Servidora pública é afastada por suspeita de ficar com valores de taxas de emissão de RG em Lauro Müller

Sem Comentários

20/06/2019

Uma servidora pública de Lauro Müller, no Sul catarinense, foi afastada da prefeitura por suspeita de ficar com o dinheiro da emissão de taxas de serviço de carteiras de identidade. A medida foi tomada após a Operação Minos, deflagrada pela Polícia Civil na quarta-feira (19). Segundo a Polícia Civil, a mulher tem 42 anos e estava cedida para a função de emissão de documentos, já que na cidade não há Instituto Geral de Perícias (IGP). Ela trabalhava no cargo desde março de 2019. Entre as fraudes suspeitas, moradores assinavam uma declaração de hipossuficiência para não pagar a emissão do documento de Registro Geral (RG), sem saber o teor do documento assinado. Com isso, ela cobrava as taxas de serviço e se apropriava do valor. Ela também é suspeita de usar boletins de ocorrência de perda de documento de maiores de 60 anos, para gerar a isenção de taxa no Sistema Integrado de Segurança Pública. Mesmo assim, cobrava das pessoas o valor do serviço. Conforme o delegado responsável, a servidora segue afastada nesta quinta-feira (20), proibida de frequentar a administração municipal e de entrar em contato com as pessoas que fizeram identidade com servidora. O nome dela não foi divulgado. A Polícia Civil enquadrou a mulher em peculato e inserção de dados falsos em sistema público. Foi cumprido mandado de busca e apreensão na casa dela.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Notícias relacionadas:

Mulher é presa por cometer irregularidades na emissão de identidades em Lauro Müller

Funcionária pública é suspeita de produzir certificados escolares falsos em Lauro Müller, na Serra Catarinense

Comentários

*