Homem é detido ao se passar por funcionário do Procon e aplicar golpe

Sem Comentários

22/02/2018

Nesta quinta-feira (22), um homem foi detido por se passar por um funcionário do Procon e vender o Código de Defesa do Consumidor para comerciantes de São José do Rio Preto (SP). Conforme informações da polícia, uma das vítimas percebeu o golpe depois de comprar a versão “atualizada” do código, acionou a polícia e pediu para que o suspeito voltasse à loja. Ele foi surpreendido pela equipe da Polícia Militar e foram apreendidos um crachá falso, cartões de visita, o Código de Defesa do Consumidor e um recibo. O homem foi encaminhado à delegacia onde deve ser instaurado um inquérito.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Jovem cai em golpe e perde quase R$ 700 ao tentar fazer empréstimo

Sem Comentários

22/02/2018

Um jovem de 20 anos foi vítima de um golpe e perdeu R$ 682 exigidos em dois depósitos ao tentar contratar um empréstimo de R$ 10 mil em um site. Apesar da vítima ser de Ribeirão Preto, o empréstimo teria sido feito no bairro de São Mateus, em São Paulo. Pelo valor a ser emprestado, foi exigido que o jovem fizesse dois depósitos, sendo um de R$ 380 para taxa de fiador e outro de R$ 302 para o IOF (Imposto Sobre Operações Financeiras). O empréstimo de R$ 10 mil sairia por 48 parcelas de R$ 384,45 ou R$ 18.453,60. Ao efetuar os depósitos, a vítima relata que não mais conseguiu contato com a pessoa que o havia atendido. Quando foi verificar o site, descobriu que o nome da empresa utilizada pela golpista, na verdade, se tratava de uma consultoria que não realiza empréstimos. O Boletim de Ocorrência foi registrado como estelionato consumado.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: A Cidade ON

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Mulher é vítima de golpe e perde mais de R$ 3 mil em Votuporanga

Sem Comentários

23/02/2018

Desde o mês de outubro de 2017, uma mulher, de 46 anos, percebeu um problema em sua linha de celular, pois estava recebendo SMS de transações bancárias de sua conta. “Ao procurar a agência bancária, foi informada que foram feitas várias transferências de sua poupança para R.H.F. e, desde então, começaram a aparecer também compras realizadas em lojas de eletrônicos, os quais não são de sua responsabilidade”. consta no Boletim de Ocorrência. A moradora entrou em contato com o seu banco, que fez o procedimento de cancelamento de senhas e cartões. Mas, mesmo assim, a loja de eletrônicos não tem comprovantes de que existe compras em seu nome, apenas recebe mensagens em seu celular de que as compras estão sendo realizadas. Ela informou à Polícia Civil que não consegue contato eficaz com a loja para a solução do problema. O caso será investigado.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: A Cidade

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Casal é preso ao tentar vender carro roubado usando documento falso em MT

Sem Comentários

23/02/2018

Na tarde de quarta-feira (21), um casal foi preso pela Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf), de Várzea Grande, da Polícia Judiciária Civil, quando tentava finalizar a venda de um veículo roubado para uma loja de garagem. O casal, de 66 e 34 anos, ambos com passagem pela polícia, foram autuados em flagrante pelos crimes de uso de documento falso, receptação, adulteração de sinais identificadores de veículos, associação criminosa e estelionato. Os dois foram surpreendidos dentro do Cartório do 7º Ofício de Cuiabá. A dupla estava na posse do automóvel, Ford Fusion, branco, roubado de um lava jato, no bairro Jardim Imperial, no dia 1º de fevereiro. Na ocasião do assalto ao lava jato foram roubados dois veículos, sendo o Ford Fusion e uma caminhonete Amarok, que foi recuperada no mesmo dia da ação criminosa, 1 de fevereiro. Os dois suspeitos estavam tentando vender para um garagista o automóvel, que já estava com os sinais identificadores adulterados. No momento da abordagem, o suspeito se apresentou com outro nome e também entregou uma Carteira Nacional de Habilitação (CNH) contento sua fotografia, porém, falsificada. Questionado sobre os fatos, o suspeito alegou ser usuário de drogas e frequentador da praca do Pedra 90, local onde recebeu proposta de duas pessoas, para assinar documento de um veículo, em troca ganharia R$ 2 mil reais e mais entorpecente para consumo. Após aceitar a empreitada, os rapazes compraram roupas e sapatos novos para o suspeito que também foi levado até um salão de beleza para corte do cabelo e da barba, e, posteriormente, tirado fotografias. Na segunda-feira (19), o casal estiveram no estabelecimento comercial para efetuar a venda do veículo. No entanto, não tinham o documento CRV do carro, que foi exigido pelo proprietário da garagem. Quando retornaram para concretizar a venda acabaram presos em flagrante.A suspeita possui passagem por crimes patrimoniais e estelionato. Já o suspeito por tráfico de drogas. Os dois foram conduzidos à Delegacia, interrogados, autuados e apresentados para audiência de custódia.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Cenário MT

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Locadora de Fortaleza denuncia caso de golpistas que não devolvem carros alugados

Sem Comentários

22/02/2018

Em Fortaleza, uma locadora está sofrendo com golpe de documentos falsos. O estabelecimento alugou dois carros, que não foram devolvidos pelos locatários no prazo estipulado no contrato. Três pessoas, dois homens e uma mulher, estão sendo procurados. O gerente do local diz que ouviu relatos de outras vítimas do mesmo crime. Ele espera que a população possa ajudar com informações. Usando comprovantes de residência falsos e carteira de habilitação, F.D.B., M..P. e J.A.L. alugaram dois carros, um Chevrolet Cobalt e um Onix, em uma locadora ao lado do aeroporto. O aluguel é feito no próprio aeroporto e o contrato é assinado na locadora, onde também é feito um checklist nos documentos e provam a idoneidade e têm acesso aos veículos. “Eles fazem o contrato no aeroporto normalmente, com os documentos que são exigidos. Aí, vence o prazo da devolução, a gente começa a procurar, ligar, mas ficaram protelando, nós vamos entregar, vamos entregar, aí vão passando os dias, chega um ponto em que a gente já sabe que é golpe”, disse o gerente do local. Com o sumiço, os funcionários foram aos endereços indicados nos documentos, um na Barra do Ceará, em Fortaleza, e outro em Caucaia, no bairro Tabapuá, mas foram informados por vizinhos que aquelas pessoas não residiam no local há bastante tempo. O gerente do local acredita que os veículos possam estar por Aracoiaba e Sobral, região norte do estado, já que diversas multas vêm chegando daquela região. Ele espera que a população possa informar o paradeiro dos veículos e das três pessoas. “Dão golpe em endereço. Eles fazem tudo isso para ter endereço fixo e depois saem. E os carros ficam sendo usados para se locomoverem e aplicarem golpes. Nós temos quase certeza que um roda naquela área pela reincidência de multa. Tem a marca da locadora, telefone, tudo… A gente pede que ligue e dê alguma informação”, disse o gerente.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Tribuna do Ceará

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Rapaz é preso após sacar dinheiro de golpe em MT

Sem Comentários

20/02/2018

Na tarde desta terça-feira (20), no município de Barra do Garça, um jovem acusado de participação em crime de estelionato foi preso pela Polícia Judiciária Civil. L.D.P.S., de 22 anos, foi surpreendido pela equipe da Delegacia Especializada de Roubos e furtos (Derf-BG), dentro de uma agência bancária, após sacar dinheiro adquirido através do golpe popularmente conhecido como “Bença tia”, ou “Falso Sobrinho”. A vítima, de 59 anos, moradora da cidade de Sinop (500 km ao Norte), procurou a Delegacia para comunicar o recebimento da ligação telefônica, na qual uma pessoa se identificou como um parente de fora que iria visitá-la. Na conversa, o golpista disse que o automóvel quebrou na Rodovia, e precisava de dinheiro para pagar o mecânico. Induzida ao erro e acreditando ser realmente um parente no telefone, a vítima realizou o depósito em dinheiro, na conta bancária indicada. Somente depois de fazer o depósito, ela percebeu que havia caído no golpe. Diante dos fatos, os investigadores em diligências identificaram o titular da conta-corrente informada pelo estelionatário. O suspeito acabou abordado na agência bancária, logo após sacar R$ 2,2 mil depositados pela vítima. Conduzido à Derf de Barra do Garças, o jovem foi ouvido pelo delegado e revelou ser a segunda vez que emprestava sua conta bancária para um reeducando da Cadeia Pública do município de Aragarças, estado de Goiás. Ainda segundo o preso, a primeira situação ocorreu no dia 29 de janeiro, quando recebeu a quantia de R$ 1,5 mil. O jovem foi autuado por estelionato e posteriormente encaminhado para audiência de custódia, no Fórum da Comarca de Barra do Garças.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Folha Max

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia registra 20 golpes de estelionato virtual na Região Central de RO

Sem Comentários

20/02/2018

Negociação do veículo acontece por aplicativos de mensagens.

Desde o ano de 2017, mais de 20 pessoas procuraram a Polícia Civil para registrar ocorrência contra golpes de estelionato na Região Central de Rondônia. Na maioria dos casos, clientes veem produtos baratos na internet e acabam negociando a compra diretamente com o vendedor, fazendo depósitos bancários. O que era para ser um negócio vantajoso na compra de um carro se tornou um pesadelo para um casal. Depois de vender o carro antigo, o casal que mora em Teixeirópolis (RO) procurava um veículo melhor para comprar. Durante as pesquisas, o marido encontrou uma proposta vantajosa em um site de compras e decidiu conversar com o vendedor. A negociação aconteceu por um aplicativo de mensagens instantâneas. O número do suposto vendedor era com o DDD de Rondônia, porém a vítima não conseguia fazer ligações. O vendedor se mostrou disponível e disse que o carro permanecia à venda. O casal propôs passar parte do valor em dinheiro e o restante em uma motocicleta. O comprador topou. A esposa conta que o primeiro depósito aconteceu em poucas horas de negociação. “Ele pediu parte do dinheiro para começar a fazer o processo de transferência do documento. Meu marido foi e depositou”, conta. Tempo depois, um novo depósito no mesmo valor foi pedido pelo vendedor. “Ele disse que a dona do carro não teria aceitado o valor anterior como entrada, pois ela estava precisando do dinheiro porque o marido estava no hospital”, conta a vítima. O homem fez um novo depósito. O vendedor chegou a perguntar às vitimas se elas preferiam receber o veículo em casa ou buscá-lo em uma concessionária em Ji-Paraná. A vítima preferiu fazer a retirada em Ji-Paraná. Na manhã do outro dia, o casal conta que foi acordado pelo suposto vendedor, confirmando se iriam buscar o carro naquele dia, momento que um novo pedido de depósito foi feito. “Ele disse para não levar o restante do dinheiro em mãos e não dar problemas na concessionária. Porém, ele não sabia nos passar certinho o endereço da loja. Eu achei muito suspeito e disse ao meu marido que não íamos depositar antes de ver o veículo”, conta. O casal chegou em Ji-Paraná e foi direto à concessionária. Ao chegar no local, veio a surpresa: não havia nenhum funcionário com o nome do vendedor do veículo e nem mesmo um carro com as mesmas características. Os funcionários da concessionária informaram que, pelo que tudo indicava, era um golpe. “Naquele momento entrei em desespero. Falamos com ele e contamos o que estava acontecendo e, quando falamos que estávamos indo para delegacia, ele nos bloqueou e não conseguimos mais falar com ele”, relembra.

Concessionária

Conforme uma assessora de vendas de uma concessionária, desde maio de 2017 o número de ligações que recebeu e também de pessoas que foram até a loja procurar por algum carro ou algum vendedor é grande. “De 20 ligações que eu recebia pela manhã, 15 eram de pessoas perguntando pelo vendedor. Eu pesquisei em outras concessionárias para saber se tinha alguém com aquele nome, mas não encontrei”, explica. Depois de um tempo, começaram a aparecer pessoas na loja na esperança de buscar o veículo. A empresa não trabalha com nenhum tipo de divulgação por sites de compras e vendas e o contato com o cliente é sempre feito de forma oficial.

Investigações e cuidados

De acordo com dados da Polícia Civil, foram registrados, desde 2017, 20 casos de estelionato virtual em Ji-Paraná. Porém, o delegado acredita que o número é bem maior. “As pessoas não nos procuram para registrar. Às vezes, por vergonha e outras por que sabem que não vão conseguir obter o dinheiro perdido”, explica. Ele explica que esse tipo de crime é realizado por criminosos articulados. “Eles utilizam contas que foram criadas de forma fraudulenta. Às vezes com documentos de pessoas que desconhecem a existência da conta. Utilizam a conta por um tempo, depois abandonam”, explica. O principal cuidado que as pessoas precisam tomar é, principalmente, em relação à desproporção dos valores que são ofertados na internet. Outro quesito apontado é sobre os meios de divulgação e também de contato com o vendedor. “Certifique-se de que é um site oficial, pesquise. Ligue no local indicado por ele, pergunte. Tenha certeza de que é algo seguro antes de fazer qualquer depósito”.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior