Mulher é presa com certificados de conclusão do ensino médio falsos ao tentar fraudar financiamento na Bahia

Sem Comentários

12/05/2018

Em Feira de Santana, cidade a cerca de 100 km de Salvador, um homem e uma mulher foram presos em flagrante ao tentarem fazer um financiamento usando documentos falsos. Segundo a polícia, o caso ocorreu na sexta-feira (11). A dupla tentou aplicar o golpe em uma loja de carros localizada na Avenida Maria Quitéria. Com a mulher, foram encontrados diversos certificados falsos de conclusão de ensino médio, que seriam comercializados na cidade. Ao ser presa, a dupla disse que agia com a orientação de um terceiro integrante do grupo. No entanto, ele não foi localizado. Os dois foram encaminhados ao Complexo do Sobradinho, onde ficarão à disposição da Justiça.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Grupo que vendia falsos certificados de ensino médio a R$ 600 é indiciado em Campo Grande

Sem Comentários

27/03/2018

Polícia apreendeu falsos certificados e carimbos usados para o crime.

Em Campo Grande (MS), a Polícia Civil indiciou 3 pessoas por venderem e anunciarem falsos certificados de ensino médio e histórico escolar. Conforme a polícia, o grupo estaria praticando o crime há cerca de 4 anos. Além de oferecerem para amigos, eles também postavam na internet com os dizeres: EJA Ensino Médio Rádio, entre em contato.”O crime começou, segundo uma das mulheres envolvidas, quando ela começou a fazer trabalhos escolares e foi procurada por uma pessoa para fazer o certificado. A mulher então cobrou R$ 100, mais os valores dos carimbos, em que ela colocou o nome da diretora de uma escola e a secretária, sendo que esta última pessoa nem trabalha mais lá”, afirmou o delegado responsável. Após fazer a falsificação, a mulher guardou os carimbos e deixou o modelo salvo no computador dela. Dois anos depois, o irmão viu a fraude e decidiu também oferecer para as pessoas. “Foi neste momento que o irmão exigiu os mesmos R$ 100 por documento vendido. O homem passou a oferecer a colegas de trabalho por R$ 300 e houve contradições porque ele disse que repassava R$ 150 a ela”, explicou o delegado. O homem mantinha um relacionamento na época e esta terceira pessoa envolvida passou a ajudar ele, já com o preço de R$ 600 por certificado. “A primeira pessoa envolvida até questionou o irmão como eles estavam arrumando tantos clientes, pois antes vendia somente um por mês e depois passou a ocorrer a venda de dois a três por semana, do ano de 2017 para cá”. A polícia foi até a casa de um dos envolvidos e os outros se apresentaram na delegacia. Todos confessaram o envolvimento com o crime e foram indiciados por falsificação de documento público. A pena varia de 2 a 6 anos, além da multa. Antes das buscas, a investigação também soube que a diretora da escola desconfiava de fraudes e inclusive já tinha feito queixa na Delegacia Especializada de Repressão à Roubos e Furtos (Derf). “É importante frisar que, quem comprou este documento e for identificado também responde por uso de documento falso. A pena é a mesma para os dois lados. Nós temos a suspeita de que pessoas fizeram para conseguir emprego e, possivelmente, alguém está até cursando faculdade. Ao todo, uma das pessoas envolvidas disse que fez ao menos 25 certificados”, finalizou o delegado.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

 

PRF apreende carga ilegal de pneus na rodovia BR-222, em Sobral, no CE

Sem Comentários

26/08/2016

Nesta quinta-feira (25), na BR-222, em Sobral, a 245 quilômetros de Fortaleza, dois homens foram presos por transporte ilegal de carga. Segundo a Polícia Rodoviária Federal do Ceará (PRF-CE) os dois homens falsificaram documentos. M.A.P., de 49 anos, e W.C.O., de 41, dirigiam dois caminhões  que transportavam grandes pneus. Conforme o inspetor da PRF de Sobral, eles iam do Pecém em direção a Parauapebas, interior do Pará. O  problema é que dirigiam com o certificado exigido falsificado. As assinaturas dos diretores são falsas e o modelo de certificado usado por eles é outro. Ainda disseram que já existe um processo em andamento na Polícia Federal de Marabá, por conta disso. A dupla foi presa e vai responder por uso de documento  falso. A carga de pneus com mais de três metros de largura, vai ficar apreendida, até que um  condutor capacitado se apresente no local.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Dupla é presa por falsificar históricos escolares e certificados de faculdades

Sem Comentários

17/05/2016

Nesta terça-feira (17), dois jovens de 21 e 25 anos acabaram sendo presos por falsificação de certificados de ensino médio, de histórico escolar, cursos técnicos e faculdades. Segundo a Polícia Civil de Capivari (SP), responsável pela investigação, a dupla faz parte de um grupo que “fabrica” e vende documentos para  pessoas de todos os municípios de São Paulo, além de outros estados do país. Com os suspeitos, foram apreendidos ainda computadores e papéis para impressão. Os homens foram encaminhados para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Piracicaba (SP). De acordo com a investigação, a dupla chegou a vender os documentos falsificados para centenas de pessoas, que faziam os pedidos pela internet. Os preços variavam de R$ 300, em caso de históricos escolares, até R$ 800, quando se tratavam de certificados de universidades públicas e privadas. As entregas dos certificados e dos históricos escolares eram feitas em mãos pelos suspeitos, exceto em caso de pedidos de outros estados, quando os criminosos enviavam os documentos pelos Correios. Para falsificar os papéis, a dupla apenas colocava os nomes de quem fazia a solicitação no computador e realizava as entregas.

Investigação

A Polícia Civil já havia prendido outro integrante da quadrilha há dois meses. A investigação chegou  ao primeiro suspeito após uma denúncia enviada pela Polícia Federal de que o jovem vendia documentos falsos através de uma rede social. Depois de monitorar o Facebook do rapaz, os policiais prenderam o criminoso na Rodoviária de Capivari (SP) no dia 22 de março, enquanto fazia uma entrega. Na ocasião, o computador do suspeito também foi apreendido e, através de informações armazenadas no aparelho, a Polícia Civil chegou aos outros dois jovens presos nesta terça-feira. A investigação não acredita que outras pessoas estejam envolvidas e agora deve chamar todas as pessoas que compraram os certificados falsos para prestar depoimento. Elas podem ser indiciadas por uso de documento falso.

Jovem é preso por falsificar e vender certificados e diplomas na internet por até R$ 2 mil

Sem Comentários

04/02/2016

A Secretaria-executiva-adjunta de Inteligência da Secretaria da Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM) prendeu na manhã desta quinta-feira (04) M.C.A.A., de 24 anos, por falsificação de documento público. Ele foi conduzido para o 11º Distrito Integrado de Polícia (DIP) para o procedimento de flagrante. O jovem vinha sendo investigado há alguns meses após anunciar na internet a venda de certificados falsos de universidades públicas e privadas e de escolas de ensino médio da capital. Ele foi preso na sua casa, onde também funcionava uma gráfica, no bairro Betânia, Zona Sul de Manaus. Dentre os certificados há inclusive de cursos de direito e engenharia. Segundo a secretária-executiva-adjunta de Inteligência, no local foram encontrados dezenas de carimbos com os nomes dos gestores das universidades e de escolas públicas. A suspeita é de que ele tenha copiado as assinaturas de certificados originais. O jovem cobrava cerca de R$ 2 mil para certificados falsos de nível superior e R$ 600 de Ensino Médio. “Estamos investigando o envolvimento de outras pessoas e vamos identificar todos que também adquiriram esse certificado falso, que também podem responder pelo uso de documento falso”, disse. O crime de falsificação de documento é previsto no Artigo 297 do Código Penal Brasileiro e prevê pena de dois a seis anos e multa para quem “Falsificar, no todo ou em parte, documento público, ou alterar documento público verdadeiro”.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: A Crítica

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia prende mulher que vendia certificados de ensino falsos

Sem Comentários

02/12/2014

Uma mulher foi detida acusada de vender certificados de conclusão dos ensinos fundamental e médio e atestados médicos falsos. A ação da Polícia Civil, através da Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF), ocorreu na tarde desta terça-feira (02), no bairro São João do Tauape. Segundo a Polícia, a técnica de enfermagem C.F.O., de 23 anos, vendia os certificados pelo valor de R$ 150. Durante a prisão dela, na própria residência, os policiais apreenderam diversos carimbos com nomes de diretores de escolas e secretários da Secretaria da Educação do Ceará (Seduc), de médicos, além de certificados brancos e preenchidos.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: O Povo

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Homem é preso ao tentar autenticar certificado falso

Sem Comentários

25/11/2014

Na última quinta-feira (20), um homem de 38 anos de idade foi detido ao tentar autenticar um falso certificado de curso de mototaxista em um cartório. Segundo o boletim policial, o tabelião substituto relatou que o suspeito foi até aquele cartório para reconhecer firma de um certificado do curso de mototaxista e, ao ser pesquisado quanto à autenticidade do documento, foi descoberto que o selo daquele certificado era falso, bem como a assinatura do dirigente da unidade operacional do SEST/SENAT, órgãos responsáveis por realizar o curso de mototaxista e emissão dos certificados. O suspeito foi conduzido à Delegacia de Polícia Civil, informou que no dia 4 de junho deste ano esteve no prédio onde funciona o SEST/SENAT na cidade de Porto Velho, onde contatou uma pessoa que trabalha na recepção daquela instituição e procurou se informar sobre os procedimentos para se fazer o curso de mototaxista. Instantes depois, um homem desconhecido informou para o suspeito que aquele curso que ele buscava fazer poderia ser comprado pelo valor de R$ 180,00, sendo que o certificado seria o mesmo que o original. Ao pagar aquele valor, não seria necessário participar dos treinamentos que são exigidos para a conclusão do curso. Após ter optado pelo certificado falso, foi-lhe apresentado um outro homem que dizia trabalhar no SEST/SENAT. Após dois dias, entregaram-lhe o certificado e pagou o valor combinado dentro da própria instituição. O tabelião substituto disse aos policiais que este é o terceiro caso de falsificação de documentos dessa natureza detectado pelo cartório e que a Corregedoria Geral do Cartório Extrajudicial de Porto Velho já emitiu uma alerta informando sobre essas falsificações. Eles suspeitam da atuação de uma organização criminosa que confecciona esses certificados com alto nível de qualidade, chegando muito próximo do real e que adulteram as assinaturas do responsável pelo curso e pelo selo de autenticação do cartório.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Rondônia ao Vivo

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior