Homem é preso em flagrante por estelionato em Ponte Serrada

Sem Comentários

21/09/2018

Na tarde desta quinta-feira (20), um homem foi preso pela Polícia Civil em Ponte Serrada. Ele é suspeito de estelionato e já teria cumprido pena pelo crime. Segundo informações da Polícia Civil, o suspeito foi abordado em um táxi e teria contado aos policiais que estava usando documentos falsos. As guarnições levaram o homem até a casa dele, para cumprir a um mandando de busca e apreensão. No local, foram localizados diversos documentos públicos com suspeita de falsificação, apetrechos para falsificação, cheques com nomes falsos e uma TV que teria sido comprada com os cheques falsos. O suspeito, conforme o delegado que coordenou as investigações, teria diversas passagens pela Polícia e já teria cumprido pena pelo crime de estelionato. O homem falsificava certidões de casamento, óbito e certidões de nascimento de parentes e emitia documentos falsos de hospitais. Ele foi preso e levado ao Presídio Regional de Xanxerê.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Michel Teixeira

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Empresária é denunciada por falsificação de documentos e crimes ambientais em MT

Sem Comentários

18/09/2018

Nesta terça-feira (18), uma empresária foi denunciada pelo Ministério Público Estadual (MPE), por crimes ambientais e falsificação de documentos. Segundo a denúncia, L.R.G. usava a empresa para conseguir licenças irregulares na Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema). Essa é a segunda denúncia registrada contra a empresária. O MPE também fez novo pedido de prisão preventiva contra a acusada. As denúncias são resultado das operações Polygunum e Siriema, deflagradas pelo MPE em parceria com a Delegacia Especializada do Meio Ambiente (Dema) e pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais e Renováveis (Ibama), que investigam fraudes nos sistemas ambientais. Conforme as investigações, em 2011 L.R.G., por meio da empresa dela, foi contratada para promover a regularização de uma fazenda localizada em Gaúcha do Norte, a 595 km de Cuiabá. Ao constatar que a propriedade rural estava em situação irregular, a empresária teria usado o nome da empresa dela para falsificar documento público emitido pela Sema. “Falsificando a Autorização Provisória Funcionamento de Atividade Rural (APF) a denunciada obteve vantagem ilícita de R$ 4 mil, prejudicando a vítima e o meio ambiente. Induziu o proprietário da área em erro, mediante a apresentação do documento falso, obtido por meio fraudulentos. Além disto, dificultou a ação fiscalizadora da Sema no trato de questões ambientais”, diz trecho da denúncia. Caso a denúncia seja aceita, a empresária deve responder pelos crimes de falsificação de documento, por dificultar a ação fiscalizatória do poder público e também por impedir a regeneração natural de florestas e demais formas de vegetação.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia Civil realiza operação para combater fraudes em Minas Gerais

Sem Comentários

13/09/2018

Nesta quinta-feira (13), a Polícia Civil de Minas Gerais realiza uma operação para prender uma quadrilha suspeita de movimentar mais de R$ 160 milhões em lavagem de dinheiro e em fraude processual. Estão sendo cumpridos mandados de prisão e busca e apreensão em Belo Horizonte, Contagem e Pará de Minas. Segundo informações do delegado responsável pelo caso, os crimes eram cometidos através da criação de cerca de 25 empresas, que aumentavam o capital social delas. Com o valor adquirido nos crimes, a quadrilha comprou imóveis de luxo. As investigações começaram há um ano atrás, em julho de 2017. A quadrilha está envolvida em crimes de fraude processual (R$ 16.500.000,00), lavagem de dinheiro (Aproximadamente R$ 150.000.000,00), falsidade ideológica, falsidade de documento público, falsidade de documento particular, estelionato, uso de documento falso, dentre outras condutas criminosas. A operação denominada “Apate” remete à mitologia grega. Apate era um espírito que personificava o engano, o dolo e a fraude.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: R7

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Idoso usava identidade falsa para tentar aplicar golpe em banco

Sem Comentários

17/08/2018

Nesta quinta-feira (16), um idoso foi preso e encaminhado à Central Geral de Flagrantes de Goiânia depois de tentar aplicar um golpe em uma agência bancária, onde tentou descontar um cheque no valor de R$ 28 mil apresentando uma identidade falsa. Funcionários do banco ligaram para o titular da conta que negou ter realizado a emissão do cheque. A Polícia Militar foi acionada e conduziu o home à Central, onde foi submetido a exame papiloscópico que comprovou a falsificação do documento.

Em entrevista ao papiloscopista policial, o idoso se identificou como sendo J.O.Silva, confirmando a hipótese de serem falsos os dados contidos no documento de identidade apresentado, em nome de P.P. Na sequência, foram coletadas suas impressões digitais. Realizada a pesquisa no sistema Goiás Biométrico das impressões digitais coletadas, quatro registros civis foram localizados, com outros nomes. Nessa pesquisa, foi localizado também o cadastro criminal do indivíduo, onde constam os delitos de estelionato e falsificação de documentos públicos.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Diário do Estado

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Fábrica de exames falsos de gravidez é fechada pela polícia em Rondonópolis

Sem Comentários

14/08/2018

Um homem foi preso em flagrante em uma residência que funcionava como uma espécie de “fábrica” de documentos falsificados em Rondonópolis (212 km de Cuiabá-MT). A ação foi realizada pela Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (DERF) e ocorreu na tarde de segunda-feira (13). O suspeito W.S.A., de 26 anos, foi alvo de investigação após ser envolvido em ocorrências de estelionato com o golpe popularmente conhecido como “carro da OLX”.

Dentro da residência do suspeito foram encontrados diversos rascunhos de documentos falsificados na sala, incluindo documentos pessoais e veiculares. No quarto, dentro da fronha do travesseiro, foram localizados mais documentos finalizados e fotos 3×4 de terceiros. No balcão da cozinha foram recolhidos extratos bancários, exames de gravidez de um laboratório, entre originais e outros falsificados, e uma almofada de tinta de carimbo, utilizado para falsificação com uso de amostra de digital. O material apreendido é fabricado na casa do suspeito com um computador e uma impressora colorida. Os documentos veiculares (CRV e CRLV) possuem informações impressas em papel timbrado, proveniente de dois roubos em agências do Ciretran, um em Rondonópolis e outro no município de Jangada.

De acordo com informações preliminares, em cada documento veicular o suspeito ganhava cerca de R$ 200, cada RG ele cobrava R$ 250 e nos exames de gravidez o suspeito pedia R$ 50. Em entrevista aos policiais, o suspeito confessou os atos, relatou que integra uma organização criminosa e que em conjunto com comparsas teria adquirido lucro anterior por meio do golpe do carro no “OLX”. Ele informou que maior parte do dinheiro (R$ 19 mil) foi apreendida com um comparsa durante deflagração da operação Red Money, da Polícia Civil, em 08 de agosto. Conduzido à delegacia, ele foi autuado em flagrante pelos crimes de receptação e falsificação de documento público, falsificação de documento particular. O suspeito será apresentado em audiência de custódia junto ao Judiciário.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Circuito Mato Grosso

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Golpista é presa por tentar renovar RG com documento falso em Santos

Sem Comentários

02/08/2018

Sob o argumento de que o seu documento de identidade (RG) está antigo e em mau estado de conservação, uma mulher compareceu à unidade santista do Poupatempo, e foi presa em flagrante. I.R.S., de 54 anos, exibiu terça-feira (31), no Poupatempo, um RG com a sua fotografia, mas em nome de outra mulher (Helena F. C. S.). Ela pretendia a emissão de um novo documento de identidade falso. Um funcionário do Instituto de Identificação Ricardo Gumbleton Daunt (IIRGD) que funciona no Poupatempo suspeitou da mulher ao perceber discrepâncias entre as duas impressões digitais e as que constam no arquivo digital do órgão. Investigadores foram acionados e levaram a acusada ao distrito para averiguar o caso. Inicialmente, a única certeza era a de que as impressões digitais da suspeita e aquelas do arquivo do IIRGD são de pessoas diferentes.

I.R.S. portava Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), Título de Eleitor, justificativas de ausência de voto, Cadastro de Pessoa física (CPF) e até carteira de vacinação em nome da mulher cujo nome consta no RG antigo. Depois de muito relutar, ela admitiu não ser Helena, alegando ter “ganho” de um desconhecido, em São Paulo, o RG desta mulher. A acusada, então, afirmou se chamar Débora, revelando posteriormente o verdadeiro nome. Os policiais conseguiram entrar em contato telefônico com a verdadeira Helena, que mora na Zona Oeste da Capital. “A titular do RG disse que perdeu o seu RG há cerca de cinco anos e, desde então, vem sofrendo uma série de aborrecimentos, como a compra de produtos a prazo em seu nome”, disse o investigador.

Eventuais golpes cometidos por I.R.S. mediante a utilização do RG adulterado ainda são investigados. Porém, a delegada a autuou em flagrante pelo crime de uso de documento público falso, que é inafiançável e punível com reclusão de dois a seis anos.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: A Tribuna

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia Civil prende suspeitos de vender histórico escolar falso por rede social, em Campinas

Sem Comentários

15/06/2018

Na manhã desta sexta-feira (15), dois homens suspeitos de integrar um esquema de fraude em históricos escolares foram presos em flagrante em Campinas (SP). Houve uma simulação de uma negociação com o suspeito por Whatsapp para constatar o esquema ilegal. Na troca de mensagens, eles mencionam diploma, mas o documento a que se referem é o histórico escolar. Eles vendiam o documento a pessoas que buscam emprego, dizendo ser suficiente para se conseguir uma colocação no mercado de trabalho. A oferta é feita para quem não concluiu o ensino médio. Para concluir o pedido, os envolvidos na fraude pediram a cópia da parte de trás do documento de identidade e R$ 250,00.

“As diligências continuam, a investigação continua, para verificar, eventualmente, como ele conseguiu falsificar, onde ele falsificou, se há mais pessoas envolvidas. Mas o fato está consumado”, afirma o delegado do Departamento de Polícia Judiciária São Paulo Interior 2 (Deinter-2).

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior