Polícia Civil deflagra operação ‘Rádio Pirata’ em Ibiá

Sem Comentários

22/03/2018

Nesta quarta-feira (21), em Ibiá (MG), a Polícia Civil realizou uma ação para desarticular uma associação criminosa especializada em crimes de falsificação de documentos, estelionato e agiotagem. A investigação que resultou na operação “Rádio Pirata” começou após o dono de uma rádio da cidade descobrir e denunciar, em setembro de 2017, a transferência dela para o nome dos dois investigados. Foram cumpridos dois mandados de prisão contra dois homens, um de 42 anos, que foi encaminhado ao presídio de Araxá, e outro 39, que foi ouvido e liberado, pois colaborou com as investigações e tinha um alvará judicial. A Polícia Civil informou que as investigações apontavam que o os envolvidos falsificaram contratos sociais da emissora de rádio. Foi constatado durante as investigações que quase todas as assinaturas que estavam nos contratos da transferência da rádio eram falsas. As únicas assinaturas verdadeiras, segundo a perícia, eram dos autores. Eles falsificaram, inclusive, assinaturas de uma pessoa que faleceu e de um advogado. Durante a operação, os policiais civis constataram também que um dos detidos, de 42 anos, praticava o crime de agiotagem. Durante a ação, uma pessoa de identidade não divulgada, foi flagrada pagando uma dívida em dinheiro referente a um empréstimo com juros de 10% ao mês. Foram apreendidos cerca de R$13 mil em dinheiro, computadores, uma caminhonete e vários documentos com indícios de falsificação.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Presos 12 suspeitos de integrar grupo que falsificava documentos de veículos em GO

Sem Comentários

19/09/2017

Uma operação da Polícia Civil prendeu 12 suspeitos de integrar um grupo que falsificava documentos para dar uma aparência de legalidade a veículos irregulares, em Goiás. Denominada “Fictus”, a operação também apreendeu R$ 86 mil em espécie e vários cheques na casa de um dos detidos, no Setor Jaó. A corporação apura se servidores do Departamento Estadual de Trânsito de Goiás (Detran-GO) têm participação no esquema. O grupo, formado por empresários e despachantes, também é investigado por agiotagem. Além dos mandados de prisão, outras três pessoas foram conduzidas coercitivamente (quando ela é obrigada a depor). Outros 19 mandados de busca e apreensão também foram cumpridos. Fora a quantia em dinheiro, também foram recolhidos documentos falsos, uma arma e computadores. “Eles agiam falsificando documentos para dar aparência de legal a veículos adulterados ou financiados, com medidas administrativas impostas pelo Detran, inclusive havia especialista em apagar o DUT [Documento Único de Transferência] para fazer a transferência com maior facilidade”, disse o delegado responsável pelo caso. Os suspeitos foram detidos em Goiânia, Abadia de Goiás, Palmeiras de Goiás, Goianira, Barro Alto e Itumbiara.

R$ 2,5 mil por serviço

A investigação começou há cerca de um ano, após a prisão de outras pessoas que denunciaram o esquema. Segundo o delegado, cada alteração de documento podia custar até R$ 2,5 mil. Ele explicou que ainda não foi possível mensurar a quantidade de veículos alterados nem quanto os envolvidos lucraram com o esquema e a agiotagem. “Eles atuam de forma sistemática e um colabora com o outro. Grande parte dos investigados são suspeitos de agiotagem, o que com certeza dava mais rentabilidade ao grupo”, explicou. As investigações continuam com o objetivo de identificar os servidores públicos suspeitos de participar do esquema. “Muitos dos investigados eram solicitados por clientes para tirar a restrição de sinistro do veículo. Os suspeitos afirmavam que conheciam pessoas de dentro do Detran que cobram uma certa quantia para proceder a atividade”, afirmou o delegado.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Homem é preso por crime contra economia no bairro Biquinha, em Valença, RJ

Sem Comentários

06/09/2017

Na terça-feira (05), em Valença, no Sul do Rio de Janeiro, um homem, de 28 anos, foi preso em flagrante por praticar crime de usura, que é a cobrança de juros acima do valor permitido por lei. De acordo com a Polícia Militar, a ação aconteceu na Rua Maria Luiza, no bairro Biquinha, após denúncias anônimas de crime contra economia popular. Conforme a Polícia Civil, a casa do suspeito funcionava como um escritório de agiotagem. Duas pessoas foram abordadas pelos agentes indo buscar dinheiro no local. Foram apreendidos 131 envelopes bancários com documentações e recibos, 67 cartões bancários, cinco folhas de cheques preenchidas, dois talões de notas promissórias, três carteiras de trabalho, quatro chaves de veículos, seis chaves de residência, R$ 3.742, 46, envelopes pardos com documentação, seis cadernos com anotações diversas, computadores, uma calculadora, três celulares, uma máquina de cartão, uma CRLV e uma aliança dourada. A polícia informou ainda que o suspeito ficava com o cartão e a senha das vítimas e sacava o dinheiro. Um inquérito foi instaurado para apurar o crime contra outras 60 pessoas. O material e o suspeito foram levados para a 91ª Delegacia de Polícia (Valença).

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

R$ 1,2 milhão são apreendidos com casal suspeito de agiotagem e estelionato em João Pessoa

Sem Comentários

17/08/2017

Nesta quinta-feira (17), através de uma investigação, a Polícia Civil da Paraíba encontrou um depósito com cheques, documentos, placas de carro e dinheiro. Segundo os agentes, foram encontrados R$ 1,2 milhão em 250 cheques e notas promissórias e R$ 50 mil em espécie, além de cerca de 500 dólares. O material apreendido pertence a um casal suspeito de agiotagem, lavagem de dinheiro, associação criminosa e estelionato presos na terça-feira (15). Cerca de R$ 800 mil estavam em cheques e R$ 400 mil em notas promissórias; esses materiais e outros documentos estão em poder da Justiça e vão passar por perícia nos próximos dias. A Polícia Civil solicita que as pessoas que suspeitam de terem sido vítimas do casal, procurem a delegacia. O casal já passou por audiência de custódia e foi estabelecida uma fiança de R$ 43 mil por pessoa, além de um aumento de R$ 49 mil anunciado na tarde desta quinta-feira (17), por conta do material e do dinheiro apreendido.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Lutador suspeito de tentar extorquir R$ 60 mil de família é preso no Rio

Sem Comentários

13/01/2017

Nesta quinta-feira (12), um homem, acusado de tentar extorquir R$ 60 mil de uma família, foi preso por Policiais da Delegacia do Campinho. F.J.Andrade, de 39 anos, foi preso na Taquara, na Zona Oeste do Rio, quando se preparava para ir à casa da vítima. Alguns dias antes, pelo telefone, o lutador de artes marciais já tinha cobrado R$ 70 mil de uma suposta dívida. A vítima gravou as ameaças. “Não vai falar comigo? Não tem problema não, bonitão! Tem problema não, vou começar a ir nesses endereços que eu tenho aqui. Eu quero meu dinheiro!”, disse o suspeito. A polícia investiga se a vítima tinha dívidas com um casal, que teria pego dinheiro emprestado com o suspeito e não conseguiu pagar. Para não ficar no prejuízo, o suspeito teria, então, resolvido cobrar o dinheiro da vítima. Ele foi autuado em flagrante por extorsão. Ele já tinha duas passagens pela polícia, por estelionato e lesão corporal. “Nos próximos dias da investigação iremos chamar esse casal que devia dinheiro a esse suposto agiota pra gente esclarecer se eles também são vítimas ou se eles participaram desse crime de extorsão”, explicou o delegado responsável.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Suspeito de estelionato é detido com 28 cartões do Bolsa Família em PE

Sem Comentários

11/05/2016

Na terça-feira (10), em Arcoverde, no Sertão de Pernambuco, um homem de 25 anos foi detido suspeito de estelionato e agiotagem. Segundo a Polícia Militar, na casa dele foram apreendidos 28 cartões do Bolsa Família, quatro cartões cidadão de uma agência bancária, oito carteiras de identidade, um cartão de inscrição do CPF, um certificado de alistamento militar e uma Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS). Todo o material apreendido era falso. Com o suspeito também foram encontrados um número não informado de cartões bancários, todos acompanhados com a senha para saque, e R$ 592 em espécie, conforme informou a polícia. Tanto o suspeito quanto os documentos foram encaminhados à Delegacia do município. No local, o homem assinou o Termo Circunstancial de Ocorrência (TCO) e foi liberado.

Polícia faz operação para prender 22 suspeitos de fraude na Baixada Fluminense

Sem Comentários

02/09/2014

Nesta terça-feira (02) o Ministério Público e a Polícia Civil fazem uma operação para prender 22 suspeitos de fraude na Baixada Fluminense. A ação no município de Mesquita visa a cumprir os mandados de prisão temporária para desarticular quadrilhas especializadas em fraude bancária, estelionato e agiotagem. Até o momento, 11 pessoas foram detidas. Segundo as investigações da Delegacia de Mesquita (52ª DP), as quadrilhas tinham vários esquemas fraudulentos. Uma das modalidades criminosas usadas é o saque em agências bancárias por meio de roubo de cartões e senhas de correntistas. Os grupos usavam o dinheiro obtido nos golpes para comprar joias, veículos, jet skis, além de alugar casas e fazer festas. Conforme as investigações, os envolvidos expunham os ganhos no Facebook, num grupo chamado A Firma é Forte.

Anterior