Polícia prende estelionatária de 19 anos com cheque falso de R$ 13 mil

Sem Comentários

20/12/2018

Uma jovem, de 18 anos, foi presa por Policiais Civis da Central de Polícia Judiciária, na tarde de terça-feira (18), com um cheque falso de R$ 13 mil. Tudo aconteceu quando os policiais foram solicitados a comparecer em uma agência bancária, no centro. Lá, a jovem se passava por uma cliente na tentava de aplicar um golpe. Para azar da falsária, a cliente verdadeira chegou na agência na mesma hora. A estelionatária, residente em Itaquera,  foi identificada e detida. Ela fez um depósito no valor de R$ 13 mil com cheque falso. Na sequência foi detida quando tentava realizar uma transferência no mesmo valor. A garota chegou apresentar uma carteira de habilitação em nome da cliente, mas com a sua foto. Os policiais que atenderam a ocorrência apuraram que ela estava acompanhada de outros dois indivíduos. Com a chegada dos policiais, no entanto, eles fugiram e não foram localizados. A jovem foi levada para a CPJ, autuada em flagrante por estelionato uso de documento falso, falsidade ideológica e associação criminosa. Posteriormente ela foi apresentada em audiência de custódia.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Bragança em Pauta

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Mulheres são presas por estelionato ao usar nomes falsos para abrir contas-correntes em MT

Sem Comentários

15/12/2018

Três mulheres foram presas em flagrante em Mirassol D’Oeste, a 329 km de Cuiabá, acusadas de estelionato. As mulheres foram surpreendidas no município de Curvelândia, quando tentavam movimentar uma conta-corrente aberta em um banco da cidade. Elas já eram investigadas por estarem usando documentação falsa para abertura de contas-correntes bancárias. Duas delas foram autuadas em flagrante delito pelos crimes de estelionato, falsidade ideológica e uso de documento falso. Uma das presas, de 65 anos, por meio de documento falso em nome de uma terceira pessoa, realizou o cadastro na agência bancária. Conforme apurado, as duas primeiras presas têm residência em Cuiabá e possuem passagem pela polícia por crimes da mesma espécie. A terceira prisão ocorreu na quinta-feira (13), quando uma mulher de 46 anos foi abordada quando vendia semijoias, que foram apropriadas mediante fraude junto a fornecedores em Cuiabá. A suspeita é acusada de realizar cadastro usando nome de terceiro e ainda assinar notas promissórias para adquirir a mercadoria. No estabelecimento comercial foram apreendidas 122 peças avaliadas em cerca de R$ 24 mil. A suspeita já possui passagem criminal por crimes de falsidade ideológica ao atuar utilizando inscrição como médica veterinária de outra profissional na cidade de Mirassol D’Oeste.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Desempregado, homem aceita aplicar golpe em cartório por R$ 500 e é preso em flagrante em MS, diz polícia

Sem Comentários

11/12/2018

Na terça-feira passada, um homem, de 54 anos, foi preso em flagrante em um cartório localizado na região central de Campo Grande. Desempregado, ele aceitou R$ 500 para ir até o local e apresentar documentação falsa, com a intenção de fazer uma procuração para venda de um terreno. O golpista, de 32 anos, que ofereceu o dinheiro a ele, tentou fugir, mas também foi preso e levado para delegacia. “Os dois estiveram no cartório e os funcionários de lá é quem suspeitaram que o documento era falso. Eles saíram e depois retornaram para retificar algo no documento, quando acionaram a PM [Polícia Militar]. Um deles, o cabeça, tentou fugir e foi capturado em seguida”, afirmou um delegado, plantonista da Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) Centro. Além dos envolvidos, os funcionários prestaram depoimento na delegacia. “A investigação apontou que um deles foi contratado para se passar por terceiro e fazer a procuração. Este homem estava desempregado, porém, tinha ciência de que era um golpe por estar com documento falso. Já o outro foi flagrado com outros três documentos falsos. Ele é quem organizou tudo e fez declarações falsas, ressaltando que o dono do terreno estava o devendo e por isso tentaria passar o terreno para ele”, ressaltou o delegado. O suspeito de 32 anos tinha antecedentes por tráfico de drogas. O outro homem, no entanto, não tinha passagens pela polícia. Ambos devem responder por uso de documento falso e falsidade ideológica. A pena para o primeiro crime varia de 2 a 6 anos de reclusão, além de multa. Já a falsidade possui pena que chega a 3 anos de prisão, além da multa.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Mulher é suspeita de aplicar golpes que somam R$12 mil de prejuízo em lojas da Serra, ES

Sem Comentários

12/12/2018

Na Serra, Grande Vitória, uma mulher foi presa por aplicar um golpe usando documento falso em um estabelecimento. A denúncia foi feita, na terça-feira (11), por uma loja de móveis, que foi vítima do crime pela terceira vez. A mulher, de 42 anos, estava comprando um sofá se passando por outra pessoa. Uma funcionária, ao desconfiar, denunciou para a polícia. Outras duas compras foram feitas por ela com nomes diferentes, no dia 03 de dezembro, e nesta segunda-feira (10). O prejuízo calculado pela loja foi de R$ 12 mil. Foram realizadas compras de móveis e eletrodomésticos. A PM informou que a mulher foi autuada por estelionato e encaminhada ao presídio, onde passará por audiência de custódia.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia Civil identificou 2,5 mil vítimas de supostos golpistas em Barretos, SP, diz delegado

Sem Comentários

10/12/2018

A Polícia Civil de Barretos (SP) já identificou cerca de 2,5 mil vítimas de um esquema de fraudes contra a Justiça. A maioria delas são idosos e pensionistas que assinavam contratos fraudulentos de empréstimos consignados. Um advogado e uma representante de instituição financeira foram presos nesta segunda-feira (10), suspeitos de serem os mentores do golpe, durante a primeira fase da Operação Margem Presa, que cumpriu nove mandados de busca e apreensão em Barretos e Olímpia (SP). A Justiça também determinou a suspensão do registro profissional de outros quatro advogados. A investigação começou há seis meses, depois que a justiça de Barretos constatou uma série de ações impetradas pelos mesmos advogados e solicitou que a Polícia Civil investigasse o caso. As investigações concluíram que o advogado de 33 anos, preso na operação, havia se associado à representante financeira que comprava listas contendo dados bancários sigilosos de clientes. As informações obtidas de forma ilícita eram usadas em contratos fraudados de empréstimo e de cartão consignados.

Segundo a polícia, uma parte desses contratos era efetuada sem o conhecimento das vítimas. Esses idosos eram, posteriormente, procurados pelos advogados e aceitavam ingressar com ações judiciais acreditando terem sido vítimas de outra fraude. “Foram identificadas três frentes: idosos que não sabiam de nada, nem que seu nome estava sendo utilizado para celebrar esses contratos. Idosos que efetivamente agiam de má fé e sabiam que celebrando aquele contrato poderiam ganhar indenizações dos bancos e também idosos que procuravam a financeira para assinar outro contrato e eram enganados, assinando esses contratos falsos”, conta o delegado responsável pelo caso. O advogado e a representante financeira responderão pelos crimes de estelionato, associação criminosa, quebra de sigilo bancário e falsidade ideológica.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Notícia relacionada: Advogado e representante de financeira são presos por suspeita de golpe em Barretos, SP

Falso médico é preso por trabalhar em hospital público de MT e usar documentos do primo que seria médico

Sem Comentários

06/12/2018

Um falso médico foi preso depois de fazer plantões e atender pacientes no Hospital Municipal de Juara, a 690 km de Cuiabá. Segundo a Polícia Civil, E.S.Farias entregou documentos adulterados no nome do primo dele, que supostamente seria médico. A prisão ocorreu na terça-feira (04). Conforme a Polícia Civil, o secretário de Saúde de Juara foi quem chamou a Polícia Militar e denunciou o crime. Ele disse que recebeu o nome do suspeito como candidato a trabalhar no hospital. A indicação ocorreu em um grupo de WhatsApp de secretários. Ainda conforme o secretário, foi feito o contato com o suposto médico, que se prontificou a trabalhar e entregou a documentação dele e o currículo no nome de outra pessoa. O falso médico começou a trabalhar na segunda-feira (3). Ele atuou no plantão das 17h às 7h do outro dia. Ele também prestou serviços no horário das 13h às 19h da terça-feira. Diversos pacientes foram atendidos, com prescrição de medicamentos e solicitação de exames. O suspeito afirmou usar o registro do Conselho Regional de Medicina (CRM) no nome do primo dele, que seria médico. Ele explicou que teve acesso ao documento depois que o furtou. Também declarou que o currículo foi feito com dados falsos. Ele foi autuado em flagrante e vai responder criminalmente pelos crimes de estelionato e falsidade ideológica, além de furto.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Quadrilha é condenada a 172 anos de prisão por fraudes fiscais

Sem Comentários

26/11/2018

Foi condenada a um total de 172 anos de prisão, pela 11ª Vara da Justiça Federal no Ceará, uma organização criminosa investigada na Operação Estorno, da Polícia Federal (PF), sob acusação de fraude fiscal a diversos órgãos públicos no Estado. Entre os oito réus sentenciados estão servidores públicos, empresários, contadores e um advogado. As penas individuais variaram de cinco anos e seis meses a 39 anos e cinco meses de reclusão. As condenações se deram pelos crimes de corrupção ativa e passiva, crime contra a ordem tributária, quadrilha, falsificação ou uso de selo ou sinal público, falsificação de documento particular, falsidade ideológica e tráfico de influência. A maior pena foi atribuída ao contador E.G.M., que, conforme a sentença, liderava o esquema criminoso. Segundo a investigação da PF e a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), ele era proprietário de uma empresa de contabilidade e mantinha contatos com servidores de órgãos públicos, com o objetivo de solucionar dívidas fiscais e multas e liberar cargas e mercadorias apreendidas dos seus clientes, de forma ilícita.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Diário do Nordeste

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior