Idosa é vítima de estelionato e tem prejuízo de mais de R$ 20 mil

Sem Comentários

29/03/2017

Em Campo Grande (MS), nesta terça-feira (28), uma idosa de 74 anos foi vítima de estelionato após receber ligação do banco onde tem conta corrente. Ela teve o cartão clonado e um prejuízo estimado em mais de R$ 20 mil no cartão de crédito. Conforme informações do boletim de ocorrência, a idosa recebeu uma ligação do banco onde é correntista, informando que o cartão estava clonado e que precisava dos dados para realizar o bloqueio do mesmo. Com medo de cair em golpe a vítima desligou o telefone e entrou em contato diretamente com o banco pelo número especificado no cartão e falou com uma nova atendente confirmando todos os dados para realizar o bloqueio. Mais tarde a vítima recebeu uma mensagem do referido banco informando que o limite do cartão estava estourado e que era necessário entrar em contato com a gerente responsável pela conta. Ao entrar em contato com a gerente do banco, percebeu que foi vítima de estelionato e que foram gastos em seu cartão o total de R$ 20.900,00 em compras entre débito e crédito. O caso foi registrado na Terceira Delegacia de Campo Grande e será investigado.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Correio do Estado

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Homem recebe cobrança de cartão clonado e tem prejuízo de R$ 500

Sem Comentários

16/08/2016

Um morador de Presidente Prudente, de 33 anos, acabou perdendo R$ 500 após ser vítima de um suposto golpe. O caso foi registrado como estelionato na segunda-feira (15), na Delegacia Participativa da Polícia Civil. Conforme o Boletim de Ocorrência, a mãe da vítima, uma mulher de 66 anos, relatou que no dia 12 de agosto recebeu uma ligação de uma pessoa que se identificou como funcionária de uma loja, afirmando que o homem possuía um débito no valor de R$ 300 e que, para cancelar o cartão que estaria clonado, deveria pagar a quantia de R$ 1.145. A mulher ainda disse que a dívida seria parcelada em duas vezes de R$ 500, concedendo também um desconto de R$ 145. A mãe informou a situação para seu filho, que entrou em contato com a loja. Segundo o BO, o estabelecimento confirmou que havia sido feita uma ligação anteriormente, mas que o ato não havia sido finalizado. A vítima foi orientada a depositar R$ 500 em uma conta bancária que pertenceria ao departamento jurídico da empresa. O homem realizou a transação bancária, mas ficou desconfiado da situação, pois a funcionária não retornou a ligação. Ele ligou novamente para a empresa e o funcionário que lhe atendeu na ocasião informou que  não havia registrado nenhuma ligação para o telefone da vítima, assim como o depósito bancário. O funcionário informou à vítima que não é procedimento da empresa realizar esse tipo de cobrança, no caso de clonagem de cartão.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Quadrilha é presa por clonar cartões e revender ingressos

Sem Comentários

08/08/2016

A Polícia Civil do Rio informou nesta segunda-feira (08), que dez pessoas foram presas por formação de quadrilha e estelionato após revender ingressos para a Olimpíada comprados com cartões de crédito clonados. Pelo menos 20 ingressos foram apreendidos com o grupo, que atuava a partir de São Paulo. O delegado titular da 20ª DP (Vila Isabel), afirmou em entrevista coletiva que as prisões ocorreram na sexta-feira (05), poucas horas antes da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos, iniciada às 19h. Alguns dos presos, que atuavam atraindo potenciais clientes, disseram que voltariam a São Paulo no dia seguinte. Nove pessoas foram presas na Rua Visconde de Itamarati, próximo à rua São Francisco Xavier. A décima foi presa na rodoviária Novo Rio. Lá, o grupo mantinha 20 ingressos, cartões de crédito, vouchers para retiradas de entradas já adquiridas e máquinas de cartão, além de R$ 2 mil. O delegado disse que chegou a se passar por cliente para verificar como o sistema funcionava. “Nós vamos enviar ao COI [Comitê Olímpico Internacional] os ingressos que identificarmos. Mas provavelmente quem comprou esses ingressos pode ir aos jogos”, completou. O líder do grupo declarou à polícia que a quadrilha conseguia revender os ingressos por preço inferior ao oficial justamente porque eram comprados com cartões clonados. Os oito dos ingressos da abertura para o setor A apreendidos, por exemplo, tinham preço estampado de R$ 4,6 mil, mas eram oferecidos pelos criminosos por R$ 3 mil. Cada membro do grupo esperava ter um lucro de R$ 40 mil a R$ 50 mil. O valor das entradas era negociado caso a caso.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Jovem é preso suspeito de falsificar cartões de crédito em Juiz de Fora

Sem Comentários

22/12/2014

Agentes da 1ª Delegacia de Polícia Civil, em uma operação nesta segunda-feira (22), prenderam em flagrante um jovem de 24 anos. Segundo informações, ele é suspeito dos crimes de estelionato, falsificação e invasão de computadores. Pelo menos quatro mil contas em todo o país, teriam sido clonadas. A polícia ainda não sabe informar o valor do prejuízo causado às vítimas. Foram oito meses de investigações. Gastos em excesso e exposição de bens nas redes sociais chamaram a atenção da Polícia. “A gente tinha pessoas com gastos que não eram compatíveis com as rendas dos trabalhos. A gente teve muita coisa na internet, fotos de ostentação, de riqueza extrema, sem uma justificativa. Tivemos denúncias anônimas. Tudo isso se juntou até a apuração do que estava acontecendo. O final foi esta operação onde as suspeitas foram confirmadas”, explicou o delegado responsável. Com o jovem, havia cerca de 40 cartões falsos de diferentes bancos, alguns que ele clonou e imprimiu o próprio nome. Também foram apreendidos R$ 4 mil em dinheiro, comprovantes de movimentações financeiras, a impressora usada no crime e o celular do suspeito com fotografias de caixas eletrônicos. Conforme o delegado, o jovem invadia as contas pelo computador e passava as informações roubadas dos sistemas bancários para o  chip dos cartões. “Agora a gente precisa fazer perícia em todo esse material recolhido na impressora e nos computadores, porque há um farto material que foi usado para clonar esses cartões”, disse. O irmão do rapaz foi detido e liberado após prestar depoimento. O delegado ainda não descartou a participação de outras pessoas no crime.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Empresário é acusado de golpe de meio milhão

Sem Comentários

27/08/2013

A Polícia Civil de Bauru localizou um homem acusado de aplicar um golpe que pode chegar a meio milhão de reais. Usando documentos falsos, o homem de 55 anos, abriu uma empresa de materiais de construção em Bauru e organizou um esquema fraudulento que pode ter gerado grande prejuízo para outras empresas do ramo. Além de RG, o estelionatário tinha também cartões bancários falsos, tudo no nome de outra pessoa. As buscas pelo acusado começaram em Cordeirópolis (a 198 km de Bauru), onde uma empresa foi alvo do golpe. Antes de se tornar estelionatário, ele trabalhava como corretor de imóveis. R$ 300 mil, pelo menos, foram conseguidos pelo criminoso por meio de golpe. Na loja, foram encontradas contas bancárias em nome falso. Até a tarde de ontem, os policiais haviam contabilizado um golpe no valor de pelo menos R$ 300 mil, mas suspeitam que o valor possa chegar a meio milhão ou mais.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Rede Bom Dia

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Bando extorquia vítimas de estelionato

Sem Comentários

07/08/2013

Policiais civis do 6º DP de São Bernardo desmantelaram ontem quadrilha de Diadema acusada de extorquir vítimas de estelionato a mando de integrantes de facção criminosa que age em todo o Estado e que estão presos no Interior. Segundo levantou os investigadores, os golpes começaram há cerca de dois anos. O bando instalava equipamentos em caixas eletrônicos para poder clonar cartões bancários e assim desviar dinheiro das vítimas. Não satisfeita, de posse das informações e dados pessoais, a quadrilha voltava a procurar os lesados para ameaçá-los de morte caso não lhe dessem mais dinheiro. As quantias roubadas variavam entre R$ 500 e R$ 3.500. A polícia identificou um homem de 29 anos, como o porta-voz entre os outros integrantes da quadrilha e os da facção criminosa detidos.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Diário do Grande ABC

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Estelionatários aplicam novos golpes por telefone

Sem Comentários

21/06/2013

Estelionatários estão inovando, com ideias de golpes que podem ser aplicados pelo telefone. O mais recente deles é o que um criminoso finge ser funcionário de um banco, diz que o cartão da vítima foi clonado e pede a senha. Um motociclista vai buscar o cartão, como se fosse para a perícia. Assim fazem saques, compras ou transferências. Esse tipo de golpe surgiu esta semana em Sorocaba e mostra a ousadia e inventividade dos estelionatários. Uma dona de casa de 55 anos recebeu telefonema na quarta-feira e um homem disse que precisava da senha e ia mandar alguém pegar o cartão. A mulher não desconfiou e entregou. Foram sacados R$ 899 de sua conta. Outros tipos de golpe pelo telefone continuam a ser aplicados na cidade e são em média dois ou três por dia. Ainda na quarta, uma professora de 23 anos perdeu R$ 899 com a falsa promessa do prêmio de uma casa. Ela acreditou e fez o depósito bancário. Uma operadora de máquina de 44 anos teve prejuízo de R$ 1.849 no domingo. Alguém ligou e disse que ela havia ganho um prêmio de R$ 75 mil num programa de televisão. Um falso depósito foi feito em sua conta. O delegado assistente na Delegacia Seccional, fala sobre cuidados para evitar que as pessoas caíam nesses golpes. No caso do cartão bancário, ele alerta que não se deve informar a senha a desconhecidos, tampouco entregar o próprio cartão. Os bancos não mandam alguém recolher o cartão em casa, afirma o delegado. Quanto aos golpes que prometem prêmios, nenhum concurso exige pagamento. Há ainda os golpes do falso sequestro, em que criminosos simulam ter alguém da família da vítima como refém, e o do falso acidente de trânsito, em que o suposto parente pede dinheiro numa situação de emergência. Nesses dois casos, o contato com o verdadeiro parente esclarece que se trata de estelionato. De acordo com o delegado, precauções minimizam muito a chance desses golpes.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Cruzeiro do Sul

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior