Borracheiro é detido quase 1 mês após enganar empresário para comprar celular com nota promissória

Sem Comentários

22/05/2019

Um borracheiro de 39 anos foi preso quase um mês após enganar um empresário, com a intenção de adquirir um celular em Costa Rica, a 338 km de Campo Grande. Ele apresentou documento falso e ainda pediu para pagar a dívida de R$ 500 usando duas notas promissórias. Conforme a investigação, ele usou de má-fé desde o início, apresentando nome falso e o documento de uma terceira pessoa. O crime ocorreu no dia 26 de abril e ele foi identificado nessa terça-feira (21), sendo detido e indiciado. Em um primeiro momento, o suspeito negou os crimes. No entanto, diante das provas, ele pagou R$ 200 e agora a investigação busca recuperar o restante do prejuízo, bem como quem teve acesso à identidade. O caso foi registrado como estelionato e falsidade ideológica. “Ele responde por falsidade ideológica por ter inserido dados falsos na nota promissória e ainda por estelionato pelo emprego da identidade alheia”, finalizou o delegado responsável pelo caso.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Homem é detido com caminhonete roubada na BR-232, em São Caetano

Sem Comentários

21/05/2019

Em São Caetano, no Agreste de Pernambuco, nesta terça-feira (21), a Polícia Rodoviária Federal deteu um homem, de 36 anos, que estava conduzindo uma caminhonete com registro de roubo. Segundo a PRF, o motorista informou que havia comprado o veículo há mais de um ano, mas a caminhonete havia sido roubada em outubro do ano passado, em Ibimirim. Durante a abordagem, “os policiais realizaram a identificação veicular e constataram diversos indícios de adulteração nos sinais identificadores da caminhonete. Ao verificar o Certificado de Registro de Licenciamento de Veículo (CRLV), foi constatado que o documento pertencia a um lote extraviado do Departamento Estadual de Trânsito de Pernambuco (Detran PE), além de conter informações falsas”, segundo a PRF. O homem foi detido e encaminhado à Delegacia de Polícia Civil de Caruaru, que irá investigar o caso. Ele deverá responder por receptação de veículo roubado, uso de documento falso e falsidade ideológica. A equipe da PRF entrou em contato com o proprietário original do veículo, que informou ter sido abordado por dois homens armados, que levaram o veículo e uma carga de biscoitos. Ele disse ainda que a caminhonete possuía seguro.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia Civil prende suspeito de estelionato após vítima fazer denúncia em Uberlândia

Sem Comentários

14/05/2019

Na segunda-feira (13), um homem de 43 anos foi preso, suspeito de aplicar golpes de estelionato em Uberlândia. Conforme informações da Polícia Civil, ele fez duas vítimas na cidade, um comprador e um empresário. As investigações continuam para identificar outros possíveis envolvidos no crime. Segundo o delegado responsável, uma das vítimas suspeitou da negociação e acionou a polícia. Os agentes acompanharam o denunciante em um encontro na noite de segunda em um posto de combustíveis que fica na Avenida Silvio Rugani, no Bairro Tubalina. Durante a abordagem, o homem apresentou documento de identidade falso. Após a identificação, foi constatado que ele é acusado de pertencer a uma organização criminosa que atua em Uberlândia e no estado de Goiás. O autor foi preso por estelionato e falsidade ideológica. 

 O crime 

O autor foi até uma locadora em Curitiba (PR) no dia 27 de janeiro e levou um carro mediante o pagamento, mas transferiu os documentos do veículo para Itumbiara (GO) como proprietário. Depois, ele anunciou o automóvel em um site de compra e vendas com preço de mercado. Após o ocorrido, a vítima de Uberlândia iniciou a negociação. Ele chegou a dar entrada de R$ 20 mil e o próprio carro. O autor repassou o veículo furtado em Curitiba para ele. Em seguida o estelionatário vendeu o carro da vítima para o dono de uma garagem na cidade. O veículo furtado em Curitiba, o carro da vítima apreendido e o automóvel usado pelo criminoso foram apreendidos.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia Civil indicia dois suspeitos de estelionato em Sapezal

Sem Comentários

12/05/2019

Na última sexta-feira (10), uma fraude praticada contra uma empresa de agronegócio em Sapezal levou a detenção de duas pessoas. O gerente da empresa e mais uma pessoa vão responder por crime de estelionato e falsidade ideológica. Os suspeitos R.F.F., de 52 anos, que seria o dono de uma empresa de fachada e o gerente da empresa vítima, M.R.M, de 49, foram autuados em flagrante. O gerente teria montado a empresa de fachada para prestar serviços à própria firma que trabalhava. O proprietário percebeu que vários cheques haviam sido emitidos para a tal empresa, que na realidade não prestava nenhum serviço, mas vinha recebendo valores vultosos, incompatíveis com o mercado. O comunicante, que é proprietário da empresa, relatou que no último dia 02 de maio foi informado pela instituição financeira que um cheque emitido para pagamento de uma prestação de serviço, estava sendo depositado pelo gerente geral da empresa, M.R.M., em sua conta pessoal. A partir de então foram solicitadas microfilmagens dos cheques emitidos em favor do prestador de serviço R.F.F., bem como solicitado ao setor administrativo da empresa que emitisse relatórios das transações e levantamentos dos contratos a fim de averiguar internamente os indícios de fraude na empresa.

Nos contratos foi verificado que havia apenas um contratado e que os valores eram substancialmente maiores que os vigentes no mercado para prestação de serviços de funilaria em algodoeira. A vítima observou ainda que os cheques relacionados com os contratos em questão foram depositados na conta do suspeito e que tal prática pode estar ocorrendo desde 2011. Nesta sexta-feira (10), o suspeito utilizou a senha da vítima para viabilizar a troca dos cheques no valor de R$ 50 mil, sem que o proprietário da empresa (comunicante) soubesse da transação bancária. A equipe de policiais civis conduziu os suspeitos até a Delegacia de Sapezal e na carteira de M.R.M. foi encontrada a folha de cheque da referida instituição bancária no valor de  R$ 38.350,00. Na carteira do suspeito R.F.F., a Polícia Civil encontrou outra folha de cheque no valor de R$ 50 mil. Ambos foram indiciados pela Autoridade Policial de Sapezal.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: O Bom da Notícia

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Três pessoas são presas suspeitas de clonar cartões de juízes e promotores

Sem Comentários

08/05/2019

Nesta quarta-feira (08), dois homens e uma mulher foram presos em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, suspeitos de clonar cartões de juízes e promotores. Eles devem responder pelos crimes de estelionato, receptação e associação criminosa. A fraude foi descoberta depois de uma denúncia feita por um juiz de Cornélio Procópio, no norte do estado. À polícia, o magistrado disse que recebeu uma ligação sobre uma compra feita em Londrina, também no norte, e cujo endereço de entrega era de Foz do Iguaçu. Nesta manhã, durante o cumprimento de um mandado de busca e apreensão em uma casa no Bairro Portes, próximo à fronteira com o Paraguai, os policias encontraram vários cartões e máquinas de crédito e débito e documentos com dados pessoais das vítimas. Segundo o delegado que coordena as investigações em conjunto com a polícia de Cornélio Procópio, a quadrilha conseguiu dados dos juízes e promotores de várias regiões do país por meio de um site da Justiça. O delegado disse que ainda não é possível avaliar a dimensão do golpe e quantas pessoas foram vítimas da quadrilha. Um dos suspeitos deve responder também por falsidade ideológica. O advogado que representa os três presos disse que está se informando sobre as acusações e que um deles confessou o crime e que os outros dois não estão envolvidos na situação.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Detento do regime aberto é preso suspeito de falsificar e vender diplomas pela internet, em Goiânia

Sem Comentários

02/05/2019

Um detento do regime aberto foi preso suspeito de falsificar e vender diplomas em redes sociais, em Goiânia. De acordo com a polícia, os compradores sabiam da irregularidade e usavam os documentos para conseguir empregos. R.A. estava respondendo pelo crime de tráfico de drogas. A investigação durou cerca de oito meses e começou após denuncias anônimas. O detento já foi encaminhado ao Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia e não foi apresentado pela polícia à imprensa. “Ele mantinha perfis em redes sociais e anunciava abertamente a venda de diplomas de ensino médio, superior e técnico. Ele cobrava de R$ 800 a R$ 1,2 mil por cada um, dependendo do nível”, disse a delegada do caso. Em um dos anúncios, ele fala que parcela o valor em duas vezes no cartão de crédito e oferece descontos para quem pagar à vista. O sujeito usava nomes de escolas estaduais, faculdades privadas e centro de ensino técnico nos diplomas e divulgava que eles eram reconhecidos pelo Ministério da Educação (MEC).

Durante as investigações, a polícia conseguiu flagrar o momento em que ele entrega documentos para um suposto comprador. O suspeito foi preso na terça-feira em casa. Na residência foram encontradas máquinas de cartões e panfletos impressos divulgando a venda dos certificados. Ele vai responder pelos crimes de falsificação de documento público e privado e falsidade ideológica. A polícia também vai investigar os clientes que compraram os diplomas. Eles podem responder por uso de documento falso.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Mulher é flagrada com documentos falsos ao tentar fechar contrato de R$10 mil com empresa em Belém

Sem Comentários

02/05/2019

Nesta quinta-feira (02), uma mulher foi autuada pela Polícia Civil por tentativa de estelionato, falsidade ideológica e uso de documento falso. V.C.L., de 30 anos, confessou o crime à Polícia. A suspeita foi flagrada em uma empresa financeira, no bairro da Pedreira, em Belém, tentando fechar um contrato de R$10 mil usando documentos de outra pessoa. A Polícia informou que a fraude foi comunicada à Divisão de Investigações e Operações Especiais (Dioe). O delegado responsável explicou que um funcionário que atendeu a mulher suspeitou das informações na carteira de identidade apresentada. De acordo com a denúncia, o documento apresentava dados de uma pessoa com 40 anos, sendo que a suspeita aparentava ser mais jovem. À Polícia, V.C.L. disse que conseguiu o documento de identidade e retirou a foto da mulher, colocando a própria foto no lugar. Ela deve permanecer presa até audiência de custódia na Justiça.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior