O que é skimming? Golpe em caixa eletrônico rouba dados do cartão

Sem Comentários

24/12/2018

Skimming (ou chupa-cabra) é um tipo de golpe em que criminosos instalam dispositivos em caixas eletrônicos para clonar cartões e assim ganhar acesso às contas bancárias das vítimas. Cada vez mais sofisticados, esses aparelhos podem interceptar os dados magnéticos do cartão e enviá-los via conexão sem fio de forma criptografada ao criminoso. Números de 2017 divulgados em um relatório da União Europeia mostram que os chupa-cabras foram usados em caixas eletrônicos de 54 países. Estados Unidos, Indonésia e Índia lideraram o ranking de ocorrências. A seguir, entenda como o golpe funciona.

Como funciona

O ataque tem dois movimentos: o primeiro é copiar os dados do cartão assim que ele é inserido na máquina e o segundo é descobrir a senha do cliente do banco. Para dar conta da etapa inicial, os criminosos usam um hardware específico, que pode ser posicionado por cima da entrada real de cartão do caixa eletrônico, ou um leitor mais discreto, colocado no interior do slot, bem mais difícil de detectar. Quando a pessoa insere o cartão em um desses equipamentos, eles copiam os dados da vítima sem interferir no funcionamento do caixa eletrônico. Por isso, é tão difícil perceber que há algo errado. A segunda etapa do golpe depende de que o criminoso descubra a senha do usuário para acessar a sua conta, já que só os dados do cartão não permitem essa ação. Para isso, existem dois métodos: uma pequena câmera escondida acima do teclado ou tela do caixa ou um teclado falso sobre as teclas reais. No primeiro caso, a câmera pode ser descoberta por quem estiver mais atento. Já no segundo, a engenhosidade dos criminosos surpreende: um teclado falso registra os números que o cliente do banco toca na hora de digitar a senha. Como ele fica por cima do teclado verdadeiro, o caixa eletrônico continua funcionando normalmente quando a vítima aperta as teclas. Essas informações – dados do cartão e senhas – podem ser armazenadas localmente, o que aumenta os riscos, já que o responsável pelo ataque terá de ir pessoalmente buscá-las. Outra possibilidade é transmiti-las via redes sem fio, sejam elas de telefonia celular ou Bluetooth. Com os dados coletados do cartão e senha, um criminoso poderá ter acesso à sua conta bancária, realizar pagamentos e fazer saques. Acessa a notícia na íntegra para saber como se prevenir.

Comentários

*