Três pessoas são presas no Araguaia por envolvimento no esquema de compra e venda de CNHs em MT

Sem Comentários

18/12/2018

Três pessoas foram presas na cidade de São Félix do Araguaia, na região do Vale do Araguaia, acusadas de estarem envolvidas num esquema de fraudes junto ao Detran de Mato Grosso. Ao todo foram detidos 51 suspeitos após conclusão de inquérito policial da operação “Mão Dupla”, da Delegacia Especializada de Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública (Defaz). Os suspeitos estariam participando de um esquema de compra e venda de Carteira Nacional de Habilitação (CNH) dentro do Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso (Detran-MT) e vão responder pelos crimes de corrupção ativa, corrupção passiva, inserção de dados falsos no sistema e organização criminosa. O delegado responsável explica que, além dos indiciamentos dos suspeitos, também foram instaurados autos complementares para dar continuidade à investigação de fraudes na obtenção de CNHs. A Defaz também recebeu, de outras unidades policiais do Estado, informações referentes a pessoas que procuraram espontaneamente a Polícia Civil para registrar boletim de ocorrência e entregar Carteira Nacional de Habilitação (CNH), confessando que adquiriram de maneira indevida o documento, nos mesmos moldes da investigação em andamento. Os valores, que podiam variar de acordo com a condição financeira do candidato, eram pagos aos representantes das autoescolas, que por sua vez repassavam aos servidores da banca examinadora do Detran.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Folha MT

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Quadrilha é condenada a 172 anos de prisão por fraudes fiscais

Sem Comentários

26/11/2018

Foi condenada a um total de 172 anos de prisão, pela 11ª Vara da Justiça Federal no Ceará, uma organização criminosa investigada na Operação Estorno, da Polícia Federal (PF), sob acusação de fraude fiscal a diversos órgãos públicos no Estado. Entre os oito réus sentenciados estão servidores públicos, empresários, contadores e um advogado. As penas individuais variaram de cinco anos e seis meses a 39 anos e cinco meses de reclusão. As condenações se deram pelos crimes de corrupção ativa e passiva, crime contra a ordem tributária, quadrilha, falsificação ou uso de selo ou sinal público, falsificação de documento particular, falsidade ideológica e tráfico de influência. A maior pena foi atribuída ao contador E.G.M., que, conforme a sentença, liderava o esquema criminoso. Segundo a investigação da PF e a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), ele era proprietário de uma empresa de contabilidade e mantinha contatos com servidores de órgãos públicos, com o objetivo de solucionar dívidas fiscais e multas e liberar cargas e mercadorias apreendidas dos seus clientes, de forma ilícita.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Diário do Nordeste

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

PF prende dois por receberem R$ 9 milhões com fraudes no seguro-desemprego

Sem Comentários

21/09/2018

Nesta quinta-feira (20), a Polícia Federal prendeu dois homens em uma operação que mira em supostas fraudes do seguro-desemprego. Conforme a PF, os suspeitos foram detidos em um escritório de contabilidade no bairro da Penha, na zona leste de São Paulo, por possuírem consigo mais de 1.600 documentos falsos ou em branco, como espelhos de RG e Carteiras de Trabalho. Os esquemas teriam gerado saques de 9 milhões de reais em benefícios fraudulentos. De acordo com nota da Polícia Federal, as investigações começaram em Presidente Prudente (SP) quando, em outubro de 2017, “um trabalhador desempregado procurou a PF para relatar que não havia conseguido retirar seu seguro-desemprego porque alguém já o havia recebido”. Ainda segundo a corporação, foram criadas cerca de 300 empresas fictícias para receber mais de 9.000 seguros-desemprego fraudulentos. Junto com os documentos falsos ou em branco, a PF apreendeu 472.000 reais em espécie e “apetrechos” para falsificação de documentos. A Polícia Federal afirma que vai voltar aos trabalhos “para identificar os beneficiários dos benefícios, seu envolvimento com o grupo investigado e também a origem dos documentos apreendidos, se são verdadeiros – desviados de instituições legítimas, ou falsos”. “Os presos foram encaminhados ao sistema prisional estadual, onde permanecerão à disposição da Justiça Federal. Eles responderão pelos crimes de estelionato, organização criminosa e corrupção ativa”, conclui a PF.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Veja

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Trio é preso por alugar carros e revender com documentos falsos

Sem Comentários

15/08/2018

Em Alagoas, a Polícia Civil prendeu três pessoas suspeitas de falsificar documentos de carros alugados e revender os veículos a terceiros. Os suspeitos estavam jantando em uma churrascaria em Marechal Deodoro, na noite dessa terça-feira (14), quando foram abordados por agentes da Divisão Especial de Investigação e Capturas (DEIC). No momento da prisão, três carros prontos para serem revendidos foram apreendidos. Conforme o delegado responsável, o trio alugava os veículos de locadoras dos estados da Bahia e Pernambuco e os revendia em Alagoas, após falsificar os documentos dos automóveis. Os suspeitos revendiam os carros a preços do mercado. “Após a não devolução dos veículos, as locadoras acionavam a polícia e quando a polícia chegava nos carros em questão eles já se encontravam em posse das pessoas que os compravam de boa-fé e que saíam no prejuízo”, conta o delegado. No momento da prisão, foram encontrados com eles os veículos Cruze/ Chevrolet, Renault Logan e Onix Chevrolet que pertencem a duas locadoras de Pernambuco. Segundo o delegado, caso as vendas fossem efetuadas, o trio iria lucrar cerca de R$ 100 mil. No momento da prisão, eles ainda ofereceram R$ 40 mil aos policiais para não serem presos. Ao receber a recusa da polícia, quando se dirigiam para a delegacia, eles ainda tentaram fugir ao abrir a porta da viatura e sair correndo. Os três foram presos por estelionato, associação criminosa e corrupção ativa.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: OP9

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Quatro homens são presos por falsificação de identidades e de cheques

Sem Comentários

10/08/2018

 Na tarde desta quinta-feira (09), quatro homens foram presos em Boa Viagem, Zona Sul do Recife, por falsificação de documentos de identidade e cheques bancários. A prisão foi realizada em flagrante pelos policiais da delegacia do bairro. Os suspeitos foram identificados como R.F.Souza, A.S.Siqueira, L.S.Amorin e G.C.Sales. A quadrilha estava em posse de cédulas de identidade e inúmeros cheques falsos, diversos apetrechos de falsificação, extratos bancários e dinheiro, além do planejamento de uma possível ação criminosa no Recife. Um deles, procurado no Rio de Janeiro por estelionato, era foragido da Justiça. Para que não fossem presos, o grupo chegou a oferecer dinheiro aos policiais. Os suspeitos foram autuados por corrupção ativa, petrechos de falsificação e associação criminosa.

De acordo com o delegado responsável, a quadrilha tinha atuação interestadual. “Nenhum deles é de Pernambuco, todos são de outros estados e o grupo parece ter sede no estado do Mato Grosso. Identificamos atuação deles também no Rio de Janeiro, Minas Gerais e outros estados do sul. Acreditamos que eles movimentem grandes quantias em dinheiro, pela quantidade de extratos bancários e de cheques encontrada”, explica. A investigação segue na identificação de novas vítimas e novos crimes, inclusive com relação à falsificação de documentos públicos.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: OP 9

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Empresários do DF desviaram R$ 55 milhões com fraude em licitações

Sem Comentários

27/07/2018

Uma operação chamada Monopólio, deflagrada na quinta-feira (26) pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), revelou que através de fraudes em licitações, alguns empresários da capital conseguiram movimentar R$ 55 milhões. O grupo atuava desde 2011 em contratos firmados com algumas Administrações Regionais do DF. As investigações haviam começado em 2014, quando uma denúncia anônima apontou que os empresários usavam um grupo de empresas registradas em nome de laranjas (em geral, funcionários ou parentes) para fraudar as licitações. As ações ilícitas teriam acontecido, principalmente, em contratos com as administrações regionais de Águas Claras e do Gama, segundo as apurações. Conforme a polícia, o esquema ocorria em licitações do tipo “convite”, em que pelo menos três empresas são convidadas para disputar a realização de uma obra com valor menor que R$ 150 mil. Com isso, não é necessário “divulgar” a licitação.

Entre as principais obras fraudadas estavam a construção de quadras poliesportivas, parquinhos e a instalação de meio-fios. Durante o pente-fino, foram analisadas 259 licitações vencidas pelas empresas investigadas. Foram cumpridos 24 mandados de busca e apreensão e 18 de prisão temporária (por cinco dias). Entre os alvos, havia três servidores públicos, além dos empresários e seus laranjas. Os investigados foram indiciados por fraude em licitação, organização criminosa (com aumento de pena por envolverem servidores públicos), lavagem de dinheiro, corrupção ativa e corrupção passiva. O GDF informou que irá exonerar os servidores.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Destak

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Operação da Polícia Civil cumpre mandados de prisão a servidores do Detran em Santarém

Sem Comentários

20/06/2018

Foi deflagrada, no início da manhã desta quarta-feira (20), uma operação da Polícia Civil em Santarém (PA), para cumprimento de mandados de prisão de servidores do Detran-PA (Departamento Estadual de Trânsito do Pará), ex-servidores e despachantes que estariam vendendo CNHs e fazendo apreensão de veículos. A operação também faz busca e apreensão.

Segundo a polícia, a denúncia sobre o esquema criminoso foi feita pelo próprio Detran, no ano de 2015, quando as investigações foram iniciadas pela Polícia Civil. Durante o inquérito, a polícia constatou indícios de infrações penais como associação criminosa, falsidade ideológica, inserção de dados falsos em sistema de informação, concussão (obtenção de vantagem indevida por servidor público), corrupção passiva e corrupção ativa, advocacia administrativa, dentre outras ilegalidades. As investigações foram feitas pelo Núcleo de Investigação (NAI) da superintendência regional de polícia do Baixo-Amazonas.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior