Por que o Brasil é um dos líderes mundiais da fraude online?

Sem Comentários

23/02/2018

O Brasil é um dos países com o maior índice de fraudes na internet no mundo. Estudos revelam que 18% da população nacional já sofreu roubo de informações pessoais em apenas um trimestre de 2017; rankings apontam o nosso país como o mais vulnerável para vazamento de dados e que o prejuízo com golpes virtuais no último ano foi de quase R$ 70 bilhões. O México rivaliza com o Brasil nessa questão de tentativas de fraude no e-commerce, em compras com cartões clonados que posteriormente se transformam em chargeback (cancelamento de compra online) para o lojista. Mas por que Brasil e México? E não Estados Unidos ou Rússia? O principal fator é justamente que são dois países que têm uma economia forte, as duas maiores da América Latina, e também uma disparidade social muito grande. Essas diferenças fazem com que as pessoas busquem fontes de renda mais inusitadas. A criminalidade no Brasil e no México não é alta só no ambiente virtual, mas a diversificação do crime também vai cair no ambiente online. Além disso, outro ponto crucial para termos os e-commerces dos dois países liderando os rankings mundiais de fraude, é justamente a evolução do sistema de pagamentos em ambos. Neles, os cartões de crédito são emitidos obrigatoriamente com o chip EMV, o que reduz de maneira massiva a incidência de clonagem “física” de cartão, uma vez que é o chip quem realiza a transmissão de informações entre cartão, maquininha e banco, mediante senha e com um código único de transação. Antigamente, a tarja magnética oferecia uma proteção muito falha aos plásticos e “facilitava” consideravelmente a vida de estelionatários. Diante da dificuldade em clonar fisicamente cartões chipados, a fraude de cartão nestes dois países migrou para o cenário on-line, onde não é necessário o uso de senha pessoal para a validação de uma transação – apenas número do cartão, CVV e data de validade. Ou seja: foi justamente a modernização da cadeia de pagamentos por cartão que “empurrou” os fraudadores para o e-commerce.

Nos Estados Unidos, pasmem, o chip EMV ainda é uma tecnologia inicial e que causa muita divergência naquele mercado. Até outubro de 2015, por exemplo, as lojas não tinham a obrigatoriedade de aceitar cartões chipados. Isso abria uma margem muito grande para criminosos, que realizavam compras presenciais com cartões clonados e já saíam do estabelecimento com a mercadoria em mãos – nem tinham que esperar pelo frete! Aos poucos, porém, estamos vendo esta movimentação no cenário de pagamentos nos Estados Unidos. A fraude online vem aumentando muito por lá ano após ano, e provavelmente a nação norte-americana, com um e-commerce gigantesco em comparação aos mercados de Brasil e México, tomará o posto de país líder em golpes no comércio eletrônico.

A fraude faz parte do dia a dia de quem vende online. Assim que você tiver o risco do negócio assimilado fica muito mais fácil lidar com ele: você deixará de lutar contra o desconhecido e poderá combater este problema de uma maneira muito mais precisa. Já sabemos que sonhar com a “fraude zero” é uma armadilha para o lojista, que pode acabar abrindo mão de uma parcela grande de vendas boas pelo simples medo de não sofrer um ou outro chargeback. Mas, quem vence o jogo contra a fraude não é quem tem a taxa de fraude igual a zero, mas quem consegue realizar o máximo de vendas diante do menor risco possível. Sim: o e-commerce brasileiro está inserido em um cenário muito problemático, e o índice de tentativas de fraude de cartão é altíssimo, de 3,03%. Porém, só em 2017, as vendas online geraram um faturamento de quase R$ 60 bilhões, com 203 milhões de pedidos – dos quais mais de 70% foram pagos no cartão de crédito. Lojista, não deixe que o medo da fraude o paralise. Há diversas tecnologias antifraude no mercado, que farão de tudo para manter a saúde financeira do seu e-commerce!

Ler a notícia na íntegra

Fonte: E-Commerce News

Fique ligado. Dicas do BrSafe para evitar essa modalidade de fraude.

Comentários

*