Força Tática prendeu falsificador foragido em Taboão com 31 RGs, 3 CNHs e 56 cartões bancários

Sem Comentários

11/06/2018

No jardim Santa Cruz, em Taboão da Serra (SP), policiais da Força Tática do 36º Batalhão da PM prenderam em flagrante, após abordagem na rua, um foragido da prisão praticando os crimes de estelionato, falsificação de documento público, falsificação de documento particular e associação para o crime. Os policiais apreenderam com o acusado 31 cédulas de identidade da Secretaria de Segurança Pública (SSP) falsificadas, 3 cédulas de CNH, 56 cartões de banco e estabelecimentos comerciais e notebook usado nas falsificações, 3 aparelhos celular e 33 holerites, um perfurador de placas para documento, além de 3 cadernos com identificação das vítimas. Após pesquisar o nome dele no sistema, os policiais descobriram que era foragido da penitenciária de Jardinópolis (SP). Depois disso os PMs foram até a residência onde estavam vivendo em Taboão e apreenderam todo o material usado para praticar os crimes citados. Houve confissão pela prática de falsificação para cometer crimes como abertura de contas em nome de laranjas, compras no comércio, além de falsificação para terceiros.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Jornal na Net

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Jovens são presos com cartões bancários em branco e chips de vários estados, em Goiânia

Sem Comentários

23/05/2018

No início desta semana, em Goiânia, dois jovens foram presos suspeitos de cometerem fraudes e desviar dinheiro. Eles estavam com uma arma, cinco celulares, cinco notebooks e dezenas de chips de vários estados, como Goiás, Maranhão, Rio Grande do Sul e Distrito Federal. A Polícia Civil ainda apura como eram cometidos os golpes. “Há material suficiente para aplicar várias fraudes. São objetos preparatórios para um grande golpe”, disse a delegada responsável pelo caso. Um dos jovens é do Maranhão e tem 28 anos. O outro é do Distrito Federal e tem 29 anos. Eles não se pronunciaram durante o interrogatório, mas, no momento da prisão, disseram que vieram para Goiânia para comprar roupas na Região da Rua 44. A delegada não acredita na versão dos suspeitos devido ao material apreendido. Além disso, não havia roupas e sapatos no apartamento em que foram detidos, no Setor Goiânia 2, na capital.

Investigação

Agentes da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic) prenderam a dupla quando iam para a casa de um policial buscar material de um cartório. Eles notaram que eles se assustaram com a presença da equipe; em seguida, eles indicaram o apartamento que alugaram para a estadia em Goiânia. Todo o material apreendido será periciado. “Vamos investigar a origem do material, se as pessoas em que os números dos chips estão cadastrados têm conhecimento, se há mais envolvidos e as vítimas”, detalhou a delegada. Como a polícia ainda não localizou as vítimas, os jovens não foram autuados por fraudes. Assim, o rapaz do Distrito Federal foi preso em flagrante por uso de droga, já que estava com 4 gramas de maconha. Já o jovem do Maranhão foi autuado por posse ilegal de arma de fogo.

Quadrilha que falsificava cartões é presa em São Paulo

Sem Comentários

25/05/2018

Uma quadrilha especializada em clonagem de cartões foi desmantelada nesta quarta-feira (23), por policiais civis do 62º Distrito Policial da zona leste da capital paulista. Após investigações, os agentes identificaram que a quadrilha usava um apartamento como central clandestina, destinada à clonagem de cartões bancários e de crédito, além da subtração de valores das contas correntes de diversas pessoas de várias instituições financeiras. No local foram apreendidas centenas de cartões bancários e de créditos, máquinas de cartões, diversos papéis contendo dados cadastrais de correntistas – inclusive com senhas, certidão de uma empresa em nome de dois suspeitos de lavagem do dinheiro, além de HD, notebook, cédulas de identidade, carteira de trabalho e um aparelho celular. No apartamento encontravam-se a namorada de um suspeito, que foi presa em flagrante por estelionato e organização criminosa, bem como uma menos, que foi apreendida. As jovens informaram que existe a participação de funcionários das instituições bancárias nos crimes perpetrados pela quadrilha. As investigações apontaram tratar-se de uma verdadeira organização criminosa, na qual cada um de seus integrantes possui tarefa devidamente dividida. A Polícia Civil procura agora três homens que também faziam parte do esquema criminoso e buscará identificar a efetiva participação de funcionários dos bancos.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Info Money

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Não reconhece uma compra feita em seu cartão de crédito? Saiba o que fazer

Sem Comentários

27/07/2017

Pesquisas recentes revelam que mais de 30% dos brasileiros já foram vítimas desse tipo de crime nos últimos anos, e o Brasil está na lista dos 10 países onde mais acontecem fraudes envolvendo cartões de crédito e débito em todo o mundo. E, se você identificou uma compra que você não fez na fatura do seu cartão, é possível que você tenha sido a mais nova vítima de uma fraude do tipo. É possível que seu cartão tenha sido clonado, ou, ainda, que os seus dados tenham sido roubados por meio de alguma transação realizada na internet. Isso porque os cibercriminosos costumam usar arquivos maliciosos, como malwares, que ficam instalados no computador dos usuários de prontidão para obter os dados de seu cartão assim que você faz uma compra online.

Direitos do consumidor

Uma vez que a administradora do cartão é a responsável pela segurança das transações, o consumidor que for lesado por algum tipo de fraude tem o direito de pedir que aquela compra seja suspensa e o valor devolvido. Já caso a cobrança tenha sido feita mesmo com a reclamação, o usuário tem o direito de pedir que o valor seja devolvido em dobro — e isso é garantido por lei, mesmo que o consumidor não tenha adquirido o seguro contra perda e roubo.

O que fazer?

Bom, ao confirmar que seu cartão foi mesmo usado para uma compra que você não fez, é imperativo que você ligue para a instituição financeira, peça a análise daquela transação e imediatamente bloqueie o seu cartão. Dessa forma, enquanto é feita a análise, o criminoso que estiver em posse de seus dados fica impedido de fazer novas compras em seu nome. A administradora do cartão costuma fazer essa análise em alguns dias, estornado o valor da compra indevida antes do pagamento da fatura. Mas, caso a fatura já tenha sido paga, esse valor deve vir abatido no pagamento do mês seguinte. Como as transações foram feitas em cartão de crédito, não existe a devolução em dinheiro. O outro passo é a abertura de um boletim de ocorrência em uma delegacia. Isso não é obrigatório, e o banco ressarce o valor mesmo sem o B.O, mas registrar com a polícia que você foi vítima desse crime ajuda as autoridades a não somente investigarem o caso, como, também, a atualizarem as estatísticas de crimes financeiros no país.

Dicas de ouro

Um cartão pode ser clonado fisicamente sem que você perceba ao ser passado em máquinas falsas em estabelecimentos comerciais por aí. Você acredita que fez uma compra como qualquer outra, mas, na verdade, aquela máquina conseguiu copiar os dados do seu cartão, fornecendo-os aos criminosos. Também há a modalidade virtual da fraude, mas você pode tomar alguns cuidados para se proteger o quanto puder:

  • Ao comprar em lojas físicas, não perca o seu cartão de vista. Sabe quando você está em um posto de gasolina, dentro do carro, e dá o cartão para o funcionário passá-lo na maquininha lá no escritório? Se assim o fizer, você não pode saber se ele está mesmo usando uma máquina real, ou um leitor ilegal. Mesmo que seja inconveniente, o certo é que a máquina seja trazida para você, ou que você saia do carro e se dirija ao local onde está a máquina;
  • Além disso, sempre que possível prefira você mesmo passar o cartão na máquina, não colocando-o nas mãos do vendedor. Algumas lojas, como restaurantes em praças de alimentação, já têm como regra pedir para que o cliente coloque o cartão na maquininha por conta própria;
  • Mantenha seu computador com antivírus sempre atualizado. Arquivos maliciosos podem estar instalados em sua máquina de prontidão para quando você fizer uma compra online;
  • Não digite os dados de seu cartão em lojas que não parecem ser confiáveis. Na dúvida, opte pelo pagamento via boleto bancário;
  • Preste atenção às URLs das páginas quando estiver em uma loja virtual, para não cair no golpe do phishing. Esse crime é caracterizado por direcionar o usuário a uma página falsa, que é muito parecida com a verdadeira, mas que costuma ter caracteres um pouco diferentes do link original em sua barra de endereços;
  • Nunca digite os dados de seu cartão em computadores públicos, como os de bibliotecas, universidades e lan houses, e também não confie em máquinas e smartphones de terceiros para comprar online;
  • Fique sempre de olho em sua fatura, e não se lembre de conferi-la somente na hora de pagar. Hoje em dia, os bancos e administradoras de cartões oferecem aplicativos para celular que enviam uma notificação sempre que uma compra for feita, e, com isso, você consegue descobrir imediatamente a fraude e resolver o problema o mais rápido possível.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Canal Tech

Fique ligado. Dicas do BrSafe para evitar essa modalidade de fraude.

Processados por estelionato são presos com 13 cartões no Norte do Piauí

Sem Comentários

23/06/2017

No começo da tarde desta sexta-feira (23), a Polícia Rodoviária Federal realizou a prisão de dois homens que respondem a um processo de estelionato. A ação foi realizada na BR-343, no município de Piripiri, ao Norte do Piauí, por volta do km 189. Os homens foram encaminhados à Delegacia de Polícia Civil de Piripiri para a execução das devidas providências para que eles respondam ao processo. A prisão aconteceu após uma abordagem dos policiais ao veículo em que os dois homens estavam passando pela BR-343. O motorista, de 37 anos e o passageiro, de 57 foram parados pela PRF e tiveram R$ 1.001 apreendidos, em conjunto com 13 cartões de débito, crédito e de benefícios sociais de outras pessoas. Conforme a PRF os dois homens não apresentaram justificativa plausível para o dinheiro e os cartões encontrados. Com uma consulta mais apurada a respeito dos dados dos ocupantes do veículo foi constatado que ambos respondem a um mesmo processo pelo crime de estelionato. De acordo com a PRF consultas preliminares, junto a bancos oficiais, mostram que haviam fraudes em duas contas correntes dos titulares dos cartões apreendidos pelos agentes nesta sexta-feira. A partir da constatação de que os dois homens respondem a processo por estelionato, ambos foram encaminhados pela PRF para a Polícia Civil, em Piripiri, para as devidas providências.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Como criminosos realizam fraude em cartões bancários no Brasil

Sem Comentários

14/10/2016

O Brasil se encontra entre os cinco primeiros países onde o cibercrime cresce de modo significante ao longo dos últimos anos. Por conta disso, ele se tornou um importante hub (concentrador) no quesito crime eletrônico por motivação financeira. Neste tipo de fraude, os principais alvos são entidades e indivíduos nacionais ou estrangeiros. Um grupo nacional especializado em fraude em operações de cartões de pagamento foi descoberto em um recente estudo divulgado por uma empresa de Cibersegurança. Conforme os pesquisadores, os cibercriminosos utilizam uma variedade de métodos para comprometer ou adquirir credenciais de cartão de pagamento já comprometidos, incluindo a partilha ou a compra on-line de dumps (popularmente conhecidos como registro da estrutura de banco de dados), ataque a lojas virtuais vulneráveis e o comprometimento de dispositivos de processamento de cartões de pagamento. Em posse de tais credenciais, os ciberatacantes as utilizam para gerar mais informações. Os principais métodos utilizados pelo grupo observado para lavar e rentabilizar fundos ilícitos incluem compras online de vários produtos e serviços, bem como saques em caixas eletrônicos. A empresa de Cibersegurança explica as cinco fases principais para estruturar e converter a operação de fraude:

1ª: Configuração do local de trabalho – Os ciberatacantes utilizam ferramentas para apagar evidências de sua operação. São removidos da máquina o histórico de navegação, arquivos temporários, cookies, conversas via Skype ou Windows Messenger, etc. É comum a troca de seus endereços de sistema MAC para evitar a identificação. Aqui observou-se também que grande parte deles adota as moedas virtuais, a fim de deixar a operação anônima.

2ª: Aquisição de dados – Há variação dos métodos aplicados entre os grupos. No Brasil, particularmente, os dados dos cartões são compartilhados em fóruns de redes sociais, como Facebook, WhatsApp, Messenger e Skype. Ainda fazem uso de fóruns de cibercrime para conseguir credenciais de e-mail, informações pessoais e outros dados importantes.

Descobriu-se que o grupo também compra dados de cartões de pagamento em lojas online destinadas ao cibercrime. Os ciberatacantes exploram as vulnerabilidades dos bancos de dados, principalmente de sites de comércio eletrônico.

3ª: Geração de novos cartões – Uma vez em posse das credenciais dos cartões já comprometidos, ferramentas conhecidas como ‘geradores de cartões’ fornecem novos números, o que viabiliza novas formas de monetizar as operações.

Mil cartões são gerados a cada ciclo por estes programas específicos. Os números são testados em sites públicos para verificação de validade. Porém, para a realização das compras, os cibercriminosos devem encontrar sites em que os sistemas de autenticação sejam vulneráveis.

4ª: Validação – O grupo deve validar o cartão por meio de ferramentas e serviços disponíveis em comunidades não-legais após o roubo, compra ou geração dos dados. Esta validação pode ocorrer via diversos meios, sendo os mais recorrentes os sites vulneráveis, testadores on-line e comunidades de crimes eletrônicos.

Outro método de validação bastante popular no Brasil envolve a doação online para instituições de caridade. Através de API e uma ferramenta de software chamada “Checker”, sites filantrópicos são identificados para esta proposta.

5ª: Monetização – Os dados roubados são utilizados para a criação de cartões físicos. Para tal, os cibercriminosos se valem de ATMs, sendo o principal software o MSR 606 para este desenvolvimento. Outros grupos exploram o comércio eletrônico, tática de monetização que requer medidas práticas para alinhar e validar os dados não apenas do cartão como de seu titular.

No entanto, o que fica evidente neste estudo é que os cibercriminosos brasileiros aplicam vários métodos para obter lucro, como revenda de cartões criados pelos grupos especializados, pagamento de contas com cartões roubados em troca de uma parte do valor do projeto, e revenda de produtos adquiridos de forma ilícita.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Bit Magazine

Fique ligado. Dicas do BrSafe para evitar essa modalidade de fraude.

Dupla é presa suspeita de levar cartões e documentos falsos no RJ

Sem Comentários

11/08/2016

Durante uma abordagem na Rodovia Washington Luiz (BR-040), em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, na quinta-feira (11), dois homens foram presos pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), suspeitos de falsificação de documentos e estelionato. Conforme a corporação, eles foram flagrados com dezenas de cartões bancários, documentos falsos e pretendiam aplicar golpes em Petrópolis, na Região Serrana do Rio. No total, havia 37 cédulas de identidade com fotografias e nomes diferentes, 28 cédulas em branco, 33 cartões de crédito, 15 carimbos diversos, quatro pen drives, um talão de cheques, cinco certidões de nascimento, uma de casamento e outra de óbito, além de quatro cartões de planos de saúde e duas carteiras de trabalho. Os suspeitos confessaram que pretendiam aplicar golpes em Petrópolis, mas não deram mais detalhes. Um deles já havia sido preso anteriormente pelos crimes de falsificação de documentos, roubo, desacato, desobediência e embriaguez na direção de veículo automotor. A ocorrência foi encaminhada à Polícia Federal, em Nova Iguaçu.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior