penal, com penas máximas superando cinco anos de reclusão.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Detento do regime aberto é preso suspeito de falsificar e vender diplomas pela internet, em Goiânia

Sem Comentários

02/05/2019

Um detento do regime aberto foi preso suspeito de falsificar e vender diplomas em redes sociais, em Goiânia. De acordo com a polícia, os compradores sabiam da irregularidade e usavam os documentos para conseguir empregos. R.A. estava respondendo pelo crime de tráfico de drogas. A investigação durou cerca de oito meses e começou após denuncias anônimas. O detento já foi encaminhado ao Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia e não foi apresentado pela polícia à imprensa. “Ele mantinha perfis em redes sociais e anunciava abertamente a venda de diplomas de ensino médio, superior e técnico. Ele cobrava de R$ 800 a R$ 1,2 mil por cada um, dependendo do nível”, disse a delegada do caso. Em um dos anúncios, ele fala que parcela o valor em duas vezes no cartão de crédito e oferece descontos para quem pagar à vista. O sujeito usava nomes de escolas estaduais, faculdades privadas e centro de ensino técnico nos diplomas e divulgava que eles eram reconhecidos pelo Ministério da Educação (MEC).

Durante as investigações, a polícia conseguiu flagrar o momento em que ele entrega documentos para um suposto comprador. O suspeito foi preso na terça-feira em casa. Na residência foram encontradas máquinas de cartões e panfletos impressos divulgando a venda dos certificados. Ele vai responder pelos crimes de falsificação de documento público e privado e falsidade ideológica. A polícia também vai investigar os clientes que compraram os diplomas. Eles podem responder por uso de documento falso.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior