Dicas da Polícia Militar contra golpes de estelionato

Sem Comentários

05/12/2017

A secretaria de Estado de Segurança Pública, através do 16º Batalhão de Polícia Militar, alerta as pessoas com algumas dicas sobre como se prevenir contra golpes de estelionato. Bilhete premiado, conto do paco, herança, falso sequestro e troca de cartão em caixa eletrônico são alguns exemplos dos golpes. O crime de estelionato vem sendo aplicado no país inteiro e alguns casos também estão ocorrendo com frequência na região. Nesta segunda-feira (04), um homem caiu no conto do paco em Guarapuava.

O 16º BPM forneceu algumas dicas contra esses golpes que são aplicados geralmente nesta época do ano.

  1. Suspeite de pessoas que ofereçam prêmios tentadores (bilhetes premiados de loterias, joias, recompensas, prêmios fáceis, etc.). Desconfie de dinheiro e ganho fácil;
  2. Se encontrar objetos, folha de cheques, cartões ou carteiras na rua, solicite imediatamente o apoio da PM para o devido registro. Muitas vezes os golpistas usam esse momento para enganar as pessoas, oferecendo falsas recompensas;
  3. Desconfie de prêmios que chegam pelo celular, geralmente com DDD de outro estado. Neste caso, as pessoas empolgadas retornam para o telefone que está na mensagem e realizam depósitos em dinheiro para liberação do “suposto prêmio”.
  4. Ao retirar dinheiro do banco, guarde-o com cuidado em local discreto. Não conte dinheiro em público. Saindo do banco, certifique-se de que não está sendo seguido;
  5. Nunca exiba grande quantidade de dinheiro perante outras pessoas. Separe previamente a quantia necessária para as suas despesas diárias;

 O 16º BPM também orienta à população que estelionatários costumam se passar por pessoas influentes e bem vestidas, a fim de buscar proximidade com as vítimas em que tentam aplicar o golpe. Tendo sempre como justificativas causas sociais e filantrópicas, ou situações de urgência envolvendo a saúde de alguém, os criminosos solicitam a contribuição de valores que geralmente estão entre 1 mil e 2,5 mil reais. Em caso de dúvidas, ligue para a PM pelo 190. Caso queira ver a lista completa de dicas contra golpes, acesse a notícia na íntegra.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Correio do Cidadão

Fique ligado. Dicas do BrSafe para evitar essa modalidade de fraude.

Biometria obrigatória em São Sebastião do Alto e Trajano de Moraes, RJ, começa na segunda-feira

Sem Comentários

23/11/2017

Começa na próxima segunda-feira (27), o cadastramento biométrico dos eleitores de São Sebastião do Alto e Trajano de Moraes, no interior do Rio. Quem não fizer o procedimento terá o título cancelado e, além de ficar impossibilitado de votar nas próximas eleições, não poderá tirar passaporte, prestar concurso público ou obter empréstimos em bancos. O atendimento em São Sebastião do Alto será realizado na Rua João Luiz Daflon, 65, térreo. Já em Trajano de Moraes, o cadastramento será feito na Avenida Castelo Branco, 81. Em ambos os locais, os eleitores serão atendidos de segunda a sexta-feira, das 11h às 19h, e aos sábados, das 10h às 16h. Para fazer o cadastramento, o eleitor deverá levar documento de identidade oficial com foto, um comprovante de residência recente (emitido até três meses antes da data do atendimento) e o título de eleitor, caso possua. No caso de nova inscrição, os eleitores do sexo masculino maiores de 18 anos deverão apresentar, ainda, o comprovante de quitação militar. Já quem quiser atualizar o nome deve levar um documento que comprove a alteração dos dados, como a certidão de casamento, por exemplo. O cadastramento vai até 24 de março de 2018 e é obrigatório, inclusive para aqueles cujo voto é facultativo, como os menores de 18 anos, os maiores de 70 anos e os analfabetos. Só estão dispensados os eleitores que já tiveram seus dados biométricos coletados pela zona eleitoral do município e os que tiverem registrado em seu histórico no cadastro eleitoral o código indicativo de deficiência que impossibilite ou torne extremamente oneroso o cumprimento das obrigações eleitorais. O sistema com leitor biométrico identifica as impressões digitais e impede que alguém vote no lugar de outro eleitor, ou mesmo que utilize um documento falso de identidade para tirar o título, já que cada pessoa possui impressões digitais únicas. Quando comparecer ao posto de atendimento, o eleitor fará a coleta da impressão digital, irá tirar fotografia digital e também atualizará os dados cadastrais. No dia da eleição, ele será identificado em sua seção eleitoral por meio da impressão digital, e o sistema biométrico irá liberar a urna eletrônica para votação.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Para um quarto dos brasileiros, Black Friday ainda é “Black Fraude”

Sem Comentários

20/11/2017

De acordo com pesquisas realizadas por duas empresas especializadas em pesquisas digitais e e-business, foi revelado que os brasileiros ainda não se programaram para as compras da Black Friday. Para esta pesquisa, entrevistaram 500 pessoas, de 10 a 14 de novembro, para falar sobre as expectativas da data em 2017. “A gente queria saber se os brasileiros antecipavam as compras de Natal na Black Friday. Apenas 28% disseram que compram a maioria dos presentes na data, 44% das pessoas decidem se vão comprar ou não algo na Black Friday apenas no dia, após pesquisar os preços, sendo que 68% dos usuários pesquisam em sites comparadores de preço antes de tomar qualquer decisão. Este comportamento é tão forte, que 80% dos entrevistados baixariam um app apenas para comparar preços de produtos”, explica uma integrante de uma das empresas. Na pesquisa, apenas 15% afirmam que não vão comprar nada na Black Friday, alguns dos motivos são: desempregados (28%), porque estão economizando (28%) ou porque não precisam de nada neste momento (27%). A data continua vista como uma possibilidade de consumo, mas a decisão de compra só é tomada após a comparação de preços. Ainda assim, algumas pessoas não acham que as promoções são tão atrativas, pois encontram os mesmos valores durante o ano; 36% das pessoas não acham que as promoções valem tanto a pena e 26% acreditam que as lojas aumentam os preços antes da data, por isso a promoção recebe o apelido de “Black Fraude”. Das pessoas que desejam fazer algum tipo de compra, 94% estão motivadas pelo desconto; 68% afirmam que vão consultar APP que facilite a comparação de preços. “Existem plugins que conseguem ver o histórico de mudanças de valores do produto no site. As fraudes estão cada vez mais difíceis de passar. Só vai se dar bem as marcas e lojas que fazem promoções de verdade! As pessoas não acham os valores tão atrativos a ponto de comprar por impulso na data”, explica o diretor de uma das empresas. Ainda pela pesquisa, os itens mais cotados pelos consumidores são: celular (43,1%), roupas (40,5%), notebook / computadores (30,1%), eletrodomésticos (29,4%) e livros (25,4%). “Os lojistas devem estar preparados para o volume de vendas: as pessoas esperam uma grande variedade de produtos disponíveis em promoção e têm expectativa de recebê-los rapidamente e a forma de pagamento parcelado, pois mesmo com preço baixo, os consumidores ainda procuram dividir o valor dos gastos”, alertam as empresas responsáveis pela pesquisa.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Visão Oeste

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Black Fraude nunca mais! 7 dicas de mestre para evitar golpes e economizar com segurança

Sem Comentários

16/11/2017

A Black Friday brasileira vem apresentando cada vez mais fraudes, envolvendo promoções mentirosas e empresas falsas. Sites-fantasmas surgem da noite para o dia, espalhando pela internet seus mega descontos, fretes gratuitos e preços impossíveis de não chamar atenção. Por mais que tudo ocorra no ambiente on-line, os perigos de uma fraude eletrônica podem gerar transtornos imensos, envolvendo sequestro de dados bancários, pessoais e até processos jurídicos contra a própria vítima do golpe. E quem também sofre com isso são os lojistas que levam a liquidação a sério, que se espremem para oferecer ofertas verdadeiramente atrativas para o consumidor. Eles reduzem suas margens de lucro, apostam em um volume maior de venda, investem pesado em divulgação e ainda têm que lutar contra a cultura da fraude. Mas fique tranquilo! É possível se prevenir de todas as artimanhas da chamada “Black Fraude” com essas 7 dicas:

1 - FUJA DE SITES DUVIDOSOS

Eles surgem da noite para o dia, aparecem muito em anúncios de sites de pesquisa e se apresentam com layouts realmente convincentes. Para evitar tais sites, a dica é pesquisar suas reputações, seus protocolos internos de segurança e nunca digitar dados bancários até ter certeza de sua procedência.

2 - A FAMOSA METADE DO DOBRO

Prática bem comum na época da Black Friday, muitas lojas aumentam os preços de seus produtos antes da liquidação para, no dia 24, abaixá-los novamente, entregando descontos falsos. Monitorar os preços do que você está procurando é primordial.

3 - ATENÇÃO ÀS IMAGENS MERAMENTE ILUSTRATIVAS

Outro erro frequente de quem se aventura pelos e-commerces é não conferir se a descrição do produto é correspondente a foto que aparece na página de compras do site. Cores diferentes, modelos inferiores e ausência de funcionalidades podem se tornar uma dor de cabeça “daquelas”.

4 - TAXA DE ENTREGA X VALOR DO DESCONTO

Outra artimanha empregada nas lojas virtuais é dar desconto em seus produtos e compensá-lo na taxa de entrega. Na empolgação do momento, o consumidor não analisa o valor do frete e acaba pedindo um produto por um valor igual ou até superior ao de meses atrás. Ponto para a compra em lojas físicas.

5 - POLÍTICA DE TROCA E O SEU DIREITO

Em muitos casos, os sites alteram sua política de troca para se eximir de eventuais pedidos de troca, agindo de má fé para empurrar lotes de produtos defeituosos. Mas aqui entra o PROCON, resguardando o consumidor com 7 dias de prazo para desistência da compra, sem apontar qualquer motivo.

6 - GUARDE OS COMPROVANTES DE COMPRA

Nota fiscal, e-mail de confirmação, prints de telas de compra. Vale tudo para registrar todos os passos da sua compra, principalmente se for on-line. A legislação brasileira para internet ainda é muito falha, o que faz com que as compras nas lojas físicas sejam mais seguras também nesse ponto.

7PREFIRA LOJAS DE RUA E SHOPPING

Diante de tantas possibilidades de ser fraudado e enganado, a escolha por lojas físicas de confiança ainda é uma excelente pedida. Você pode experimentar o produto, tirar dúvidas com o vendedor, negociar melhor o preço e o melhor de tudo: sair com a sua compra na hora.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

PF descobre fraudes de R$ 500 mil em benefícios da Previdência

Sem Comentários

13/11/2017

A Polícia Federal deflagrou nesta segunda-feira (13), em Salvador, a Operação Contrafeito para desarticular organização que teria desviado R$ 500 mil dos cofres públicos por meio de fraudes na concessão de benefícios previdenciários. A ação conta com apoio do Núcleo de Inteligência Previdenciária da Secretaria de Previdência do Ministério da Fazenda. A força-tarefa mobilizou 50 policiais federias e 12 técnicos da Previdência para cumprimento de nove mandados de busca e apreensão em Salvador. Segundo as investigações, o grupo atuava desde 2012 e os envolvidos usavam documentos falsos para dar entrada em processos de requerimento de benefícios previdenciários. Na prática eram utilizados relatórios e exames médicos falsos com o auxílio de servidores do INSS, também envolvidos nas fraudes. O prejuízo apurado nessa primeira etapa da investigação atinge R$ 500 mil. A PF informou que os envolvidos vão ser enquadrados por estelionato contra a Previdência e formação de quadrilha.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: EM

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Estas são as fraudes mais comuns no e-commerce em 2017

Sem Comentários

05/09/2017

Um levantamento feito por uma empresa de segurança digital mostra quais são as fraudes mais comuns no comércio eletrônico da América Latina em 2017. A campeã é fraude de controle de conta, na qual o fraudador tem acesso a contas e cartões de crédito da vítima. O levantamento mostra que o segundo tipo de fraude mais comum é de afiliada, na qual “afiliadas que induzem estabelecimentos comerciais a pagar comissões não devidas”. Fechando o pódio do mal estão botnets. Nessa modalidade, os hackers assumem o controle de uma rede de computadores privada. Sem o conhecimento dos proprietários, os computadores são usados para “para roubar dados, enviar spam e permitir que criminosos acessem dispositivos”. A lista ainda mostra ataques como roubo de identidade, lavagem de dinheiro, phishing, entre outros. Veja abaixo o ranking de principais fraudes no comércio eletrônico na América Latina em 2017. As explicações de cada tipo de fraude são da empresa.

1. Fraude de controle de conta
“Forma de roubo de identidade em que o fraudador obtém acesso às contas bancárias ou ao cartão de crédito da vítima – por meio da violação de dados ou do uso de malware ou phishing – utilizando as informações para fazer transações não autorizadas.”

2. Fraude de afiliada
“Atividade fraudulenta gerada por uma afiliada na tentativa de gerar receita ilegítima; por exemplo, afiliadas que induzem estabelecimentos comerciais a pagar comissões não devidas.”

3. Botnets
“Rede privada de computadores infectados com um software malicioso. Esses computadores são controlados como um grupo, sem o conhecimento de seus proprietários; por exemplo, para roubar dados, enviar spam e permitir que criminosos acessem dispositivos.”

4. Teste de cartão
“Quando fraudadores usam as lojas on-line para testar informações do cartão de crédito que estão em seu poder. O objetivo é ‘testar’ os cartões para descobrir se eles foram bloqueados/cancelados, e se os limites de crédito foram atingidos.”

5. Fraude “limpa”
“Utiliza informações roubadas do cartão de crédito e, com grande quantidade de dados pessoais, os criminosos efetuam compras fazendo-se passar pelos verdadeiros portadores do cartão sem levantar suspeitas. Assim manipulam as transações para burlar as funcionalidades de detecção de fraude.”

6. Fraude “amigável”
“Ocorre quando o consumidor faz uma compra on-line usando seu próprio cartão de crédito e após receber o produto ou serviço, solicita o estorno ao banco emissor. Uma vez aprovado, o estorno cancela a transação financeira e o consumidor recebe de volta o montante gasto.”

7. Roubo de identidade
“Uso deliberado da identidade de outra pessoa, normalmente para obter vantagens financeiras, crédito e outros benefícios em seu nome.”

8. Lavagem de dinheiro
“Processo que oculta as origens de fundos obtidos ilegalmente, por transferências de recursos envolvendo bancos estrangeiros ou empresas legítimas. Isso faz com que fundos obtidos ilegalmente ou ‘dinheiro sujo’ pareçam legais ou ‘limpos’.”

9. Phishing/pharming/whaling
“São técnicas de engenharia social utilizadas para pessoas físicas, jurídicas ou empresas, ou para atraí-los para sites falsos na tentativa de obter informações como números de cartão de crédito, senhas bancárias e outros dados.”

10. Esquemas de triangulação
“Criminosos usam cartões de crédito roubados para comprar mercadorias arrematadas em leilões on-line ou adquiridas em sites de e-commerce. Em seguida, revendem essas mercadorias a clientes legítimos, que não estão envolvidos na fraude.”

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Exame

Fique ligado. Dicas do BrSafe para evitar essa modalidade de fraude.

Roteiro para proteger seu dinheiro de fraudes e golpistas

Sem Comentários

01/08/2017

É preciso estar sempre atento em relação ao dinheiro, e em todas as frentes possíveis. Segundo dados divulgados no Congresso Mundial de Geriatria e Gerontologia, ocorrido entre 23 e 27 de julho, um em cada dezoito idosos, mesmo sem problemas cognitivos, é vítima de algum tipo de fraude financeira. Golpistas ficam de olho na aposentadoria e na poupança que a pessoa possa ter guardado durante a vida. Se o indivíduo estiver nos primeiros estágios de demência, pode tomar decisões desastrosas – trata-se de um “custo oculto” de enfermidades como o Alzheimer. Uma pesquisa mostrou que 47% deixam de pagar as contas, ou fazem o pagamento com atraso; 35% realizam compras imprudentes ou desnecessárias; e 21% acabam com suas economias.

Para se proteger – e abrir o olho dos amigos e parentes – confira os golpes mais comuns:

 1) Produtos antienvelhecimento falsos: justamente porque vivemos numa sociedade que endeusa a juventude, pessoas mais velhas podem ser atraídas por anúncios que prometem milagres de rejuvenescimento, com risco para a saúde.

 2) Telemarketing de araque: golpe antigo e recorrente, no qual os bandidos fingem vender produtos que nunca são entregues. De posse dos dados da pessoa, podem ampliar o prejuízo usando essas informações.

 3) Fraudes na internet: elas têm se multiplicado vertiginosamente. Pode ser uma janela que aparece na tela do computador simulando um programa para fazer uma varredura contra vírus – não clique, ok? Ou uma mensagem que parece vir do seu banco, da Receita Federal ou outra empresa conhecida, mas cujo objetivo é ter acesso a seus dados.

4) Netos de mentira em apuros: é uma variante do golpe do falso sequestro. Alguém telefona perguntando: “adivinhe quem está falando, vô/vó?”. Se a vítima morder a isca, dando um nome, baixará a guarda para ajudar um falso neto/neta com um depósito ou outro tipo de socorro financeiro. E é claro que a senha para garantir o sigilo será: “não conte nada para meus pais, se não eles vão brigar comigo”.

 6) Parentes que são serpentes: o mal, com frequência, é causado por gente próxima. Na verdade, a maior parte dos abusos é praticada por filhos, seguidos por netos e sobrinhos. Pode ser um empréstimo que nunca será pago, apropriação dos cartões do idoso, ou surrupiar o dinheiro sem dor na consciência.

 O que fazer para evitar a fraude ou se desconfiar que uma está em andamento:

 1) Se for procurado com algum tipo de oferta, exija que a proposta seja enviada por escrito. Avise que não toma decisões apressadamente e peça dados do seu interlocutor: nome, endereço da empresa, identidade, enfim, mostre que está atento, o que fará o outro desistir se tiver más intenções.

 2) Instale antivírus em seu computador, proteja sua caixa de mensagens com um anti spam e elimine e-mails desconhecidos. Não anote senhas em locais óbvios (como agendas).

 3) Confira regularmente seu saldo bancário e extratos de rendimentos. Em hipótese alguma dê informações pessoais ou financeiras por telefone, a menos que você mesmo tenha procurado o serviço. Considere a hipótese de ter alguém de confiança para ajudar neste monitoramento.

 4) Os sinais mais evidentes de que algo de errado pode estar acontecendo com um ente querido:

a) Ele começa a apresentar comportamento confuso ou demonstra medo.

b) Há saques atípicos na conta corrente ou uso do cartão de crédito por terceiros.

c) Contas deixam de ser pagas apesar de a pessoa ter renda.

d) Quem cuida do idoso dificulta o acesso a ele.

 No momento em que se der conta de que está presenciando ou vivendo uma situação de abuso, entre em contato com o banco ou a operadora de cartões, fazendo os cancelamentos necessários. Não tenha medo ou vergonha de falar sobre isso com alguém em quem confie, você não está sozinho.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Fique ligado. Dicas do BrSafe para evitar essa modalidade de fraude.

Anterior