MPF denuncia advogadas e autônoma por fraudes contra a Previdência

Sem Comentários

29/10/2018

O Ministério Público Federal (MPF) em Uberlândia, no Triângulo, denunciou duas advogadas e uma autônoma por tentativa de estelionato contra a Previdência Social do estado. Elas também foram indiciados por associação criminosa e falsa identidade. A acusada C.A.C. ainda vai responder por falsificação de documento público. As penas para os crimes, somadas, variam de 07 a 21 anos de prisão. Os fatos ocorreram nos anos de 2015 e 2016, nas cidades de Araguari e Uberlândia. Segundo a denúncia, as três acusadas ajuizaram ações previdenciárias para obtenção de aposentadorias por invalidez, auxílios-doença e aposentadorias de trabalhador rural – tudo por meio de documentação falsa. Os papéis eram falsificados por elas próprias. Nos casos, a Justiça Federal suspeitou da fraude e avisou ao INSS, que julgou os pedidos improcedentes ou extinguiu os processos falsificados sem resolução de mérito.

A denúncia esclarece que a falsificação dos documentos era feita mediante combinação prévia entre as acusadas. Esses documentos eram comuns: mudava-se os nomes dos beneficiários, mas o endereço residencial era o mesmo, assim como os recibos emitidos por um mesmo sindicato e as notas fiscais impressas em nome das mesmas três empresas. O MPF relata ainda que, em alguns casos, C.A.C. “atribuiu-se a condição de advogada perante terceiros para obter vantagem em proveito próprio e alheio”. Ela chegou a ser incluída no rol de advogados, com uso de falso número de inscrição na OAB/MG, em procurações outorgadas por pelo menos três beneficiários. As advogadas não somente sabiam que ela não era advogada, como a incentivavam na prática de atos privativos de advogado, conforme foi apurado por ocasião da quebra do sigilo telemático. Para o órgão, as “condutas praticadas pelas denunciadas não configuram apenas deslealdade processual e infração disciplinar, mas são tipicamente crime de estelionato, na modalidade tentada, vez que o crime não se consumou por circunstâncias alheias às vontades da rés”.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: EM

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Africano é detido no Aeroporto do Recife ao tentar embarcar para Europa com passaporte de outra pessoa

Sem Comentários

12/09/2018

No Aeroporto Internacional do Recife/Gilberto Freyre, na Zona Sul da capital, um africano foi detido pela Polícia Federal (PF) por fraude na utilização de um passaporte. Natural do Congo, o homem, de 38 anos, tentava embarcar para Lisboa, em Portugal, com um documento francês expedido em nome de outra pessoa. O estrangeiro se apresentou como eletricista e disse que morava no Brasil há um mês, sem residência fixa. A fraude foi descoberta quando os agentes federais que atuam no aeroporto detectaram que a foto do passaporte não tinha semelhança com a fisionomia do passageiro. Por isso, ele foi chamado para se submeter a uma comparação de assinaturas. Ao escrever o nome em um caderno, ficou constada a diferença com o registro feito no documento. A ação da PF ocorreu no domingo (90), mas foi divulgada na manhã desta quarta-feira (12). Levado para a sede da PF, na área central do Recife, o africano foi autuado pelo crime de falsa identidade.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Receita Federal alerta alagoanos sobre golpe do empréstimo

Sem Comentários

29/05/2018

Os cidadãos de Alagoas que estão contratando ou negociando qualquer tipo de empréstimo junto a uma instituição financeira precisam ficar atentos. Várias pessoas nessa situação estão recebendo, via correio, uma notificação de cobrança relativas a alguns impostos. A nova modalidade de golpe é aplicada em nome da Receita Federal. O documento falso alega que o crédito/financiamento só será desbloqueado mediante o pagamento do imposto. Na correspondência, atribuída a um auditor-fiscal da instituição, há dados bancários para depósito, além de assinatura falsa. A Receita Federal informa que não fornece dados bancários para o recolhimento de tributos federais via depósito ou transferência. O recolhimento do IOF é feito exclusivamente via Documento de Arrecadação de Receitas Federais (Darf). Além disso, a cobrança e o recolhimento do IOF são efetuados pela instituição que conceder o crédito. Em caso de dúvidas, os contribuintes podem comparecer a uma unidade de atendimento da Receita Federal no Alagoas, ou enviar denúncia à Ouvidoria-Geral do Ministério da Fazenda, pela internet, no site idg.receita.fazenda.gov.br/contato/ouvidoria. Os indivíduos que aplicam o golpe poderão responder pelos crimes de estelionato, falsidade ideológica e falsa identidade, e, ainda, pelos danos causados à imagem da Instituição e do próprio servidor indevidamente envolvido.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: TNH1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Dupla tenta buscar encomenda com RG falso e é detida pela polícia

Sem Comentários

21/03/2018

A Polícia Civil prendeu dois homens por estelionato, depois de serem flagrados tentando retirar uma encomenda nos Correios utilizando um RG falso. O caso aconteceu na tarde da última segunda-feira (19) no bairro José Bonifácio, zona leste de São Paulo. O rapaz mais novo, um estudante de 18 anos, foi visto deixando a agência com uma caixa. Ao ser abordado por agentes do 103º Distrito Policial (Cohab II / Itaquera), o outro jovem, de 20 anos, confessou que os dois haviam recebido uma quantia em dinheiro para retirar a mercadoria, que tinha sido enviada por um morador do Rio de Janeiro, cujo nome aparecia no documento falsificado. Na caixa de encomenda havia um notebook, que foi apreendido com os celulares dos detidos. Os documentos falsificados também foram recolhidos e serão analisados por perícia. O caso foi registrado como estelionato, uso de documento falso e falsa identidade.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Metro

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Funcionário dos Correios é indiciado por uso indevido de cartões de crédito, em Formosa

Sem Comentários

26/02/2018

Na manhã desta segunda-feira (26), em Formosa (GO), um funcionário dos Correios foi indiciado pelos crimes de corrupção passiva, falsa identidade e estelionato. A Polícia Civil do município concluiu o inquérito policial que investigava o uso indevido de cartões de créditos de diversas vítimas da região. As investigações concluíram que o responsável pela utilização dos cartões de crédito é W.F.F., de 36 anos, empregado público da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos. Segundo o delegado responsável pelo caso, o investigado, ao efetuar a entrega das encomendas, se apropriava indevidamente dos cartões e realizava a habilitação para posteriormente efetuar reiteradas compras. “Recebemos informações que usuários dos serviços do Correio não estariam recebendo seus cartões de crédito, mas que estes estariam sendo usados em compras. Durante as investigações conseguimos identificar o local em que as compras eram efetuadas e com isso conseguimos imagens das câmeras de segurança para identificar quem estava utilizando os cartões”, explicou o delegado. Na última sexta-feira (23), a equipe policial realizou busca e apreensão na residência do suspeito e encontrou diversas notas que comprovaram as compras ilícitas. O prejuízo total provocado pelo golpe gira em torno de R$ 30 mil. O delegado contou que em alguns casos ele usou e entregou o cartão, mas em outros ele nem chegou a entregar. “O funcionário realizava as compras uniformizado. Em algumas compras ele se passava pelo titular do cartão, em outras ele dizia que era algum amigo do titular do catão, pelo fato de ser uma cidade pequena”, explicou.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Mais Goiás

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia Civil desarticula grupo que usava nomes de mortos para aplicar golpe e recupera 30 toneladas de mercadorias

Sem Comentários

15/02/2018

Nesta quinta-feira (15), a Polícia Civil de Pirapozinho prendeu dois indivíduos pelo crime de estelionato. As investigações tiveram início após uma empresa da cidade ser vítima do golpe conhecido como “arara” e teve o desfecho com a operação policial realizada em Birigui (SP), onde haveria uma entrega de mercadorias. A ação ainda resultou na recuperação de 30 mil quilos de mercadorias. Conforme a corporação, os integrantes da associação criminosa utilizavam-se de falsa identidade, de empresas fictícias e nomes de pessoas falecidas para a prática do crime de estelionato conhecido como “arara”. A equipe composta por nove policiais civis, após monitoramento, prendeu em flagrante dois dos principais integrantes do grupo, que seriam receptadores, pela utilização de documentos falsos e associação criminosa. Um terceiro também foi detido. No decorrer das investigações, os policiais descobriram mais de dez empresas “laranjas” e apreenderam grande quantidade de documentação, além de dinheiro, celulares e carros. Durante a operação, a carga da empresa vítima de Pirapozinho, um total de 30 mil quilos, entre leite e ração bovina, foi totalmente recuperada e os policiais continuam em investigação na tentativa de localizar mercadorias de uma vítima do Estado de Minas Gerais.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Chip adulterado: cartão de SP com limite de R$ 500 mil é apreendido em Curitiba

Sem Comentários

21/11/2017

A Delegacia de Estelionatos prendeu uma mulher que tentava aplicar um golpe que poderia lhe render R$ 500 mil. Conforme informações da Polícia Civil, a suspeita foi autuada em flagrante com um cartão de um empresário paulista, com o limite de R$ 500 mil, quando tentava cadastrar uma senha para usá-lo em uma agência no Centro de Curitiba na última sexta-feira (17). A informação foi divulgada pela polícia nesta terça-feira (21). Segundo a delegada adjunta da especializada, a desconfiança sobre a suspeita começou quando ela buscou ajuda de uma funcionária do banco para cadastrar a senha. Quando consultou o sistema do banco com os dados da mulher, a funcionária verificou que existiam 72 alertas de irregularidade em seu nome. Ela então segurou a ‘cliente’ no atendimento e acionou a polícia. Quando a equipe da Estelionatos chegou ao local, atestou que a identidade da mulher era falsa, apesar de alguns dados do documento serem verdadeiros. O cartão também era adulterado, já que os dados impressos eram da suspeita, mas o chip, que contém os dados bancários, era de outro cliente. A conta cadastrada estava em nome de um empresário paulista. A mulher foi levada para a delegacia e só com o início das investigações da especializada é que se descobriu que o golpe poderia render R$ 500 mil à suspeita, além de apontar que ela já teria passagens pela polícia por estelionato, no estado de São Paulo. Segundo a delegada, a suspeita relatou que teria acabado de chegar ao Paraná, oriunda do estado paulista, e que foi deixada no local para cadastrar a senha por um cúmplice. A Delegacia de Estelionatos segue com as investigações sobre o caso para determinar a identidade do cúmplice da tentativa de golpe e se a dupla não age há mais tempo no Paraná, contrariando o que foi declarado pela suspeita. Ela está presa e responderá pelos crimes de estelionato e porte e uso de documento falso.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Gazeta do Povo

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior