Quadrilha que aplicava golpes em bancos é presa na BR-101, em Biguaçu

Sem Comentários

11/06/2019

Na tarde desta terça-feira (11), um trio de estelionatários que aplicava golpes em bancos foi preso pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), na BR-101, em Biguaçu, na Grande Florianópolis. Conforme a polícia, os três homens se passavam por funcionários de bancos e faziam compras e retiravam dinheiro utilizando os cartões dos clientes. Os estelionatários estavam em um veículo Onix locado e foram reconhecidos pelos agentes da PRF durante uma fiscalização. Em um compartimento atrás do rádio do carro, os policiais encontraram 30 cartões e seis crachás de identificação de bancos falsos. O golpe funcionava da seguinte maneira: utilizando os crachás falsos, os homens ofereciam ajuda a clientes nos caixas eletrônicos de agências bancárias. Durante a ação, eles memorizavam as senhas e trocavam o cartão da vítima por outro cartão do mesmo banco. Depois, retiravam dinheiro e faziam compras. A Polícia Rodoviária Federal também informou que o trio aplicava o golpe há pelo menos três meses e que fez vítimas na última segunda-feira (10). Os três homens, de 48, 32 e 31 anos, são moradores de São Paulo e já tinham antecedentes pelo mesmo crime. Eles foram encaminhados à Central de Polícia de São José para os procedimentos legais.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: NSC Total

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Mulher tenta empréstimo e descobre que foi vítima de fraude e dívida de R$ 5,4 mil

Sem Comentários

12/06/2019

A vítima, de 28 anos, relatou na delegacia, que na terça-feira (11), foi até uma agência bancária, tentar um empréstimo e foi avisada que possui uma dívida de R$ 5,4 mil, de empréstimo feito em outro banco. O caso aconteceu em Em Sinop (MT). A mulher disse ainda que está com restrição no Sistema de Proteção ao Consumidor (SPC) e Serasa. Ela afirma que não fez empréstimo e teve seus dados pessoais usados de forma ilegal. Ontem, uma outra mulher, de 33 anos, também registrou boletim de ocorrência após ser vítima de golpe, ao tentar pegar um empréstimo. Ela relatou que pegou o contato de uma suposta empresa financeira e pelo WhatsApp iniciou a negociação para um empréstimo de R$ 5 mil. Após acertarem a forma de pagamento, a denunciante foi informada que precisaria fazer dois depósitos, sendo um de R$ 220, e o outro de R$ 270, para liberar o valor solicitado. Ela fez as transferências e, desde então, perdeu contato com a atendente.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Só Notícias

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Mais de 100 idosos em Manaus são vítimas de estelionato em quatro meses

Sem Comentários

09/06/2019

Segundo dados da Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP-AM), de janeiro a abril deste ano, 122 idosos foram vítimas de estelionato em Manaus. O número corresponde a um aumento de 23,2% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram registrados 99 casos do crime contra pessoas da terceira idade. Conforme os dados da Delegacia Especializada em Crimes contra o Idoso (Decci), entre os principais tipos de golpes envolvendo idosos estão as abordagens nas proximidades de caixas eletrônicos – nas quais o infrator oferece ajuda e aproveita a vulnerabilidade do idoso para enganá-lo – ou os golpes conhecidos como do “bilhete premiado” e da “baluda”. O golpe do bilhete premiado é aquele no qual um infrator se aproxima de um idoso e diz que tem um “bilhete lotérico premiado”, mas que precisa daquele valor urgente e que não pode esperar para receber o prêmio. Com esse argumento, o infrator vende o falso bilhete premiado por um valor abaixo do suposto prêmio e concretiza o estelionato.

Já no “golpe da baluda”, o infrator coloca uma nota de dinheiro envolta de vários papéis do mesmo formato e tamanho, compondo um bloco de papel que imita uma grande quantia de dinheiro e o deixa cair no chão, próximo do idoso. O idoso, na tentativa de ajudar, sem saber que se trata de um golpe, acaba pegando o bloco de papel e o entrega para o infrator que finge ser um cidadão comum. A titular da Decci ressalta que as práticas são antigas, mas que muitas pessoas não têm conhecimento. “Mesmo que tenha alguma dificuldade quando estiver utilizando o caixa eletrônico, a orientação é que não aceitem ajuda de estranhos. O ideal é que quando um idoso vá fazer algum tipo de transação bancária, sempre vá acompanhado de um familiar ou uma pessoa de sua confiança. Muitos idosos têm vida independente, andam sozinhos, mas devem buscar se proteger, não aceitando informações ou até a aproximação de estranhos”, alertou a delegada.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Acre é o quinto estado com maior número de golpes em compras online, aponta estudo

Sem Comentários

10/06/2019

As fraudes contra consumidores do Acre que utilizam a internet para fazer compras, cresceram. Segundo o Mapa da Fraude, realizado por uma empresa especializada em segurança de e-commerce, no ano de 2018, a cada R$ 100 gastos em compras online, R$ 5,68 foi por algum tipo de tentativa de fraude, o que coloca o estado como o quinto mais atacado por fraudadores. O levantamento aponta ainda que os segmentos que mais sofreram tentativas de fraudes no ano passado foram compras de celulares, games, bebidas, eletrônico e informática. Em comparação a 2017, os produtos são os mesmos, a diferença é que no ano anterior as tentativas de fraudes cresceram. No setor de celulares, 4,66 % e no setor de eletrônicos, 4,29 %.

Dados nacionais

A média do Brasil é de R$ 3,53 a cada R$ 100 em compras, o que representa um aumento de quase 9% em relação ao ano anterior. De acordo com o estudo, não só o Acre teve esse aumento, mas a região Norte foi a mais atacada, e a cada R$ 100 em compras no e-commerce, R$ 5,43 foram tentativas de fraude. O percentual é 54% maior que a média nacional. Confira a matéria completa no link abaixo.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Operação da PF prende 3 pessoas e cumpre quatro mandados de busca e apreensão no nordeste do Pará

Sem Comentários

06/06/2019

Nesta quinta-feira (06), na região nordeste do Pará, a Polícia Federal realizou a operação Fogo. Foram cumpridos três mandados de prisão preventiva e quatro de busca e apreensão expedidos pela Justiça Federal de Castanhal. Uma pessoa está foragida. Os mandados são cumpridas nos municípios de Colares, Vigia e Castanhal. O objetivo foi prender quatro pessoas suspeitas fazerem parte de grupo criminoso que atua na falsificação de documentos. A investigação começou com a prisão em flagrante de um falsário realizada pela Polícia Civil de Castanhal. Na ocasião, foi encontrado vasto material utilizado para falsificação de documentos e alguns dispositivos de informática. “A (Polícia) Civil continuou a investigação e chegou à conclusão da possível participação de uma servidora da receita federal, que ajudava esse grupo criminoso na fabricação de CPFs”, disse o delegado da Polícia Federal. Segundo a PF, os principais crimes investigados são de falsificação de documento público, inserção de dados falsos, corrupção ativa e passiva e organização criminosa. Em muitos casos, houve a criação de números de RGs e CPFs e desvio de cédulas de identidades. Um dos investigados estaria exercendo a função de papiloscopista da Polícia Civil. A Polícia Federal entrou no caso porque foi identificada, entre os investigados, a participação de uma servidora da Receita Federal. Os presos serão ouvidos na Superintendência da Polícia Federal em Belém e depois encaminhados ao sistema prisional.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Golpistas que geraram prejuízo de quase R$ 500 mil são presos em BH

Sem Comentários

07/06/2019

Nessa quinta-feira (06), cinco pessoas, com idades entre 20 e 49 anos, foram presas em flagrante pelos crimes de estelionato, uso de documento falso e associação criminosa. As prisões ocorreram em uma agência bancária no Centro de Belo Horizonte. Acredita-se que a movimentação fraudulenta da associação criminosa já tenha dado um prejuízo de quase R$ 500 mil a bancos públicos e privados. O chefe do 1º Departamento de Polícia Civil, destacou a importância da prisão dos suspeitos. “Essa foi mais uma investigação qualificada da PCMG que resultou na prisão de cinco suspeitos. O grupo é oriundo de Governador Valadares e é especialista em golpes em instituições bancárias privadas e públicas. A investigação apurou ainda essa mesma prática criminosa no Espírito Santo e em Santa Catarina”, ressaltou.

A delegada que conduziu as investigações, revelou que um dos suspeitos foi preso na quarta-feira (05), quando tentava realizar um saque em uma agência. E, que, a partir da prisão desse suspeito conseguiram chegar aos demais na quinta-feira (06). “Policiais civis abordaram [o suspeito] enquanto tentava sacar valores, realizar empréstimos, dentre outras transações. Consta que uma das tentativas de saque foi de R$42 mil. Do lado de fora, os demais o aguardavam para que fossem a outros bancos onde já haviam outras contas abertas virtualmente, também com documentos falsos”, disse. Foram apreendidos diversos documentos falsos para concretização do golpe. “A quadrilha é da região de Governador Valadares e estava hospedada em um hotel na região da Pampulha onde foram localizados materiais para confecção dos RGs falsos. As investigações continuam com o objetivo de identificar demais integrantes dessa organização criminosa”, concluiu.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: BHAZ

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Homem paga R$ 160 mil por imóvel na Bahia e descobre golpe após saber que escritura é falsa

Sem Comentários

10/06/2019

Um homem pagou R$ 160 mil por um apartamento na região da Avenida Paralela, em Salvador, e descobriu que caiu em um golpe, após saber que a escritura do imóvel era falsa e que não havia legalidade na compra. A vítima fez três depósitos para a suposta corretora, referentes ao pagamento do apartamento e não recebeu a escritura de imediato. Ela não ocupou o imóvel após a compra e alugou o apartamento para um homem que a corretora indicou. No entanto, agora, um ano depois dos pagamentos, a vítima foi surpreendida por uma mulher que se apresentou como dona do local. O homem que caiu no golpe ao investir na compra do apartamento disse chegou até o imóvel ao achar um anúncio na internet. “Ela me mostrou o apartamento, se mostrou que tinha um relacionamento com o pessoal do condomínio. Então eu conversei com ela, negociei e ela me fez o valor de R$ 155 mil”, contou.

A suposta corretora apresentou uma procuração e disse que resolveria tudo pela dona do apartamento. Tanto que o dinheiro deveria ir para a conta dela. A vítima fez primeiro um depósito no valor de R$ 80 mil. Depois fez outro de R$ 25 mil. O restante, R$ 55 mil, correspondentes ao valor que faltava do apartamento mais uma comissão para resolver a documentação, foi depositado para a conta da corretora. Após as transações bancárias, a suposta corretora emitiu um documento de compra e venda, mas não entregou, de imediato, a escritura ao cliente. A polícia já investiga o caso e desconfia que tanto o homem que pagou pelo apartamento e recebeu a escritura falsa, quanto a mulher que se apresentou como dona do imóvel foram vítimas de estelionato. Até agora, ninguém foi preso.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior Próximo