Advogado é preso por estelionato e falsidade ideológica em Parnaíba

Sem Comentários

21/02/2019

Nesta quinta-feira (21), a Polícia Civil do Piauí prendeu R.J.C.S., advogado e empresário, acusado de estelionato e falsidade ideológica. A prisão se deu em cumprimento a um mandado expedido pela juíza da 2ª Vara Criminal. De acordo com informações policiais, o suspeito adquiriu uma autoescola no ano de 2017, mas continuou a utilizá-la em nome da antiga proprietária. Consta ainda que a empresa chegou a ser descredenciada pelo Departamento Estadual de Trânsito do Piauí (Detran-PI). Durante esse período, o advogado continuou matriculando alunos e fornecendo certificados ainda com assinatura da antiga dona, deixando diversos alunos no prejuízo, uma vez que pagaram pela CNH e nunca a obtiveram. R.J.C.S. foi encaminhado para a Central de Flagrantes de Parnaíba onde aguarda audiência de custódia.

Polícia Federal realiza operação contra fraudes de empréstimo consignado

Sem Comentários

19/02/2019

A Polícia Federal (PF) deflagrou a Operação Multiface nas primeiras horas desta terça-feira (19). O objetivo é desarticular uma organização criminosa responsável pela prática de fraudes visando à obtenção de empréstimos consignados indevidos junto a instituições financeiras. A PF informou que as investigações vão ser aprofundadas com a análise dos materiais e documentos apreendidos nas buscas, mas a estimativa é que a fraude passe dos R$ 100 mil. Estão sendo cumpridos três mandados de busca e apreensão, expedidos pela 3ª Vara Federal da Subseção Judiciária de Sergipe. Os envolvidos podem responder pelos delitos de participação em organização criminosa, falsificação de documento público, falsidade ideológica e estelionato, além de lavagem de dinheiro.

Investigações

A PF disse que as investigações tiveram início com a prisão em flagrante de duas mulheres, em março do ano passado. Elas tinham sacado valores oriundos dos crimes em um banco de Aracaju. Com as prisões, a polícia descobriu que o grupo já havia praticado algumas fraudes e planejava executar diversas outras. A investigação apontou que o grupo utilizava documentos de identificação, como RG e CPF, comprovantes de residência e declarações de imposto de renda falsos, a maioria em nome de pessoas idosas. Também contratava empréstimos ilícitos, causando prejuízos às instituições financeiras e às vítimas indiretas. As vítimas só descobriam a fraude quando tinham os nomes negativados por instituições de proteção ao crédito.

Homem apresenta documento falso da PC e acaba preso em Rio Largo

Sem Comentários

16/02/2019

Na noite da sexta-feira (15), militares do Batalhão de Polícia de Radiopatrulha (BPRP) flagraram e autuaram um homem por porte ilegal de arma de fogo e falsidade ideológica. O condutor abordado se identificou como policial civil, apresentando um documento de identificação falso. Durante a abordagem, os policiais militares descobriram também que o condutor do veículo, de 50 anos, usava uma tornozeleira eletrônica e dentro do carro estava uma arma de fogo. O acusado foi conduzido à Central de Flagrantes I, no Farol, em Maceió, onde foi autuado pela equipe plantonista e confirmado que não era um policial civil. O caso ocorreu nas proximidades do Aeroporto Zumbi dos Palmares, em Rio Largo.

Polícia descobre que mulher usava nome falso ao prendê-la por estelionato

Sem Comentários

13/02/2019

Uma mulher foi presa em Araguatins, por suspeita de falsidade ideológica e estelionato. De acordo com a Polícia Civil, M.D.P.S. burlava regras para realizar festas com documentação irregular e sem o devido pagamento. O delegado responsável pelo caso, explicou que a suspeita também se apresentava com nome falso. A prisão aconteceu nesta terça-feira (12), mas as investigações começaram há algumas semanas, quando ela foi à delegacia para emitir documentos para a realização de um evento. Ela teria apresentado um comprovante de pagamento, mas os policiais perceberam que o código de barras era diferente do código do boleto que havia sido emitido. A mulher também teria apresentado um recibo de agendamento de pagamento que simulava um pagamento, que nunca era compensado. Segundo a polícia, o crime configura estelionato. Durante a prisão, M.D. apresentou um documento pessoal com outro nome, e por isso deve responder também pelo crime de falsidade ideológica. A suspeita foi interrogada e levada para um presídio feminino.

Mulher é presa com documentos falsos ao tentar realizar saque em agência bancária no Acre

Sem Comentários

07/02/2019

Na manhã desta quarta-feira (06) em Rio Branco, a Polícia prendeu F.F.C., de 60 anos, por crime de estelionato. Ela foi flagrada usando um documento de identidade falso em nome de outra pessoa e tentava efetuar saques em uma agência bancária do município. A suspeita agia em em dupla com outra mulher, que fugiu do local. As duas já haviam efetuado saques no valor de R$ 5 mil e R$ 7 mil, respectivamente, na terça (05), utilizando documentos e cartões de outras pessoas. F.F. apresentava documento de identidade com fotografia própria e o nome de outra pessoa. Da mesma forma foram apresentados os cartões de crédito correspondendo ao nome dos documentos de identidade. A mulher foi levada para a Delegacia de Flagrantes (Defla) para prestar esclarecimentos.

Suspeita de falsificar documentos em cartório é presa

Sem Comentários

17/01/2019

Uma mulher suspeita de envolvimento nos crimes de falsidade ideológica, corrupção, formação de quadrilha e falsificação de documentos públicos, foi presa, nesta quarta-feira (16), por policiais da Delegacia Territorial (DT), de Canavieiras (BA). A.C.V. era funcionária de um tabelionato do município. Durante as buscas em sua casa, os investigadores apreenderam dezenas de documentos de imóveis, além de pendrives com modelos de escrituras, um computador e um celular, que serão encaminhados para perícia. De acordo com o titular da unidade policial, a mulher falsificava escrituras e solicitava que as vítimas depositassem os valores das taxas em suas contas bancárias pessoais. “Ela emitia comprovantes sem o selo de autenticidade, facilitava processos, dentre outras ilegalidades”, explicou. As investigações indicam que somente uma das vítimas foi lesada em mais R$ 4 mil. “Além das pessoas que a procuraram, ela também causou prejuízos aos cofres públicos”, completou o delegado. A mulher já está à disposição da Justiça. A polícia ainda apura se outras pessoas estão envolvidas no esquema.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Bahia Notícias

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

PF deflagra operação para combater fraudes no comércio de veículos

Sem Comentários

17/01/2019

Nesta quinta-feira (17), a Polícia Federal começou a realizar uma operação para combater fraudes no comércio de veículos. A ação é desenvolvida em Goiás e no Distrito Federal. Conforme a PF, um grupo é investido suspeito de de ocultar patrimônio, registrando bens em nome de laranjas, lavando dinheiro por meio da venda de usados. A Operação intitulada Cosplay  foi deflagrada ainda na madrugada desta quinta-feira. Cerca de 120 policias cumprem 31 mandados de busca e apreensão em Águas Lindas de Goiás, Valparaíso de Goiás, Brasília, e em regiões administrativas da capital federal, como Brazlândia, Ceilândia, Guará, Paranoá, Recanto das Emas, Riacho Fundo I, Samambaia, Sobradinho e Taguatinga. Além dos mandados de busca e apreensão, foram cumpridas duas medidas cautelares de sequestros de veículos e bloqueio administrativo junto ao Departamento Estadual de Trânsito (Detran). Segundo a Polícia Federal, durante as investigações houve a quebra do sigilo bancário e fiscal dos investigados e, foi constatado que as movimentações bancárias eram realizadas em nome de laranjas que, ainda de acordo com a corporação cediam seus nomes mediante pagamento, para que fossem utilizados em atividades empresariais fraudulentas. O principal suspeito foi detido em 2017 suspeito de receptação de uma carga de 72 aparelhos de televisão roubados. De acordo com a PF, ficou evidente que ele estaria envolvido com o uso de nomes de laranjas para movimentar contas bancárias destes terceiros e, ao mesmo tempo, gerir empresas de fachada. A PF informou também que os envolvidos podem responder pelos crimes de falsidade ideológica e de lavagem dinheiro. Se condenados, podem chegar a até 10 anos presos.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: DM

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior