Suspeito de estelionato pode ter feito duas mil vítimas

Sem Comentários

11/07/2018

Um inquérito policial foi instaurado pela Polícia Civil de Araranguá (SC), por meio da equipe da 1ª Delegacia, para investigar as denúncias contra um homem do município que teria praticado golpes de estelionato por diversos estados do Brasil. A apuração dos fatos foi iniciada nessa terça-feira (10), com o trabalho focado na tentativa de identificar o maior número possível de vítimas que teriam caído na proposta do investigado. Até o momento há informações de que o crime teria sido registrado em pelo menos seis estados do país. “Nesse quesito, ainda não sabemos ao certo quantas vítimas existem. Informalmente foi criado um grupo de pessoas que teriam sido lesadas que conta com aproximadamente 500 membros, mas fala-se em um número maior, algo em torno de duas mil vítimas”, alerta o delegado responsável. O que a Polícia Civil tem de informações até o momento, obtidas nesse início de investigação, é que o suposto golpe era praticado pela internet, no tipo pirâmide. Segundo o delegado, o indivíduo anunciava em um site uma empresa de investimentos, em que a pessoa contribuiria com valores que poderiam chegar até a R$ 8 mil. “A promessa era que, depois de repassado o recurso, 25% dos juros seriam destinados aos investidores. A pessoa fazia o cadastro em uma plataforma online e podia acompanhar a movimentação do dinheiro. No entanto, nenhum investimento era feito e, quando as vítimas percebiam que haviam depositado e ficado sem retorno, tentavam entrar em contato com o dito investidor, que sumia”, explica. O homem anunciava que os valores seriam aplicados em bitcoins ou ações na bolsa de valores, mas não há registro nenhum de alguma movimentação financeira nesse sentido. “Ao que parece era tudo fachada, um esquema até bem organizado e que fez bastante vítimas, pelo que estamos apurando”, reforça.

Próximos passos

Durante a terça-feira (10), os policiais da 1ª Delegacia de Polícia Civil de Araranguá efetuaram buscas, na tentativa de encontrar o homem que está sendo apontado como autor dos crimes de estelionato. “No entanto, o advogado dele percebeu nossa movimentação e entrou em contato para negociar uma possível apresentação às autoridades. A conversa é para que ele se apresente até hoje, caso contrário, vai demonstrar que está fugindo e pediremos a prisão preventiva”, argumenta o delegado. Posteriormente, para a autoridade policial, a manutenção da liberdade do investigado vai depender do que será acertado entre a Polícia Civil e a defesa, se o indivíduo se propuser a amenizar os prejuízos causados às vítimas.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Forquilhinha Notícias

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

China Prende Membros de Pirâmide Acusados de Fraude de US$ 2 Bilhões

Sem Comentários

25/05/2018

Procuradores do governo chinês condenaram quatro suspeitos de coordenarem suposto esquema bilionário de pirâmide envolvendo criptomoedas. O resultado do julgamento foi publicado nessa quarta-feira (23) no site da Suprema Procuradoria Popular da província de Hunan, repercutido pelo site Coindesk. Aproximadamente, US$ 2 bilhões teriam sido roubado de investidores. As investigações ocorrem desde setembro do ano passado e já possuem 98 suspeitos envolvidos. O alvo das investigações são os membros da WeikaCoin, braço chinês da OneCoin, que vem sendo processada em diversos outros países na África, Ásia e Europa por suposto esquema de fraude financeira. Só na China, a empresa teria acumulado ¥15 bilhões, ou US$2 bilhões, cooptando cerca de 2 milhões de vítimas em mais de 20 províncias. Os membros da companhia considerados culpados terão de enfrentar penas de até quatro anos de prisão e ressarcimento equivalente a até US$ 783 mil. Até a publicação, US$ 266 milhões foram recuperados. A OneCoin é de propriedade da empresária Ruja Ignatova. Embora sua sede fique no Vietnã, as autoridades locais afirmam que a empresa não possui registro legal. No site da companhia, são oferecidos “pacotes” de investimento em criptomoeda com valores entre €110 e €55.555. Divulgadores da empresa acusada de pirâmide foram presos no ano passado na Itália e na Índia, sendo obrigados a devolver o dinheiro arrecadado. Na Bulgária, o Comitê Especial de Promotoria está fazendo investigações coordenadas com outros países na Europa e nas Américas em busca de suspeitos.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Portal do Bitcoin

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia afirma que golpe de pirâmides financeiras atingiu 103 investidores no Recife

Sem Comentários

04/01/2018

O golpe das pirâmides financeiras investigado pela Operação Necrópole de Gizé, deflagrada nesta quinta-feira (4), no Recife, prejudicou 103 pessoas. De acordo com a Polícia Civil de Pernambuco, eram investidores de classe média alta, que aplicaram entre R$ 10 mil e R$ 50 mil. O responsável pela administração do negócio, A.F.A.J., de 41 anos, foi preso na ação policial. Segundo o chefe da Polícia Civil, o sujeito criou uma empresa apenas para controlar as pirâmides. Em um empresarial localizado em um prédio de Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, alugou um andar interior para instalar uma casa de câmbio, o Bank Invest. Ele prometia rentabilidade anual de 188%, em 12 meses. Quem aplicava R$ 50 mil, após um ano sem fazer retirada, lucrava R$ 144 mil. “Quem levasse outras pessoas poderia ganhar ainda mais. Por isso, se configura a pirâmide financeira”, observa o chefe de polícia. Esta instituição atuou normalmente até setembro do ano passado. Naquele mês, o acusado encerrou os serviços do banco de investimentos e entregou todas as salas. “Foi quando começamos a receber as primeiras denúncias. Teve gente que perdeu até R$ 300 mil”, afirmou. Por determinação judicial, a partir das investigações que culminaram com a etapa da operação desta quinta, foram bloqueadas contas bancárias do responsável pela pirâmide. Elas totalizavam R$ 1 milhão. “Acredito que esse valor não será suficiente para ressarcir as perdas dos investidores”, disse o chefe da polícia.

Mecanismo

Os integrantes da pirâmide financeira investiam dinheiro em espécie. Podia ser em real ou em moeda estrangeira. As pessoas recebiam a proposta de alta rentabilidade para não retirar nenhum montante em um prazo de um ano. “Esse tipo de transação faz parte de um mercado chamado Forex. No mundo inteiro são negociados US$ 5 trilhões por dia. No Brasil, esse serviço não é regulamentado pelo Banco central. Mesmo assim, as pessoas investiam para evitar a variação cambial do mercado comercial convencional”. Além de garantir alta rentabilidade, o responsável pela pirâmide financeira informava aos investidores do Recife que tinha uma empresa no Reino Unido. “Com a informação de que tinha operadores na Inglaterra, ele tentava reforçar a credibilidade para quem procurava a empresa”, comentou.

A ação

A prisão do homem e o cumprimento de quatro mandados de prisão, nesta quinta, fazem parte da segunda etapa da Necrópole de Gizé. Sete mandados de busca e apreensão foram cumpridos em novembro do ano passado por policiais da Delegacia do Cordeiro, na Zona Oeste da capital pernambucana. Todos foram expedidos pelo Juiz da 9ª Vara Criminal da cidade. De acordo com a polícia, o grupo do suspeito é investigado por estelionato, associação criminosa, crimes contra economia popular e o consumidor, além de lavagem de dinheiro. Primeira operação de repressão qualificada de 2018, a Necrópole de Gizé teve como área de atuação o Recife.

Polícia desarticula pirâmide financeira que gerou prejuízo de R$ 5 milhões a 500 vítimas no Ceará

Sem Comentários

08/12/2017

Foi desarticulado nesta quinta-feira (07) pela Polícia Civil, um esquema de pirâmide financeira que movimentou cerca de R$ 5 milhões de mais de 500 vítimas no município de Iguatu, na região Sul do Ceará. As vítimas investiam, no mínimo, R$ 6.750 com a promessa de lucrar 30% ao mês e mais de 300% ao ano, conforme a secretaria da Segurança Pública. No entanto, os investidores pararam de receber o dinheiro de volta e procuraram a polícia. Segundo a Secretaria, seis pessoas responsáveis pelo esquema são investigadas pelos crimes de associação criminosa, estelionato e lavagem de dinheiro. Durante uma operação, nomeada “Pirâmide”, a Polícia Civil apreendeu sete veículos, quatro carros, duas motos e um reboque. A Delegacia Regional de Iguatu recebeu várias denúncias de pessoas que foram atraídas a investir na empresa. O pagamento do valor e o recebimento dos lucros eram feitos por meio de dinheiro em espécie, diretamente com os responsáveis pela pirâmide. Durante as investigações, que duraram três meses, a polícia constatou que os lucros não eram verdadeiros. “Estima-se que mais de 500 pessoas tenham participado desse negócio e que mais de cinco milhões de reais tenham sido movimentados pelos líderes do esquema”, informou a Secretaria da Segurança.

Bloqueio de bens

Diante das provas, a polícia solicitou junto ao Poder Judiciário as medidas cautelares para que as vítimas sejam ressarcidas e os investigados respondam criminalmente. A Justiça decretou o bloqueio dos bens móveis e imóveis e a hipoteca legal de duas casas, além de outras medidas cautelares, com a finalidade de assegurar que os investigados possam ressarcir todo o prejuízo causado às vítimas. Os veículos apreendidos foram encaminhados para um depósito do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) e ficarão à disposição da Justiça para um possível leilão. Os imóveis hipotecados também servirão para garantir o ressarcimento das vítimas. Se condenados, os investigados pegar até 20 anos de prisão, conforme a Secretaria. A identificação dos suspeitos não foi divulgada.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Brasileiro que revelou US$17 milhões de esquema em pirâmide se declara culpado nos EUA

Sem Comentários

19/10/2017

Um brasileiro cuja prisão levou as autoridades dos Estados Unidos a descobrirem US$ 17 milhões escondidos sob um colchão se declarou culpado nesta quinta-feira (19) de ter tentado lavar fundos ligados a um dos maiores esquemas em pirâmide da história. Anteriormente, foi divulgado que a quantia descoberta seria de US$ 20 milhões. C.R.R.Rocha, que procuradores disseram ter tentado ajudar a tirar dinheiro dos EUA que um cofundador da TelexFree Inc deixou para trás ao fugir do país, assumiu sua culpa perante um tribunal federal de Boston. Rocha admitiu as acusações de conspiração e lavagem de dinheiro, cada uma acarretando penas de até 20 anos de prisão. Os procuradores concordaram em recomendar uma sentença de 40 meses com base em sua cooperação. A setenção deverá ser divulgada em 7 de dezembro. O caso do réu de 28 anos derivou de uma investigação sobre a TelexFree, uma empresa sediada em Massachusetts que vendia serviços de telefonia via internet. Os procuradores disseram que a TelexFree era um esquema em pirâmide que fazia pouco ou nenhum dinheiro vendendo seus serviços e recebeu milhões de dólares de milhares de pessoas que pagavam para se cadastrar para ser “promotores” e publicar anúncios online para a companhia. A TelexFree faliu em 2014, infligindo mais de US$ 3 bilhões de prejuízos a quase 1,89 milhão de pessoas de todo o mundo, segundo os procuradores. O fundador foi preso em 2014, e em março deste ano foi condenado a seis anos de prisão depois de se declarar culpado de conspiração e fraude. Também em 2014 o outro fundador, que é brasileiro, fugiu para o Brasil, de onde não pode ser extraditado, deixando para trás dezenas de milhões de dólares que lavou de contas da TelexFree, informaram os procuradores.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Preso suspeito de envolvimento em pirâmide financeira que lucrou R$ 200 milhões na Bahia

Sem Comentários

19/09/2017

Na manhã desta terça-feira (19), na cidade de Itabuna, um dos suspeitos de envolvimento em um esquema de pirâmide financeira no sul da Bahia foi preso. A informação foi divulgada pela Polícia Civil. Não foram informados detalhes da prisão. Conforme as investigações, o esquema fraudulento rendeu mais de R$ 200 milhões aos suspeitos e lesou dezenas de pessoas. A.A. usava uma procuração em nome D.S.G., primo dele e um dos líderes da quadrilha, para ocultar bens do grupo criminoso, adquiridos com o dinheiro proveniente do golpe. O suspeito tinha mandado de prisão em aberto, que foi cumprido por policiais da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR/Itabuna). O primo dele está foragido. A Justiça obteve a informação de que ele fugiu do país e a situação foi comunicada à Interpol.

Dinheiro recuperado

Cinco dias após a Justiça ter decretado a prisão preventiva de um dos fundadores da pirâmide, a Polícia Civil apreendeu um valor aproximado de R$ 1 milhão em espécie na conta da sogra do suspeito. A operação que levou a polícia até a residência ocorreu no dia 05 de setembro, por meio do Departamento de Crimes contra o Patrimônio (DPCP). A sogra do suspeito, que também era investigada por participação no esquema criminoso, foi identificada e é procurada pela polícia. Segundo um dos responsáveis pelas investigações, o valor apreendido foi depositado em uma conta e ficará à disposição da Justiça para a possível reparação às vítimas da pirâmide financeira.

 Prisão preventiva

A Justiça do Rio Grande do Sul decretou no dia 31 de agosto a prisão preventiva de D.S.G. Ele é suspeito de ter criado, na cidade de Itabuna, um esquema de pirâmide financeira, que funcionava em vários estados do país, por meio da internet, e tinha como foco apostas em jogos de futebol. O decreto de prisão para ele foi expedido por um juiz da 1° Vara Crime de Sapiranga. O empresário foi indiciado pelos crimes de estelionato, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Um outro empresário também do sul da Bahia, é outro investigado por suspeita de envolvimento no esquema.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Esquema de pirâmide: Polícia recupera R$ 920 mil de quadrilha

Sem Comentários

07/09/2017

O delegado do Departamento de Crimes Contra o Patrimônio (DCCP), anunciou, nesta quarta-feira (06), a apreensão de R$ 920 mil da quadrilha que vinha sendo investigada por um esquema fraudulento de pirâmide financeira, que lesou milhares de pessoas, em todo país, e rendeu mais de R$ 200 milhões aos estelionatários. O dinheiro estava depositado na conta da sogra de um dos investigados, apontado como líder da quadrilha. Os dois estão com as prisões decretadas pela Justiça e são procurados. O Departamento de Polícia do Interior (Depin), por meio da 6ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin), de Itabuna, também participa das investigações. A ação que resultou na recuperação do montante é uma continuidade da Operação Gizé, deflagrada pelos dois departamentos, em agosto deste ano, e que cumpriu 10 mandados de busca e apreensão, em Itabuna. Iniciada na Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR), de Itabuna, a investigação revelou que a quadrilha aplicava um golpe classificado como de cooptação progressiva de pessoas, a “pirâmide financeira”. Os investigados, para tanto, utilizavam uma empresa de fachada para comercializar o serviço de treinamento de pessoas em apostas esportivas. Para atrair as vítimas, a suposta empresa informava em seu site oficial e em redes sociais abertas que o percentual de lucro obtido com as realizações das apostas de seus clientes seria de 33 por cento sobre o valor investido, com pagamento semanal durante um ano, e ao final, ainda o valor principal investido de volta.

Conta Judicial

Os integrantes da quadrilha vão responder pelos crimes de estelionato, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e pichardismo, exploração fraudulenta de credulidade pública e que se diferencia do estelionato porque o número de pessoas é indeterminado. O valor recuperado foi depositado em uma conta judicial e ficará à disposição da Justiça Criminal para possível reparação dos prejuízos causados às vítimas.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: N1Bahia

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior