Infrator é detido com licenciamento falso e placa clonada em Guarujá

Sem Comentários

29/04/2019

No sábado (27),  no bairro Cidade Atlântica, em Guarujá, um homem de 37 anos foi detido por uso de documento falso. A abordagem da Polícia Militar se deu pelas características do veículo dirigido pelo infrator, um Volskwagem/Golf verde com rodas muito grandes e chamativas. Durante a abordagem o condutor do veículo entregou a CNH e um documento de licenciamento do veículo que continha sinais de adulteração: dados preenchidos fora do padrão do Detran. Em consulta ao número do registro (espelho), constou como roubado em 25 de fevereiro de 2016, comprovando ser um documento com dados falsos. Em pesquisa ao Copom, os PMs não encontraram queixa de roubo ou furto, mas a placa mencionada constava como propriedade de outra pessoa, um jovem de 22 anos morador de São José do Rio Preto. Os policiais militares de lá foram contactados e seguiram até a casa do proprietário. O carro, um Golf verde, estava na garagem e o jovem estava recebendo diversas multa da cidade de Guarujá. O verdadeiro proprietário informou que realizou queixa junto ao 4º DP de São José do Rio Preto referente a adulteração de sinal identificador de veículo automotor. No carro do infrator não foi encontrado nada de ilícito, mas haviam sinais de adulteração no chassi e na placa. Por estes motivos foi dada voz de prisão ao infrator por uso de documento público falso.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Costa Norte

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Grupo é preso por estelionato após se hospedar em hotel com dados falsos em Angra dos Reis

Sem Comentários

28/03/2019

Cinco homens foram presos por estelionato e associação criminosa na terça-feira (26) em Angra dos Reis, na Costa Verde do Rio de Janeiro. Segundo a Polícia Civil, eles estavam hospedados em um hotel, na Praia do Jardim, e levantaram suspeitas pelo comportamento, pois estavam consumindo muitas bebidas alcoólicas e gastando muito dinheiro. As informações foram divulgadas nesta quinta-feira (28). A polícia foi acionada e foi constatado que o grupo deu dados falsos para hospedagem e que também estava utilizando cartões de crédito em nome de terceiros. De acordo com a polícia, um dos envolvidos, de 35 anos, apresentou identidade falsa no nome de outra pessoa e ainda possuía um mandado de prisão em aberto pelo crime de extorsão. Dois dos outros envolvidos possuem 25 anos, um 26 e outro 27. Os cinco foram encaminhados à 166ª Delegacia de Polícia (Angra dos Reis), onde foram autuados.

Falso médico é preso por trabalhar em hospital público de MT e usar documentos do primo que seria médico

Sem Comentários

06/12/2018

Um falso médico foi preso depois de fazer plantões e atender pacientes no Hospital Municipal de Juara, a 690 km de Cuiabá. Segundo a Polícia Civil, E.S.Farias entregou documentos adulterados no nome do primo dele, que supostamente seria médico. A prisão ocorreu na terça-feira (04). Conforme a Polícia Civil, o secretário de Saúde de Juara foi quem chamou a Polícia Militar e denunciou o crime. Ele disse que recebeu o nome do suspeito como candidato a trabalhar no hospital. A indicação ocorreu em um grupo de WhatsApp de secretários. Ainda conforme o secretário, foi feito o contato com o suposto médico, que se prontificou a trabalhar e entregou a documentação dele e o currículo no nome de outra pessoa. O falso médico começou a trabalhar na segunda-feira (3). Ele atuou no plantão das 17h às 7h do outro dia. Ele também prestou serviços no horário das 13h às 19h da terça-feira. Diversos pacientes foram atendidos, com prescrição de medicamentos e solicitação de exames. O suspeito afirmou usar o registro do Conselho Regional de Medicina (CRM) no nome do primo dele, que seria médico. Ele explicou que teve acesso ao documento depois que o furtou. Também declarou que o currículo foi feito com dados falsos. Ele foi autuado em flagrante e vai responder criminalmente pelos crimes de estelionato e falsidade ideológica, além de furto.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia investiga RG “quente” com dados falsos achada com um dos mais procurados do Ceará

Sem Comentários

17/07/2018

A Polícia Civil investiga como foi confeccionada uma carteira de identidade falsa apreendida com um homem. Embora tivesse dados falsos, se procurado nos registros policiais, o documento existia como o de um cidadão comum. Aparentemente, foi feito por meios legais. O documento será encaminhado à Perícia Forense do Estado do Ceará e deve passar por exames. Na última segunda-feira (16), o sujeito foi preso pelo Batalhão de Choque (BPChoque), no bairro Montese, nas proximidades de uma agência bancária. Durante 10 anos, a Polícia tentou prendê-lo por envolvimento em ataques a carros-fortes e a agências bancárias, grande parte com atuação na região de Inhamuns. Em Independência, a 309 quilômetros de Fortaleza, cidade de origem dele, o homem possuía mandado de prisão em aberto por roubo. Ele chegou a ser abordado pela Polícia em uma pedreira, mas foi liberado depois de apresentar o documento falso. Embora fosse “quente”, o RG usado escondia a verdadeira identidade do sujeito. Durante depoimento à Polícia, ele disse que comprou a identidade. No entanto, não forneceu dados sobre o fornecedor.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: O POVO

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

PRF prende quatro pessoas e apreende três carros em Guaíra

Sem Comentários

06/06/2018

Na terça-feira (05), a Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu três carros e prendeu quatro pessoas em Guaíra (SP). Em apenas uma ocorrência, foram presos três homens e dois carros foram apreendidos- um deles roubado. Depois, em outra ocorrência, mais um homem foi preso conduzindo outro veículo roubado.

Agentes da PRF abordaram uma VW/Saveiro, ocupada por um homem e, durante a vistoria, os policiais verificaram que a caminhonete havia sido furtada em setembro do ano passado, em Campinas (SP). O motorista disse que pegou o carro em Umuarama com o objetivo de realizar compras em Ponta Porã (MS). O homem disse que desconhece a origem ilícita do veículo. Ele foi preso em flagrante por receptação e uso de documento falso.

Na frente da  Saveiro, seguia um Renault Logan, ocupado por dois homens. Eles disseram que estavam juntos e que estavam em acompanhamento pelo mesmo trajeto de compras do motorista da Saveiro. Em vistoria pelo veículo, foi verificado pelos policiais que havia um Certificado de Registro do Veículo (CRV) preenchido com dados falsos. Ambos foram presos por estelionato, pelo documento preenchido falsamente.

Em seguida, os policiais rodoviários federais abordaram outra VW/Saveiro e verificaram que se tratava de outro carro roubado, este em fevereiro do ano passado, em Porto Alegre (RS). Segundo o motorista, que não é habilitado, ele retirou o carro na rodoviária de Cascavel (PR) e o levaria até Salto de Guairá (Paraguai). O homem foi preso em flagrante pelo crime de receptação e uso de documento falso.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: O Paraná

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Fraudes no INSS geram rombo de R$ 5 bilhões aos cofres públicos em 15 anos

Sem Comentários

31/08/2017

As fraudes no INSS (Instituto Nacional de Seguridade Social) provocaram um prejuízo de R$ 5,01 bilhões aos cofres públicos nos últimos 15 anos. Esses desvios foram identificados e levaram à prisão de 2.729 pessoas envolvidas nas fraudes. Entre os suspeitos detidos estavam 416 servidores do próprio instituto. A tarefa de investigar as fraudes no INSS é da Coinp (Coordenação-Geral de Inteligência Previdenciária), órgão da Secretaria de Previdência Social que atua em conjunto com a Polícia Federal, o Ministério Público Federal, INSS, Tribunal de Contas da União e a Advocacia-Geral da União. Em média, a força-tarefa faz 5,5 operações de investigação de fraudes na concessão de benefícios do INSS por mês. Essas apurações resultam, em média, em quatro suspeitos presos todos os meses por participação em crimes contra o instituto. Em entrevista, o secretário de Previdência Social explicou que é possível identificar uma mudança no perfil das fraudes e uma ação efetiva do governo no combate às irregularidades.

— Não há mais aquela situação de fraudes bilionárias de difícil recuperação. Hoje as ocorrências são regionalizadas e focadas em grupos específicos de benefícios, que geralmente não dependem da comprovação de um período longo de vínculo contributivo. De positivo, temos que o combate está mais eficiente e consegue detectar a tipologia das fraudes, que evoluiu ao longo do tempo.

Desde janeiro, já foram feitas 44 operações e flagrantes de fraudes. Um levantamento da Secretaria de Previdência apontou que, se não fossem descobertas, as concessões fraudulentas de 2017 representariam uma despesa total de R$ 153,5 milhões. O estudo considera o valor acumulado mensalmente da fraude, considerando a expectativa média de vida do segurado.

— O cancelamento dos benefícios e a prisão dos suspeitos de fraude é um processo contínuo. Assim como existe o aprimoramento dos procedimentos de concessão, também há a evolução dos métodos dos fraudadores. Também são respeitados, amplamente, o direito de defesa dos suspeitos.

Outro foco de trabalho da secretaria é a recuperação dos valores desviados.

— Não é um procedimento fácil, [porque] existem várias etapas processuais e a outra parte pode recorrer. Queremos envolver ainda mais a Advocacia-Geral da União para que os cofres públicos sejam ressarcidos.

Golpes comuns

Nem sempre o alvo principal dos golpistas é a concessão de um benefício irregular. A Secretária de Previdência Social identificou um aumento nas reclamações de segurados dizendo que receberam ligações da Previdência, relata o secretário.

— O INSS não liga para ninguém. As informações e orientações são dadas pela central de atendimento 135. Lá o segurado encontra todas as informações oficiais. Além disso, todos os serviços do INSS são gratuitos.

A abordagem dos fraudadores costuma acontecer da seguinte forma: os criminosos entram em contato, por telefone, com segurados e se identificam como integrantes do CNP (Conselho Nacional de Previdência). Depois, oferecem algum tipo de benefício. Afirmam que o aposentado ou pensionista teria direito a receber valores atrasados, geralmente, grandes quantias de dinheiro. Na sequência, pedem que entrem em contato com eles por meio de um número de telefone. Quando o cidadão faz a ligação, os fraudadores pedem que informem dados pessoais e solicitam o depósito de determinada quantia em uma conta bancária, para liberar um pagamento que não existe. A subsecretária de Gestão da Previdência orienta para não cair no golpe.

— A principal dica é não se deixar levar pela conversa dos golpistas. Algumas vezes eles também dizem que são da auditoria do INSS e que há um valor alto para resgatar. Esse tipo de ligação nunca é do INSS. O atendimento é feito na rede de agências e pelo 135 apenas.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: R7

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Advogados são condenados por falsificar dados para obter benefícios no INSS

Sem Comentários

13/08/2015

Dois advogados foram condenados por estelionato contra o Instituto Nacional do Seguro Social por falsificar a carteira de trabalho de um segurado que buscava a concessão de aposentadoria por tempo de serviço. A decisão é do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, que manteve a sentença de primeiro grau. O tribunal assinala que os réus “são advogados experientes, situação que denota culpabilidade acima do normal do esperado para o tipo, na medida em que a reprovabilidade daquele que conhece a lei e a maneja em desfavor do poder público e social, exclusivamente em seu interesse, apresenta conduta consideravelmente desonrosa e imoral, não condizente com o papel constitucional de auxiliar da Justiça”. Segundo a denúncia, os advogados inseriram na CTPS um vínculo empregatício falso entre o segurado e uma fazenda no município de São Manuel (SP). A informação falsa induziu os julgadores da ação previdenciária. Posteriormente, após o próprio segurado desmentir a relação de trabalho, a autarquia entrou com ação rescisória para anular a concessão do benefício. Ao analisar os recursos, a 11ª Turma do TRF-3 destaca que, pela análise das provas, percebe-se o modus operandi dos réus: eles normalmente solicitavam aos clientes que providenciassem CTPS novas, sob a alegação de terem perdido as originais, para que pudessem fazer os falsos lançamentos e as adulterações. Geralmente, os clientes deixavam as carteiras no escritório dos acusados já no atendimento inicial, a fim de instruir o pedido judicial. “Tal orientação viabilizava o forjamento dos dados utilizados na inicial, que eram, por sua vez, inverídicos porque traçavam datas, períodos, dados e empregadores que não correspondiam à realidade trazida pelo segurado/beneficiário, de molde a justificar a concessão do benefício pleiteado, cujo pagamento, pelas declarações das testemunhas, ora era realizado com a fixação de uma porcentagem de honorários, ora se dava pela retenção dos ‘atrasados’ pelos advogados”, explica a desembargadora relatora do caso.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Consultor Jurídico

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior