Presos suspeitos de vender cheques roubados e falsificados em Goiânia

Sem Comentários

04/01/2018

Polícia Civil apreendeu 13 talões de cheque roubados e falsificados com dupla de estelionatários.

A Polícia Civil prendeu dois suspeitos de comercializar folhas e talões de cheques roubados e falsificados em Goiânia. Além da dupla, de 48 e 50 anos de idade, a corporação também deteve dois idosos, de 73 e 71 anos, que compravam o material. A investigação aponta que os estelionatários pagavam comerciantes em várias cidades de Goiás, mas que os valores não foram descontados, causando prejuízo de cerca de R$ 450 mil aos empresários. “Eles chegavam ali no comércio com cheque já preenchido com determinado valor, porque o cheque é de terceiro. Um falava que recebeu do patrão, outro fala que recebeu de uma venda. O fato de serem idosos com uma conversa mansa despertava até solidariedade por parte do comerciante. Faziam compras até em valor menor e convenciam o comerciante ainda a voltar a diferença em dinheiro”, explicou a delegada responsável pelo caso. Ainda segundo ela, foram apreendidos 13 talões originais e falsificados com os presos, que respondem pelos crimes de estelionato e receptação. A delegada afirmou que a dupla comprava os talões roubados por R$ 300 e vendia cada folha por R$ 15. “Identificamos dois dos estelionatários que compravam essas folhas, mas com certeza são diversos. Eles usavam essa oficina gráfica para comercializar os cheques, mas acredito que não era ali que era feita a falsificação, era só o local de venda mesmo”, completou.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Preso acusado de aplicar golpe com cheques adulterados

Sem Comentários

18/09/2017

Um homem foi preso acusado de estelionato. O acusado, conforme o boletim de ocorrência, teria tentado sacar, em dois momentos, cheques de uma cliente e que as folhas apresentadas estariam adulteradas. No primeiro momento, o homem tentou sacar R$ 2,8 mil, mas os funcionários do banco entraram em contato com a cliente, que negou a emissão do referido cheque e que, pela numeração, a folha do cheque estaria no talonário que se encontrava em poder da cliente. O servidor do banco a orientou a inutilizar a folha de cheque em questão. No entanto, posteriormente, a cliente recebeu novo telefonema de funcionário da agência bancária de que havia um homem tentando sacar um cheque da cliente no valor de R$ 17 mil. Pela numeração, a cliente observou que seria a mesma folha de cheque que teria sido sustada. A cliente também constatou que os telefones dela também teriam sido bloqueados, irregularmente, por furto. Os funcionários do banco acionaram os policiais e o acusado foi encaminhado para a Delegacia Plantonista, onde foi autuado em flagrante por estelionato tentado.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: INFO NET

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Golpe com cheque fica cada vez mais sofisticado

Sem Comentários

07/06/2017

A cada ano que passa, os cheques são menos utilizados, por causa disso, eles têm sido alvo de golpes requintados em São Paulo. Especialistas em reproduzir “assinaturas perfeitas” e até sequestro de celular são alguns dos recursos usados por quadrilhas para lesar as vítimas, sem precisar enganá-las para obter informações e praticar o crime. A sofisticação dos bandidos, porém, também convive com estelionatos “clássicos”. Dias após usar um cheque, uma administradora de empresas, de 42 anos, percebeu um débito de R$ 2.450 na sua conta bancária. “Era de um cheque que eu nunca tinha dado”, afirma. O valor, diz, era exatamente o que tinha na conta. Ela conta que o cheque clonado era “perfeito”. “Até a assinatura, diria que fui eu que fiz”, diz. O dinheiro foi ressarcido pelo banco, mas o caso a fez se sentir insegura. “Houve acesso ao meu RG, CPF. Meu medo era que usassem os dados para outros golpes.” Um técnico de telecomunicação, de 41 anos, também teve o cheque clonado depois de realizar um depósito. “Eu mesmo pus o cheque no caixa eletrônico para a minha própria conta”, diz. O verdadeiro tinha o final 52. O falso, 55. “Essa folha nunca foi usada. Tenho o original na carteira até hoje.” O valor era de R$ 4,9 mil e foi restituído pelo banco. Em março, uma operação do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), órgão da Polícia Civil que apura crimes contra o patrimônio e a fé pública, prendeu nove integrantes de uma quadrilha de falsificação de cheque. Outros seis estão foragidos até hoje. Conforme as investigações, os bandidos escolhiam os alvos com base em fichas cadastrais de banco – um indicativo de que tinham informantes dentro de agências. O esquema conseguia movimentar até R$ 600 mil por mês e tinha, entre as vítimas, juízes, promotores e delegados. Para o golpe, a quadrilha se valia de um especialista em falsificar assinatura, conhecido entre os investigadores como “o artista”. Os criminosos também “sequestravam” a linha telefônica da vítima. Quando o banco ligava, era o bandido quem autorizava a transação.

Vulnerabilidade

“O avanço da tecnologia abriu novas frentes de trabalho para as quadrilhas”, afirma um coronel, especialista em segurança pública. “Os bandidos também procuram a vulnerabilidade da vítima, então se valem de pessoas que não sabem lidar com e-mail ou aplicativos, principalmente idosos.” Em nota, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) afirma que os bancos investem cerca de R$ 2 bilhões ao ano em sistemas e ferramentas de segurança da informação. “Diversos golpes, porém, usam de artimanhas de engenharia social, ou seja, técnicas de persuasão”, diz. Segundo a Polícia Civil, um desses golpes envolve estelionatários que ligam para vítimas se passando por funcionários do setor de segurança dos bancos. Após obter informações, como o número de série do cheque, conseguem praticar o crime.

Queda

Dados da Serasa indicam que o número total de cheques compensados em São Paulo caiu cerca de 81,2%, na comparação entre os anos de 2001 e 2016. Apesar do recuo, a ordem de pagamento ainda é bastante usada, em especial como forma de garantia em transações comerciais.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Estadão

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia deflagra operação contra bando que falsificava assinaturas e cheques

Sem Comentários

07/03/2017

Foi deflagrada nesta terça-feira (07), uma ofensiva contra a ação de marginais que agiam contra clientes de bancos em todo o Brasil. Ao todo, a Polícia Civil de São Paulo cumpre 15 mandados de prisão e 18 mandados de busca e apreensão na cidade de São Paulo e nos municípios de Nova Odessa, Piracicaba e Sumaré. O Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) apurou que a quadrilha conseguia descontar cheques de altos valores reproduzindo com perfeição a assinatura do correntista e “sequestrando”, por algum tempo, a linha telefônica da vítima. O prejuízo pode atingir R$ 5 milhões em um período de 10 meses. Em janeiro, um morador de Santos sofreu um golpe similar. Ele teve cheques descontados de sua conta corrente, próximos ao limite de R$ 5 mil. ”Quis ver a assinatura, pois o banco tem como conferir. E ela estava lá, semelhante a que eu faço”, disse, na ocasião. Um dia antes do fato, a vítima chegou a ficar sem sinal de celular, mas, só depois, percebeu que a ”pane” era proposital.

Funcionários aliciados

A ação conta com a participação de 70 policiais e foi deflagrada após oito meses de apurações por parte da 2ª Delegacia de Investigações sobre Estelionato. O golpe funcionava da seguinte forma: os golpistas aliciavam funcionários de instituições financeiras para obter informações completas sobre os principais correntistas. Dessa maneira, conseguiam dados cadastrais, como nome, endereço, telefones, números de documentos de identificação e das contas correntes – além da assinatura. As informações eram compartimentadas entre os diversos setores da quadrilha. No bando havia um especialista, que reproduzia os cheques assinados. O falso documento era quase perfeito, a ponto da vítima não acreditar que a assinatura não fosse dela. Para sequestrar a linha, eles conseguiam clonar o número do correntista. Assim, quando os funcionários dos bancos ligavam para confirmar a transação, eram autorizados pelos próprios vigaristas. Presos, os golpistas responderão por estelionato e associação criminosa.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: A Tribuna

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Ouro Preto: golpista adultera cheque e saca valor 650 vezes maior

Sem Comentários

27/12/2016

Um suposto estelionatário aplicou um golpe em uma empresa de importação e exportação após ter adulterado um cheque de R$ 107,96 para mais de R$ 70 mil. O estelionato ocorreu na manhã desta quinta-feira (22), por volta das 11h. Segundo o que consta na ocorrência policial, o suspeito havia apresentado um cheque em nome de uma empresa de importação e exportação no valor de R$ 70.296,00 e solicitado para que fosse debitado. Também foi informado que o estelionatário havia feito previsão um dia antes da retirada, na quarta-feira (21), e que no dia do ocorrido realizou o saque do cheque após ter apresentado uma identidade e assinado como outra pessoa. Um dia depois do ocorrido, na sexta-feira (23), o responsável pela empresa dona do cheque teria ligado na agência e questionado por que o cheque havia sido debitado naquela quantia, sendo que ele teria sido preenchido no valor de apenas R$ 107,96. A partir deste momento foi constatado que o cheque teria sido adulterado. De acordo com a gerente da cooperativa de crédito, toda a ação do suspeito foi filmada.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Gazeta Central

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Homem quebra porta giratória após tentar aplicar golpe em banco no CE

Sem Comentários

06/11/2015

Um homem foi preso após tentar aplicar um golpe em uma agência bancária e quebrar a porta giratória na tarde da sexta-feira (06) em Fortaleza. Conforme a Polícia Militar, o suspeito de 36 anos era de Rondônia, e tentou sacar dinheiro com um cheque falsificado em um banco da Avenida Pontes Vieira. Ao ser atendido, ele teria corrido quando a bancária solicitou um documento de identificação e quebrou a porta giratória com um murro na tentativa de fuga. Ainda segundo a PM, os seguranças do banco conseguiram conter o suspeito, que foi preso e levado para o 4º Distrito Policial, no Bairro Pio XX. Um cliente que estava na agência divulgou imagens do tumulto. Nas fotos, é possível ver outros clientes agachados, estilhaços do vidro da porta giratória e manchas de sangue no chão, provavelmente por conta do ferimento na mão do suspeito. A Polícia acredita que ele seja integrante de uma quadrilha de estelionatários de Rondônia.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia prende mulher que aplicava golpes no comércio com cheques furtados

Sem Comentários

14/10/2015

Uma mulher foi detida nesta quarta-feira (14) acusada de estelionato. Conforme a polícia, ela efetuava compras e repassava cheques furtados ou de contas e agências inexistentes. A prisão em flagrante aconteceu quando ela estava em um comércio de Lucas do Rio Verde. Segundo informações, há alguns dias comerciantes haviam recebido cheques sem fundo ou de contas e agências já inexistentes. Com a investigação em curso, a polícia acabou fazendo o flagrante nesta manhã. “Ela estava tentando passar um cheque no valor de R$ 1.215,00, quando os policiais civis foram ao local e constataram que o cheque era falsificado e que ela estava tentando obter um benefício com esse cheque”, explicou. Quando os investigadores solicitaram a documentação da mulher, foram surpreendidos com a apresentação de três documentos de identidade. “Com a fotografia dela, porém em nomes de pessoas distintas”, ressaltou o delegado responsável, informando que a suspeita foi detida por estelionato e uso de documento falso. Os golpes não foram aplicados apenas em comércios de Lucas do Rio Verde. A suspeita é que ela tenha feito vítimas em outras cidades da região. “Um dos cheques que ela usou em um golpe, o estelionato que foi praticado aqui em Lucas, já foi constatado que se trata de uma folha produto de crime na cidade de Rosário Oeste, cuja vítima é a paróquia daquele município”, informou. Para a polícia, a mulher agia sozinha. Foram apreendidas com a suspeita, várias folhas de cheque de diversos correntistas. “Apesar dos correntistas serem distintos, as assinaturas dos cheques eram semelhantes”, detalhou o delegado.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Expresso MT

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior