MPES identifica 915 pessoas que compraram diplomas falsos

Sem Comentários

22/01/2019

O Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES), por meio da Promotoria de Justiça de Rio Bananal, identificou 915 pessoas que receberam diplomas de graduação falsos. A “Operação Mestre Oculto” apura a venda dos certificados de forma fraudulenta, sem que os alunos participassem efetivamente das aulas, visando a nomeação em cargos públicos. A lista com os 915 nomes foi encaminhada à Prefeitura de Rio Bananal, após colaboração premiada envolvendo investigados nas duas fases da “Operação Mestre Oculto”. O MPES informou que outras prefeituras capixabas e a Secretaria de Estado da Educação (Sedu) também vão receber a lista com nomes de pessoas que usaram do esquema fraudulento para conseguir diplomas de graduação, pós-graduação e cursos livres a professores, sem a necessidade de comparecimento às aulas presencias. O Ministério Público Estadual está levantando os dados para saber quantos professores estão ou estiveram em sala de aula de forma indevida, usando documentos obtidos de forma fraudulenta.

O Ministério Público também quer saber quais professores de Rio Bananal, onde a investigação começou, apresentaram documentos falsos para dar aulas. Caso os nomes sejam confirmados pela administração municipal, as pessoas envolvidas responderão na Justiça por uso de documentos falsos e estarão sujeitas a punições administrativas. As investigações envolvendo as duas fases da Mestre Oculto avançaram e se desdobraram nas operações Estória e a Viúva Negra, também deflagradas pelo MPES. Donos de instituições de ensino localizadas no Norte do Estado foram presos, além de pessoas ligadas ao esquema criminoso de venda e compra de diplomas e certificados. O MPES já denunciou à Justiça 11 pessoas investigadas nas duas fases da Operação Mestre Oculto.

Estelionatário é preso por vender certificados falsos de Ensino Médio

Sem Comentários

16/01/2019

O Grupo de Operações e Investigações (GOI), prendeu na terça-feira (15), o estelionatário W.B.S., 19 anos, no Jardim Paradiso, em Campo Grande. Ele anunciava pela internet e vendia certificados falsos de conclusão de Ensino Médio. Policiais chegaram até ele depois que um rapaz de 21 anos comprou o certificado e descobriu que se tratava de um documento falso. Ele relatou à polícia que viu a oferta no Facebook de uma colega e entrou em contato com o autor. A propaganda dizia que o certificado de conclusão de Ensino Fundamental e Médio era reconhecido pelo MEC (Ministério da Educação) – 100% confiável. O valor de R$ 350 a R$ 400 era realizado depois que cliente recebesse o certificado, três dias depois após a solicitação. Interessado, o rapaz entrou em contato com o estelionatário via WhatsApp, que se identificou como Vitor. O autor alegou que tudo era feito dentro da lei, que o documento era reconhecido pelos órgãos responsáveis. O negócio foi fechado e após três dias, a vítima recebeu o certificado e fez o pagamento de R$ 400.

No dia seguinte, o rapaz ligou na escola que aparecia no carimbo do certificado para confirmar a autenticidade e descobriu que não havia nenhum documento com o nome dele no sistema, porém os nomes que constavam no certificado eram de funcionários do local. A vítima, então, entrou em contato com o autor questionando sobre a situação e acabou bloqueado no aplicativo de mensagens. A cunhada da vítima que também já havia marcado encontro com estelionatário para adquirir o certificado foi informada sobre o golpe. Na sequência, o rapaz procurou a polícia para registrar a ocorrência e informou os dados que tinha do autor como telefone e endereço. O jovem foi preso em frente de casa com documento de identidade falso em mãos e outros quatro na mesma situação dentro da residência. Também foram localizados no imóvel três carimbos, sendo um de uma escola, de um diretor e de uma secretária. Questionado, ele confessou que fazia documentos falsos há mais de um ano e anunciava o negócio por meio de um perfil “fake” no Facebook.

Homem é preso com certificados escolares falsos em Paracatu

Sem Comentários

07/01/2019

Um homem, de 26 anos, foi preso na última sexta-feira (04) com certificados escolares falsos em Paracatu (MG). Segundo a Polícia Militar (PM), os agentes receberam informações de que o suspeito estava com documentos falsos e iniciaram rastreamentos no intuito de localizar o homem. O sujeito foi localizado pelos militares na Rua Donizete Victor Rodrigues, no bairro Bela Vista. Ele foi abordado num veículo Fiat/Siena. Dentro do carro, os militares localizaram dois certificados de ensino médio com indícios de falsificação. O homem disse para a polícia que teria recebido os dois certificados de um mototaxista desconhecido no dia 03 de janeiro deste ano, e que o documento seria entregue na rua onde ele havia sido abordado e o outro no centro da cidade. Ele ainda disse aos policiais que ganharia a quantia de R$ 100 por cada certificado. Ainda foram localizados mais dois documentos na casa do suspeito e mais três papéis de certificados não preenchidos. Diante da situação, o homem foi preso e conduzido para a delegacia de Polícia, juntamente com os documentos apreendidos.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Paracatu News

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Estelionatário é detido emitindo certificados falsos de supletivos

Sem Comentários

03/10/2018

Foi encaminhado para audiência de custódia um universitário, de 26 anos, suspeito de emitir certificados falsos de conclusão de cursos supletivos no Recife. O homem foi detido no prédio Santa Helena, no bairro de São José, na área central do município, onde usava uma das salas para realizar provas com os alunos. No momento em que foi detido, o estudante estava entregando um certificado a uma das vítimas. Conforme a delegada adjunta de estelionato, mais de 30 documentos estavam prontos para serem entregues. Todos eles tinham carimbo, assinatura e o nome de um curso supletivo que funciona no estado da Paraíba.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Rádio Jornal

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Mulher é presa com certificados de conclusão do ensino médio falsos ao tentar fraudar financiamento na Bahia

Sem Comentários

12/05/2018

Em Feira de Santana, cidade a cerca de 100 km de Salvador, um homem e uma mulher foram presos em flagrante ao tentarem fazer um financiamento usando documentos falsos. Segundo a polícia, o caso ocorreu na sexta-feira (11). A dupla tentou aplicar o golpe em uma loja de carros localizada na Avenida Maria Quitéria. Com a mulher, foram encontrados diversos certificados falsos de conclusão de ensino médio, que seriam comercializados na cidade. Ao ser presa, a dupla disse que agia com a orientação de um terceiro integrante do grupo. No entanto, ele não foi localizado. Os dois foram encaminhados ao Complexo do Sobradinho, onde ficarão à disposição da Justiça.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Grupo que vendia falsos certificados de ensino médio a R$ 600 é indiciado em Campo Grande

Sem Comentários

27/03/2018

Polícia apreendeu falsos certificados e carimbos usados para o crime.

Em Campo Grande (MS), a Polícia Civil indiciou 3 pessoas por venderem e anunciarem falsos certificados de ensino médio e histórico escolar. Conforme a polícia, o grupo estaria praticando o crime há cerca de 4 anos. Além de oferecerem para amigos, eles também postavam na internet com os dizeres: EJA Ensino Médio Rádio, entre em contato.”O crime começou, segundo uma das mulheres envolvidas, quando ela começou a fazer trabalhos escolares e foi procurada por uma pessoa para fazer o certificado. A mulher então cobrou R$ 100, mais os valores dos carimbos, em que ela colocou o nome da diretora de uma escola e a secretária, sendo que esta última pessoa nem trabalha mais lá”, afirmou o delegado responsável. Após fazer a falsificação, a mulher guardou os carimbos e deixou o modelo salvo no computador dela. Dois anos depois, o irmão viu a fraude e decidiu também oferecer para as pessoas. “Foi neste momento que o irmão exigiu os mesmos R$ 100 por documento vendido. O homem passou a oferecer a colegas de trabalho por R$ 300 e houve contradições porque ele disse que repassava R$ 150 a ela”, explicou o delegado. O homem mantinha um relacionamento na época e esta terceira pessoa envolvida passou a ajudar ele, já com o preço de R$ 600 por certificado. “A primeira pessoa envolvida até questionou o irmão como eles estavam arrumando tantos clientes, pois antes vendia somente um por mês e depois passou a ocorrer a venda de dois a três por semana, do ano de 2017 para cá”. A polícia foi até a casa de um dos envolvidos e os outros se apresentaram na delegacia. Todos confessaram o envolvimento com o crime e foram indiciados por falsificação de documento público. A pena varia de 2 a 6 anos, além da multa. Antes das buscas, a investigação também soube que a diretora da escola desconfiava de fraudes e inclusive já tinha feito queixa na Delegacia Especializada de Repressão à Roubos e Furtos (Derf). “É importante frisar que, quem comprou este documento e for identificado também responde por uso de documento falso. A pena é a mesma para os dois lados. Nós temos a suspeita de que pessoas fizeram para conseguir emprego e, possivelmente, alguém está até cursando faculdade. Ao todo, uma das pessoas envolvidas disse que fez ao menos 25 certificados”, finalizou o delegado.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

 

PRF apreende carga ilegal de pneus na rodovia BR-222, em Sobral, no CE

Sem Comentários

26/08/2016

Nesta quinta-feira (25), na BR-222, em Sobral, a 245 quilômetros de Fortaleza, dois homens foram presos por transporte ilegal de carga. Segundo a Polícia Rodoviária Federal do Ceará (PRF-CE) os dois homens falsificaram documentos. M.A.P., de 49 anos, e W.C.O., de 41, dirigiam dois caminhões  que transportavam grandes pneus. Conforme o inspetor da PRF de Sobral, eles iam do Pecém em direção a Parauapebas, interior do Pará. O  problema é que dirigiam com o certificado exigido falsificado. As assinaturas dos diretores são falsas e o modelo de certificado usado por eles é outro. Ainda disseram que já existe um processo em andamento na Polícia Federal de Marabá, por conta disso. A dupla foi presa e vai responder por uso de documento  falso. A carga de pneus com mais de três metros de largura, vai ficar apreendida, até que um  condutor capacitado se apresente no local.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior