Homem é preso ao comprar Smartphones com documento falso e cartão clonado

Sem Comentários

30/10/2019

A Polícia Civil do Distrito Federal prendeu, em flagrante, um homem que usou documento falso e cartão de crédito clonado para comprar smartphones em uma loja do ParkShopping, no Guará. O valor das fraudes chegou a quase R$ 16 mil. A ação, deflagrada a partir de uma denúncia, foi realizada por policiais da Coordenação de Repressão aos Crimes contra o Consumidor, à Ordem Tributária e a Fraudes (Corf/Difraudes). Os policiais aguardaram a concretização da compra para efetivar o flagrante. Segundo a Polícia Civil, na tarde de quarta-feira (10/8), o acusado foi preso logo após comprar quatro celulares, no valor de R$ 3,8 mil cada, e uma caixa de som, de R$ 700. Durante a abordagem policial, David apresentou uma carteira de identidade falsa em nome de uma pessoa chamada Thiago. Ele foi autuado em flagrante pelo crime de estelionato e uso de documento falso. Os celulares e a caixa de som foram apreendidos e restituídos à loja. Ainda de acordo com o funcionário, o criminoso agiu de forma semelhante em todas as lojas. Passava o cartão com o chip. A máquina acusava um erro. Então, o suspeito solicitava para o vendedor usar a tarja magnética. O aparelho pede um código, o qual é informado pelo suspeito. Só após esse procedimento a transação é aceita.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Metrópoles

Saiba como evitar esse e outros tipos de fraude acessando a página do BrSafe, um sistema moderno e eficaz no combate a fraude em documentos.

PCDF deflagra Operação Alicantina e prende sete Estelionatários

Sem Comentários

25/09/2019

A Polícia Civil do DF, deflagrou, na manhã dessa terça-feira (24), a Operação Alicantina. A ação teve o objetivo de desmantelar uma organização criminosa especializada em praticar crimes de invasão de dispositivo informático, falsidade ideológica, falsificação de documentos, uso de documento falso, receptação e estelionato. Sete pessoas foram presas em cumprimento a mandados de prisões temporárias. Os alvos principais do grupo são servidores públicos que não têm restrições no CPF e recebem um bom salário. Foram cerca de 50 vítimas que trabalham em vários órgãos. “O bando fabricava documentos em nomes das vítimas (RG, contraqueches, comprovantes de residência), obtinha CNHs materialmente verdadeiras, mas com conteúdo falso (fotografia do fraudador) e com os papéis adulterados”, explica o coordenador. O grupo invadia contas de e-mail e de outros sistemas informáticos, celebrava contrato de locação de imóvel, contratava planos de telefonia móvel, abria conta corrente em bancos e solicitava cartões de crédito, contraía empréstimos pessoais, além de realizar outras transações financeiras. As investigações sobre a atuação do bando foram iniciadas em janeiro de 2019. O prejuízo estimado ultrapassa R$ 1 milhão.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: PCDF

O BrSafe é a ferramenta ideal para evitar esse tipo de fraude. Clique e conheça:

Mulher detida em operação da PF contra fraudes no INSS na Bahia já tinha sido presa 4 vezes em 2018

Sem Comentários

20/09/2019

Uma mulher que está entre os presos na Operação Lama Preta, deflagrada nesta quinta-feira (19), na Bahia, contra fraudes no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), já tinha sido detida outras quatro vezes em 2018, segundo informações divulgadas pela Polícia Federal (PF). O grupo era investigado há 3 anos e a suspeita é de que mais de 100 benefícios tenham sido falsificados. O prejuízo aos cofres públicos passam dos R$ 4 milhões. “Conseguimos desbaratar esse grupo criminoso, que é formado em sua maioria por estelionatários com amplas passagens policiais”, disse o delegado da PF. Segundo a PF, idosos e deficientes eram usados como “dublês” pelo grupo. Eles usavam nomes, fotos e documentos falsos e se apresentavam nas agências do INSS para obter benefícios da instituição. Pela participação no esquema, eles levavam uma parte do dinheiro. A suspeita foi surpreendida pelos policiais, no início da manhã juntamente com o marido, na cidade de Camaçari. Além do casal, segundo a PF, outras sete pessoas foram detidas nesta quinta. Entre eles um empresário de Vilas do Atlântico, área de classe média alta em Lauro de Freitas, região metropolitana de Salvador. De acordo com a PF, ele era responsável pela falsificação e produção dos documentos usados na fraude. Idosos e deficientes físicos que colocavam o esquema em prática também foram detidos. Outros três suspeitos seguem foragidos. Todos estão com mandados de prisão preventiva. Além da fraude em benefícios, conforme a PF, os envolvidos também usavam os documentos falsos para fraudar compras em lojas e financiamento de carros. Durante a operação, que também cumpriu 11 mandados de busca e apreensão, a Polícia Federal apreendeu fotos 3×4, cartões de crédito e documentos falsos usados pelo grupo. A corporação destacou que não foram identificadas participações de funcionários do INSS no esquema.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Estelionatários falsificam documento de policial civil para aplicar golpes dos nudes e do falso depósito

Sem Comentários

19/08/2019

Há pouco mais de um ano, um policial civil de 36 anos, foi obrigado a trocar de lado do balcão na delegacia: de investigador de crimes violentos e com muito dinheiro envolvido em um dos principais departamentos da corporação, tornou-se alvo de estelionatários em vários pontos do Brasil. Criminosos falsificaram sua identidade funcional e passaram a usá-la para dar legitimidade a golpes. Já há confirmação de casos com seu documento em cinco Estados: além do Rio Grande do Sul, há vítimas de Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso e Pernambuco. Segundo o policial, que pediu para ter o nome preservado, tornou-se rotina atender de duas a três ligações por dia em seu celular e do outro lado da linha havia colegas da polícia avisando sobre o documento dele ter sido usado em um golpe. Também o procuram vítimas que, de alguma maneira, conseguiram seu número e ligam para verificar a veracidade da história. Em outros casos, há quem ligue cobrando-o por achar que ele está envolvido nas trapaças. “É horrível. Jamais imaginava que passaria por isso. Sou uma pessoa que preserva muito a imagem. Minhas redes sociais são bloqueadas e evito aparecer em imagens ou dar entrevistar para imprensa. Esse documento falso circulando pode me atrapalhar até em uma investigação” lamenta o policial. Após a quantidade de vezes nas quais viu seu documento circulando em grupos de Whatsapp, ele mesmo fez investigação preliminar contra os criminosos. Fora as ocorrências de outros Estados, descobriu pelo menos 50 casos espalhados pelo Rio Grande do Sul. Ele informa que perdeu as contas, mas tem certeza ter sido procurado por colegas de Porto Alegre, Caxias do Sul, Viamão, Alvorada, Herval e Torres.

Como não cair nos golpes:

  • Evite iniciar conversas por meio de aplicativos de mensagens com perfis desconhecidos.
  • Não troque fotografias que possam ter conotação íntima, por meio de aplicativos, como WhatsApp ou Messenger.
  • Evite conversas por meio de aplicativos com prefixo telefônico desconhecido.
  • Não faça depósitos, transferências ou pagamentos para desconhecidos.
  • Se for vítima de algum golpe ou de tentativa de abordagem desse tipo, procure a polícia e registre ocorrência.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: GZH

Fique ligado. Dicas do BrSafe para evitar essa modalidade de fraude:

Trio suspeito de aplicar golpes em empresas de festas de BH é investigado pela polícia; duas pessoas estão presas

Sem Comentários

07/08/2019

Um grupo suspeito de aplicar golpes contra empresas de aluguel de material para festas está sendo investigado pela Polícia Civil. Duas pessoas foram presas no início da semana, no bairro Nova Esperança, em Belo Horizonte. Um terceiro suspeito e os receptadores dos produtos são procurados. Durante a operação para prender os envolvidos nos golpes, um outro homem foi detido por tráfico de drogas. Conforme a delegada que investiga o caso os suspeitos M.C.F.V., de 44 anos, e L.P.F.D., de 38 e C.S.F.F., de 80, iam até imobiliárias com pretexto de alugar imóveis. Após apresentarem documentos falsos, pegavam as chaves, tiravam cópias e devolviam-nas para as corretoras. Logo em seguida, o trio buscava lojas de aluguel de material para festas, como mesas e cadeiras, e, também com documentos falsificados, davam endereços dos imóveis que tinham cópia das chaves para a entrega. Logo que recebiam a mercadoria os suspeitos fugiam com os produtos. No momento da prisão, M.C.F.V. também foi autuada em flagrante por uso de documento falso. Foram apreendidos um carro que era usado para transporte dos produtos, documentos, celulares e cartões bancários. O trio irá responder por associação criminosa e estelionato. As investigações prosseguem com objetivo de buscar os receptadores.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Dupla é suspeita de aplicar golpes em empresas especializadas em materiais para festas

Sem Comentários

06/08/2019

Foram presos pela Polícia Civil nesta segunda-feira (5), uma mulher de 44 anos e um homem, de 38, suspeitos de aplicar golpes em estabelecimentos que fornecem materiais para festas em Belo Horizonte. Segundo a corporação, os dois usavam documentos falsos para contratar serviços de estabelecimentos de aluguel de materiais para festas (cadeiras, mesas, entre outros utensílios). Em lugares supostamente alugados para eventos, eles recebiam as mercadorias, mas depois retiravam tudo do local e não faziam a devolução. Com a dupla, foram apreendidos dois veículos, documentos e cartões bancários. No momento do cumprimento de prisão temporária, a mulher ainda foi autuada em flagrante por uso de documento falso.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Hoje em Dia

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Operação investiga uso de documentos falsos para obter armas de fogo junto à PF no Tocantins

Sem Comentários

31/07/2019

Nesta quarta-feira (30), a Polícia Federal (PF) deflagrou uma operação com o objetivo de combater esquemas de fraudes em processos que autorizam a aquisição de armas de fogo em Tocantins (TO). Segundo a polícia, foram cumpridos 19 mandados de busca e apreensão, além de um mandado de prisão preventiva. A PF começou a apurar o esquema em abril deste mesmo ano. As investigações apontam que os suspeitos usavam documentos falsos para obter a permissão para adquirir armas de fogo no estado. 

As fraudes teriam acontecido no Núcleo de Controle de Armas da Superintendência Regional da PF em Palmas. Os investigados devem responder pelos crimes de falsidade ideológica, uso de documento particular falso e associação criminosa.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior