Preso assumiu informalmente fraude no INSS do Rio, diz delegado

Sem Comentários

20/01/2016

O homem de 53 anos que foi preso nesta sexta-feira (20) no Subúrbio do Rio, acusado de peculato e formação de quadrilha em um esquema de fraude que teria desviado R$ 2,6 milhões no INSS, era foragido da Justiça Federal Federal por peculato e formação de quadrilha. A informação é do delegado titular da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF). As fraudes aconteceram em 1996, segundo o INSS. Segundo ele, M.E.G.G. teria, informalmente, assumido a participação no esquema, que ainda teria suspeitos de envolvimento foragidos. De acordo como INSS, as fraudes ocorreram em 1996 mas como ele estava foragido, só agora foi encontrado e preso. O advogado do suspeito nega que seu cliente estivesse foragido, que tenha confessado o crime e alega que ele é inocente. “Em nenhum momento ele alegou que era participante do esquema. O delegado pode estar supondo alguma coisa, ele não disse isso. Não tem nenhuma prova, não assinou nada, declaração alguma”, disse. O processo, iniciado cerca de 20 anos atrás, corre em segredo de Justiça. “Ele mora no Morro Santa Marta há 40 anos e é mecânico. Como ele pode ser dono de esse valor inteiro se ele mora na favela e é mecânico”, questiona o advogado. Os policiais encontraram o suspeito na oficina mecânica dele em Botafogo, Zona Sul. Se condenado, o homem pode pegar até 13 anos de prisão. Segundo o delegado, o suspeito era chefe no posto do Quitungo do INSS, fechado há dez anos, e sabia que o pagamento do benefício era indevido, ganhando entre R$ 3 mil e R$ 5 mil por golpe. “No posto, por exemplo, chegava um cara dizendo que era procurador de uma pessoa morta, e eles davam o benefício. Só que esse “procurador” não era nada da pessoa”, explicou o delegado.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Comentários

*