Estelionatárias são flagradas com cheques e documentos falsos em Apucarana

Sem Comentários

19/06/2018

Nesta terça-feira (19), duas mulheres foram presas em flagrante praticando crime de estelionato, no centro de Apucarana (PR). Elas tentaram depositar cheques falsos em uma agência bancária, porém um funcionário percebeu que elas estavam tentando aplicar um golpe e avisou a polícia. Com elas a Polícia Militar (PM) apreendeu 19 folhas de cheques falsificadas além de três documentos de identidade falsos.

Segundo o sargento, a situação aconteceu pouco antes das 12 horas. “Fomos acionados por um funcionário que informou que duas mulheres estavam tentando depositar um cheque falso em uma conta. No momento que o funcionário verificou a inidoneidade do cheque, ele foi para os fundos da agência. As duas perceberam e saíram do local, porém uma delas esqueceu a chave do veículo no banco. Esperamos, e apenas uma delas voltou para buscar a chave”

A PM abordou a suspeita e foi até o carro dela. Durante revista mais uma folha de cheque falso foi encontrada. Na sequência a outra envolvida, que estava saindo de Apucarana, também foi localizada e presa. No carro dela foram encontrados mais 17 cheques falsos. O delegado-chefe da 17ª Subdivisão Policial (SDP), disse que as duas mulheres serão autuadas por estelionato, falsificação, falsidade ideológica e uso de documento falso. 

Ler a notícia na íntegra

Fonte: TNOnline

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Ação das polícias do PR e SP prende homem suspeito de falsificação de documentos

Sem Comentários

12/06/2018

Um jovem, de 21 anos, foi preso na cidade de São Paulo por policiais da Delegacia de Estelionato em Curitiba (PR) em uma operação conjunta com a Polícia de São Paulo. Ele é suspeito de integrar uma quadrilha especializada em fraudar documentos para abertura de contas bancárias. Com o suspeito, a polícia encontrou 64 carteiras de identidade falsificadas, dos estados do Paraná e de Santa Catarina. Os documentos ainda estavam sem as fotos e assinaturas para que pudessem ser utilizados pelos integrantes da quadrilha em Curitiba (PR). A polícia chegou até o rapaz, após a prisão de duas mulheres na semana passada. Elas foram presas em flagrante dentro de uma agência bancária no bairro Batel (PR), quando tentavam abrir uma conta com documentos falsos.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: CBN

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Homem é preso após tentar sacar R$ 35 mil em nome de aposentado em PG

Sem Comentários

11/06/2018

Na sexta-feira (08), policiais da Delegacia Sede de Praia Grande (SP) prenderam um homem de 36 anos que tentou sacar R$ 35,4 mil em um banco em nome de um aposentado, usando uma carta de concessão de crédito da Previdência Social e documento falso, com o nome da vítima. O acusado foi abordado pelos investigadores quando saía da agência bancária, na Avenida Presidente Kennedy, na Vila Tupi, ao desconfiar da demora para liberação da transação. Sob o comando do delegado, dois policiais revistaram o suspeito e localizaram uma carteira de identidade falsa com foto dele e o nome da vítima. Os policiais também apreenderam a carta de concessão de crédito, uma conta de telefone em nome da vítima e a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) verdadeira do acusado.

Na agência bancária, os policiais constataram que o homem tentara retirar o limite de R$ 5 mil em espécie e movimentar o restante da quantia, R$ 30,4 mil, para uma conta. Os investigadores ainda apuraram que a demora estava ocorrendo porque o banco identificou que a transação poderia ser fraudulenta. O aposentado que foi vítima da ação, de 46 anos, foi localizado pelos policiais e disse que desconhecia a concessão de crédito da Previdência Social. O acusado foi autuado pelos crimes de tentativa de furto a estabelecimento bancário e uso de documento falso, sendo recolhido à cadeia.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Diário do Litoral

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Após fraudes, bancos têm questionado RGs oriundos de SE

Sem Comentários

11/05/2018

O Instituto de Identificação de Sergipe, sob gestão de uma comissão interventora desde a descoberta de um esquema de fraude na emissão de identidades, tem recebido, nos últimos dias, demandas de algumas agências bancárias de outros estados. Após conhecimento da Operação Fênix, alguns bancos, por protocolo interno, têm questionado a autenticidade de RGs oriundos de Sergipe e vêm entrando em contato com o Instituto de Identificação emissor do documento para ‘cruzar os dados’ e atestar a sua veracidade. “Não se trata de pandemia, são apenas algumas agências que tomaram conhecimento da operação e estão entrando em contato conosco. Aqui nós averiguamos e informamos se o documento é procedente ou não”, explicou o papiloscopista da Secretaria de Segurança Pública de Sergipe e membro da comissão interventora. O escrivão de polícia, também membro da comissão interventora, explica ainda que a polícia está atenta para o uso dessas documentações falsas. “Em determinadas situações, coletando as informações com o banco, haverá a prisão em flagrante onde a pessoa tiver apresentado o documento falso. Tanto em Sergipe, quanto fora do estado, a polícia está na cola dessas pessoas”, afirmou.

Modificação na emissão de RGs

Desde que o esquema de fraude foi descoberto dentro do Instituto de Identificação, no dia 17 de abril, quando seis servidores, um oficial da PM da reserva e dois autônomos foram presos, o secretário de Segurança Pública publicou portaria que passava a gestão do ID para uma comissão interventora, pelo prazo de 30 dias – prorrogáveis pelo mesmo prazo, se necessário. A primeira medida da equipe foi estabelecer o prazo de 30 dias para análise e emissão de uma identidade em todos os 42 polos do instituto. “É uma maneira de uniformizar o trabalho, não sobrecarregar uma unidade e ter tempo suficiente para analisar a documentação apresentada para que não haja mais fraudes”, explicou o papiloscopista. Anteriormente, as identidades eram entregues em apenas algumas horas, com critérios pouco rigorosos na apuração dos documentos – o que abriu margem para as fraudes dentro do Instituto. Com as mudanças, além de promover um mecanismo de emissão do documento semelhante aos institutos de outros estados, a comissão interventora pretende acabar com as fraudes e descentralizar o sobrepeso de algumas unidades.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Info Net

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Nove pessoas são presas por suposto envolvimento em um esquema de venda de identidades falsas

Sem Comentários

17/04/2018

Na manhã desta terça-feira (17), nove pessoas foram presas  por suposto envolvimento em um esquema de vendas de identidades falsas expedidos pelo Instituto de Identificação de Sergipe. Inicialmente a Secretaria de Segurança de Pública informou que eram 10 presos, mas às 10h a informação foi corrigida e o número foi atualizado para nove pessoas. Equipes do Complexo de Operações Policiais Especiais (Cope) cumpriram nove mandados de prisões temporárias e mais dez mandados de buscas domiciliares durante a ‘Operação Fênix’, cujas investigações duraram seis meses. Entre os presos estão: cinco servidores do Instituto de Identificação de Sergipe, um agente penitenciário, um oficial da PM da reserva e dois autônomos, que agiam como atravessadores. Segundo a delegada que coordenou as investigações, a polícia vinha percebendo RGs falsos apreendidos com criminosos em situações dentro e fora do estado de Sergipe. O fato de terem sido expedidos pelo Instituto de Identificação de Sergipe, contendo informações falsas que acobertavam os criminosos por todo o país, chamou a atenção das equipes de investigação. “Foram dois anos de investigação e ela foi iniciada quando uma quadrilha de assaltantes de banco foi presa na Bahia e os criminosos tinham identidades emitidas no Instituto de Identificação de Sergipe, mas os dados eram falsos. Depois percebemos que houve uma sequência de prisões dentro e fora do estado e que os presos tinham documentos expedidos originariamente pelo Instituto de Identificação de Sergipe e que continham dados falsos. Também foi percebido a negligência dos servidores que trabalham aqui, pois eles não se preocuparam em comparar a veracidade dos documentos apresentados a eles”, disse a delegada. Segundo as investigações, um agente penitenciário era quem intermediava a venda de carteiras de identidade. “Ele era uma das principais pessoas que traziam pessoas de facções criminosos. Ele era procurado com o fim específico de ter acesso ao Instituto de Identificação”, explicou. A polícia ainda não sabe quantas identidades com dados falsos foram emitidas pela quadrilha, porém receberam a informação de que era cobrado a quantia de R$ 5 mil por cada uma. Dentre os crimes revelados com a investigação, além da corrupção ativa e passiva que envolvem as falsificações, foram apurados delitos de uso de documento falso, peculato e estelionatos praticados por pessoas que recorriam à compra de carteiras de identidade falsas para a prática de fraudes, em especial, de benefícios previdenciários. Sobre a negligência no momento da confecção dos documentos o presidente da Associação Sergipana dos Papiloscopistas de Carreira (ASPAC), resumiu: “Existe uma fragilidade com relação ao profissional papiloscopista que fica de fora do processo. Para quem vai tirar a primeira via é retirada as digitais e na retirada da segunda via a uma conferência das digitais coletadas inicialmente para o primeiro documento”. Entre as providências solicitadas, a associação espera que sejam realizadas a digitalização e a contratação de outros papiloscopistas. A assessoria de comunicação da Secretaria de Segurança Pública de Sergipe (SSP/SE), disse que está estudando os questionamentos da associação dos papiloscopistas.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Nove são presos por estelionato e ataques a bancos no Ceará

Sem Comentários

11/04/2018

Nove pessoas foram presas suspeitas de participação em crimes contra instituições financeiras e estelionato. As prisões são o resultado de três ações conjuntas das polícias Civil e Militar e Polícia Rodoviária Federal (PRF), realizadas em Fortaleza e no interior do Estado. Os detalhes das prisões foram divulgados nesta quarta-feira (11). A ação mais recente ocorreu nesta segunda-feira (09). Policiais civis prenderam F.K.F.Alves (42), um suspeito investigado pela Polícia Civil e reincidente nos crimes de estelionato e furto mediante fraude. “Ele aproveitava da vulnerabilidade de idosos ou do descuido de outras pessoas para inventar artifícios, como o de solicitar às vítimas que trocassem suas senhas bancárias”, explicou o delegado, titular da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF). Além disso, segundo o delegado, o suspeito “abordava os usuários de caixa eletrônico informando que havia saído um comprovante, do equipamento recém-utilizado pela vítima, solicitando a troca de autenticação da conta. Sob esse argumento, K.F. conseguia subtrair o cartão e, momentos depois, sacava dinheiro e fazia empréstimos”. Há indícios de que o estelionatário tenha furtado cerca de R$ 80 mil. Preso no momento em que entregava um veículo em uma locadora na Av. Washington Soares, no Bairro Engenheiro Luciano Cavalcante, em Fortaleza, o estelionatário foi encaminhado à DRF, onde prestou depoimento e ficará à disposição da Justiça.

Irauçuba

Em Irauçuba, no Norte do Ceará, foram presos, na quinta-feira (05), dois irmãos piauienses, identificados por L.P.Silva (37) e J. J.Silva (54). Contra L.P. havia um mandado de prisão preventiva expedido no Piauí pela participação em ataques a bancos no ano de 2015. Já com J.J. foram apreendidas seis cédulas de identidade falsas. “Em depoimento, ela afirmou que era estelionatária e que veio ao Ceará para sacar o dinheiro oriundo de um empréstimo fraudulento. Com eles, foram apreendidos mais de três mil reais em espécie”, revelou o delegado. Os dois foram presos em ação da Polícia Rodoviária Federal.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Jovem é preso após tentar sacar valores do PIS com documento falso em Caruaru

Sem Comentários

30/03/2018

Em Caruaru, no Agreste de Pernambuco, um recepcionista de 21 anos foi preso após tentar sacar valores do Programa de Integração Social (PIS-PASEP) com documento de identidade falso. O caso aconteceu na quarta-feira (28). Conforme a Polícia Federal, o jovem tentou realizar o saque em um banco do bairro do Salgado, quando um funcionário percebeu a falsificação do documento. O suspeito também tentou sacar o PIS com outra carteira de identidade falsa em um agência de Boa Viagem, no Recife, de onde conseguiu fugir. Para a polícia, o homem informou que adquiriu o documento através da Deep Web com pessoas que não se identificam, mas que deram certeza ser possível sacar os valores através de uma carteira de identidade que seria enviada para o endereço através dos Correios. Ele disse também que enviou a foto para os criminosos e pagou pela confecção das duas carteiras de identidades falsas no valor de R$ 150 por cada documento. Por fim, informou que os dados das contas dos beneficiários do PIS-PASEP também foram repassados por integrantes da Deep Web. O suspeito foi autuado em flagrante e levado à delegacia da Polícia Federal. Ele passou por audiência de custódia e foi encaminhado para a Penitenciária Juiz Plácido de Souza, onde ficará à disposição da Justiça Federal.

Deep Web

“Deep Web” é o nome dado para uma zona da internet que não pode ser detectada facilmente pelos tradicionais sites de busca, garantindo privacidade e anonimato para os navegantes. É formada por um conjunto de sites, fóruns e comunidades que, na sua grande maioria, costumam debater temas de caráter ilegal e imoral.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior