Polícia prende quadrilha suspeita de aplicar ‘golpe do cartão’ em São José

Sem Comentários

05/12/2018

A polícia apreendeu celulares e equipamentos eletrônicos — Foto: Divulgação/Polícia Civil

Oito pessoas, sendo quatro homens e quatro mulheres, foram presas suspeitas dos crimes de uso de documento falso, estelionato e associação criminosa. Eles teriam aplicado o “golpe do cartão quebrado” ou “golpe do motoboy”. As prisões foram feitas pela Polícia Civil, nesta terça-feira (04), em São José, na Grande Florianópolis. A investigação era realizada há cerca de um mês. No local onde os suspeitos foram presos funcionava uma central, de onde partiam as ligações e eram reunidos os cartões bancários obtidos ilegalmente. A polícia apreendeu documentos, cartões bancários, dinheiro em espécie, cadernos de anotação, celulares e equipamentos eletrônicos.

O golpe

Conforme as investigações, um dos criminosos, se passando por um funcionário da Central de Segurança do Banco, ligava para as vítimas perguntando se elas reconheciam uma compra fictícia por cartão de crédito. Ao responder que não, o suposto atendente afirmava que o cartão de crédito tinha sido clonado, sendo necessário ligar para o número telefônico que estava no verso do cartão, para serem feitos procedimentos de segurança. Os criminosos mantinham a linha “presa” e após a vítima digitar o número de atendimento do banco, outro comparsa entrava em cena. A vítima acreditava, então, ter ligado para o banco. O comparsa confirmava alguns dados pessoais e dizia que, para fazer o cancelamento, era necessário que a vítima digitasse no teclado numérico a senha usada nos terminais de autoatendimento. Então eles captavam o número usando um equipamento específico. Em seguida orientavam as vítimas a quebrarem o cartão e diziam que um motoboy iria buscá-lo. De posse do cartão e senhas das vítimas, praticavam fraudes.

Veja orientações da polícia para evitar esse tipo de golpe:

  • Não fornecer a senha usada nos terminais de autoatendimento. Nos contatos telefônicos, os bancos exigem outra senha específica para esse fim;
  • Não entregar o cartão bancário para terceiros. Os bancos não prestam esse tipo de serviço.

Outras prisões

Na última quarta-feira (28) dois homens já haviam sido presos em flagrante pela falsificação de documento e estelionato. Eles seguem detidos pela conversão do flagrante em prisão preventiva. Até o momento 10 pessoas foram presas pela prática desses crimes. Segundo a Polícia Civil, ainda não é possível mensurar os valores obtidos nos crimes, nem o número de vítimas.

Idoso de 62 anos e jovem de 21 são presos tentando aplicar golpe em banco do extremo sul da Bahia

Sem Comentários

15/11/2018

Um idoso de 62 anos e uma jovem de 21 foram presos na última quarta-feira (14), em Itabela, no extremo sul da Bahia, após serem flagrados tentando aplicar um golpe em uma agência bancária da cidade. Segundo informações da Polícia Civil, os dois são do Ceará. A dupla fazia empréstimos bancários utilizando documentos falsos. Ainda conforme a polícia, com eles foram encontrados vários documentos, celulares, cartões bancários, dinheiro e um carro. O homem já tinha várias passagens pela polícia do Ceará. A Polícia Civil informou que os dois vão responder pelos crimes de estelionato, uso de documento falso e associação criminosa.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Golpistas são presos tentando fazer empréstimo em banco de Guarujá

Sem Comentários

12/11/2018

Policiais da Delegacia de Guarujá prenderam em flagrante três homens que tentaram obter financiamento bancário no valor de R$ 30 mil para adquirir um Toyota Corolla avaliado em R$ 75 mil. O golpe era realizado em um banco da Avenida Puglisi, 315, no Centro. Residente em Rio Claro (SP) e portando documentos falsos em nome de P.L., N.S.C., de 63 anos, abriu inicialmente conta nessa agência para depois obter o financiamento por meio de fraude. Para o sucesso do golpe, ele contava com a colaboração de dois homen , de 35 e 38 anos, moradores em Piracicaba e Rio Claro. No final da tarde da quinta-feira (08), o trio foi preso por investigadores, que agora apuram a participação dos acusados em outras fraudes bancárias. Os policiais detiveram o homem logo após ele sair do banco. Esse acusado fez gestos aos comparsas, que já estavam na rua, informando-os de que algo estava dando errado. Os policiais apuraram que o suspeito, recentemente, também se passou por P.L. para obter financiamento de veículo em outra agência bancária. O trio foi autuado em flagrante por tentativa de estelionato e associação criminosa.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: A Tribuna

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Grupo é preso suspeito de falsificar documentos de veículos, escrituras e procurações na Grande Goiânia

Sem Comentários

08/11/2018

Nesta quinta-feira (08), dez homens foram presos durante a Operação Cartório do Crime, realizada pela Polícia Civil na Grande Goiânia. Entre eles há despachantes e donos de escritórios de contabilidade e de uma autoescola. A investigação tem o objetivo de desarticular um grupo suspeito de falsificar documentos de veículos, atestados médicos, escrituras e procurações. “Eles cobravam de R$ 100 a R$ 5 mil por cada documento, dependendo da complexidade”, disse o delegado responsável. Além das prisões, os policiais cumpriram 17 mandados de busca e apreensão em Goiânia, Abadia de Goiás e Trindade. Nos locais, as equipes encontraram materiais para a produção dos documentos, como impressoras e selos falsificados. Também havia documentos originais de carros que estavam em branco.

Em nota, o Departamento Estadual de trânsito de Goiás (Detran-GO) disse que solicitou informações junto à Polícia Civil para tomar as medidas cabíveis. A investigação da Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos Automotores (Derfrva) durou oito meses. Conforme o delegado, os falsificadores agiam há pelo menos três anos. Ele explicou que três presos são os responsáveis pela falsificação dos documentos. Eles foram presos nas respectivas casas, localizadas nos setores Aeroporto, Parque Oeste Industrial e Jardim Planalto, em Goiânia. Segundo a investigação, os detidos cometiam as fraudes nas próprias residências. Já os agenciadores são dois proprietários de escritórios de contabilidade, quatro despachantes de veículos e o dono de uma autoescola. “Eles eram os responsáveis por conseguir os clientes, fazer o contato com os falsários e, depois, entregar os documentos falsificados”, explicou Viera.

A polícia ainda apura qual a finalidade do grupo com as falsificações dos documentos. “As falsificações dos documentos subsidiavam vários outros crimes. Com essa operação estamos combatendo o furto e roubo de veículos, o estelionato e outros crimes contra a administração pública”, afirmou o delegado. Os presos foram indiciados por associação criminosa, falsidade de documentos públicos e particulares e falsidade ideológica. As penas dos crimes, somadas, podem chegar a 10 anos de prisão.

MPF denuncia advogadas e autônoma por fraudes contra a Previdência

Sem Comentários

29/10/2018

O Ministério Público Federal (MPF) em Uberlândia, no Triângulo, denunciou duas advogadas e uma autônoma por tentativa de estelionato contra a Previdência Social do estado. Elas também foram indiciados por associação criminosa e falsa identidade. A acusada C.A.C. ainda vai responder por falsificação de documento público. As penas para os crimes, somadas, variam de 07 a 21 anos de prisão. Os fatos ocorreram nos anos de 2015 e 2016, nas cidades de Araguari e Uberlândia. Segundo a denúncia, as três acusadas ajuizaram ações previdenciárias para obtenção de aposentadorias por invalidez, auxílios-doença e aposentadorias de trabalhador rural – tudo por meio de documentação falsa. Os papéis eram falsificados por elas próprias. Nos casos, a Justiça Federal suspeitou da fraude e avisou ao INSS, que julgou os pedidos improcedentes ou extinguiu os processos falsificados sem resolução de mérito.

A denúncia esclarece que a falsificação dos documentos era feita mediante combinação prévia entre as acusadas. Esses documentos eram comuns: mudava-se os nomes dos beneficiários, mas o endereço residencial era o mesmo, assim como os recibos emitidos por um mesmo sindicato e as notas fiscais impressas em nome das mesmas três empresas. O MPF relata ainda que, em alguns casos, C.A.C. “atribuiu-se a condição de advogada perante terceiros para obter vantagem em proveito próprio e alheio”. Ela chegou a ser incluída no rol de advogados, com uso de falso número de inscrição na OAB/MG, em procurações outorgadas por pelo menos três beneficiários. As advogadas não somente sabiam que ela não era advogada, como a incentivavam na prática de atos privativos de advogado, conforme foi apurado por ocasião da quebra do sigilo telemático. Para o órgão, as “condutas praticadas pelas denunciadas não configuram apenas deslealdade processual e infração disciplinar, mas são tipicamente crime de estelionato, na modalidade tentada, vez que o crime não se consumou por circunstâncias alheias às vontades da rés”.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: EM

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Dupla suspeita de aplicar meio milhão em golpes bancários contra idosas é presa

Sem Comentários

22/10/2018

Em Fortaleza (CE), duas pessoas foram presas acusadas de aplicar R$ 500 mil em golpes. Os possíveis estelionatários dispunham até de central telefônica, usada para desviar ligações de vítimas, geralmente idosas de alto poder aquisitivo, que ligavam para o atendimento bancário ao desconfiar da fraude. Com a dupla, foram apreendidos cheques, cartões bancários e documentos falsos. Conforme o delegado titular do 2º Distrito Policial, os suspeitos ligavam para a vítima como se fossem funcionários de banco. Na ligação, informavam que a pessoa teria feito uma compra de alto valor. A vítima, então, não reconhecia a compra, levantando a suspeita de que o cartão de crédito teria sido clonado. “Com isso, o golpista orientava a pessoa a escrever uma carta autorizando a investigação do caso para entregá-la num envelope junto ao cartão, que deveria estar cortado”, detalha. Um dos suspeitos recebia o envelope na casa da pessoa. “O suspeito dizia, ainda, que a vítima deveria ligar para o número do SAC impresso no cartão. A ligação era direcionada para central telefônica dos envolvidos, o que deixava a vítima mais segura”, acrescenta. Até o momento, quatro vítimas prestaram boletim de ocorrência. A dupla foi identificada através de gravações do circuito interno de vítimas. Após três dias de investigação, a dupla foi detida na última sexta-feira (20). Uma terceira pessoa é procurada pela polícia. Ela é suspeita de ser a integrante que fazia o papel de “SAC”, recebendo as ligações das vítimas. Os dois foram indiciados por lavagem de dinheiro, estelionato e associação criminosa. Um deles também foi autuado por falsificação de documento. A polícia informa que banco não manda funcionários em casa para receber cartões de créditos em transações como essa.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: O Povo

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Jovens são suspeitas desviar mais de R$ 70 mil de imobiliária em Araguaína

Sem Comentários

08/10/2018

A.R.A. e A.C.A.L., ambas de 23 anos, são suspeitas de desviar R$ 75.766,16 de uma imobiliária onde trabalhavam em Araguaína, no norte do Tocantins. Além delas, um homem, de 36 anos, também é suspeito de participar do esquema, que ocorreu de fevereiro de 2017 a abril de 2018. Eles foram indiciadas nesta segunda-feira (08). Segundo a Polícia Civil, as investigações mostram que as jovens induziram os clientes a fazerem pagamentos em espécie na própria imobiliária. Elas recebiam os valores e não repassavam para a empresa, porém o procedimento padrão era de pagamento através de boletos bancários. Não era permitido o recebimento de qualquer valor, em espécie ou através de cheque, diretamente na imobiliária.

Os clientes compraram diversos lotes e realizavam os pagamentos através de boletos, mas depois foram orientados pelas jovens a efetuarem pagamentos em dinheiro. Elas recebiam os valores, e para não deixar qualquer suspeita, emitiam recibos falsos. Outra forma de receber o dinheiro dos clientes foi através de depósitos bancários na conta do homem suspeito, que na época era namorado de uma das garotas. As jovens diziam aos clientes que ele era um dos sócios da imobiliária. Conforme a investigação, as garotas levavam uma vida acima do padrão financeiro que o salário permitia. Elas viajavam e compravam roupas de marcas de preços elevados e ostentavam nas redes sociais. Os três suspeitos devem responder por furto duplamente qualificado, estelionato, falsidade ideológica e associação criminosa, cuja pena dos crimes se somadas poderá chegar a 21 anos de prisão. Eles não foram presos e vão responder em liberdade.

Anterior